1. Óbito Materno, Infantil e Fetal: programa de formação lança publicação digital

    Em 28 de maio, comemora-se o Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher e Dia Nacional de Redução da Mortalidade Materna. A ENSP/Fiocruz atua de forma vigorosa para o fortalecimento de políticas da área por meio do desenvolvimento de pesquisas e da formação de recursos humanos. Nesse contexto, a coordenação responsável pelo Programa de Formação em Vigilância do Óbito Materno, Infantil e Fetal e Atuação em Comitês de Mortalidade da ENSP lançou material digital de divulgação do programa. 

  2. ENSP debate o enfrentamento da tríplice epidemia da dengue, zika e chikungunya

    O Centro de Referência Professor Hélio Fraga (CRPHF/ENSP) promoverá, no dia 12 de junho, sessão científica a respeito do enfrentamento da tríplice epidemia da dengue, zika e chikungunya. Seu objetivo é apresentar a proposta de vigilância comunitária em saúde que intenciona o fortalecimento da mobilização social para o enfrentamento da epidemia e controle do mosquito em Minas Gerais. 

  3. Nota Abrasco em apoio aos pesquisadores da Fiocruz

    A Abrasco manifesta a sua solidariedade com a equipe de pesquisadores da Fiocruz responsável pelo 3° Levantamento Nacional sobre o Uso de Drogas pela População Brasileira. Pesquisadores de diversas áreas do conhecimento científico, gestores do Sistema Único de Saúde e profissionais da saúde de nosso país reconhecem a contribuição da área da Saúde Coletiva para a identificação e dimensionamento dos problemas de saúde da população brasileira.

  4. Dia do Trabalhador: mais de 70 mortos entre 2016 e 2017. O que comemorar?

    O Cesteh/ENSP promoveu o evento O que comemorar?, em memória ao Dia Mundial das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho, institucionalizado em 28 de abril, e em Comemoração ao Dia do Trabalhador, celebrado em 1º de maio. Na ocasião, foi realizado Ato Público em homenagem às vítimas do trabalho do crime da Vale e aos agentes de combates às endemias do Rio Janeiro. O evento foi organizado em parceria com o Sindicato dos Trabalhadores da Fiocruz (Asfoc-SN). Confira as apresentações, no Canal da ENSP, no Youtube. 

  5. Dia do Trabalhador: mais de 70 mortos entre 2016 e 2017. O que comemorar?

    O Cesteh/ENSP promoveu o evento O que comemorar?, em memória ao Dia Mundial das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho, institucionalizado em 28 de abril, e em Comemoração ao Dia do Trabalhador, celebrado em 1º de maio. Na ocasião, foi realizado Ato Público em homenagem às vítimas do trabalho do crime da Vale e aos agentes de combates às endemias do Rio Janeiro. O evento foi organizado em parceria com o Sindicato dos Trabalhadores da Fiocruz (Asfoc-SN). Confira as apresentações, no Canal da ENSP, no Youtube. 

  6. Formação de trabalhadores na fronteira Brasil-Uruguai em debate na ENSP

    A edição de maio do 'Encontros do Cesteh' abordará Formação de Trabalhadores da Saúde por meio de abordagem significativa da educação na fronteira Brasil-Uruguai. A atividade será apresentada pelo pesquisador do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP), Frederico Peres da Costa. Marcado para o dia 15 de maio, às 12 horas, na sala 32 do Centro, o evento é aberto aos interessados e não necessita de inscrição prévia.

  7. Formação de trabalhadores na fronteira Brasil-Uruguai em debate na ENSP

    A edição de maio do 'Encontros do Cesteh' abordará Formação de Trabalhadores da Saúde por meio de abordagem significativa da educação na fronteira Brasil-Uruguai. A atividade será apresentada pelo pesquisador do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP), Frederico Peres da Costa. Marcado para o dia 15 de maio, às 12 horas, na sala 32 do Centro, o evento é aberto aos interessados e não necessita de inscrição prévia.

  8. Pela proibição do uso do amianto no Brasil e no mundo

    ENSP/Fiocruz reforça a posição da Sociedade de Pneumologia e Tisiologia do Estado do Rio de Janeiro pela proibição do uso do amianto no Brasil e no mundo. O amianto mata! As fibras quando inaladas, tanto pelos trabalhadores, em qualquer ponto da cadeia produtiva, como pela população ambientalmente exposta, podem causar doenças como fibrose pulmonar, câncer de pulmão e mesotelioma.