1. Materiais discutem uso de crack e questionam estereótipos reforçados pela mídia

    Fábio Araújo, gerente de lanchonete em São Paulo, conta que no fim do dia passa na favela para comprar uma pedra para fumar. “No dia seguinte, tenho responsabilidade de ir trabalhar”. Poliana Alessandra dá café da manhã para os filhos e os manda para a escola antes de varrer as ruas - trabalho que conseguiu por intermédio do programa De Braços Abertos, que promove redução de danos para usuários de drogas na região conhecida como “cracolândia” (ver Radis 158). Diego de Paula chegou à capital paulista com sonhos de uma vida diferente. Atualmente, dorme em um abrigo e reflete sobre solidão e isolamento social. Três personagens reais que fogem do estereótipo de “zumbis”, amplamente associado aos usuários da droga, têm seus depoimentos registrados no documentário Crack - Repensar, lançado em julho.

  2. Ceensp discutiu o trabalho na contemporaneidade e as implicações para o trabalho em saúde

    A chamada reestruturação produtiva, conjunto de mudanças pelas quais passa o mundo do trabalho desde meados do século passado, tem impactado de forma intensa o campo da saúde. Seja para pensar os desafios da produção do cuidado ou para entender como os sistemas de saúde devem responder às novas demandas tecnológicas, é preciso ter em conta esse contexto amplo em que se convive com a flexibilização de leis, intensificação de processos de trabalho, desterritorialização e suas consequentes transformações nas subjetividades e intersubjetividades. Destinos do trabalho na contemporaneidade: implicações para o trabalho em saúde foi o tema do  Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos, da ENSP, do dia 27 de julho. Coordenado por Maria Inês Carsalade Martins, pesquisadora da ENSP,  o debate contou, como palestrantes, com Ana Paula Pereira Marques, da Universidade do Minho e Marilene Castilho de Sá, pesquisadora da Escola.

     

  3. Debate sobre jornalismo crítico e independente marca 62 anos da ENSP

    A escolha pelo tema dos 30 anos da 8ª Conferência Nacional de Saúde para celebrar seus 62 anos de luta pela universalização da Saúde Pública no país foi fundamental para trazer para o debate a questão da comunicação, ou melhor, o papel do jornalismo crítico e independente na construção de uma proposta democrática de saúde. Unindo atores responsáveis pela construção de uma proposta de comunicação em saúde para o país, a mesa-redonda contou com a participação do pesquisador aposentado da ENSP, Álvaro Nascimento, e do editor-chefe do Programa Radis, Rogério Lannes. Coordenada pela pesquisadora do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz), Janine Miranda Cardoso, a atividade reuniu não apenas o antigo, como também o atual editor-chefe da revista Radis – projeto mais longínquo de comunicação na área da saúde.

  4. Por quem os sinos dobram: mesa debate importância histórica da Oitava e mobilização social hoje

    Era ainda madrugada no interior do Maranhão quando os sinos começaram a tocar. Em poucos minutos, integrantes de 17 sindicatos rurais se encontravam no salão paroquial da igreja local. O motivo da reunião? Discutir saúde. A lembrança daquele momento raro e intenso de participação popular nos debates da saúde pública foram evocadas pelo pesquisador da ENSP Ary Miranda ao iniciar sua fala na mesa "Momento Político e situação da saúde no Brasil no período da Oitava Conferência Nacional de Saúde", realizada no primeiro dia da semana de aniversário da Escola. O debate, coordenado pela vice-diretora de ensino da ENSP, Tatiana Wargas, contou também com a participação de Arlindo Fábio de Sousa, superintendente do Canal Saúde da Fiocruz e, à época, integrante do comitê assessor da Oitava junto com Ary Miranda. Mais do que trazer de volta antigas recordações, a intenção do evento foi promover uma reflexão sobre o que esse importante acontecimento da vida nacional, que se deu no contexto da redemocratização dos anos 1980, pode nos fornecer como armas para as constantes lutas por uma saúde que atenda às necessidades da sociedade brasileira.

  5. Centro de Estudos da ENSP debaterá telhados verdes e seus impactos na saúde e ambiente

    O próximo Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos da ENSP terá como tema Telhados verdes e seus impactos na saúde e meio ambiente. A tecnologia é bem simples: o telhado verde consiste basicamente na utilização de recipientes com plantas no topo das residências que objetivam reduzir a temperatura interna do ambiente. Segundo o pesquisador da ENSP e engenheiro civil Renato Castiglia, os benefícios são muitos e qualquer pessoa pode fazer um telhado verde. “Além de proporcionar economia de energia, as plantas retêm água, podendo conter a quantidade de chuvas que chegam ao solo e, consequentemente, reduzir o risco de enchentes”, explica. O Ceensp, marcado para 21 de setembro, às 14 horas, contará com as apresentações de Renato Castiglia e Sylvia Meimaridou Rola, diretora adjunto de extensão da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro. A atividade, coordenada pelo pesquisador da ENSP Tatsuo Carlos Shubo, é aberta a todos os interessados e não necessita de inscrição prévia. 

