1. ENSP e EPSJV criarão observatório para monitorar saúde no Rio de Janeiro

    A ENSP/Fiocruz e a EPSJV/Fiocruz estão em processo de articulação para a criação de um observatório para monitorar os impactos da Política Nacional de Atenção Básica, publicada em 2017, no SUS. Um grupo de trabalho foi constituído incialmente e tomará o caso recente do município do Rio, considerando o plano de reestruturação da APS apresentado pela atual gestão municipal de saúde que, de alguma forma, se beneficia dos critérios flexibilizados na política nacional para justificar e promover novos arranjos na organização deste nível de atenção.

  2. ENSP e EPSJV criarão observatório para monitorar saúde no Rio de Janeiro

    A ENSP/Fiocruz e a EPSJV/Fiocruz estão em processo de articulação para a criação de um observatório para monitorar os impactos da Política Nacional de Atenção Básica, publicada em 2017, no SUS. Um grupo de trabalho foi constituído incialmente e tomará o caso recente do município do Rio, considerando o plano de reestruturação da APS apresentado pela atual gestão municipal de saúde que, de alguma forma, se beneficia dos critérios flexibilizados na política nacional para justificar e promover novos arranjos na organização deste nível de atenção.

  3. ENSP debateu a situação da Atenção Básica no Rio de Janeiro

    A Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) reuniu, na terça-feira 18/12, profissionais de Saúde, gestores, pesquisadores, juristas e usuários para debater o cenário atual da Atenção Básica no município do Rio de Janeiro. O evento ocorreu no Salão Internacional, das 9 às 13 horas, e o tema da mesa Como fica a Atenção Básica do SUS no Rio de Janeiro? permeou todas as discussões sobre a crise da saúde na cidade.

  4. Contra fatos não há argumentos

    FATO: O cenário atual da ESF conta com 1236 equipes implantadas que atendem cerca de 3336 cadastrados por equipe, totalizando mais de 4 milhões de pessoas beneficiadas no município do Rio de Janeiro. A Prefeitura divulgou recentemente uma “readequação” da ESF que levará ao corte de 184 equipes completas de Saúde da Família e 55 de saúde bucal. 

  5. ENSP cria seção para debater a saúde no município do Rio de Janeiro

    A prefeitura do Rio de Janeiro anunciou corte de 239 equipes da Estratégia de Saúde da Família (ESF) e a demissão de 1400 profissionais que atuam diretamente na Atenção Básica do município. Os efeitos dessa medida na organização da cobertura da ESF e, consequentemente, na saúde da população carioca motivaram a ENSP/Fiocruz, a criar um espaço de discussão com o propósito de emitir pesquisas, estudos, documentos e artigos que subsidiem a manutenção da proposta original da Estratégia na capital Fluminense. 

  6. ENSP debate Atenção Básica no Rio de Janeiro nesta terça-feira (18/12)

    Como fica a Atenção Básica do SUS no Rio de Janeiro? Com esse questionamento, na próxima terça-feira, 18 de dezembro, a Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) reunirá profissionais de saúde, gestores e pesquisadores para debater sobre como os cortes na saúde afetam diretamente a Atenção Básica no Rio de Janeiro. Marcado para às 9 horas, no salão internacional da ENSP, o evento é aberto a todos os interessados e não necessita de inscrição. 
     

  7. ENSP debate Atenção Básica no Rio de Janeiro nesta terça-feira (18/12)

    Como fica a Atenção Básica do SUS no Rio de Janeiro? Com esse questionamento, na próxima terça-feira, 18 de dezembro, a Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) reunirá profissionais de saúde, gestores e pesquisadores para debater sobre como os cortes na saúde afetam diretamente a Atenção Básica no Rio de Janeiro. Marcado para às 9 horas, no salão internacional da ENSP, o evento é aberto a todos os interessados e não necessita de inscrição.