Portal ENSP - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca Portal FIOCRUZ - Fundação Oswaldo Cruz

DEMQS - Departamento de Epidemiologia e Métodos Quantitativos em Saúde

Rio, 25/02/2020

Linhas de Pesquisa

Linhas e Grupos de pesquisa ENSP ano 2013 atualizados

Abaixo veja as linhas de pesquisas do departamento

A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO EPIDEMIOLÓGICO E SUA APLICAÇÃO ÀS PRÁTICAS DE SAÚDE

Esta linha de pesquisa realiza abordagens e investigações interdisciplinares sobre os problemas que emergem na construção e aplicação do conhecimento epidemiológico. O conhecimento epidemiológico é essencial na configuração das práticas de saúde, tanto no sentido estrito da avaliação de hipóteses etiológicas e tecnologias médicas; como no sentido amplo da informação, comunicação, prevenção, promoção em saúde. Outro aspecto a levar em conta é o da epidemiologia operar, além dos seus próprios conceitos, também conteúdos advindos de outros campos científicos. Os propósitos desta linha são: entender as implicações sócio-culturais das pesquisas epidemiológicas; estabelecer vínculos entre a epidemiologia e estudos sociais de ciência e tecnologia; estudar, em perspectiva histórica e filosófica, a origem e transformações do conceito saúde, doença, epidemia, risco, causalidade, responsabilidade.

Projetos

AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS, SISTEMAS E PROGRAMAS DE SAÚDE

Esta linha de pesquisa envolve diferentes abordagens teóricas e metodológicas e tem como objetivo principal a produção de conhecimento que contribua para a melhora da efetividade, eficiência e qualidade de políticas, sistemas e programas de saúde. O desafio consiste em dar conta da complexidade que permeia e media as ações e intervenções no campo da saúde, assim como o alcance dos resultados. As investigações desta linha compreendem as etapas de definição e priorização de problemas, das intervenções e estratégias de abordagem escolhidas, seus determinantes, os recursos envolvidos, os resultados alcançados, esperados e não esperados, bem com a influência do contexto nos rumos de todo o processo, que inclui a formulação, implementação, monitoramento e avaliação de políticas e programas de saúde.

Projetos

AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS, SISTEMAS E PROGRAMAS DE SAÚDE

Esta linha de pesquisa envolve diferentes abordagens teóricas e metodológicas e tem como objetivo principal a produção de conhecimento que contribua para a melhora da efetividade, eficiência e qualidade de políticas, sistemas e programas de saúde. O desafio consiste em dar conta da complexidade que permeia e media as ações e intervenções no campo da saúde, assim como o alcance dos resultados. As investigações desta linha compreendem as etapas de definição e priorização de problemas, das intervenções e estratégias de abordagem escolhidas, seus determinantes, os recursos envolvidos, os resultados alcançados, esperados e não esperados, bem com a influência do contexto nos rumos de todo o processo, que inclui a formulação, implementação, monitoramento e avaliação de políticas e programas de saúde.

Projetos

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS E TECNOLOGIAS EM SAÚDE

Tendo como perspectiva subsidiar a formulação de políticas e a gestão de serviços de saúde, esta linha de pesquisa abrange estudos sobre a utilização, a qualidade e os custos dos serviços e tecnologias em saúde, bem como estudos de fatores que expliquem variações nesses aspectos. Na abordagem de qualidade, são consideradas as dimensões de eficácia, efetividade, eficiência, acesso, continuidade, segurança, eqüidade e adequação.

Projetos

DESIGUALDADES SOCIAIS, MODELOS DE DESENVOLVIMENTO E SAÚDE - PSP

A linha de pesquisa abrange estudos e pesquisas sobre (1) a epidemiologia dos determinantes sociais de saúde, na qual são investigadas a forma como relações sociais, passadas e presentes, acarretam diferentes exposições e, portanto, diferenças nos desfechos de saúde; (2) sistemas locais de saúde, com ênfase no impacto sobre a reorganização da rede, a reestruturação da oferta e as condições de acesso da população; (3) a organização dos serviços urbanos nas áreas metropolitanas latino-americanas e sistemas locais de informação; (4) a produção e reprodução das desigualdades sociais, em particular os aspectos referentes ao conceito e sua mensuração, estrutura social e reprodução social, e saúde/sobrevivência; e (5) o ambiente e a qualidade de vida, especialmente no que se refere à problemática do desenvolvimento auto-sustentado; (6) a análise das desigualdades sócio-espaciais em problemas de saúde e ambiente relacionadas aos modelos de desenvolvimento, incluindo questões relacionadas à vulnerabilidade social e à justiça ambiental.

