1. 'Cadernos' promove o próximo Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva

    A revista Cadernos de Saúde Pública de fevereiro (vol. 34 n. 2) convoca para o 12° Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva (Abrascão 2018), a ser realizado de 26 a 29 de julho, na Fundação Oswaldo Cruz do Rio de Janeiro, com o lema Defender o SUS, os Direitos Sociais e a Democracia. O presidente da Abrasco, Gastão Wagner de Souza Campos, assina o editorial da publicação, onde diz que o Brasil vive um período histórico difícil, de instabilidade política, insegurança jurídica, crise econômica, ataque sistemático aos direitos sociais e trabalhistas, às políticas e às universidades públicas, privilégios crescentes ao mercado e cortes no orçamento, inclusive para a ciência e tecnologia. “Os agentes que comandam esse movimento regressivo, e que pretendem anular a Constituição Federal de 1988 e subordinar classes e agrupamentos sociais subalternos, são os mesmos que, historicamente, sempre se opuseram à distribuição de renda e ao aprofundamento da democracia.” Para ele, a crise do país é também resultado da postura inadequada de partidos políticos e de movimentos sociais que tiveram papel decisivo na constituição do Sistema Único de Saúde (SUS), dos direitos civis, sociais e políticos. “Para se repensar o Brasil se faz necessário refletirmos sobre a organização e práticas da reforma sanitária, das entidades de representação e dos movimentos sociais como um todo.”

  2. 'Cadernos' promove o próximo Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva

    A revista Cadernos de Saúde Pública de fevereiro (vol. 34 n. 2) convoca para o 12° Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva (Abrascão 2018), a ser realizado de 26 a 29 de julho, na Fundação Oswaldo Cruz do Rio de Janeiro, com o lema Defender o SUS, os Direitos Sociais e a Democracia. O presidente da Abrasco, Gastão Wagner de Souza Campos, assina o editorial da publicação, onde diz que o Brasil vive um período histórico difícil, de instabilidade política, insegurança jurídica, crise econômica, ataque sistemático aos direitos sociais e trabalhistas, às políticas e às universidades públicas, privilégios crescentes ao mercado e cortes no orçamento, inclusive para a ciência e tecnologia. “Os agentes que comandam esse movimento regressivo, e que pretendem anular a Constituição Federal de 1988 e subordinar classes e agrupamentos sociais subalternos, são os mesmos que, historicamente, sempre se opuseram à distribuição de renda e ao aprofundamento da democracia.” Para ele, a crise do país é também resultado da postura inadequada de partidos políticos e de movimentos sociais que tiveram papel decisivo na constituição do Sistema Único de Saúde (SUS), dos direitos civis, sociais e políticos. “Para se repensar o Brasil se faz necessário refletirmos sobre a organização e práticas da reforma sanitária, das entidades de representação e dos movimentos sociais como um todo.”

  3. 'Cadernos' promove o próximo Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva

    A revista Cadernos de Saúde Pública de fevereiro (vol. 34 n. 2) convoca para o 12° Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva (Abrascão 2018), a ser realizado de 26 a 29 de julho, na Fundação Oswaldo Cruz do Rio de Janeiro, com o lema Defender o SUS, os Direitos Sociais e a Democracia. O presidente da Abrasco, Gastão Wagner de Souza Campos, assina o editorial da publicação, onde diz que o Brasil vive um período histórico difícil, de instabilidade política, insegurança jurídica, crise econômica, ataque sistemático aos direitos sociais e trabalhistas, às políticas e às universidades públicas, privilégios crescentes ao mercado e cortes no orçamento, inclusive para a ciência e tecnologia. “Os agentes que comandam esse movimento regressivo, e que pretendem anular a Constituição Federal de 1988 e subordinar classes e agrupamentos sociais subalternos, são os mesmos que, historicamente, sempre se opuseram à distribuição de renda e ao aprofundamento da democracia.” Para ele, a crise do país é também resultado da postura inadequada de partidos políticos e de movimentos sociais que tiveram papel decisivo na constituição do Sistema Único de Saúde (SUS), dos direitos civis, sociais e políticos. “Para se repensar o Brasil se faz necessário refletirmos sobre a organização e práticas da reforma sanitária, das entidades de representação e dos movimentos sociais como um todo.”

