1. ‘Radis’ de outubro defende combate das desigualdades para garantir democracia na saúde

    A matéria de capa da revista Radis de outubro questiona a incompletude do projeto democrático de saúde defendido pelo sanitarista Sergio Arouca, então presidente da Fiocruz, em 1986, na 8ª Conferência Nacional de Saúde. Chefe de Gabinete de Arouca, o pesquisador da ENSP, Ary Miranda, lamenta: “Nós construímos o SUS, mas não conseguimos consolidá-lo dentro dos seus preceitos”. 
     

  2. ‘Radis’ de outubro defende combate das desigualdades para garantir democracia na saúde

    A matéria de capa da revista Radis de outubro questiona a incompletude do projeto democrático de saúde defendido pelo sanitarista Sergio Arouca, então presidente da Fiocruz, em 1986, na 8ª Conferência Nacional de Saúde. Chefe de Gabinete de Arouca, o pesquisador da ENSP, Ary Miranda, lamenta: “Nós construímos o SUS, mas não conseguimos consolidá-lo dentro dos seus preceitos”. 
     

  3. ‘Radis’ de outubro defende combate das desigualdades para garantir democracia na saúde

    A matéria de capa da revista Radis de outubro questiona a incompletude do projeto democrático de saúde defendido pelo sanitarista Sergio Arouca, então presidente da Fiocruz, em 1986, na 8ª Conferência Nacional de Saúde. Chefe de Gabinete de Arouca, o pesquisador da ENSP, Ary Miranda, lamenta: “Nós construímos o SUS, mas não conseguimos consolidá-lo dentro dos seus preceitos”. 
     

  4. 'Radis' faz ampla cobertura da 16ª Conferência Nacional de Saúde

    A revista Radis de setembro está no ar com a cobertura da 16ª edição da Conferência Nacional de Saúde, que reuniu cerca de cinco mil participantes em Brasília, entre 4 e 7 de agosto. “Sob a intenção de resgatar o lema da 8ª CNS Democracia e Saúde, os três mil delegados reafirmaram seu compromisso com o Sistema Único de Saúde.”
     

  5. 'Radis' faz ampla cobertura da 16ª Conferência Nacional de Saúde

    A revista Radis de setembro está no ar com a cobertura da 16ª edição da Conferência Nacional de Saúde, que reuniu cerca de cinco mil participantes em Brasília, entre 4 e 7 de agosto. “Sob a intenção de resgatar o lema da 8ª CNS Democracia e Saúde, os três mil delegados reafirmaram seu compromisso com o Sistema Único de Saúde.”
     

  6. Entrevista: pesquisadora fala sobre violência obstétrica

    Melania Amorim, médica e professora de ginecologia e obstetrícia da Universidade Federal de Campina Grande, fala sobre violência obstétrica. O governo decidiu abolir o uso do termo violência obstétrica em notas técnicas e textos oficiais que materializam as diretrizes das políticas públicas. "É uma tentativa de silenciamento e um grande desapontamento, mas não vão nos impedir de falar sobre e de denunciar, muito menos de pesquisar e publicar”, disse a médica à Radis.