Caracterização de efluentes líquidos e lodo provenientes de ETEs de sistemas hospitalares

Departamento: DEPARTAMENTO DE SANEAMENTO E SAÚDE AMBIENTAL

Programa de pós-graduação: SAÚDE PÚBLICA

Linha: EXPOSIÇÃO A AGENTES QUÍMICOS, FÍSICOS E BIOLÓGICOS E EFEITOS ASSOCIADOS NA SAÚDE HUMANA E ANIMAL

Grupo: AMBIENTE, ECOSSISTEMAS E SUSTENTABILIDADE

Subárea de Conhecimento: controle ambiental

Descrição do projeto:
O projeto tem como objetivo estudar a eficiência de uma Estação de Tratamento de Esgoto, ETE, quanto à remoção de microrganismos patogênicos, entre eles: vírus da hepatite A, bactérias termotolerantes, bactérias da família das Enterobacteriaceae e Pseudomonas aeruginosa, presentes no esgoto e lodo de esgoto, além de verificar a resistência a antimicrobianos em Klebsiella pneumoniae, uma das principais espécies responsáveis por causar infecções hospitalares.

Para a consecução do objetivo proposto, as seguintes ações são implementadas:
Caracterização dos parâmetros físico-químicos e análise das etapas do tratamento de esgoto com a finalidade de verificar a influência do quanto à eficiência de remoção de vírus de hepatite A, Coliformes Totais e termotolerantes (E.coli). Estes microrganismos também são analisados no lodo de esgoto formado no reator para verificar a concentração remanescente neste resíduo.

Verificação da freqüência do gênero das bactérias da família das Enterobacteriaceae (Citrobacter sp, Enterobacter sp, Klebsiella sp, Proteus sp, Salmonella sp, Serratia sp, Shigella sp) e a espécie Pseudomonas aeruginosa, que aparecem durante as etapas de tratamento de esgoto e no lodo de esgoto. As colônias são selecionadas de acordo com as diferenças morfológicas e a identificação bioquímica são realizadas segundo a orientação do Manual de Detecção e Identificação de Bactérias de Importância Médica da ANVISA (2005). O antibiograma é realizado através do teste de disco-difusão, recomendado pela Norma M2 – A8, V.23, n°1, 8ªedição da ANVISA.

O método empregado nesta pesquisa para detecção de vírus entéricos em águas, foi realizado primeiramente por Katayama (2002), no Japão, sendo um método apropriado para detectar vírus entéricos de água salina. Este método foi modificado para que atendesse a necessidade da detecção de vírus em águas doces e de esgoto, resultando numa técnica adaptada e viável para detecção mais simplificada de vírus nestas condições.

Natureza:

  • Pesquisa
  • Outras

Ano do início do projeto: 2008

Ano do fim do projeto: 2009

Coordenador: DALTON MARCONDES SILVA

Participante Interno:

 
Quarta, 26 de Novembro de 2014

ENSP NA WEB

facebook twitter Instagram youtube
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons