1. Rede Zika Ciências Sociais promove oficina nesta terça (19/12)

    A Rede Zika Ciências Sociais promove, nesta terça-feira (19/12), a Oficina sobre Engajamento Público. O objetivo do evento, que acontece na sala 410 da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Ensp), e é aberto ao público das 9h às 12h30, sala 410, é gerar um documento de referência que alinhe o conceito de “engajamento público” para a Rede Zika Ciências Sociais, e que organize uma agenda de trabalho e ação social em relação ao tema. A oficina continua das 14h às 17h, apenas para comissão e palestrantes. Inscrições devem ser feitas pelo e-mail redezikacs@fiocruz.br

  2. Foco no Aedes pode invisibilizar determinantes sociais do zika

    A epidemia do vírus zika no Brasil em 2016 teve determinantes sociais, como a desigualdade social e a ausência de saneamento básico, que correm o risco de ser invisibilizados caso o combate à doença foque-se exclusivamente no mosquito Aedes aegypti, afirmou a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima. A declaração foi concedida no simpósio Intervenção e diagnóstico precoces em malformações do neurodesenvolvimento pediátrico, onde Nísia fez a apresentação O impacto social da síndrome pós-zika, ao lado do pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/Fiocruz) Gustavo Corrêa da Matta.
     

  3. Fiocruz cria plataforma de vigilância para zika e microcefalia

    O Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para a Saúde (Cidacs) da Fiocruz Bahia, em parceria com o Ministério da Saúde, inaugurou, em maio, a Plataforma Zika - plataforma de vigilância de longo prazo para a zika e microcefalia no âmbito do SUS. Seu objetivo é desenvolver e adotar instrumentos, protocolos, procedimentos e outras metodologias de colaboração e compartilhamento entre instituições governamentais e pesquisadores no Brasil e no exterior, visando estudar as consequências da infecção pelo vírus zika na gestação, parto, puericultura e juventude, pelo período inicial estimado de 30 anos.

  4. As ciências sociais contra a zika

    A contribuição do campo das ciências humanas para o combate à zika foi o tema de um seminário na Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) que reuniu cientistas de instituições internacionais no último dia 30 de março. Esse foi o primeiro encontro dos pesquisadores da área de ciências sociais do ZIKAlliance, um consórcio multinacional e multidisciplinar que reúne dezenas de parceiros pelo mundo coordenado pelo INSERM, o instituto nacional francês de saúde e pesquisa médica. Nísia Trindade Lima, presidente da Fiocruz e coordenadora do Grupo de Pesquisa em Ciências Sociais do ZIKAlliance, disse que é um desafio importante trabalhar com os aspectos humanos e sociais diante de uma epidemia cujos esforços se voltam principalmente para o diagnóstico, o tratamento e um grande foco no mosquito. “Não se trata de uma guerra de um mosquito contra a humanidade, e sim de processos sociais que explicam essa proliferação. Mas o fato é que na mídia e no imaginário essa associação com o mosquito é a mais forte e muitas vezes dificulta o olhar para outras causas”, ressaltou.

  5. Conheça as medidas em andamento para garantir uma vacina segura e eficaz contra o vírus zika

    Uma série de medidas deve ser tomada para garantir que as vacinas contra qualquer doença sejam seguras e eficazes. No caso do vírus zika, a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) tem monitorado o processo de pesquisa e desenvolvimento, verificado as bases de dados dos ensaios clínicos em curso e estudos publicados, bem como dialogado com desenvolvedores. Em janeiro de 2017, cerca de 40 vacinas candidatas estavam em processo de pesquisa e desenvolvimento.

  6. Agência da ONU apoia evento em PE sobre políticas públicas de combate ao zika

    A Procuradoria Geral dos Direitos do Cidadão do estado de Pernambuco realizará uma audiência pública em Recife, no dia 10 de fevereiro, para tratar do surto do vírus zika no país. A atividade tem o apoio do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), da ONU Mulheres e da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). O encontro “Políticas Públicas e Epidemia do Vírus Zika: Informação, Controle e Assistência aos Cidadãos” tem como objetivo fomentar o debate acerca de direitos reprodutivos, direito à informação, controle vetorial e assistência às pessoas afetadas pelo zika. Participarão das discussões especialistas no tema, organizações da sociedade civil e mulheres que já foram contaminadas.

  7. ENSP e secretarias municipais realizam seminário sobre o combate ao 'Aedes'

    Foi realizado, na manhã da quarta-feira, 31 de janeiro de 2017, o Seminário de Prevenção e Combate às Arboviroses, conjunto de doenças que incluem dengue, zika e chikungunya e têm vitimado e causado sofrimento em boa parte da população brasileira, sobretudo entre os mais pobres, nos últimos anos.  O evento faz parte da elaboração do plano conjunto de combate ao mosquito Aedes aegypt, que será lançado em quinze dias, por uma parceria entre a Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) a e as Secretarias Municipais de Saúde, Educação e a de Assistência Social e Direitos Humanos do Rio de Janeiro. Com campanhas educacionais nas escolas e na mídia, trazendo por slogan a frase "Aqui, mosquito não se cria", a intenção é que seja feita uma grande mobilização de diversos setores do saber e da sociedade para juntos combaterem o Aedes aegypti.

  8. ENSP e secretarias municipais realizam seminário sobre o combate ao 'Aedes'

    Foi realizado, na manhã da quarta-feira, 31 de janeiro de 2017, o Seminário de Prevenção e Combate às Arboviroses, conjunto de doenças que incluem dengue, zika e chikungunya e têm vitimado e causado sofrimento em boa parte da população brasileira, sobretudo entre os mais pobres, nos últimos anos.  O evento faz parte da elaboração do plano conjunto de combate ao mosquito Aedes aegypt, que será lançado em quinze dias, por uma parceria entre a Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) a e as Secretarias Municipais de Saúde, Educação e a de Assistência Social e Direitos Humanos do Rio de Janeiro. Com campanhas educacionais nas escolas e na mídia, trazendo por slogan a frase "Aqui, mosquito não se cria", a intenção é que seja feita uma grande mobilização de diversos setores do saber e da sociedade para juntos combaterem o Aedes aegypti.

  9. Desafios da tríplice epidemia marcam abertura de seminário sobre dengue, chikungunya e zika

    Foi realizado, na Escola Nacional de Saúde Pública, entre os dias 1º e 2 de dezembro, o 2º Seminário Dengue, Chikungunya e Zika: Desafios na Atenção à Saúde na Chikungunya. O evento, que nesta edição destacou a preocupação dos especialistas com as dimensões que a epidemia de chikungunya pode apresentar no próximo verão no Brasil, teve como objetivo discutir uma proposta para capacitação de profissionais da área de Saúde na abordagem das três doenças. A mesa de abertura do encontro contou com representantes da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), do Ministério da Saúde, da Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro, do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Estado (Consems/RJ), e da Fiocruz.