1. SOS Manguinhos: Centro de Saúde da ENSP concentra donativos para vítimas da enchente

    A chuva forte que caiu no Rio de Janeiro na madrugada da última quinta-feira, 15 de fevereiro, destruiu casas, invadiu lojas e deixou um rastro de lama e destruição pelas ruas do território de Manguinhos. Muitos moradores perderam tudo que tinham e estão desalojados, com dificuldades para cozinhar, estocar medicamentos que precisam de refrigeração etc. Os relatos dão conta de uma completa inoperância dos agentes públicos para buscarem solução para os problemas. Para tentar amparar as vítimas da enchente com donativos e serviços de saúde, foi criado o grupo SOS Manguinhos, do qual participam agentes comunitários de saúde (ACS) do território. O Centro de Saúde Germano Silva Faria, da ENSP, cumprindo seu papel de ser a interface de troca entre a Escola e a comunidade vizinha, está recebendo as doações e buscando estratégias de ação no campo a saúde.

     

  2. SOS Manguinhos: Centro de Saúde da ENSP concentra donativos para vítimas da enchente

    A chuva forte que caiu no Rio de Janeiro na madrugada da última quinta-feira, 15 de fevereiro, destruiu casas, invadiu lojas e deixou um rastro de lama e destruição pelas ruas do território de Manguinhos. Muitos moradores perderam tudo que tinham e estão desalojados, com dificuldades para cozinhar, estocar medicamentos que precisam de refrigeração etc. Os relatos dão conta de uma completa inoperância dos agentes públicos para buscarem solução para os problemas. Para tentar amparar as vítimas da enchente com donativos e serviços de saúde, foi criado o grupo SOS Manguinhos, do qual participam agentes comunitários de saúde (ACS) do território. O Centro de Saúde Germano Silva Faria, da ENSP, cumprindo seu papel de ser a interface de troca entre a Escola e a comunidade vizinha, está recebendo as doações e buscando estratégias de ação no campo a saúde.

     

  3. SOS Manguinhos: Centro de Saúde da ENSP concentra donativos para vítimas da enchente

    A chuva forte que caiu no Rio de Janeiro na madrugada da última quinta-feira, 15 de fevereiro, destruiu casas, invadiu lojas e deixou um rastro de lama e destruição pelas ruas do território de Manguinhos. Muitos moradores perderam tudo que tinham e estão desalojados, com dificuldades para cozinhar, estocar medicamentos que precisam de refrigeração etc. Os relatos dão conta de uma completa inoperância dos agentes públicos para buscarem solução para os problemas. Para tentar amparar as vítimas da enchente com donativos e serviços de saúde, foi criado o grupo SOS Manguinhos, do qual participam agentes comunitários de saúde (ACS) do território. O Centro de Saúde Germano Silva Faria, da ENSP, cumprindo seu papel de ser a interface de troca entre a Escola e a comunidade vizinha, está recebendo as doações e buscando estratégias de ação no campo a saúde.

     

  4. Seminário discute impacto da violência armada nas escolas

    Entre 88 moradores e moradoras do Jacarezinho, Manguinhos e Maré entrevistados para uma pesquisa da Cooperação Social da Fiocruz, 91% afirmaram que a violência armada afeta sua educação escolar. No percurso formativo letivo de 12 anos, um aluno da Maré tem um ano a menos de aula em razão dos fechamentos das escolas em dias de conflitos, segundo a ONG Redes da Maré. Esses foram alguns dos efeitos nocivos do contexto de violência em favelas tematizados no seminário Violência armada e Saúde em escolas localizadas em periferias urbanas que reuniu, em 13 de dezembro, professores, alunos, profissionais de saúde e sociedade civil organizada, no campus Manguinhos da Fiocruz.

  5. Debate sobre a crise da saúde no Rio de Janeiro está disponível em vídeo

    A Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/Fiocruz), dedicada há mais de seis décadas à formação profissional em saúde, pesquisa, desenvolvimento tecnológico, formulação de políticas públicas e prestação de serviços de referência em saúde, não poderia ficar imune à crise da saúde no Rio de Janeiro. Demissões, salários atrasados, falta de insumos, medicamentos, exames complementares e a ausência de contratos de manutenção e limpeza são alguns dos exemplos que expõem a situação vivida pelos cariocas. Diante desse contexto, a ENSP promoveu, no dia 23 de novembro, o debate A crise na Saúde no Município do Rio de Janeiro. Coordenada pelo médico, vereador da Comissão de Saúde da Câmara Municipal e professor colaborador da ENSP, Paulo Pinheiro, a atividade contou com a participação do Presidente do Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde, Ronaldo Moreira Paes, do Presidente da Associação dos Médicos de Família e Comunidade, Moisés Vieira Nunes, da Subsecretária Geral Executiva da Secretaria Municipal em Saúde, Ana Beatriz Busch Araújo, e do Representante do Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro, Ricardo Levorato. Confira, nos vídeos abaixo, o debate na íntegra ou acesse o Canal a ENSP no Youtube.

