1. Estudo caso-controle confirma relação causal entre infecção por zika na gravidez e surgimento de microcefalia no recém-nascido

    A epidemia de microcefalia registrada no Brasil em 2015 é resultado de infecção congênita da mãe para o bebê por zika. A conclusão é de um estudo caso-controle preliminar do Microcephaly Epidemic Research Group (MERG), publicado nesta quinta-feira (15), na revista científica The Lancet Infectious Diseases. A pesquisa é intitulada “Association between Zika Virus infection and microcephaly in Brazil, January to May 2016: Preliminary report of a case control study”.

  2. Comitê sobre zika e microcefalia parabeniza Brasil por medidas de saúde durante as Olimpíadas

    O Comitê de Emergência sobre o vírus zika, microcefalia e outros distúrbios neurológicos, após se reunir na quinta-feira (1/9), convocado pela diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, parabenizou o Brasil pela aplicação bem sucedida de medidas de saúde pública adequadas durante os Jogos Olímpicos. Até o momento, não houve relatos de casos confirmados de zika entre as pessoas que participaram dos Jogos. A falta de casos apoia as conclusões da avaliação de riscos em relação aos Jogos Olímpicos feitas na 3ª reunião do Comitê, em junho deste ano. O grupo avaliou ainda que a infecção pelo vírus e seus distúrbios congênitos e neurológicos associados continuam a ser uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional.

  3. Reportagem analisa chegada do Zika Vírus ao Brasil

    O site Bolsa de Mulher publicou reportagem sobre a origem do Zika e analisou como se deu a chegada do vírus ao Brasil. De acordo com a reportagem, o zika chegou ao Brasil provavelmente no ano de 2013, entre os meses de maio e dezembro - período que coincide com um aumento do fluxo de pessoas de países com endemia de zika para o Brasil. A reportagem ouviu os pesquisadores da Fiocruz Eduardo Maranhão e Christovam Barcellos sobre a disseminação do vírus. Na opinião do pesquisador da ENSP, "o desenvolvimento de uma vacina eficaz, segura , barata e aplicada massivamente (em mais de 95% da população) reduzirá drástica e rapidamente o número de pessoas suscetíveis à infecção". Leia a reportagem.

  4. Opas/OMS atualiza caracterização da síndrome congênita do zika

    A Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (Opas/OMS) atualizou a caracterização preliminar da Síndrome Congênita do Zika, após uma reunião internacional, em Pernambuco, em 21 de julho O evento juntou cientistas do Brasil, da Colômbia, da Argentina, dos Estados Unidos, da OPAS e da OMS para investigar os detalhes da infecção pelo vírus zika e seus efeitos sobre a criança. A atualização busca contribuir para a melhoria do atendimento realizado em serviços de saúde das regiões afetadas. A Opas/OMS está liderando o processo de agrupamento e revisão de mais evidências para definir claramente esses efeitos e atualizará sua descrição assim que mais evidências forem produzidas.

  5. Fiocruz discute zika em simpósio sobre vigilância em saúde

    Com o objetivo de preparar-se para a 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde, que ocorrerá em abril de 2017 em Brasília, a Vice-Presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde (VPAAPS/Fiocruz) promoveu, na última quinta-feira (21/7), o simpósio sobre aspectos diversos da zika, como epidemiologia, estudos clínicos, distribuição espacial e fatores socioambientais, além da vigilância em saúde e o SUS. Realizado no auditório do Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz), em Manguinhos, no Rio de Janeiro, o evento Emergência Sanitária: contribuições da Fiocruz para a 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde reuniu representantes da Fundação, do Ministério da Saúde e de diversas instâncias estaduais e municipais do Sistema Único de Saúde (SUS).
     

  6. Novo relatório da OMS atualiza para 61 o número de países com circulação do vírus zika

    A Organização Mundial da Saúde divulgou na quinta-feira (30/6) o novo relatório de situação sobre zika, microcefalia e Síndrome de Guillain-Barré. De acordo com a nova avaliação, até o dia 29 de junho, 61 países e territórios continuam a notificar a transmissão do vírus zika por mosquitos. Dez países reportaram evidências de transmissão de pessoa para pessoa, provavelmente por via sexual (Argentina, Canadá, Chile, Peru, Estados Unidos, França, Alemanha, Itália, Portugal e Nova Zelândia).

  7. Casos de dengue no Brasil apresentam queda antecipada

    Os casos de dengue deste ano, no Brasil, apresentaram queda antecipada em relação aos anos anteriores. Historicamente, a redução no número de casos era observada a partir do mês de junho. Levantamento do Ministério da Saúde aponta que, a partir do mês de março, o país começou a mostrar tendência de redução, demonstrando um comportamento diferente do habitual neste ano. Os números dos casos de dengue estão em declínio e já apresentaram redução de 99,2% no comparativo entre fevereiro e maio deste ano.

  8. Banco de dados colaborativo reúne informações de genes associados ao zika

    Cientistas que estudam o vírus da Zika ganharam uma ferramenta que poderá trazer contribuições valiosas para as pesquisas. Trata-se do ZIKV-CDB, um banco de dados colaborativo, que tem por objetivo reunir informações relacionadas aos genes associados à doença. A plataforma foi criada pelo Laboratório de Informática de Biossistemas e Genômica da Fiocruz Minas, e já pode ser acessada.

  9. Vacina contra zika estará disponível para testes em novembro, informa Ministério da Saúde

    Fruto de parceria entre o Instituto Evandro Chagas (PA), do Ministério da Saúde, e a Universidade Medical Branch do Texas (EUA), a vacina poderá estar disponível para produção em dois anos. O desenvolvimento da vacina contra o vírus Zika, resultado da parceria firmada entre o Instituto Evandro Chagas (PA), do Ministério da Saúde, e a Universidade Medical Branch do Texas, Estados Unidos, estará disponível para os testes pré-clínicos (em primatas e camundongos) em novembro.  A previsão foi anunciada pelo diretor do instituto, Pedro Vasconcelos, ao ministro da Saúde, Ricardo Barros, durante reunião no Ministério da Saúde.