1. PPGBIOS denuncia agressões e ameaças à professora Debora Diniz

    O Programa de Pós-Graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva, desenvolvido  em associação ampla entre a Fiocruz, UFRJ, UFF e Uerj, vem a público denunciar as agressões absurdas e covardes que estão sendo feitas contra a antropóloga e docente do PPGBIOS, Debora Diniz, ligada à UnB, por meio de mídias diversas. Debora possui renomada carreira, é professora e pesquisadora nos campos da Bioética, Direitos Humanos e Direitos das Mulheres, além de cineasta e escritora. 

  2. PPGBIOS denuncia agressões e ameaças à professora Debora Diniz

    O Programa de Pós-Graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva, desenvolvido  em associação ampla entre a Fiocruz, UFRJ, UFF e Uerj, vem a público denunciar as agressões absurdas e covardes que estão sendo feitas contra a antropóloga e docente do PPGBIOS, Debora Diniz, ligada à UnB, por meio de mídias diversas. Debora possui renomada carreira, é professora e pesquisadora nos campos da Bioética, Direitos Humanos e Direitos das Mulheres, além de cineasta e escritora. 

  3. Contra a violência de estado e por uma mudança de mentalidades

    Na manhã da última quarta-feira, 20 de junho, os trabalhadores da Fiocruz receberam uma notícia, infelizmente, corriqueira: operação policial na Favela da Maré colocava em alerta aqueles que usam a portaria da Avenida Brasil e acabaria por encerrar o expediente no prédio da Expansão, sob intenso barulho de tiros, disparados inclusive de um helicóptero. Naquela mesma manhã, o menino Marcos Vinícius da Silva, de 14 anos, também seguia sua rotina a caminho da escola quando foi alvejado pelas costas. Segundo mãe do menino, a ambulância que viria buscá-lo chegou a ser impedida pela polícia de entrar na favela. Levado ao hospital Getúlio Vargas, ele morreria horas mais tarde, deixando um rastro de indigação e tristeza entre parentes, amigos e aqueles querem um país em que a vida humana seja um valor a ser preservado.

  4. Contra os cortes na saúde para subsidiar o diesel

    O governo agravou mais uma vez a saúde dos brasileiros e o Sistema Único de Saúde recebeu mais um duro corte após o anúncio da Medida Provisória 839 publicada em edição extraordinária do Diário Oficial da União nesta quinta-feira, 31, que detalha o corte de gastos feito pelo governo para tentar acomodar o gasto extra de R$ 9,58 bilhões para bancar o subsídio ao diesel.
     

  5. Fiocruz divulga nota contra flexibilização de lei sobre agrotóxicos

    Em Nota Pública, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) se posiciona de forma contrária ao Projeto de Lei 6299/02, que trata do registro de agrotóxicos no país, com votação prevista no Congresso Nacional nesta terça-feira (8/5). Para a Fundação, o projeto visa alterar em profundidade o Marco Legal sobre o tema (lei 7.802/1989), negligenciando a promoção da saúde e a proteção da vida, e configurando uma desregulamentação que irá fragilizar o registro e reavaliação desses produtos no Brasil. A proposta significa um retrocesso que põe em risco a população, em especial grupos populacionais vulnerabilizados como mulheres grávidas, crianças e os trabalhadores envolvidos em atividades produtivas que dependem da produção ou uso desses biocidas.
     

  6. Abrasco e Cebes se manifestam contra demissão de Sônia Fleury

    O Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes) e a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) vêm a público manifestar sua solidariedade à Professora Sonia Maria Fleury Teixeira, diante de sua demissão da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas (Ebape/FGV). Sonia Fleury foi presidente do Cebes e diretora da Abrasco e é reconhecida como uma das pessoas mais influentes na construção do pensamento brasileiro e latino americano em saúde. Foi participante ativa da Assembleia Nacional Constituinte de 1988, onde contribuiu para a formulação do capítulo da seguridade social, mecanismo mais inovador e progressista de nossa carta cidadã. Sonia Fleury também contribuiu de forma exemplar para a incorporação da noção de cidadania como elemento de democratização da sociedade brasileira, através dos direitos sociais. Seus estudos ajudaram a construção do projeto da reforma sanitária brasileira como um projeto que não se restringe à assistência médica, mas é sim um projeto civilizador de ampliação da democracia e enfrentamento das desigualdades sociais.

  7. ENSP se manifesta contra demissão de Sônia Fleury

    A Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) lamenta profundamente a demissão da professora Sonia Fleury, após mais de 35 anos de serviços prestados à Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas (Ebape/FGV). Apesar de inoportuna e incoerente, a "dispensa" da docente mais produtiva da Ebape/FGV, segundo os indicadores de avaliação da produção acadêmica, representa uma perda imensurável para as áreas da ciência, da política social e para o Sistema Político Brasileiro. Fleury, além de membro do Conselho Consultivo da ENSP/Fiocruz, teve contribuição decisiva na construção da democracia e da concepção do Sistema Único de Saúde, na companhia de inúmeros pesquisadores da ENSP/Fiocruz. "Sonia Fleury foi uma das maiores articuladoras do Movimento da Reforma Sanitária. Trata-se de mais uma atitude arbitrária e de austeridade contra a saúde pública brasileira", alertou Hermano Castro, diretor da ENSP. Confira, abaixo, a carta de Fleury aos diretores da Ebape/FGV e o abaixo-assinado contra sua demissão.
     

     

  8. ENSP divulga carta aberta sobre execução política de vereadora e violência no RJ

    Em reunião na terça-feira, 20 de março, o Conselho Deliberativo da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) ratificou, por unanimidade, a posição da direção e reafirmou a importância da luta pelos direitos humanos reforçando a necessidade de uma sociedade mais justa, com melhores condições de vida, saúde e trabalho e pede um basta às mortes das diversas "Marielles", "Matheus", "Benjamins" "Andersons".