1. Entrevista: Pesquisador da ENSP/Fiocruz fala sobre vacina fracionada de febre amarela

    Luiz Antonio Bastos Camacho, pesquisador do Departamento de Epidemiologia e Métodos Quantitativos da Escola Nacional de Saúde Púbica Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) fala em entrevista especial ao 'Informe ENSP' sobre o fracionamento da vacina de febre amarela e duração da proteção, além da transmissão urbana da doença, do volume de doses disponíveis e do treinamento realizado na Escola com profissionais de saúde que atuam na campanha de vacinação Informação para todos, vacina para quem precisa, promovida pelo Ministério da Saúde  em 2018.

  2. Gestor da OMS reconhece importância do Brasil no monitoramento das estratégias da indústria do tabaco

    Tibor Szilagyi, líder da equipe de relatórios e gestão do conhecimento do Secretariado da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco (Framework Convention on Tobacco Control - WHO FCTC), concedeu entrevista ao boletim do Observatório sobre as Estratégias da Indústria do Tabaco e destacou a importância da criação desse tipo de plataforma a nível mundial. Ele também disse ser fundamental monitorar os passos da indústria.
     

  3. 'Banimento do amianto é uma vitória da sociedade brasileira'

    Hermano Castro, diretor da ENSP, comentou a decisão do Supremo Tribunal Federal, nesta quarta-feira, 29 de novembro, que coloca um ponto final na luta pelo banimento do amianto em território nacional. Hermano, que dedicou boa parte de suas pesquisas em Saúde do Trabalhador e Ambiente a estudar os efeitos nocivos do amianto, acredita que o caminho agora é a elaboração de um projeto de vigilância em saúde do trabalhador, tanto para se observar a possibilidade de surgimento de doenças, uma vez que o câncer demora muitos anos para se desenvolver, como para a elaboração de um plano para a substituição de caixas d`água e telhas de amianto. 

  4. Entrevista: Projeto busca preservar a Memória da Saúde Pública do Brasil

    Há 63 anos, a Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) realiza pesquisas na área de saúde pública, abre caminhos para inovação e produz grande volume de conhecimentos. Entretanto, com o passar do tempo, alguns documentos de pesquisa e da história da saúde pública podem se degradar, desaparecer ou até mesmo caírem no esquecimento, o que gera prejuízos imensuráveis para a memória da instituição e da saúde brasileira. Ciente dessa situação, a Escola, em parceria com a Casa de Oswaldo Cruz (COC), criou o projeto Memórias ENSP. A iniciativa se contrapõe a esse processo negativo e promove esforços para identificar, preservar e divulgar documentos resultantes das pesquisas realizadas nos centros e departamentos da instituição.

  5. 'Pacientes agravam a sua doença por falta de assistência adequada', afirma especialista na tuberculose multirresistente

    Jorge Luiz da Rocha, chefe do ambulatório do Centro de Referência Professor Hélio Fraga da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz), afirma que o sucateamento das unidades de saúde especializadas no tratamento da tuberculose, além de prejudicar os pacientes mais críticos, faz com que muitos deles tenham de recorrer a emergências comuns, sem condições de biossegurança para o atendimento.