1. 'Mulheres ricas pagam, mulheres pobres morrem': aborto em debate na Radis

    A matéria de capa da Radis n° 191, de agosto de 2018, trata da interrupção segura da gravidez em discussão no STF neste semestre. Segundo a Radis, estima-se que entre 416 mil e 865 mil mulheres de todas as idades, credos e grupos sociais se expõem anualmente ao aborto inseguro no Brasil.  De acordo com a revista, a posição da comunidade acadêmica reunida em inúmeras sessões científicas do recente Abrascão 2018 é tratar o tema como questão de direito da mulher e de saúde pública, na medida em que as vidas de centenas de milhares de brasileiras estão em risco pela prática do aborto inseguro. "Pesquisas apontam que o grau de risco acompanha o traço da desigualdade econômica e social no país, sendo mais elevado entre mulheres negras e pobres". 

  2. 'Mulheres ricas pagam, mulheres pobres morrem': aborto em debate na Radis

    A matéria de capa da Radis n° 191, de agosto de 2018, trata da interrupção segura da gravidez em discussão no STF neste semestre. Segundo a Radis, estima-se que entre 416 mil e 865 mil mulheres de todas as idades, credos e grupos sociais se expõem anualmente ao aborto inseguro no Brasil.  De acordo com a revista, a posição da comunidade acadêmica reunida em inúmeras sessões científicas do recente Abrascão 2018 é tratar o tema como questão de direito da mulher e de saúde pública, na medida em que as vidas de centenas de milhares de brasileiras estão em risco pela prática do aborto inseguro. "Pesquisas apontam que o grau de risco acompanha o traço da desigualdade econômica e social no país, sendo mais elevado entre mulheres negras e pobres". 

  3. 'Mulheres ricas pagam, mulheres pobres morrem': aborto em debate na Radis

    A matéria de capa da Radis n° 191, de agosto de 2018, trata da interrupção segura da gravidez em discussão no STF neste semestre. Segundo a Radis, estima-se que entre 416 mil e 865 mil mulheres de todas as idades, credos e grupos sociais se expõem anualmente ao aborto inseguro no Brasil.  De acordo com a revista, a posição da comunidade acadêmica reunida em inúmeras sessões científicas do recente Abrascão 2018 é tratar o tema como questão de direito da mulher e de saúde pública, na medida em que as vidas de centenas de milhares de brasileiras estão em risco pela prática do aborto inseguro. "Pesquisas apontam que o grau de risco acompanha o traço da desigualdade econômica e social no país, sendo mais elevado entre mulheres negras e pobres". 

  4. Mapa de enfrentamento aos racismos

    No lugar de nomes de favelas, os rios e maciços que formam o ecossistema e a geografia natural. No lugar de divisões administrativas de bairros e ruas, pontos onde há resistências culturais, luta por moradia e relações agroecológicas tradicionais. Tudo destacado graficamente no mapa do Rio de Janeiro. Trata-se do material on-line Enfrentamentos aos racismos pelos olhares das mulheres, que, além do mapa de violações de direitos, contém verbetes, textos analíticos, trechos da pesquisa e sistematização do percurso de investigação empreendido por mulheres auto-organizadas da Zona Oeste que compõem o Militiva.

  5. Mapa de enfrentamento aos racismos

    No lugar de nomes de favelas, os rios e maciços que formam o ecossistema e a geografia natural. No lugar de divisões administrativas de bairros e ruas, pontos onde há resistências culturais, luta por moradia e relações agroecológicas tradicionais. Tudo destacado graficamente no mapa do Rio de Janeiro. Trata-se do material on-line Enfrentamentos aos racismos pelos olhares das mulheres, que, além do mapa de violações de direitos, contém verbetes, textos analíticos, trechos da pesquisa e sistematização do percurso de investigação empreendido por mulheres auto-organizadas da Zona Oeste que compõem o Militiva.