  4. 'Cadernos' promove o próximo Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva

    A revista Cadernos de Saúde Pública de fevereiro (vol. 34 n. 2) convoca para o 12° Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva (Abrascão 2018), a ser realizado de 26 a 29 de julho, na Fundação Oswaldo Cruz do Rio de Janeiro, com o lema Defender o SUS, os Direitos Sociais e a Democracia. O presidente da Abrasco, Gastão Wagner de Souza Campos, assina o editorial da publicação, onde diz que o Brasil vive um período histórico difícil, de instabilidade política, insegurança jurídica, crise econômica, ataque sistemático aos direitos sociais e trabalhistas, às políticas e às universidades públicas, privilégios crescentes ao mercado e cortes no orçamento, inclusive para a ciência e tecnologia. “Os agentes que comandam esse movimento regressivo, e que pretendem anular a Constituição Federal de 1988 e subordinar classes e agrupamentos sociais subalternos, são os mesmos que, historicamente, sempre se opuseram à distribuição de renda e ao aprofundamento da democracia.” Para ele, a crise do país é também resultado da postura inadequada de partidos políticos e de movimentos sociais que tiveram papel decisivo na constituição do Sistema Único de Saúde (SUS), dos direitos civis, sociais e políticos. “Para se repensar o Brasil se faz necessário refletirmos sobre a organização e práticas da reforma sanitária, das entidades de representação e dos movimentos sociais como um todo.”

  5. Cadernos de Saúde Pública: primeira edição de 2018 destaca hipercompetitividade e integridade em pesquisa

    O primeiro fascículo de 2018 do Cadernos de Saúde Pública (volume 34, janeiro de 2018) encontra-se disponível no site da revista. Para este ano, o tema "Abraçando a diversidade" é o escolhido para as fotos de capa, e o editorial Hipercompetitividade e integridade em pesquisa destaca a complexidade das publicações científicas e seu papel enquanto principal veículo de disseminação de resultados de projetos de pesquisa. O texto, assinado pelas editoras Cláudia Medina Coeli, Luciana Dias de Lima e Marilia Sá Carvalho, reforça que boas práticas editoriais permitem que "as revistas contribuam para a promoção da integridade na pesquisa e a valorização da ciência", mas alerta também para procedimentos indesejados que levam ao excesso de publicação de resultados positivos, baixa reprodutibilidade e falta de transparência no relato de estudos, o que "diminui o valor da contribuição científica para a sociedade", afirmam. 

  6. Cadernos de Saúde Pública: primeira edição de 2018 destaca hipercompetitividade e integridade em pesquisa

    O primeiro fascículo de 2018 do Cadernos de Saúde Pública (volume 34, janeiro de 2018) encontra-se disponível no site da revista. Para este ano, o tema "Abraçando a diversidade" é o escolhido para as fotos de capa, e o editorial Hipercompetitividade e integridade em pesquisa destaca a complexidade das publicações científicas e seu papel enquanto principal veículo de disseminação de resultados de projetos de pesquisa. O texto, assinado pelas editoras Cláudia Medina Coeli, Luciana Dias de Lima e Marilia Sá Carvalho, reforça que boas práticas editoriais permitem que "as revistas contribuam para a promoção da integridade na pesquisa e a valorização da ciência", mas alerta também para procedimentos indesejados que levam ao excesso de publicação de resultados positivos, baixa reprodutibilidade e falta de transparência no relato de estudos, o que "diminui o valor da contribuição científica para a sociedade", afirmam. 

  7. 'Cadernos de Saúde Pública' lança último número de 2017

    Encerrando o ano de 2017, o Cadernos de Saúde Pública lança o seu vol.33 n.12 fazendo um balanço das publicações do ano. A inovação ficou por conta da proposição de um estágio em editoria para os alunos de doutorado da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. As vagas foram abertas em junho e obtiveram 14 inscrições, e após entrevistas, cinco alunos foram selecionados, contemplando três diferentes programas de pós-graduação. "Trata-se, portanto, de um aprender fazendo", afirmam as editoras do CSP Marilia Sá Carvalho, Cláudia Medina Coeli e Luciana Dias de Lima. Elas consideraram a duração do estágio, apenas quatro meses, curta. "Somente agora, já no final do ano, eles conseguem ajudar de fato nas tarefas de editoria. E por isso, pretendemos mantê-los por mais um semestre. E abriremos vagas novamente em 2018!", saudaram. Os estagiários Giselle Goulart de Oliveira Matos, José Rodolfo Mendonça de Lucena, Laís Picinini Freitas, Mario Jorge Sobreira da Silva e Suelen Carlos de Oliveira estão gratos pela oportunidade. "Os bastidores da publicação científica, entendido e divulgado como uma grande 'caixa preta' por muitos estudantes e pesquisadores, é, na verdade, um lugar simplesmente fascinante para quem tem a oportunidade de conhecê-lo. A dedicação exercida por quem faz editoria é algo extraordinário e admirável", opinam.

