link para a página principal do portal
Tamanho da Letra   menor ou maior
formulário de busca

O projeto de criação de uma Escola de Governo em Saúde na ENSP foi iniciado no ano de 1996, tendo sido concebido, originalmente, como "um conjunto de iniciativas que colaborassem para a consolidação do Sistema Único de Saúde, com mais eficácia, eficiência, equidade e efetividade, aportando projetos inovadores relacionados ao seu aperfeiçoamento." A partir desses princípios básicos, o ensino, a pesquisa e a cooperação com o Sistema de Saúde reuniram-se numa nova concepção, voltada a fortalecer o papel da ENSP como uma instituição-chave na formação de quadros qualificados para o setor saúde e no apoio ao desenvolvimento de sistemas e serviços de saúde no país. Ou seja, seu papel enquanto uma Escola de Governo. | saiba mais |

Notícias

A conjuntura atual do SUS: para onde vamos?

De 4 a 8 de maio, a Escola Nacional de Saúde Pública, por meio do curso de Residência Multiprofissional em Saúde da Família, promoveu a décima edição do Ciclo de Debates - Conversando sobre a Estratégia de Saúde da Família. Ao longo de uma semana o evento contou com diversos palestrantes que discutiram a abertura do capital estrangeiro para a saúde, o papel das residências na formação para o SUS, o lugar da educação nas periferias e favelas, o papel dos movimentos sociais na formação para cidadania; além dos avanços e desafios da Política de Atenção Básica. No primeiro dia de atividades, o diretor da ENSP, Hermano Castro, e a vice-diretora de Pós-graduação, Tatiana Wargas, participaram da cerimônia de abertura e destacaram a importância do papel formador da Residência. Segundo eles, são muitos os desafios do SUS e novas discussões no campo são necessárias para que os desafios sejam efetivamente enfrentados. Na ocasião, o diretor ressaltou ainda que o debate político é fundamental para discutir os rumos da saúde no Brasil.

Centro de Estudos Miguel Murat debate fatores associados ao absenteísmo

Absenteísmo é a ausência do funcionário no ambiente de trabalho, sejam por atrasos ou faltas constantes, muitas vezes associadas a problemas de saúde. É com este foco que a ENSP promove a quarta atividade de 2015 do Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos. Para abordar o tema Fatores associados ao absenteísmo e possíveis intervenções foram convidadas a professora da Faculdade de Saúde Pública da USP Frida Marina Fischer e a coordenadora do Laboratório de Educação em Ambiente e Saúde do IOC/Fiocruz, Lúcia Rotenberg. O Ceensp está marcado para o dia 13 de maio, a partir das 14 horas, no salão internacional da Escola e é aberto a todos os interessados.

Oficina aborda estrutura de governança do curso de Auditorias e Ouvidorias do SUS

A Rede de Escolas e Centros Formadores em Saúde Pública/Coletiva realizou uma oficina de trabalho nos dias 28 e 29 de abril que reuniu coordenadoras estaduais e secretárias executivas do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo. Esses Estados desenvolverão, nos meses de junho e agosto, a segunda oferta do Curso Nacional de Qualificação de Auditorias e Ouvidorias do SUS. A atividade ocorreu na Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) e teve como objetivo apresentar a estrutura de governança do Curso e esclarecer dúvidas acerca do seu funcionamento, bem como as rotinas administrativas e de gerenciamento das atividades que se desenvolverão de forma descentralizada.

Ceensp debate acesso a medicamentos para doenças raras

Números, equações, fórmulas: basta olhar um prédio bem construído, uma ponte, uma ferrovia, para nos darmos conta da inegável contribuição da matemática em nosso dia a dia. Mas ainda que ela dê conta de boa parte das atividades humanas, a vida se espalha por pontos cegos, buracos negros, regiões fronteiriças em que a lógica tradicional não penetra. Um desses casos é o tratamento medicamentoso para pacientes com doenças raras. Pelo fato delas atingirem, como o próprio nome sugere, um número pequeno de pessoas, os cálculos para que o fornecimento remédios seja incluído no Sistema Único de Saúde não podem seguir os mesmos modelos de outras doenças. Possíveis soluções, avanços legais e científicos, entre outras variáveis desse tema complexo, foram discutidos durante o segundo Ceensp de 2015, no dia 25 de março, que teve por título Medicamentos para doenças raras: eficiência econômica versus equidade social.

 
Domingo, 24 de Maio de 2015

ENSP NA WEB

facebook twitter Instagram youtube

Este portal é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento,
que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.


Creative Commons License

O conteúdo deste portal pode ser utilizado para todos os fins não comerciais, respeitados e reservados os direitos morais dos autores.