  6. Centro de Estudos da ENSP debaterá telhados verdes e seus impactos na saúde e ambiente

    O próximo Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos da ENSP terá como tema Telhados verdes e seus impactos na saúde e meio ambiente. A tecnologia é bem simples: o telhado verde consiste basicamente na utilização de recipientes com plantas no topo das residências que objetivam reduzir a temperatura interna do ambiente. Segundo o pesquisador da ENSP e engenheiro civil Renato Castiglia, os benefícios são muitos e qualquer pessoa pode fazer um telhado verde. “Além de proporcionar economia de energia, as plantas retêm água, podendo conter a quantidade de chuvas que chegam ao solo e, consequentemente, reduzir o risco de enchentes”, explica. O Ceensp, marcado para 21 de setembro, às 14 horas, contará com as apresentações de Renato Castiglia e Sylvia Meimaridou Rola, diretora adjunto de extensão da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro. A atividade, coordenada pelo pesquisador da ENSP Tatsuo Carlos Shubo, é aberta a todos os interessados e não necessita de inscrição prévia. 

  7. Centro de Estudos da ENSP debaterá telhados verdes e seus impactos na saúde e ambiente

    O próximo Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos da ENSP terá como tema Telhados verdes e seus impactos na saúde e meio ambiente. A tecnologia é bem simples: o telhado verde consiste basicamente na utilização de recipientes com plantas no topo das residências que objetivam reduzir a temperatura interna do ambiente. Segundo o pesquisador da ENSP e engenheiro civil Renato Castiglia, os benefícios são muitos e qualquer pessoa pode fazer um telhado verde. “Além de proporcionar economia de energia, as plantas retêm água, podendo conter a quantidade de chuvas que chegam ao solo e, consequentemente, reduzir o risco de enchentes”, explica. O Ceensp, marcado para 21 de setembro, às 14 horas, contará com as apresentações de Renato Castiglia e Sylvia Meimaridou Rola, diretora adjunto de extensão da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro. A atividade, coordenada pelo pesquisador da ENSP Tatsuo Carlos Shubo, é aberta a todos os interessados e não necessita de inscrição prévia. 

  8. Galeria de fotos traz destaques da semana dos 62 anos da ENSP

    Na semana de 12 a 16 de setembro, a Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) celebra 62 anos relembrando um dos principais momentos de luta pela universalização da saúde no Brasil: a 8ª Conferência Nacional de Saúde. A Escola, que elegeu o tema Saúde é nossa conquista e nosso direito: 30 anos da 8ª Conferência Nacional de Saúde, segue promovendo uma série de ativides científicas, culturais e políticas acerca da 8ª CNS. Confira abaixo a galeria de fotos de todas as atividades realizadas até esta quarta-feira (14/9).

  9. ENSP 62 anos: luta pelo SUS no contexto atual e jornalismo crítico e independente pautam debates

    As atividades da semana comemorativa aos 62 anos da Escola Nacional de Saúde Pública continuam, na quarta-feira, 14 de setembro, a partir das 9 horas, com dois grandes temas pautando as mesas-redondas. O papel da saúde coletiva e dos trabalhadores e estudantes na luta pelo SUS e jornalismo crítico e independente na construção de uma proposta democrática de saúde estarão em discussão ao longo do dia. Na ocasião, será lançado o novo Portal de Ensino da Escola, que apresenta, de forma mais estruturada, as ações institucionais no campo da formação em saúde. No intervalo das mesas-redondas, das 12 às 14 horas, a mostra Experiências do Saber e do Cuidar apresentará vídeos produzidos pelos estudantes do Colégio Estadual Compositor Luiz Carlos da Vila e uma roda de conversa com apresentação da Biblioteca Parque de Manguinhos, colaboração entre escolas de Manguinhos e apresentação do projeto Alunos Presente. Além disso, haverá declamação de poemas no Sarau Manguinhos.

  10. Centro de Estudos da ENSP debaterá telhados verdes e seus impactos na saúde e ambiente

    O próximo Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos da ENSP terá como tema Telhados verdes e seus impactos na saúde e meio ambiente. A tecnologia é bem simples: o telhado verde consiste basicamente na utilização de recipientes com plantas no topo das residências que objetivam reduzir a temperatura interna do ambiente. Segundo o pesquisador da ENSP e engenheiro civil Renato Castiglia, os benefícios são muitos e qualquer pessoa pode fazer um telhado verde. “Além de proporcionar economia de energia, as plantas retêm água, podendo conter a quantidade de chuvas que chegam ao solo e, consequentemente, reduzir o risco de enchentes”, explica. O Ceensp, marcado para 21 de setembro, às 14 horas, contará com as apresentações de Renato Castiglia e Sylvia Meimaridou Rola, diretora adjunto de extensão da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro. A atividade, coordenada pelo pesquisador da ENSP Tatsuo Carlos Shubo, é aberta a todos os interessados e não necessita de inscrição prévia.