link para a página principal do portal
Tamanho da Letra   menor ou maior
formulário de busca

A ENSP desenvolve, como marco estratégico de uma Escola de Governo, diversas atividades no âmbito da cooperação internacional, ações essas alinhadas às políticas de relações internacionais do Ministério da Saúde, em particular no que diz respeito ao protagonismo das ações de cooperação Sul-Sul. Toma como conceito-chave a construção de uma Cooperação Estruturante em Saúde, modelo esse centrado no apoio ao fortalecimento dos sistemas de saúde dos países parceiros, no sentido de gerar capacidades locais capazes de responder às mudanças na atenção e na promoção da saúde nessas nações em processo de desenvolvimento.

Nesse sentido, a ENSP vem ampliando esforços para a construção de uma política institucional internacional, fortalecendo sua atuação junto a instituições, organismos e governos de países da América Latina, Caribe e África, sem desconsiderar a importância de parcerias historicamente construídas com países mais desenvolvidos. Através da formulação de diversos cursos e programas de formação para quadros estratégicos do setor saúde de países parceiros, do apoio ao desenvolvimento e aprimoramento de sistemas e modelos de atenção em saúde e do desenvolvimento conjunto de projetos estratégicos de pesquisa, a ENSP busca contribuir para a consolidação do papel da Fiocruz e do Brasil no cenário da Saúde Pública de âmbito internacional.

| saiba mais |

Notícias

Pesquisador da ENSP integra Grupo de Trabalho Global sobre Literacia em Saúde

Durante o 22º Congresso Mundial Sobre Promoção da Saúde e Educação, realizado de 22 a 26 mês de maio em Curitiba/PR, o pesquisador da ENSP Frederico Peres foi convidado e passou a integrar o Grupo de Trabalho Mundial (Global Working Group) da IUHPE (União Internacional de Promoção da Saúde e Educação) sobre Literacia em Saúde. O principal objetivo desse Grupo de Trabalho, criado há seis anos durante a 20º Congresso da IUHPE, é desenvolver e apoiar ações, políticas e pesquisas sobre literacia em saúde, reconhecendo a contribuição de literacia em saúde para a redução de disparidades na promoção da saúde e no bem-estar social, tendo como foco a busca da equidade dentro e entre os países, num contexto global. Constitui-se, ainda, como grupo assessor da Organização Mundial da Saúde sobre questões relacionadas à literacia em saúde e sua relação com a implementação dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).

ENSP auxiliará El Salvador no desenvolvimento da Escola de Governo em Saúde

Com o objetivo de apoiar o desenvolvimento institucional da Escola de Governo em Saúde do Instituto Nacional de Saúde de El Salvador, a ENSP recebeu a visita, neste mês de maio, de uma delegação do referido instituto. Trata-se de uma atividade de cooperação internacional com a instituição, cuja missão é tornar-se referência em pesquisa e desenvolvimento de recursos humanos em saúde para El Salvador. O vice-diretor da Escola de Governo em Saúde da ENSP, Frederico Peres, ressaltou a honra da Escola em participar dessa parceria, não apenas por já existir a tradicional colaboração com o país, mas, segundo ele, especialmente porque esse acordo segue a linha do programa de ação da Escola de Governo em Saúde, que visa fundamentar e fortalecer as capacidades formativas em saúde pública de toda a região latino-americana, para apoiar e consolidar os programas, serviços e sistemas de saúde.

Centro de Estudos debate as ações de vigilância do campo da saúde durante os jogos olímpicos

Uma série de ações em saúde e vigilância sanitária já estão sendo implementadas na cidade do Rio de Janeiro visando os jogos olímpicos, que ocorrerão no mês de agosto. Todo o planejamento é realizado em conjunto com o estado e município do Rio de Janeiro, integrando atendimento e vigilância epidemiológica. O Brasil vai receber visitantes de todas as partes do mundo e cada um traz em sua bagagem também seus vírus e bactérias. Mas será que estamos preparados para fazer esse controle? Nossa Vigilância Sanitária já tomou medidas efetivamente preventivas? O que pode acontecer? Para debater essas e outras questões, o Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos retorna para mais um encontro, no dia 27 de abril, com o tema A atuação das vigilâncias do campo da saúde nas Olimpíadas de 2016. Marcado para 13h30, no salão internacional da Escola, o Ceensp conta com as participações de Cláudio Henriques (Devit/SVS), Arnaldo Lassance (ENSP/Fiocruz) e Rodolfo Nunes (Anvisa). Na ocasião, ocorrerá o lançamento do jogo educativo Vigilância Sanitária nos Eventos de Massa.

Zika congênita: doença já é uma epidemia, mas ainda precisa ser desvendada

?Sem novo aporte tecnológico, não há como controlar o vetor em curto prazo, ou seja, continuaremos a sofrer com epidemias no Brasil?, disse o pesquisador da Fiocruz Mato Grosso do Sul Rivaldo Venâncio da Cunha sobre o agravamento da incidência de zika congênita no país. Ele adverte, ainda, que a maioria dos problemas está fora da governabilidade do setor saúde. O debate com Rivaldo, a médica do Instituto Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz) Sheila Moura Pone e a pesquisadora do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) Patricia Carvalho de Sequeira ocorreu durante o Centro de Estudos Miguel Murat Vasconcelos da ENSP intitulado O estado da arte sobre a epidemia do zika vírus: o que sabemos e ainda precisamos saber, realizado na Escola. 

 
Terça, 28 de Junho de 2016

ENSP NA WEB

facebook twitter Instagram youtube Soundcloud

BAIXE O APP DA ENSP

Google Play Store Apple App Store

Este portal é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento,
que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.


Creative Commons License

O conteúdo deste portal pode ser utilizado para todos os fins não comerciais, respeitados e reservados os direitos morais dos autores.