1. 'O medo naturaliza as violências'

    "A violência tem cor. Os cemitérios têm cor. Ser negro e morador de favela são pré-requisitos para morrer neste país". A fala de Mônica Cunha, fundadora do Movimento Moleque, projeto que atende adolescentes que cumprem medidas socioeducativas e seus familiares, durante a mesa de debate dos 61 anos da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz), no dia 3 de setembro, foi comprovada em mais um episódio brutal nessa terça-feira (8/9), quando um adolescente de 13 anos morreu durante uma operação policial na Favela de Manguinhos. Também presente na mesa, o deputado estadual Marcelo Freixo - quase uma semana antes do crime - afirmou que esse tipo de ação advém de uma desigualdade absolutamente violenta e de um processo de exclusão dos setores marginalizados da sociedade.

  2. História quem faz é gente: Claves debate violência no aniversário da ENSP

    “Somos poucos mas somos ótimos”. Foi assim, bem humorada, que a professora Cecília Minayo saudou as cerca de trinta pessoas que estiveram no Salão Internacional da ENSP para participar de uma discussão sobre violência e saúde, na quarta-feira, dia 2 de setembro. A atividade, uma sessão especial de greve do Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos, tinha uma tripla função: celebrar o aniversário de 61 anos da Escola, os 25 anos do Claves e promover um debate sobre um dos temas mais urgentes da vida em sociedade no Brasil. Participaram da conversa Sílvia Ramos, da Universidade Cândido Mendes e Marta maria da Silva, da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde. 

  3. 61 anos ENSP: violência e saúde pautam debate desta quinta-feira (3/9)

    Para celebrar os seus 61 anos, a Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/Fiocruz) elegeu como tema a luta por melhores condições de educação, saúde, dignidade e liberdade para o ser humano. Visando ampliar a discussão a respeito do assunto, a ENSP receberá, nesta quinta-feira (3/9), o deputado estadual Marcelo Freixo e uma das fundadoras do Movimento Moleque, Mônica Cunha, para o debate Violência e Saúde. O evento, que faz parte de mais uma atividade de greve da Fiocruz, ocorrerá no salão internacional da ENSP, às 9h30, e é aberto a todos os interessados.

  4. ENSP diz não à violência nas comemorações dos seus 61 anos

    Educação, saúde, dignidade e liberdade para o ser humano são defesas da ENSP. Diga não à violência!. Este é o tema central escolhido pela Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) para comemorar seus 61 anos, seguindo em sua busca incessante pela qualidade de vida de forma plena para a sociedade brasileira. Em virtude da greve da Fiocruz, as comemorações da ENSP ocorrerão nos dias 2 e 3 de setembro, com a realização de dois grandes debates, contando com as participações do deputado estadual Marcelo Freixo, e da diretora da Secretária de Vigilância em Saúde CGDANT/SVS, Marta Maria Alves da Silva. No segundo dia de atividades haverá também uma atividade cultural, a realização da Feira Saberes e Sabores e mais uma edição do projeto Livro em Movimento.

  5. ENSP diz não à violência em seu aniversário de 61 anos

    Educação, saúde, dignidade e liberdade para o ser humano. No alto dos seus 61 anos, a Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca continua em sua busca incessante pela qualidade de vida de forma plena para a sociedade brasileira. O tema da comemoração de aniversário definido para este ano de 2015 é a não violência. As palestras, homenagens, a realização de um Ceensp especial e as mesas-redondas, já tradicionais durante as celebrações anuais da ENSP, ocorrerão de 31 de agosto a 4 de setembro nas dependências da Escola. O Informe ENSP divulgará todas as atividades em seu Portal e nas redes sociais. Fique atento à programação e participe conosco de mais essa data especial.