1. Em nova parceria, ENSP analisará contaminação por mercúrio em indígenas e povos tradicionais da floresta no Amapá

    A Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, em parceria com a Universidade Federal do Amapá (Unifap), a Pontifícia Universidade Católica, a WWF-Brasil e o Instituto de Pesquisa e Formação Indígena (Iepé), analisará a contaminação ambiental por mercúrio e os impactos à saúde em comunidades tradicionais e áreas indígenas do Amapá, provocada pela exploração do garimpo na região. O novo trabalho tem como base a pesquisa desenvolvida pela ENSP e divulgada no primeiro semestre deste ano na Terra Indígena (TI) Yanomami. Numa determinada aldeia da TI Yanomami, todos os indígenas avaliados apresentaram níveis de mercúrio em amostras de cabelo acima dos níveis aceitáveis pela OMS. O trabalho que se desdobra agora, coordenado na ENSP pelos pesquisadores Paulo Basta, Sandra Hacon e Claudia Vega, tem como meta a construção de um Observatório de Mercúrio na Amazônia, cujo propósito é divulgar as pesquisas desenvolvidas na região, sobretudo em comunidades tradicionais, além de dar suporte à elaboração de políticas públicas.

  2. Pesquisadora de Coimbra fala sobre transmissão de parasitas intestinais através da água para consumo humano

    O Departamento de Saneamento e Saúde Ambiental (DSSA/ENSP) recebeu, no dia 26/10, a professora Maria do Céu Rodrigues Sousa, especialista em Microbiologia e Parasitologia da Universidade de Coimbra, para falar sobre Doenças Negligenciadas: impacto das protozoonoses na Saúde Pública. Em sua palestra, ela adiantou que, em breve, será publicado estudo confirmando que a população do Rio de Janeiro tem uma alta frequência de parasitas intestinais. "É importante notar que essas espécies têm a mesma via de transmissão, indicando exposição à contaminação fecal. A frequência desses parasitas adicionados à alta frequência de poliparasitismo pode ser usado como indicadores de transmissão através da via fecal/oral, apontando assim para transmissão de parasitas intestinais através do fornecimento de água para consumo humano ou a ingestão de alimentos contaminados." A pesquisa destaca que a distribuição de água geralmente tem problemas inerentes às características do uso e ocupação do solo urbano na região metropolitana do RJ, especialmente nos municípios e bairros com maiores níveis de desigualdade social e econômica. Nessas áreas, a falta de acesso a serviços de coleta e tratamento de esgoto leva à contaminação da rede de abastecimento de água através de ligações cruzadas e zonas de baixa pressão, levando à entrada de águas residuais e pluviais no sistema. A situação é agravada em bairros e favelas localizadas em áreas mais altas, onde a pressão na rede é insuficiente para manter um fluxo constante de água. O debate foi coordenado pelos pesquisadores Clementina dos Santos Feltman e Marcelo Bessa.

  3. Turma do Programa de Estágio Internacional da ENSP participa do II Colóquio Brasil-Cuba

    Lançado em 2015 com o objetivo de fomentar a internacionalização da formação de sanitaristas na ENSP, o Programa de Estágio Internacional da Escola está com sua segunda turma em pleno desenvolvimento de suas atividades nas duas instituições formadoras de Cuba: a Escola Nacional de Saúde Pública (Ensap) e o Instituto Nacional de Higiene, Epidemiologia e Microbiologia (Inhem). Assim como no primeiro ano, a chamada 2016 foi dirigida aos dois Programas de Residência da ENSP (Multiprofissional e Médica), que selecionaram oito candidatos, os quais cumprirão suas atividades em Havana e municípios próximos à capital no período de 5 a 30 de setembro. Acompanha os residentes a coordenadora do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família, Maria Alice Pessanha de Carvalho, pesquisadora do Departamento de Ciências Sociais da Escola.

