1. Pesquisadores da ENSP comentam cobertura vacinal da febre amarela

    Os pesquisadores Eduardo Maranhão e José Fernando Verani, da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz), destacaram, em depoimento ao Informe ENSP, a importância da cobertura vacinal para evitar a transmissão da febre amarela. Os especialistas comentaram a matéria publicada no jornal O Globo, dia 10/3, com o diretor do Instituto Evandro Chagas, Pedro Fernando da Costa Vasconcelos, na qual ele afirma que o surto atual poderia ter sido evitado com a imunização de crianças de até um ano. Confira. 

  2. Opas/OMS atualiza alerta epidemiológico sobre febre amarela no Brasil e Bolívia

    A Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) divulgou na sexta-feira (17/2) uma atualização de alerta epidemiológico sobre a febre amarela nas Américas. Neste ano, Colômbia, Bolívia, Peru e Brasil têm notificado casos da doença. O Ministério da Saúde da Bolívia notificou um caso de febre amarela com resultado positivo para IgM pela técnica ELISA. O paciente - turista do sexo masculino, 28 anos e não vacinado - chegou ao país em 8 de janeiro de 2017 e em 9 de janeiro seguiu para o município de Caranavi, onde provavelmente adquiriu a infecção. Em 28 de janeiro ele foi tratado em um hospital local e mais tarde transferido para cuidados particulares no Chile, recebendo alta em 13 de fevereiro. Durante o período provável de infecção, o caso permaneceu na Bolívia. A doença é endêmica no país, mas desde de 2013 foram notificados apenas casos isolados.

  3. Febre Amarela: especial da Agência Fiocruz de Notícias

    O aumento do número de casos de febre amarela em 2017 despertou a atenção das autoridades em Saúde do país. Combatida por Oswaldo Cruz no início do século 20 e erradicada dos grandes centros urbanos desde 1942, a doença voltou a assustar os brasileiros, com a proliferação de casos de febre amarela silvestre neste verão. Na última segunda-feira (30/1), o Ministério da Saúde confirmou 568 casos suspeitos, registrados em Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia e São Paulo. Do total, 430 casos permanecem em investigação, 107 foram confirmados e 31 descartados. Das 113 mortes notificadas, 46 foram confirmadas, 64 permanecem em investigação e 3 foram descartadas. Confira, na seção criada pela Agência Fiocruz de Notícias, os dados atualizados da doença, as entrevistas, os eventos promovidos pela Ficoruz e as orientações sobre prevenção e imunização. 

  4. 'Febre amarela preocupa, mas ainda não é o momento de pensar no pior'

    Na opinião do pesquisador Paulo Chagastelles Sabroza, da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, o quadro é preocupante quando o assunto é febre amarela (FA), mas o cenário poderá ser muito pior se "ocorrer a urbanização da febre amarela e a epizootia dos macacos se alastrar pelas matas de galeria dos estados de São Paulo ou Espírito Santo e chegar às matas de litoral dos estados da Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo, onde vivem milhões de pessoas, e grandes grupos populacionais de macacos". Ainda assim, ele afirma que ainda não é o momento de pensar nesse "cenário caótico".

  5. Ministério da Saúde tira dúvidas sobre a Febre Amarela

    Os casos de febre amarela em Minas Gerais despertaram na população uma série de dúvidas sobre a doença. O Sistema Único de Saúde oferta uma vacina contra a Febre Amarela altamente segura e eficaz e é essa a melhor forma de prevenção. Para saber se você precisa tomar a vacina ou não, confira as orientações dadas pelo Ministério da Saúde, nos últimos dias, nas redes sociais. Preciso tomar a vacina? Gestantes podem ser vacinadas? E idosos? Crianças devem receber a vacina a partir de que idade? Acesse: