Pesquisadora da ENSP fala sobre projetos de formação profissional na Escola Politécnica em Saúde

Publicada em
 
 
 

A assessora da Coordenação de Desenvolvimento Educacional e Educação a Distância da ENSP, Milta Torres participou do Seminário Internacional da Escola Politécnica em Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/ENSP) e discutiu a formação de trabalhadores para um sistema de saúde público e universal. Em sua apresentação, Milta fez um resgate histórico para falar dos projetos de formação profissional na área da saúde. Confira a cobertura da EPSJV. 
 
 
Formação em massa: um pouco de História
 
Segundo Milta Torres, o ponto de partida das políticas de educação profissional em saúde foi o Programa de Formação de Pessoal de Nível Médio e Elementar em Saúde em Larga Escala, que ficou conhecido apenas como 'Larga Escala'. De 1981 a 1990, o projeto foi uma estratégia prioritária para a qualificação e valorização dos trabalhadores que atuavam como atendentes de enfermagem. Em relação aos avanços que marcaram a política, Milta ressaltou que, na época, a Pedagogia de Paulo Freire foi o maior destaque. "Estimulou a complementação da educação geral e superou, em certo grau, a visão tecnicista de ensino e mecanicista de aprendizagem", explicou. 
 
Milta destacou também o Projeto de Profissionalização dos trabalhadores da área da enfermagem (Profae), que entre 2000 e 2007, buscou profissionalizar 180 mil pessoas.  Segundo Milta, diferentemente do Larga Escala, o Profae foi compreendido como política pública e obteve financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). "Superou os limites e as deficiências estruturais do Larga Escala. Ele superou o objetivo inicial formando 207 mil", apontou.
 
Ainda no âmbito do Profae, Milta falou da experiência de formação pedagógica com o ‘Curso de Formação Pedagógica em Educação Profissional na Área da Saúde: Enfermagem’, desenvolvido pela Ensp/Fiocruz em parceria com 45 instituições de ensino em todas as regiões do país. Executado por Educação a Distância com momentos presenciais, o curso habilitou, de 2001 a 2005, mais de 13 mil enfermeiros para a função docente nos cursos de qualificação profissional do Profae.
 
Confira aqui o boletim especial com a cobertura completa do Seminário Internacional de Comemoração dos 30 anos do SUS e dez anos da revista Poli. Você também pode acessar todas as apresentações aqui.
 

Nenhum comentário para "Pesquisadora da ENSP fala sobre projetos de formação profissional na Escola Politécnica em Saúde"

Ninguém ainda comentou esta matéria. Seja o primeiro!

comente esta matéria

Utilize o formulário abaixo para se logar.