  6. Debate sobre a crise da saúde no Rio de Janeiro está disponível em vídeo

    A Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/Fiocruz), dedicada há mais de seis décadas à formação profissional em saúde, pesquisa, desenvolvimento tecnológico, formulação de políticas públicas e prestação de serviços de referência em saúde, não poderia ficar imune à crise da saúde no Rio de Janeiro. Demissões, salários atrasados, falta de insumos, medicamentos, exames complementares e a ausência de contratos de manutenção e limpeza são alguns dos exemplos que expõem a situação vivida pelos cariocas. Diante desse contexto, a ENSP promoveu, no dia 23 de novembro, o debate A crise na Saúde no Município do Rio de Janeiro. Coordenada pelo médico, vereador da Comissão de Saúde da Câmara Municipal e professor colaborador da ENSP, Paulo Pinheiro, a atividade contou com a participação do Presidente do Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde, Ronaldo Moreira Paes, do Presidente da Associação dos Médicos de Família e Comunidade, Moisés Vieira Nunes, da Subsecretária Geral Executiva da Secretaria Municipal em Saúde, Ana Beatriz Busch Araújo, e do Representante do Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro, Ricardo Levorato. Confira, nos vídeos abaixo, o debate na íntegra ou acesse o Canal a ENSP no Youtube.

  7. Nota de solidariedade aos pesquisadores da UFPA

    A Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca da Fiocruz vem a público manifestar solidariedade aos pesquisadores da Universidade Federal do Pará que, segundo denúncia apresentada à Polícia Federal, sofreram intimidações, ameaças e agressões por parte do prefeito da cidade de Senador Porfírio durante um evento em que se debatia os impactos da instauração de uma mineradora em uma área do Xingu. O projeto da mineradora "Belo Sun" é alvo de dois processos judiciais. De acordo com o que relataram os presentes, o prefeito Dirceu Biancardi chegou ao evento acompanhando de um grupo de quarenta pessoas, tumultuando sua realização e mantendo alunos e professores trancados na sala, sob ameaças.

  8. ENSP promove debate sobre crise da saúde no Rio de Janeiro nesta quinta-feira (23/11)

    Dedicada há mais de seis décadas à formação profissional em saúde, pesquisa, desenvolvimento tecnológico, formulação de políticas públicas e prestação de serviços de referência em saúde, a Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz não poderia ficar imune à crise da saúde no Rio de Janeiro. Demissões, salários atrasados, falta de insumos, medicamentos, exames complementares e a ausência de contratos de manutenção e limpeza são alguns dos exemplos que expõem a situação vivida pelos cariocas. Diante disso, nesta quinta-feira, 23 de novembro, a ENSP/Fiocruz promoverá o debate A crise na Saúde no Município do Rio de Janeiro, às 9 horas, no salão internacional. O debate será coordenado pelo médico, vereador da Comissão de Saúde da Câmara Municipal e professor colaborador da ENSP, Paulo Pinheiro, e contará com a participação do Presidente do Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde, Ronaldo Moreira Paes, do Presidente da Associação dos Médicos de Família e Comunidade, Moisés Vieira Nunes, da Subsecretária Geral Executiva da Secretaria Municipal em Saúde, Ana Beatriz Busch Araújo, e do Representante do Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro, Ricardo Levorato. A atividade, organizada com o apoio da Direção e da Vice-Direção de Escola de Governo em Saúde da ENSP, é aberta a todos os interessados e não necessita de inscrição prévia.

  9. ENSP promove debate sobre crise da saúde no Rio de Janeiro nesta quinta-feira (23/11)

    Dedicada há mais de seis décadas à formação profissional em saúde, pesquisa, desenvolvimento tecnológico, formulação de políticas públicas e prestação de serviços de referência em saúde, a Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz não poderia ficar imune à crise da saúde no Rio de Janeiro. Demissões, salários atrasados, falta de insumos, medicamentos, exames complementares e a ausência de contratos de manutenção e limpeza são alguns dos exemplos que expõem a situação vivida pelos cariocas. Diante disso, nesta quinta-feira, 23 de novembro, a ENSP/Fiocruz promoverá o debate A crise na Saúde no Município do Rio de Janeiro, às 9 horas, no salão internacional. O debate será coordenado pelo médico, vereador da Comissão de Saúde da Câmara Municipal e professor colaborador da ENSP, Paulo Pinheiro, e contará com a participação do Presidente do Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde, Ronaldo Moreira Paes, do Presidente da Associação dos Médicos de Família e Comunidade, Moisés Vieira Nunes, da Subsecretária Geral Executiva da Secretaria Municipal em Saúde, Ana Beatriz Busch Araújo, e do Representante do Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro, Ricardo Levorato. A atividade, organizada com o apoio da Direção e da Vice-Direção de Escola de Governo em Saúde da ENSP, é aberta a todos os interessados e não necessita de inscrição prévia.

  10. ENSP promove debate sobre crise da saúde no Rio de Janeiro nesta quinta-feira (23/11)

    Dedicada há mais de seis décadas à formação profissional em saúde, pesquisa, desenvolvimento tecnológico, formulação de políticas públicas e prestação de serviços de referência em saúde, a Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz não poderia ficar imune à crise da saúde no Rio de Janeiro. Demissões, salários atrasados, falta de insumos, medicamentos, exames complementares e a ausência de contratos de manutenção e limpeza são alguns dos exemplos que expõem a situação vivida pelos cariocas. Diante disso, nesta quinta-feira, 23 de novembro, a ENSP/Fiocruz promoverá o debate A crise na Saúde no Município do Rio de Janeiro, às 9 horas, no salão internacional. O debate será coordenado pelo médico, vereador da Comissão de Saúde da Câmara Municipal e professor colaborador da ENSP, Paulo Pinheiro, e contará com a participação do Presidente do Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde, Ronaldo Moreira Paes, do Presidente da Associação dos Médicos de Família e Comunidade, Moisés Vieira Nunes, da Subsecretária Geral Executiva da Secretaria Municipal em Saúde, Ana Beatriz Busch Araújo, e do Representante do Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro, Ricardo Levorato. A atividade, organizada com o apoio da Direção e da Vice-Direção de Escola de Governo em Saúde da ENSP, é aberta a todos os interessados e não necessita de inscrição prévia.