1. OcupaENSP: estudantes promoverão dia de debates sobre a crise

    O Fórum dos Estudantes da ENSP promoverá, na quarta-feira, dia 1º de junho, uma série de eventos dedicados a discutir a atual crise política e o cenário de ameaça aos direitos dos cidadãos brasileiros. Com o nome OcupaENSP, a programação prevê um "Aulão pela democracia", na parte da manhã. À tarde, será realizado um debate com o tema "Qual o papel do sanitarista no momento político atual?", e prevista, ainda, uma assembleia de estudantes e atividades culturais.

  2. Fundação Oswaldo Cruz celebra 116 anos nesta segunda (30/5)

    Começam na próxima segunda-feira (30/5) as comemorações do aniversário de 116 anos da Fundação. A abertura da tradicional Feira Fiocruz Saudável, que oferece diversas atividades para os trabalhadores, no Campus Manguinhos, acontece às 9h, com apresentação do Coral de Farmanguinhos. O encerramento será na terça-feira (31/5), às 17h, com show do cantor e compositor Danilo Caymmi.
     

  3. Confira a cobertura do seminário Saúde, Política e Economia em Tempos de Crise

    O momento político, econômico e social do Brasil exige muita capacidade de análise e crítica para que seja possível compreender todas as dimensões da crise instalada, sua dimensão e possíveis alternativas. A atual conjuntura representa grande risco de perda de direitos sociais conquistados na Constituição de 1988 e exige a construção de uma frente democrática. As crises da saúde, da economia e da política constituem diferentes faces de um mesmo problema e precisam ser enfrentadas por uma grande mobilização da sociedade.

  4. Seminário sobre direito à saúde encerra curso direcionado ao MP

    Com o propósito de intensificar o diálogo entre os campos da Saúde Coletiva e da Justiça e, assim, contribuir para a efetivação do direito à saúde, a ENSP realizou - por meio de parceria entre a Comissão Permanente de Defesa da Saúde, do Grupo Nacional de Direitos Humanos, do Conselho Nacional de Procuradores-Gerais do Ministério Público dos Estados e da União e o Ministério da Saúde -, o curso de aperfeiçoamento em Política e Gestão da Saúde Pública para o Ministério Público, oferecido na modalidade a distância e envolvendo cerca de 140 alunos. Para marcar o fim desse ciclo, nos dias 30 e 31 de maio, será realizado o último encontro presencial do curso com o seminário A sustentabilidade do direito à saúde e do Sistema Único de Saúde. O encontro, fechado ao público, conta com a presença de representantes dos diversos órgãos envolvidos na parceria. 

  5. OMS defende fortalecimento e ampliação do Sistema Único de Saúde

    Durante abertura da 22ª Conferência Mundial de Promoção da Saúde, em 22/5 em Curitiba, o representante da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas/OMS), Joaquín Molina, destacou aos participantes na abertura do evento a necessidade de defender e ampliar o Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro. “A Opas compartilha com o SUS valores de equidade e acesso de todos à saúde. Nós vemos um só caminho para o SUS: fazer mais saúde, fazê-lo mais universal, fazer o SUS cada vez mais SUS”, afirmou Molina.

  6. Boletim do Cecovisa destaca concurso sobre experiências em vigilância sanitária

    Mais uma edição do boletim do Centro Colaborador em Vigilância Sanitária (Cecovisa/ENSP) já está disponível on-line. A publicação traz como um dos destaques o concurso que escolherá os melhores vídeos sobre experiências em vigilância sanitária, com inscrições abertas até 30/8. O Curta Visa - concurso de vídeos em vigilância sanitária tem como tema Vigilância sanitária e você. Os melhores trabalhos serão exibidos durante o 7º Simpósio Brasileiro de Vigilância Sanitária - Simbravisa, que será realizado no período de 26 a 30 de novembro deste ano, em Salvador (BA). 

  7. 'Alternativa ao SUS é a barbárie sanitária'

    Em artigo publicado nesta terça-feira, 24 de maio, no jornal O Globo, Gastão Wagner e Luis Eugenio Souza, presidente e ex-presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), respectivamente, reforçam a importância do Sistema Único de Saúde para o bem-estar da sociedade e classificam como "barbárie sanitária" qualquer alternativa ao SUS. Segundo eles, "todos sabem que o SUS apresenta muitas deficiências, com serviços superlotados e de má qualidade. E todos sabem que, entre as causas dessas deficiências, está o baixo investimento. Qualquer ministro comprometido com a Saúde não pode se furtar a reconhecer essa realidade."