ENSP promove diagnóstico sanitário dos municípios da área de influência da Usina Hidrelétrica Itaocara

Publicada em
 
 
 

A Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz), por intermédio do Laboratório de Monitoramento Epidemiológico de Grandes Empreendimentos (LabMep), está desenvolvendo ações de vigilância em saúde nos municípios de Aperibé, Cantagalo, Itaocara, Pirapetinga e Santo Antônio de Pádua, localizados na área de influência da Usina Hidrelétrica Itaocara. A atuação baseia-se na elaboração do diagnóstico epidemiológico e entomológico das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti nos últimos dez anos (entre 2006 e 2015). A iniciativa é coordenada pelo pesquisador Luciano Toledo, que participou de um workshop com os secretários de Saúde dos cinco municípios envolvidos, e o superintendente de Vigilância Epidemiológica e Ambiental da SES/RJ, Mario Sergio Ribeiro, na quarta-feira (18/5). 
 
O diagnóstico desenvolvido pela Fiocruz apresenta dados sobre o histórico da contaminação por dengue em relação à distribuição temporal e territorial, identificação da sazonalidade, além de índices de contaminação por faixas etárias e sexo. Os pesquisadores do laboratório, que identificaram fragilidades na vigilância ambiental e discutiram com os municípios melhores estratégias para combater as doenças causadas por arbovírus, auxiliarão os técnicos locais no Levantamento de Índice Rápido para o Aedes aegypti (LIRAa). A cooperação também prevê a realização de atividades abertas à população, trazendo informações sobre as formas de prevenção e eliminação dos criadouros de larvas do mosquito
 
"Os municípios apresentaram alguma fragilidade no controle vetorial, e isso preocupa. A implantação de um empreendimento do porte da usina trará mudanças na paisagem urbana e ecológica que impactarão as características de morbidade e mortalidade da região. Dentro desse perfil, entram as doenças transmitidas pelo Aedes”, detalhou Gerusa Gibson, pesquisadora colaboradora do LabMep/ENSP e professora do Iesc/UFRJ.
 
Entender a evolução das doenças nos últimos dez anos, ainda de acordo com ela, auxiliará o planejamento de ações futuras. "A ideia desse diagnóstico foi entender a evolução e o comportamento das doenças nesses últimos dez anos. O processo de transformação do espaço e do território trazidos pelo empreendimento exige melhores estratégias para aperfeiçoar as ações de monitoramento, controle, educação e mobilização social”, afirmou Gerusa, que teve a companhia do pesquisador Alexandre San Pedro.
 
A expertise da Fiocruz
 
Superintendente de Vigilância Epidemiológica e Ambiental da SES/RJ, Mário Sergio Ribeiro destacou o trabalho de investimento e fortalecimento das ações de saúde nos municípios localizados da área de influência da UHE Itaocara, desenvolvido pela Fiocruz, sobretudo pelo fato de a localidade apresentar elevados índices de transmissão das arboviroses.
 
"Toda e qualquer ação que eleve a capacidade de resposta dos municípios deve ser exaltada. Investir em conhecimento e experiências, como a dos técnicos da Fiocruz, agrega todo esforço desenvolvido pela Secretaria Estadual de Saúde. A ENSP/Fiocruz entra num momento oportuno, uma vez que temos o incremento de mais duas arboviroses na região”, ressaltou Mário, egresso do mestrado profissional em Vigilância em Saúde na região Leste do Estado do Rio de Janeiro, da Escola.
 
O secretário municipal de Saúde de Itaocara, Ney Trindade Sayão Júnior, disse ser a bagagem da Fundação Oswaldo Cruz no controle de vetores fundamental no auxílio aos municípios. "A experiência dos pesquisadores do LabMep nessa área traz mais conforto para planejar ações e providenciar atitudes seguras. Nesse momento de surto da dengue, zika e chikungunya, é importante agilidade e  efetividade”, garantiu.


O coordenador do projeto, Luciano Toledo, fez questão de relembrar o trabalho de monitoramento realizado há vinte e oito anos nos municípios da área de influência das hidrelétricas de Sapucaia, Simplício e Itaocara, na região média do Paraíba do Sul. Naquela ocasião, os resultados do monitoramento destacavam que a construção de hidrelétricas no Vale do Rio Paraíba do Sul determinaria, indubitavelmente, mudanças no padrão de saúde das populações direta ou indiretamente envolvida com as obras. "Esse trabalho é uma retomada da abordagem que construímos lá atrás", destacou o pesquisador.
 
O workshop
 
"Sem saneamento não há solução para conter o avanço de doenças como a dengue, chikungunya e zika vírus". Essa foi a principal mensagem do professor Luciano de Toledo durante o workshop promovido na quarta-feira. O pesquisador do departamento de Endemias da ENSP acredita ser a situação de hoje, em relação às doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, o resultado de erros graves das administrações públicas do passado, que negligenciaram questões relativas ao saneamento básico, em especial nos centros urbanos. Para ele, as soluções estão em investimentos que garantam à população abastecimento de água de qualidade, tratamento de esgoto, além da destinação correta e do tratamento eficiente dos resíduos. 

O workshop teve participação dos secretários municipais de Saúde de Itaocara, Ney Trindade Júnior, de Pirapetinga, Marcos Luiz Fernando, e de Santo Antônio de Pádua, Germano Lopes Cardoso; também estiveram presentes profissionais da área de vigilância e controle de vetores.
 
A oficina foi resultado de uma parceria entre a Usina Hidrelétrica Itaocara S.A. e a Fiocruz, em apoio às ações das secretarias municipais de Saúde da área de influência do empreendimento. 


Com informações do Programa de Comunicação Social da Usina Hidrelétrica Itaocara

Fotos: 
Programa de Comunicação Social da Usina Hidrelétrica Itaocara

Nenhum comentário para "ENSP promove diagnóstico sanitário dos municípios da área de influência da Usina Hidrelétrica Itaocara"

Ninguém ainda comentou esta matéria. Seja o primeiro!

comente esta matéria

Utilize o formulário abaixo para se logar.