1. Margareth ouve demandas de representantes de departamentos

    Margareth se reuniu ontem com representantes do Departamento de Ciências Sociais da nossa Escola. Entre os temas discutidos, houve críticas à falta de transparência no acesso aos recursos e problemas de infraestrutura. Outra questão levantada pelos integrantes foi a participação mais efetiva nos fóruns de discussão. “Precisa ser mais real”, comentou um dos participantes da reunião. A excessiva burocratização também fez parte da pauta de reivindicações.

  2. Margareth se reúne com servidores do Instituto Nacional de Endemias Rurais

    Margareth esteve no Instituto Nacional de Endemias Rurais (INERU/DCB) em Jacarepaguá, e conversou com servidores. Os funcionários apresentaram sugestões ao programa #escoladetodos. As condições precárias do local chamam atenção. Entre os problemas, a falta de infraestrutura e condição insalubre dos laboratórios. Apesar disso, a dedicação dos trabalhadores sensibilizou Margareth. A visita foi nesta terça, dia 11/4. “As pessoas estão ávidas por desenvolver um bom trabalho apesar das condições. Foi uma visita que me impactou muito”, disse.

  3. Margareth debate propostas com analistas nesta quarta-feira (19/4)

    O processo eleitoral da Escola encontra-se aberto. Nesse processo de debate e construção, as competências dos analistas, suas avaliações e proposições são fundamentais. Conhecedores por natureza profissional da dinâmica das organizações, os analistas possuem visão e papel diferenciados na análise crítica da ENSP, assim como são fundamentais na formatação de seu projeto de futuro. Tenho uma convicção de partida para a futura gestão da Escola: os analistas precisam ser mais valorizados, pois têm muito a agregar à ENSP, bem como em suas próprias trajetórias profissionais.

  4. Reunião com Centro de Referência Professor Hélio Fraga

    Em reunião com número expressivo de trabalhadores, no auditório do Centro de Referência Professor Hélio Fraga (CRPHF), Margareth expôs suas propostas e respondeu perguntas dos funcionários. Ela assumiu o compromisso de um relacionamento mais estreito entre a Direção e o CRPHF, demonstrando sensibilidade em relação a problemas na infraestrutura do centro, com destaque para o Laboratório de Referência Nacional para a Tuberculose. “Foi uma rica troca de experiências e informações. Saí da reunião com a certeza que há muito a ser feito pelo Hélio Fraga”, disse Margareth. A reunião foi na segunda-feira, dia 10.

  5. ENSP como #escoladetodos

    A campanha começou e um fato tem despertado a atenção nas panfletagens e reuniões: a quantidade de pessoas que sentem a necessidade expor ideias, apresentar sugestões. Colegas prontos para contribuir em tornar nossa ENSP realmente uma #escoladetodos.
    Cada conversa tem sido enriquecedora. Isso demonstra que há demandas a serem debatidas e pontos a serem ajustados em nossa Escola. É assim que irei caminhar até 10/05, dia da eleição: diálogo sadio, afeto nas relações, respeito às diferenças, procurar ouvir a todos.
    Faltam 30 dias para a eleição. Convido você a colaborar com ideias e propostas. O que você gostaria de mudar em nossa ENSP? Do que sente falta? Quais as carências do seu setor ou departamento? Meus pedidos não são mero gesto protocolar de quem está em campanha, mas uma proposta de construção coletiva de uma Escola de todos.

  6. Campanha Margareth 2017: Carta de apresentação

    Com muita alegria me apresento aos colegas como candidata à direção da ENSP.  Sei da responsabilidade em assumir este desafio.  Proponho compromissos construídos coletivamente por muitos que acreditam numa ENSP forte e unida.  Numa ENSP que transborde energia e força, fruto do trabalho conjunto de todos seus profissionais e estudantes.  Uma proposta com responsabilidade e compromisso com a instituição e com o SUS. Acredito que podemos fazer a nossa Escola melhor e mais potente!  Fortalecendo seu papel na Fiocruz, na sociedade e na ciência, tecnologia e inovação em saúde.  Tenho discutido, compartilhado e valorizado importantes contribuições para a formulação de um projeto para a “ENSP que queremos e que podemos transformar em realidade”. 

  7. Campanha Margareth 2017

    Nossa Escola, como organização complexa, rica e plural, traz também o desafio do permanente aprendizado, visando uma gestão integrada, democrática, eficiente, fruto do conjunto das nossas competências profissionais, por vezes dispersas, além de diversas. Precisamos fomentar continuamente novas práticas, novos instrumentos e atitudes, sobretudo, o respeito e a efetiva inclusão num projeto de todos, do conjunto dos profissionais e alunos que a integram, de modo que nossa potência seja aprimorada e redunde em mais entregas e valor para a sociedade.