1. 'Cadernos de Saúde Pública' de outubro debate mudança na avaliação da Capes

    Cadernos de Saúde Pública debate, em seu fascículo de outubro, a mudança na avaliação da produção científica no Brasil. Para as editoras, a premissa da adoção de um único critério para avaliação de periódicos científicos da Capes é questionável, considerando as profundas diferenças entre as áreas acadêmicas na produção e divulgação do conhecimento. Os novos critérios para classificação das revistas científicas no Qualis Periódicos foram anunciados pela Capes em julho de 2019. 
     

  2. 'Cadernos' de setembro aborda doenças raras no sistema de saúde público

    A revista Cadernos de Saúde Pública de setembro destaca o debate sobre o impacto orçamentário nos sistemas de saúde de caráter público e suplementar ao incorporar os medicamentos para as doenças raras, que já são mais de 7 mil identificadas, e representam de 6 a 10% de todas as enfermidades no mundo. “Por necessitarem de elevado investimento na pesquisa tecnológica para o seu desenvolvimento, são pouco lucrativos para as indústrias farmacêuticas.”
     

  3. Nascer no Brasil: artigo científico avalia satisfação com a assistência hospitalar no parto

    O estudo Nascer no Brasil elaborou um artigo, publicado no Cadernos de Saúde Pública, que analisa as propriedades psicométricas da escala de satisfação com a assistência hospitalar no parto. Essa pesquisa, com a  coordenação geral da pesquisadora da ENSP, Maria do Carmo Leal, teve como objetivo compreender os determinantes, a magnitude e os efeitos adversos das cesarianas desnecessárias no Brasil.

  4. Crise financeira afeta segurança alimentar dos mais pobres, afirma artigo publicado no CSP

    Os resultados da pesquisa sugerem que, durante a crise, o percentual de domicílios com segurança alimentar diminuiu de 76%, em 2013, para 49%, em 2017, enquanto a insegurança alimentar grave triplicou (de 4%, em 2013, para 12%, em 2017). Antes da crise (2013), 44% dos domicílios apresentavam segurança alimentar, mas, até 2017, essa proporção havia diminuído para 26%.