1. ENSP participa do 11º Abrascão durante a greve na Fiocruz

    Mesmo respeitando a deliberação dos servidores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), tomada em assembleia realizada em 23/7, que decidiu pela greve na Fiocruz, a Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca participa ativamente do 11º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, que acontece de 28 de julho a 1º de agosto, em Goiânia (GO). Pesquisadores, docentes e estudantes da ENSP estão presentes nas mais diversas atividades, tais como: oficinas, conferências, debates, mesas-redondas e palestras do Abrascão 2015. A equipe de jornalismo da Coordenação de Comunicação Institucional da Escola também está realizando a cobertura do congresso. As matérias serão publicadas em breve no Portal ENSP.

  2. Conferência Municipal de Saúde do Rio de Janeiro ocorrerá de 17 a 19/7

    A XII Conferência Municipal de Saúde do Rio de Janeiro será realizada nos dias 17, 18 e 19 de julho no Centro de Convenções Sul América, localizado na Cidade Nova. O tema deste ano será Orgulho de ser SUS: saúde pública de qualidade na cidade do Rio de Janeiro. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, o objetivo é mobilizar diferentes setores da sociedade, avaliar a situação da saúde, formular diretrizes e, com a participação popular, alcançar a otimização dos serviços de saúde. A conferência proporciona um espaço democrático para o debate e a decisão de propostas para melhorar a qualidade dos serviços do Sistema Único de Saúde (SUS).

  3. ONU reconhece avanços do Brasil no controle do HIV/Aids

    O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (Unaids) reconhece o Brasil como referência mundial nas ações de controle da epidemia. O documento, divulgado na terça-feira (14/7), destaca que o objetivo de alcançar 15 milhões de pessoas em tratamento para o HIV no mundo foi alcançado nove meses antes do prazo. O relatório traz várias menções positivas ao Brasil, mostrando o importante papel do país na história global de combate à doença.

  4. ENSP colabora na implantação da Escola de Governo em Saúde na Argentina

    Apesar da rivalidade no esporte, no campo da Saúde Pública Brasil e Argentina mantêm uma parceria histórica na formação dos respectivos sistemas de saúde. E esta cooperação será ampliada ainda mais, uma vez que a ENSP está ajudando na consolidação de uma Escola de Governo em Saúde (EGS) no referido país sul-americano. Inaugurada agora em julho, a EGS Argentina pretende, inicialmente, oferecer uma pós-graduação stricto sensu na área de gestão de epidemiologia em diferentes programas de formação. Para colaborar neste processo, a Direção da ENSP recebeu a visita de representantes do Ministério da Saúde da Argentina para articular melhor esta parceria. Pela Escola, participaram da reunião o diretor Hermano Castro e o vice-diretor de Escola de Governo em Saúde, Frederico Peres. Já pelo lado argentino, estiveram presentes o secretário de Políticas, Regulação e Institutos do Ministério da Saúde, Mario Rovere, e o subsecretário de Políticas, Regulação e Fiscalização do MS, Pablo Kohan.

  5. Estatuto da Criança e do Adolescente comemora 25 anos

    Em 13 de julho, o Estatuto da Criança e do Adolescente comemora 25 anos de criação. O ECA foi instituído pela Lei 8.069, de 1990, e regulamenta os direitos das crianças e dos adolescentes inspirado pelas diretrizes fornecidas pela Constituição Federal. O Estatuto estabelece os direitos e deveres de menores de 18 anos e protege as crianças e adolescentes em todo o país, principalmente nas áreas de educação, saúde, trabalho e assistência social. Muitos avanços foram ocasionados pelo Estatuto, entre eles o aumento no número de denúncias de maus tratos infanto-juvenis e punições aos agressores.

  6. Curso internacional da ENSP recebe pesquisador da Suíça

    De 13 a 17 de julho acontece, na ENSP, o Curso Internacional sobre Avaliação de Impacto a Saúde em Grandes Empreendimentos que conta com a participação do professor Mirko Winkler, do Instituto de Medicina Tropical e Saúde Pública da Suíça. Winkler está no Brasil através do Programa Ciência sem Fronteiras da Capes, em projeto coordenado pelos pesquisadores da Escola Sandra Hacon e André Perisse, e que conta com apoio da Vice-Presidência de Ensino, Informação e Comunicação da Fiocruz. O professor traz em sua a bagagem uma larga experiência sobre o tema, adquirida em países da África, da Ásia e da América do Sul.

  7. Ministério da Saúde garante eficácia da vacina contra caxumba

    O Ministério da Saúde informa que a vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, rubéola e caxumba, é altamente eficaz. Estudos clínicos detectaram anticorpos contra caxumba em 96,1% das pessoas vacinadas; em 98% contra sarampo; e em 99,3% contra rubéola. Para garantir a proteção, são necessárias duas doses, conforme recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS). O Calendário Nacional de Vacinação, do Ministério da Saúde, agenda as doses aos 12 meses, com a tríplice, e aos 15 meses, com a tetraviral, que também imuniza contra varicela. A vacina também está disponível para pessoas até 49 anos, a depender da situação vacinal.

  8. Rio de Janeiro não está sofrendo uma epidemia de caxumba

    Nos últimos dias, algumas regiões do município do Rio de Janeiro registraram aumento no número de casos de caxumba, uma infecção viral que afeta as glândulas parótidas e se manifesta principalmente em crianças e adolescentes. A caxumba é uma doença de transmissão respiratória, desta forma, nas estações do ano em que a temperatura cai, os ambientes fechados e com pouca circulação de ar livre contribuem significativamente para sua propagação. Para a enfermeira e coordenadora de vacinação do Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria (CSEGSF/ENSP) Slete Ferreira da Silva, no Rio de Janeiro não se configura uma epidemia de caxumba. Existem surtos isolados que não devem ser associados a falhas na cobertura vacinal. "O Rio possui uma excelente cobertura vacinal. De 2008 a 2014, a cobertura da tríplice viral - que protege contra caxumba, rubéola e sarampo - nas crianças de até um ano de idade foi até maior que 100% em alguns anos. Em 2014, a cobertura foi de cerca de 98%. Nos meses de junho a setembro, a população tende a estar em locais mais fechados. Isso colabora ainda mais para a transmissão da caxumba e, consequentemente, para o aumento do número de casos. Mas dizer que existe uma epidemia é alardear uma situação que não existe", explicou Slete.

  9. 'Maconha: usos, políticas, saúde e direitos' é o tema do Sala de Convidados

    O Sala de Convidados desta semana vai abordar o tema Maconha: usos, políticas, saúde e direitos, na terça-feira (14/7), às 11 horas, ao vivo, no Canal Saúde. O programa vai ampliar para os telespectadores as discussões que aconteceram no seminário internacional "Maconha: usos, políticas e interfaces com a saúde e direitos", realizado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em parceria com a Escola de Magistratura do Rio de Janeiro (Emerj), entre os dias 1 e 3 de julho, com o objetivo de promover um amplo debate sobre o tema.