1. Nota Pública do Fórum de Coordenadores de Pós em Defesa do SUS e do Estado Democrático de Direito

    Reunidos em Florianópolis nos dias 1º e 2 de junho de 2016, os coordenadores dos Programas de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do Brasil vêm expressar sua veemente posição de proteção e defesa dos princípios constitucionais que delinearam o Sistema Único de Saúde (SUS), uma conquista da população brasileira e resultado do movimento de reforma sanitária ensejado nos anos 1970, que deram origem à criação desses programas de pós-graduação. Nesse momento em que direitos e pautas sociais se veem ameaçados, assim como o próprio Estado Democrático de Direito, o Fórum de Coordenadores de Programas de Pós-Graduação em Saúde Coletiva expressa sua preocupação com a defesa da democracia, com o direito à saúde e à educação.

  2. EAD oferece mais de mil vagas em cursos de especialização a distância

    A Educação a Distância da ENSP está com inscrições abertas para alunos e tutores em dois cursos oferecidos no âmbito do convênio com a Universidade Aberta do Brasil, do Ministério da Educação (UAB/MEC). Os cursos de especialização Impactos da Violência na Escola e Gestão em Saúde disponibilizam ao todo mais de mil vagas. Confira as oportunidades e leia todas as informações disponíveis nos respectivos editais. 

  3. Entrevista: Alunos e Direção da ENSP juntos pela democracia

    O Fórum de estudantes da ENSP promoveu, em 1º de junho, um dia de mobilização pela democracia. O OcupaENSP, como foi batizado o ato, teve a proposta de discutir a atual conjuntura política protestando contra a perda de direitos e os ataques ao Sistema Unico de Saúde (SUS). Ao longo do dia foram realizados debates sobre democracia, conjuntura política e o papel do sanitarista no contexto atual, além de atividades culturais e uma manifestação dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) a respeito das portarias que alteram a composição das equipes da Estratégia Saúde da Familia (ESF).

  4. Reportagem cita pesquisa sobre elevados níveis de contaminação por mercúrio em povos indígenas

    O jornal Folha de Boa Vista citou, em reportagem sobre os riscos da contaminação por mercúrio, o estudo desenvolvido pela Escola Nacional de Saúde Pública que encontrou elevados níveis da substância entre os povos das etnias Yanomami e Ye'kuana, coordenado pelo pesquisador Paulo Basta. A reportagem afirma que o mercúrio é um mal silencioso e invisível que, aos poucos, está chegando próximo às pessoas. A contaminação chegou a afetar todos os adultos examinados em uma das regiões analisadas, segundo o estudo da ENSP.

  5. Debates, filmes e festa junina no mês do meio ambiente na ENSP

    A um primeiro olhar, o mês de junho pode não combinar muito com meio ambiente, afinal, em que pese a lamúria dos saudosistas, os balões que sobem aos céus para os festejos juninos provocam queimadas e destruição. Os festejos de São João, porém, são também ocasião de se celebrar as tradições populares e a cultura dos povos ligados ao cultivo cuidadoso da terra. É por isso que, na ENSP, entre quitudes e ao som da sanfona, também serão promovidos debates sobre os temas ambientais mais urgentes. Além das discussões, a programação, que se estenderá por todo o mês, contará com uma mostra de curta-metragens, feira agroecológica, música e, como ninguém é de ferro, uma festa junina.

  6. Artigo defende manutenção do calendário olímpico, apesar do zika

    Pesquisadores brasileiros publicaram na revista científica Memórias do Instituto Oswaldo Cruz um artigo de opinião que defende a manutenção do calendário dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de Janeiro. Assinado por cientistas do Programa de Computação Científica da Fundação Oswaldo Cruz (PROCC/Fiocruz) e da Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro (FGV), o artigo apresenta uma série de evidências científicas que apontam para uma expectativa de baixo número de casos de doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti em agosto. Os cientistas argumentam que, considerando o período em que ocorrerão as Olimpíadas, não há motivo suficiente para alterar o calendário do evento, conforme proposto em carta aberta recentemente encaminhada à Organização Mundial da Saúde (OMS). 

  7. Carta de Fortaleza defende o Sistema Único de Saúde

    Na abertura do XXXII Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (1/6), o ministro interino da Saúde, Ricardo Barros, foi recebido por manifestantes em defesa do SUS que criticaram as medidas lançadas pelo governo Temer e reivindicaram a ampliação de recursos para saúde. Durante o congresso, os diretores do Departamento Nacional de Auditoria do SUS/Ministério da Saúde(Denasus) e seus chefes nos estados elaboraram a Carta de Fortaleza dos Auditores em Defesa do SUS. O documento rechaça qualquer tentativa de desconstrução do Sistema Único de Saúde - "conquistado pelo povo brasileiro durante o processo de redemocratização" -, defende a concretização das propostas apresentadas pelo "Movimento Saúde Mais dez" e aprovação da PEC 01/2015. O final da carta enfatiza a luta pelo fortalecimento das instâncias de controle interno da Administração Pública e do Sistema Nacional de Auditoria do SUS, "que juntamente com o controle social exercem papel fundamental na consolidação do SUS como a maior política pública de inclusão social".

  8. Plataforma virtual reúne informações científicas sobre o Mais Médicos

    A nova versão da Plataforma de Conhecimentos do Programa Mais Médicos permite visualizar a totalidade das pesquisas científicas, em andamento e concluídas, e acessar publicações (artigos, capítulos de livros, livros e teses defendidas, entre outras) sobre o tema. “A Plataforma de Conhecimentos do Programa Mais Médicos propicia o intercâmbio de conhecimento entre os pesquisadores, gestores e demais profissionais de saúde ao facilitar o acesso às evidências científicas geradas”, explica o coordenador da Unidade Técnica do Programa Mais Médicos da Opas, Renato Tasca.

  9. Marcha dos agentes comunitários e discussão sobre papel do sanitarista marcam 1° OcupaENSP

    Pequenos caixões de papel para representar perdas reais, enormes. Na portaria da ENSP, durante a primeira ocupação promovida pelo Fórum dos Estudantes da Escola, o SUS, a previdência e as lutas das minorias foram enterrados simbolicamente. Como guardião desse cemitério de direitos, o rosto do presidente interino Michel Temer, estampado em um pano de chão onde se lia a palavra golpista. Os panos, obra do artista plástico Roosevelt Avelino Trindade, os cartazes, confeccionados pelos alunos da ENSP, as palavras de ordem, os debates e, principalmente, o desejo de resistência foram a tônica do evento. O OcupaENSP contou ainda com intervenções culturais e com uma marcha dos Agentes Comunitários de Saúde. Eles querem a revogação das portarias que retiram a obrigatoriedade deles na composição das equipes da estratégia de saúde da família. 

  10. Vacina contra zika estará disponível para testes em novembro, informa Ministério da Saúde

    Fruto de parceria entre o Instituto Evandro Chagas (PA), do Ministério da Saúde, e a Universidade Medical Branch do Texas (EUA), a vacina poderá estar disponível para produção em dois anos. O desenvolvimento da vacina contra o vírus Zika, resultado da parceria firmada entre o Instituto Evandro Chagas (PA), do Ministério da Saúde, e a Universidade Medical Branch do Texas, Estados Unidos, estará disponível para os testes pré-clínicos (em primatas e camundongos) em novembro.  A previsão foi anunciada pelo diretor do instituto, Pedro Vasconcelos, ao ministro da Saúde, Ricardo Barros, durante reunião no Ministério da Saúde.