  8. 'Cadernos de Saúde Pública' lança último número de 2017

    Encerrando o ano de 2017, o Cadernos de Saúde Pública lança o seu vol.33 n.12 fazendo um balanço das publicações do ano. A inovação ficou por conta da proposição de um estágio em editoria para os alunos de doutorado da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. As vagas foram abertas em junho e obtiveram 14 inscrições, e após entrevistas, cinco alunos foram selecionados, contemplando três diferentes programas de pós-graduação. "Trata-se, portanto, de um aprender fazendo", afirmam as editoras do CSP Marilia Sá Carvalho, Cláudia Medina Coeli e Luciana Dias de Lima. Elas consideraram a duração do estágio, apenas quatro meses, curta. "Somente agora, já no final do ano, eles conseguem ajudar de fato nas tarefas de editoria. E por isso, pretendemos mantê-los por mais um semestre. E abriremos vagas novamente em 2018!", saudaram. Os estagiários Giselle Goulart de Oliveira Matos, José Rodolfo Mendonça de Lucena, Laís Picinini Freitas, Mario Jorge Sobreira da Silva e Suelen Carlos de Oliveira estão gratos pela oportunidade. "Os bastidores da publicação científica, entendido e divulgado como uma grande 'caixa preta' por muitos estudantes e pesquisadores, é, na verdade, um lugar simplesmente fascinante para quem tem a oportunidade de conhecê-lo. A dedicação exercida por quem faz editoria é algo extraordinário e admirável", opinam.

  9. 'Cadernos de Saúde Pública' lança último número de 2017

    Encerrando o ano de 2017, o Cadernos de Saúde Pública lança o seu vol.33 n.12 fazendo um balanço das publicações do ano. A inovação ficou por conta da proposição de um estágio em editoria para os alunos de doutorado da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. As vagas foram abertas em junho e obtiveram 14 inscrições, e após entrevistas, cinco alunos foram selecionados, contemplando três diferentes programas de pós-graduação. "Trata-se, portanto, de um aprender fazendo", afirmam as editoras do CSP Marilia Sá Carvalho, Cláudia Medina Coeli e Luciana Dias de Lima. Elas consideraram a duração do estágio, apenas quatro meses, curta. "Somente agora, já no final do ano, eles conseguem ajudar de fato nas tarefas de editoria. E por isso, pretendemos mantê-los por mais um semestre. E abriremos vagas novamente em 2018!", saudaram. Os estagiários Giselle Goulart de Oliveira Matos, José Rodolfo Mendonça de Lucena, Laís Picinini Freitas, Mario Jorge Sobreira da Silva e Suelen Carlos de Oliveira estão gratos pela oportunidade. "Os bastidores da publicação científica, entendido e divulgado como uma grande 'caixa preta' por muitos estudantes e pesquisadores, é, na verdade, um lugar simplesmente fascinante para quem tem a oportunidade de conhecê-lo. A dedicação exercida por quem faz editoria é algo extraordinário e admirável", opinam.

  10. 'Cadernos de Saúde Pública' lança último número de 2017

    Encerrando o ano de 2017, o Cadernos de Saúde Pública lança o seu vol.33 n.12 fazendo um balanço das publicações do ano. A inovação ficou por conta da proposição de um estágio em editoria para os alunos de doutorado da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. As vagas foram abertas em junho e obtiveram 14 inscrições, e após entrevistas, cinco alunos foram selecionados, contemplando três diferentes programas de pós-graduação. "Trata-se, portanto, de um aprender fazendo", afirmam as editoras do CSP Marilia Sá Carvalho, Cláudia Medina Coeli e Luciana Dias de Lima. Elas consideraram a duração do estágio, apenas quatro meses, curta. "Somente agora, já no final do ano, eles conseguem ajudar de fato nas tarefas de editoria. E por isso, pretendemos mantê-los por mais um semestre. E abriremos vagas novamente em 2018!", saudaram. Os estagiários Giselle Goulart de Oliveira Matos, José Rodolfo Mendonça de Lucena, Laís Picinini Freitas, Mario Jorge Sobreira da Silva e Suelen Carlos de Oliveira estão gratos pela oportunidade. "Os bastidores da publicação científica, entendido e divulgado como uma grande 'caixa preta' por muitos estudantes e pesquisadores, é, na verdade, um lugar simplesmente fascinante para quem tem a oportunidade de conhecê-lo. A dedicação exercida por quem faz editoria é algo extraordinário e admirável", opinam.