Projetos

EPIDEMIOLOGIA DE DOENÇAS CRÔNICAS

Considerando-se o processo de transformações demográficas, sobretudo quanto ao envelhecimento, e as modificações em seu padrão de saúde decorrentes de exposições ambientais, hábitos e comportamentos vinculados ao fenômeno de urbanização crescente, esta linha de pesquisa pretende estudar os efeitos vivenciados pela população brasileira na esfera das doenças cardiovasculares, do câncer, das causas externas e de outras doenças relacionadas.

Projetos

EPIDEMIOLOGIA DE DOENÇAS CRÔNICAS - PSPMA

Considerando-se o processo de transformações demográficas, sobretudo quanto ao envelhecimento, e as modificações em seu padrão de saúde decorrentes de exposições ambientais, hábitos e comportamentos vinculados ao fenômeno de urbanização crescente, esta linha de pesquisa pretende estudar os efeitos vivenciados pela população brasileira na esfera das doenças cardiovasculares, do câncer, das causas externas e de outras doenças relacionadas.

Projetos

GESTÃO AMBIENTAL E SAÚDE

Esta linha tem como marcos conceituais políticas públicas e estratégias de controle, prevenção e promoção da saúde, relacionadas aos problemas de saúde ambiental. Agrega estudos voltados para a avaliação e gerenciamento de riscos, o mapeamento de vulnerabilidades ambientais e sociais, bem como a construção de indicadores em suas dimensões sociais, econômicas, tecnológicas, territoriais e ecológicas, dentre outras. Inclui análises das atividades produtivas, padrões de consumo e/ou passivos ambientais envolvendo riscos à saúde humana e aos ecossistemas. Adota uma perspectiva integrada e interdisciplinar, com o estímulo à participação dos diferentes atores sociais envolvidos nos problemas de saúde ambiental. Objetivando o entendimento dos processos de exposição ambiental, relacionando-os ao bem estar, à saúde e à doença, também envolve a construção de indicadores integrados de saúde e ambiente como ferramenta para a tomada de decisão, a promoção da saúde e o desenvolvimento de políticas públicas e ambientes saudáveis.

Projetos

INFORMAÇÃO E SAÚDE

Orienta-se tanto para a análise das características e entraves à melhoria da qualidade das informações em saúde, das relações de poder e produção de saber que consubstanciam a Política Nacional de Informação em Saúde e dos princípios metodológicos e tecnológicos da Gestão da Informação em Saúde; quanto para a produção de informação na formulação, implementação e avaliação de políticas e intervenções na saúde. Estuda o campo da informação em saúde, ancorando-se na teoria da informação e na noção de interdisciplinaridade e transdisciplinaridade. Provê subsídios para priorização de problemas de saúde e alocação de recursos, para análises da distribuição, acesso e uso de tecnologias e serviços de saúde. Faz uso expressivo de bases de dados secundários, incluindo a formulação de bancos de dados específicos. Incorpora conhecimentos da Epistemologia, Computação, Demografia, Epidemiologia e da Clínica, articulados ao Planejamento, Gestão e Avaliação de Sistemas e Serviços de Saúde, utilizando técnicas da Estatística e Pesquisa Operacional.

Projetos

INFORMAÇÃO E SAÚDE

Esta linha de pesquisa orienta-se para a análise das características e entraves à melhoria da qualidade das informações em saúde, das relações de poder e produção de saber que consubstanciam a Política Nacional de Informação em Saúde e dos princípios metodológicos e tecnológicos da Gestão da Informação em Saúde, assim como para a produção de informação na formulação, implementação e avaliação de políticas e intervenções na saúde. Estuda o campo da informação em saúde, ancorando-se na teoria da informação e na noção de interdisciplinaridade e transdisciplinaridade. Provê subsídios para priorização de problemas de saúde e alocação de recursos, para análises da distribuição, acesso e uso de tecnologias e serviços de saúde. Faz uso expressivo de bases de dados secundários, incluindo a formulação de bancos de dados específicos.

