link para a página principal do portal
Tamanho da Letra   menor ou maior
formulário de busca
Projeção da mortalidade por mesotelioma no Brasil - Estimativas para as próximas décadas.

Departamento: não informado

Programa de pós-graduação: SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE

Linha: ENSINO

Grupo: AMBIENTE, SAÚDE E CIDADANIA

Subárea de Conhecimento: 4.06.02.00-1

Descrição do projeto:
Introdução: o mesotelioma e o câncer de pulmão, são as conseqüências mais graves da exposição humana às fibras do amianto (ou asbesto), por inalação das fibras liberadas no exercício do trabalho em minas de extração ou manufaturas de produtos que utilizam o amianto como matéria-prima, ou por residentes em áreas vizinhas às empresas, e ainda por familiares e outros que inalam fibras trazidas em fômites pelo trabalhador à casa. Doll (1955) publicou o primeiro estudo demonstrando a associação entre exposição ao amianto e câncer de pulmão, e Wagner (1960) estabeleceu pela primeira vez o nexo causal do mesotelioma com o amianto.
Uma característica determinante do processo causal é o longo período de latência: entre a exposição e o diagnóstico, pode haver um lapso de 15 a 60 anos. Isso dificulta sobremaneira o estabelecimento do nexo causal para os casos, em função das enormes dificuldades em recuperar, pelas anamneses e outros meios, a história de exposição dos trabalhadores e outros grupos. Também, torna-se difícil a reunião de evidências epidemiológicas pelo mesmo motivo, e essas dificuldades vem sendo enfrentadas em dezenas de países com estudos em que procura estimar a ocorrência futura de casos com base na mortalidade por esses cânceres e outras variáveis.
Conhecer o real impacto – passado e futuro - da exposição humana ao amianto é um passo imprescindível para o desenvolvimento de ações de Vigilãncia à Saúde e de Proteção e Asssistência à Saúde dos trabalhadores, dando fundamento aos esforços para o controle, redução e a eliminação do emprego do amianto em escala econômica.

Objetivo: contribuir para estimar a ocorrência de mesotelioma em nosso país, reunindo e analisando os dados sobre a mortalidade atribuída a essa causa no período de 1978 até 2002, definindo sua tendência para os próximos anos e décadas em nosso país.

Metodologia: a pesquisa será desenvolvida utilizando-se informações de bases públicas sobre a mortalidade por mesotelioma, consumo de amianto no Brasil e outros dados econômicos sobre sua utilização, e sobre o número de trabalhadores expostos ao amianto.
Serão recolhidas informações sobre a mortalidade por mesotelioma, no período compreendido entre 1978 e 2002, disponíveis no Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), Banco de Dados criado pelo Datasus / Ministério da Saúde para os dados de mortalidade. Serão selecionados os casos registrados de óbitos, em cada Estado, classificados entre os códigos da CID 9 (1978/1996) com números 163.0, 163.1, 163.8, 163.9, assumindo-se câncer de pleura e outras serosas como mesotelioma, de acordo com o que foi realizado em vários países neste período, e CID 10 (1997/2002) com C45.0 até C45.9. A informação da mortalidade será coletada entre os maiores de 15 anos, de ambos os sexos, para a construção de tábuas de sobrevida, ajustadas por idade. Para o período onde o diagnóstico foi realizado com a codificação do CID 9 poderão ser utilizados fatores de correção, de acordo com alguns estudos já realizados no Brasil.

Natureza: não informado

Ano do início do projeto: 2006

Ano do fim do projeto: 2008

Coordenador: HERMANO ALBUQUERQUE DE CASTRO

 
Terça, 25 de Junho de 2019

ENSP NA WEB

facebook twitter Instagram youtube Soundcloud

BAIXE O APP DA ENSP

Google Play Store Apple App Store

Este portal é regido pela Política de Acesso Aberto ao Conhecimento,
que busca garantir à sociedade o acesso gratuito, público e aberto ao conteúdo integral de toda obra intelectual produzida pela Fiocruz.


Creative Commons License

O conteúdo deste portal pode ser utilizado para todos os fins não comerciais, respeitados e reservados os direitos morais dos autores.