1. Ministério da Saúde promove vacinação dos povos indígenas a partir de sábado (30/4)

    Todos os Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs) do país, ao todo 34, receberão, a partir de sábado (30/4), uma força-tarefa para imunizar cerca de 120 mil indígenas aldeados no país. Até o término da ação, 29/5, mais de três mil profissionais terão a disposição 202 mil doses de diferentes vacinas. O objetivo é atualizar a caderneta de vacinação dos índios, incluindo os que vivem em populações isoladas. A cerimônia de abertura do mês de vacinação acontecerá na Aldeia Ypegue, em Aquidauana, no Mato Grosso do Sul. O Mês de Vacinação da População Indígena (MVPI) integra a Semana de Vacinação nas Américas, liderada pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) desde 2005, e adotada pelo Ministério da Saúde em conjunto com a Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe. Neste ano, a semana envolverá 44 países, alcançando 44 milhões de crianças e adultos.

  2. Cesteh promove palestra em homenagem a trabalhadores e vítimas de trabalho

    No dia 1º de maio é celebrado, no Brasil e em diversos países do mundo, o Dia do Trabalhador. Em comemoração à data, o Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP) promoverá a palestra De que adoecem e morrem os trabalhadores na era dos monopólios (1980-2011), com a presença do pesquisador e professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Herval Pina Ribeiro. Além de comemorar o Dia do Trabalhador, a atividade é também uma homenagem ao Dia Mundial das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho, lembrado em 28 de abril. Na ocasião, Herval fará também o lançamento da 2ª edição de seu livro que recebe o nome da palestra. Para abrir a palestra, o evento contará com a presença do diretor da ENSP, Hermano Castro, e da pesquisadora aposentada da Fiocruz, Anamaria Testa Tambellini. O pesquisador do Cesteh Francisco Pedra participará dos debates. A atividade, disponível a todos os interessados, está marcada para as 14 horas, no salão internacional da ENSP.

  3. ENSP sedia Encontro Estadual de Mudanças Climáticas e Justiça Social

    Representantes de Movimentos Sociais, organizações e coletivos discutem, na Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz), caminhos para fortalecer lutas socioambientais unindo diferentes causas. Organizado pelo Fórum de Mudanças Climáticas e Justiça Social, o Encontro Estadual do Fórum de Mudanças Climáticas e Justiça Social no Rio acontecerá na próxima sexta-feira, 29 de abril, a partir das 9 horas, no auditório térreo da ENSP pesquisadores e demais interessados nas relações entre as mudanças climáticas e suas consequências socioambientais, especialmente no contexto urbano. O encontro responde ao desafio de articular um movimento plural no estado juntando diferentes grupos que já têm produzido iniciativas e conhecimentos a respeito da crise ambiental a partir de suas experiências de enfrentamento. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas aqui ou no dia do evento.

  4. Jornais destacam estudo que revela alta prevalência da depressão pós-parto

    BBC Brasil e o jornal Bom dia Brasil repercutiram o estudo desenvolvido pela pesquisadora Mariza Theme, da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz, que analisou a prevalência da depressão pós-parto nas mães brasileiras. O resultado da pesquisa revela que a depressão pós-parto acomete mais de 25% das mães no Brasil. “A mulher depressiva, normalmente, amamenta pouco e não cumpre o calendário vacinal dos bebês. As crianças, por sua vez, têm maior risco de apresentar baixo peso e transtornos psicomotores”, afirmou a coordenadora. Veja as reportagens.

  5. MS lança campanha voltada à saúde dos homens gays e bissexuais

    O Ministério da Saúde lançou na terça-feira (26/4), durante a 3ª Conferência de Políticas Públicas de Direitos Humanos de LGBT, em Brasília, a campanha “Cuidar bem da saúde de cada um. Faz bem para todos. Faz bem para o Brasil”, com foco na saúde integral, atendimento humanizado e respeito para homens gays e bissexuais. O objetivo é informar e conscientizar toda a sociedade, bem como profissionais de saúde, trabalhadores e gestores do SUS sobre garantias ao atendimento, sem discriminação, considerando as especificidades de saúde dessa população. A campanha foi desenvolvida em parceria com o Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial, Juventude e dos Direitos Humanos.

  6. Pesquisa em Manguinhos estuda aspectos socioambientais do território

    Ao buscar conhecer mais profundamente os aspectos socioambientais como parte dos determinantes sociais do adoecimento da população no território de Manguinhos, os pesquisadores do Departamento de Saneamento e Saúde Ambiental da ENSP Rosália Maria de Oliveira e Paulo Roberto de Abreu Bruno desenvolveram o projeto Diagnóstico Socioambiental do Território Teias Manguinhos. A pesquisa integra a iniciativa da Vice-Presidência de Pesquisa e Laboratórios de Referência (VPPLR/Fiocruz), elaborada no âmbito do Programa de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica em Saúde Pública da Fiocruz (PDTSP/Teias): Portfólio Rede de Pesquisa no Território de Manguinhos - uma parceria entre academia, serviços de saúde e sociedade civil. Inicialmente, essa pesquisa teve o propósito de investigar aspectos socioambientais próximos à Refinaria de Manguinhos. No entanto, seu escopo foi ampliado para todo o território e agregou dados sobre o lixo, vetores, enchentes, renda da população, coleta de lixo e abastecimento de água.

  7. Pesquisadora da ENSP Cecília Minayo abre seminário na Fiocruz Amazônia

    Abordando temáticas que permeiam a pesquisa social há muitas décadas, a coordenadora científica do Departamento de Estudos sobre Violência e Saúde Jorge da Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (Claves/ENSP), Cecília Minayo, abriu o Seminário Determinantes Sociais do Processo Saúde-Doença: condições desiguais de vida em espaços amazônicos, nesta terça-feira (26/4), realizado pela Fiocruz Amazônia com a palestra Marcos Teóricos dos Estudos de Determinação do Processo Saúde Doença. Em sua análise, o conceito de desigualdade é muito mais complexo do que só o conceito econômico, em que os números são levados em consideração. Ela ressaltou que, nos últimos anos, o tema das desigualdades sociais tem tido mais ênfase nas pesquisas sociais, bem como as questões de gênero e a temática da vulnerabilidade social.