  4. Brasil e Cuba avançam na formação profissional e no aperfeiçoamento dos sistemas de saúde

    Iniciou, na segunda-feira, 19 de setembro, na cidade de Havana, Cuba, o II Colóquio Brasil-Cuba de Formação em Saúde Pública, evento que reúne as principais escolas e institutos de saúde pública desses dois países. Seu objetivo é discutir os desafios e estratégias para o aprimoramento permanente das capacidades formativas do campo, com base na apresentação, discussão e intercâmbio de ideias e experiências bem-sucedidas neles ocorridas. Este ano, o evento coincide com a realização da segunda turma do Programa de Estágio Internacional da ENSP, que permite a alunos dos programas de residência médica e multiprofissional da Escola a vivência única das peculiaridades e do funcionamento do Sistema de Saúde cubano, enfatizando a Atenção Primária em Saúde.

  5. Audiência pública debaterá situação do PAC Manguinhos, Alemão e Jacarezinho

    No dia 31 de agosto, acontecerá a Audiência Pública PAC Manguinhos, Alemão e Jacarezinho: questões habitacionais não resolvidas... Qual a solução?, às 14h, no auditório da Fesudeperj. Essa audiência, convocada pelo Núcleo de Terras e Habitação da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro (Nuth), foi articulada pelos movimentos sociais das favelas de Manguinhos, Alemão e Jacarezinho, com base em suas ações com o Nuth. Os integrantes do Laboratório Territorial de Manguinhos (LTM), mediante os projetos da Unisuam e da Uerj, colaboram com os moradores das referidas favelas, em conjunto com a Defensoria Pública para resolver os problemas deixados pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

  6. Vítimas das obras dos Jogos Olímpicos Rio 2016 recebem homenagens da Fiocruz

    O Centro de Estudo da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP), em parceria com outras instituições, homenageou os 11 trabalhadores que perderam a vida nas obras das Olimpíadas Rio 2016. Além de saudar as vítimas e prestar solidariedade às famílias, o evento também alertou a sociedade a respeito das mortes e acidentes graves ocorridos nas obras dos grandes eventos, como também exigir a criação de instrumentos que proporcionem condições de segurança e saúde aos trabalhadores por parte das autoridades. O ato contou com a participação de representantes do Cesteh e de centrais sindicais que contribuíram para a realização da homenagem. Na ocasião, a 'ENSP TV' conversou com familiares das vítimas e representantes da saúde do trabalhador acerca da importância de evitar riscos à saúde dos trabalhadores e, principalmente, sobre o que é preciso ser feito para que não hajam mais mortes nas obras dos grandes eventos.

  7. Vítimas das obras dos Jogos Olímpicos Rio 2016 recebem homenagens da Fiocruz

    O Centro de Estudo da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP), em parceria com outras instituições, homenageou os 11 trabalhadores que perderam a vida nas obras das Olimpíadas Rio 2016. Além de saudar as vítimas e prestar solidariedade às famílias, o evento também alertou a sociedade a respeito das mortes e acidentes graves ocorridos nas obras dos grandes eventos, como também exigir a criação de instrumentos que proporcionem condições de segurança e saúde aos trabalhadores por parte das autoridades. O ato contou com a participação de representantes do Cesteh e de centrais sindicais que contribuíram para a realização da homenagem. Na ocasião, a 'ENSP TV' conversou com familiares das vítimas e representantes da saúde do trabalhador acerca da importância de evitar riscos à saúde dos trabalhadores e, principalmente, sobre o que é preciso ser feito para que não hajam mais mortes nas obras dos grandes eventos.

  8. Ato homenageará trabalhadores vítimas das obras das Olimpíadas Rio 2016

    A construção civil é, atualmente, o segundo segmento da economia brasileira com maior número e proporção de lesões no trabalho. Desde que tiveram início as obras dos Jogos Olímpicos Rio 2016, 11 trabalhadores perderam a vida e 3 foram vítimas de acidentes graves. O Centro de Estudos em Saúde do Trabalhador (Cesteh/ENSP/Fiocruz), em parceria com outras instituições, promoverá o ato Vidas perdidas nas obras das Olimpíadas do Rio de Janeiro: uma homenagem aos trabalhadores, no dia 28 de julho, às 11 horas, cobrando das empresas e da Prefeitura da cidade do Rio de Janeiro, assim como de outros órgãos públicos, mudança nas condições e organização do trabalho, além de garantia efetiva da vida e da saúde dos trabalhadores.