Projetos

MODELAGEM ESTATÍSTICA, MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL APLICADAS À SAÚDE

O principal objetivo desta linha de pesquisa é o uso de modelos quantitativos na análise de questões complexas, tais como, o efeito contextual sobre o indivíduo, seja esse o local de residência ou de assistência médica, e as múltiplas medidas e respostas individuais, visando a uma melhor compreensão dos processos relacionando saúde e doença e assistência e populações, incluindo questões demográficas e de natureza ecológica.

Projetos

PESQUISA CLÍNICA

Esta linha dedica-se a estudos de avaliação de eficácia, efetividade e segurança de intervenções em saúde, tais como imunobiológicos e outras tecnologias médicas propostas para uso clínico individual ou em programas de saúde, bem como a estudos de validação de métodos diagnósticos e instrumentos de medida em saúde em geral. Articula-se no sentido de produzir aplicações em programas e políticas de saúde através da busca, análise e síntese de evidência científica para fundamentar escolhas de intervenções seguras e eficazes.

Projetos

PROMOÇÃO DA SAÚDE

Esta linha de pesquisa constitui-se em um campo interdisciplinar de conhecimentos e práticas que aborda o processo saúde-doença e suas relações com as correspondentes políticas públicas, com o ambiente, com a atenção à saúde e com a participação social. Desenvolve-se em duas dimensões: análise do discurso e das práticas em torno da promoção da saúde; e elaboração de perspectivas próprias que se traduzam em estratégias de estudo de situações de saúde, elaboração de intervenções e construção de metodologias de avaliação.

Projetos

SAÚDE DA MULHER, DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Tem como objetivo estudar os determinantes das condições de saúde e do acesso aos serviços de saúde da população materno-infantil, bem como identificar as condições da estrutura e processos implicados no atendimento à saúde deste grupo populacional. Nesta linha, foram desenvolvidos ou estão em desenvolvimento vários projetos de investigação sobre a gestação, prematuridade, baixo peso ao nascer, morbi-mortalidade materna e perinatal, avaliação dos serviços de pré-natal e de atendimento ao parto, saúde da criança e adolescente, utilizando dados primários ou oriundos dos Sistemas Nacionais de Informação.

Projetos

SAÚDE E TRABALHO

Esta linha de pesquisa organiza-se em torno das questões conceituais e empíricas colocadas pelas demandas procedentes das diversas instâncias representativas dos trabalhadores e órgãos públicos responsáveis pela Saúde do Trabalhador. As propostas de estudo neste campo baseiam-se na conformação de redes de articulação política e institucional, nas quais o planejamento, a realização e a avaliação das ações são pautados por um processo participativo, estimulando práticas sociais e institucionais transformadoras das condições de saúde e trabalho.

Projetos

SAÚDE MENTAL

Esta linha de pesquisa abrange temas da epidemiologia, das políticas sociais, da história dos saberes e das instituições no campo da Saúde Mental. Trata, com particular interesse, de pesquisas sobre a distribuição de transtornos mentais em grupos populacionais e seus fatores de risco, assim como de desenho, análise e meta-análise de ensaios clínicos em psiquiatria. Essa área também abrange as investigações sobre tendências recentes e contemporâneas de desinstitucionalização e reforma psiquiátrica, políticas públicas em saúde mental e assistência psiquiátrica, além das técnicas e tendências do planejamento, organização e gerência de serviços e sistemas de saúde mental.

Projetos

SAÚDE MENTAL

Esta linha de pesquisa abrange temas da epidemiologia, das políticas sociais, da história dos saberes e das instituições no campo da Saúde Mental. Trata, com particular interesse, de pesquisas sobre a distribuição de transtornos mentais em grupos populacionais e seus fatores de risco, assim como de desenho, análise e meta-análise de ensaios clínicos em psiquiatria. Essa área também abrange as investigações sobre tendências recentes e contemporâneas de desinstitucionalização e reforma psiquiátrica, políticas públicas em saúde mental e assistência psiquiátrica, além das técnicas e tendências do planejamento, organização e gerência de serviços e sistemas de saúde mental.

Projetos

DEMQS - Departamento de Epidemiologia e Métodos Quantitativos em Saúde
Rua Leopoldo Bulhões, 1480, sala 830. Manguinhos - Rio de Janeiro/RJ. CEP: 21041-210
Tel.: (21) 2598-2622 - Fax: (21) 2270-6772 - E-mail: secdemqs@ensp.fiocruz.br