1. Estudo revela perda de habitat de minhocas expostas a rejeitos da barragem de Brumadinho

    Minhocas expostas aos rejeitos da barragem que se rompeu em janeiro de 2019, em Brumadinho (MG), apresentam comportamento de fuga do ambiente contaminado. O fenômeno é apontado em nota técnica produzida no âmbito do Estudo sobre a biota aquática e comunidades ripárias, elaborada pela UniRio, em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e a Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz), com colaboração do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh) e o Departamento de Saneamento e Saúde Ambiental (DSSA) da ENSP.
     

  2. Brumadinho: Desastre da Vale provoca sobrecarga no sistema de saúde

    Oito meses após o desastre de Brumadinho (MG) os prognósticos mais uma vez se confirmam: os impactos gerados pela tragédia não se restringem a danos ambientais imediatos ou às mortes que tornaram o país campeão em número de vítimas fatais em um desastre. Já se registra uma sobrecarga do sistema de saúde local. Os pesquisadores do Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde da Fiocruz (Cepedes/ENSP/Fiocruz), Carlos Machado e Mariano Andrade, analisaram o cenário.