link para a página principal do portal
Tamanho da Letra   menor ou maior
formulário de busca
SENSIBILIZAÇÃO VIVENCIAL E SUPORTE EMOCIONAL PESQUISA-AÇÃO COM POLICIAIS CIVIS DO RIO DE JANEIRO

Departamento: não informado

Programa de pós-graduação: SAÚDE PÚBLICA

Linha: ENSINO

Grupo: CENTRO LATINO-AMERICANO DE ESTUDOS DE VIOLÊNCIA E SAÚDE JORGE CARELI (CLAVES)

Subárea de Conhecimento: 4.06.00.00-9

Descrição do projeto:
SENSIBILIZAÇÃO VIVENCIAL E SUPORTE EMOCIONAL: PESQUISA-AÇÃO COM POPLICIAIS CIVIS DO RI ODE JANEIRO SOBRE O DIREITO À SAÚDE MENTAL
Edson Ribeiro de Andrade
Edinilsa Ramos de Souza
Maria Cecília de Souza Minayo
A pesquisa visou a contribuir para a saúde mental de policiais civis do Rio de Janeiro.
Metodologia
Este estudo se filia, metodologicamente, à Pesquisa-Ação segundo a qual, determinado tipo de intervenção é acompanhado, cuidadosa e metodicamente por uma auto-avaliação (do grupo que passa pela intervenção) e pela avaliação do próprio pesquisador. Nesta investigação elaboramos, aplicamos e avaliamos uma intervenção denominada Sensibilização Vivencial cujo objetivo foi oferecer suporte emocional a policiais civis. O estudo conjugou abordagens de cunho qualitativo e também quantitativo em um desenho que relaciona características de avaliação ex-ante e do tipo ex-post.
Esta iniciativa envolveu todos os policiais civis de uma delegacia especializada do Rio de Janeiro, divididos em dois grupos: 76 no Grupo Experimental/GE e 72 no Grupo Controle/GC. Esses foram pareados em relação às seguintes variáveis: idade, tempo de serviço, sexo, escolaridade e funções (administrativas/internas versus trabalho de rua). A análise feita antes da intervenção mostrou que os grupos eram semelhantes.
O conjunto dos policiais, ao início do estudo, possuía as seguintes características: 93% eram do sexo masculino; 65% tinham 36 ou mais anos de idade; 64,2% se auto-declararam brancos; 50% possuíam curso superior completo e 4% tinham pós-graduação; a grande maioria estava casada ou tinha companheiro(a); 67,6% referiram ter filhos; 42,6% entraram na instituição há até 5 anos e 36,5% está na polícia entre 11 e 20 anos; 80,0% ocupavam o cargo de Inspetor de Polícia.
Os grupos experimental e controle eram diferentes quanto aos cargos ocupados na Polícia. No GE, na fase inicial, havia 69,7% de Inspetores de Polícia e 30,3% estavam desempenhando outras funções. No GC, os Inspetores eram 91,5% e nos demais cargos estavam 8,5% desses policiais. Na fase final da pesquisa, os grupos estavam assim constituídos: no GE 70,0% dos policiais eram inspetores e no GC 91,2% deles o eram.
A intervenção no GE foi considerada como treinamento do Programa Delegacia Legal ao qual os policiais civis precisam se submeter quando passam a trabalhar nessas delegacias. O Programa Delegacia Legal, que vem sendo implantado em todas as delegacias do Estado do Rio de Janeiro, possibilitou aos policiais civis condições mais favoráveis para o exercício das suas atividades.
A Delegacia de Polícia em que foi aplicada a sensibilização estava sendo transformada em Delegacia Legal na época do estudo, motivo pelo qual foi escolhida. Paralelamente, o Grupo de Controle foi submetido a treinamento com conteúdos técnicos de atividades policiais especificas oferecido pelo Grupo Executivo durante o mesmo período.
A pesquisa e a intervenção foram pactuadas com o Grupo Executivo em relação ao local onde seriam realizadas e aos temas. Para isto, foi imprescindível a autorização do Delegado responsável pela delegacia selecionada. Os policiais dessa unidade foram consultados previamente, através de um questionário, sobre sua anuência para participação no estudo. A grande maioria deles respondeu afirmativamente.
Intervenção para Sensibilização Vivencial
A construção da proposta de intervenção durou quatro meses. Varias reuniões foram feitas com a equipe de pesquisa e com o Grupo Executivo para a escolha dos temas a serem trabalhados nas oficinas. Também foram feitas entrevistas com informantes-chave (dois delegados e três policiais) para identificar temas de interesse do grupo. Que atividades poderiam ser realizadas com os Policiais Civis da cidade do Rio de Janeiro, visando a melhorar a sua saúde mental? A partir das respostas a essa pergunta norteadora, da experiência dos pesquisadores, dos resultados de estudos e da discussão com o Grupo Executivo foram propostos temas e definidas ações

Natureza: não informado

Ano do início do projeto: 2005

Ano do fim do projeto: 2006

Coordenador: EDINILSA RAMOS DE SOUZA

 
Sábado, 20 de Abril de 2019

ENSP NA WEB

facebook twitter Instagram youtube Soundcloud

BAIXE O APP DA ENSP

Google Play Store Apple App Store

Este portal é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento,
que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.


Creative Commons License

O conteúdo deste portal pode ser utilizado para todos os fins não comerciais, respeitados e reservados os direitos morais dos autores.