1. Dilma defende o SUS na 15ª Conferência Nacional de Saúde

    "Quando a gente olha para o SUS, a gente sabe que há conquista. Temos que valorizar o SUS todo dia, 24 horas por dia. E isso significa garantir vacinas, transplantes, vigilância sanitária e epidemiológica, tratamento das pessoas com deficiência, medicamentos gratuitos ou com desconto. Tudo isso é a complexa articulação de pessoas que garantem o SUS, e que mudam para melhor a vida dos brasileiros", defendeu a presidenta Dilma Rousseff, diante de 6,5 mil participantes da 15ª Conferência Nacional de Saúde que lotaram o Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília (DF), na sexta-feira (4/12).

  2. 15ª CNS em fotos - confira a cobertura fotográfica feita pela equipe da Radis/ENSP

    Três profissionais da revista Radis - Carolina Niemeyer, Edu Oliveira e Felipe Plauska -, estão cobrindo a 15ª Conferência Nacional de Saúde, em Brasília, que termina nesta sexta-feira (4/12) e publicando o que de melhor vem ocorrendo no evento através de fotos. Confira, em nossa galeria, as imagens do maior e mais importante evento da saúde pública do país. Veja também os destaques dos dias 3 e 4/12 da 15ª CNS e a cobertura feita pela Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz) no evento.

  3. Segundo dia da 15ª CNS trata da valorização do trabalho e financiamento do SUS

    Valorização do Trabalho e Formação no SUS e Financiamento do SUS e relação público-privada foram os dois grandes temas de debate na manhã de quarta-feira (2/12), durante a 15ª Conferência Nacional de Saúde, que teve início nesta terça e segue até o dia 4/12. Com o tema Saúde de qualidade para cuidar bem das pessoas: Direito do povo brasileiro, a conferência conta cerca de três mil delegados, de todos os estados do país.

  4. Começa, em Brasília, a 15ª Conferência Nacional de Saúde

    "O SUS é a maior política pública de justiça social, de direitos humanos e sociais do Brasil. E as conferências nacionais de saúde são a expressão da força da sociedade". A afirmação do ministro da Saúde, Marcelo Castro, permeia os temas em discussão na 15ª Conferência Nacional de Saúde (15ª CNS), iniciada na noite de terça-feira (1º/12), em Brasília (DF). E o espelho da participação popular nos debates da saúde pública é formado pelos trabalhadores da saúde, gestores públicos e usuários do SUS entre estudantes, aposentados, população do campo, representantes de movimentos LGBT, de defesa da igualdade racial, dos povos indígenas e quilombolas, entre outros, que debatem os rumos do Sistema Único de Saúde. Mais cedo, na tarde de terça-feira, milhares de manifestantes defenderam o SUS na Esplanada dos Ministérios, durante Ato Público da 15ª CNS. Organizada pelo Conselho Nacional de Saúde e pela Frente em Defesa do SUS (ABRASUS), a marcha seguiu em direção ao Congresso Nacional. Além da ampliação das fontes de financiamento do SUS, historicamente insuficientes, os militantes protestam contra as tentativas de retirar as garantias constitucionais de universalidade e integralidade, que faz com que a saúde seja um dever de Estado e um direito de cidadania. Com o tema Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro, a 15ª CNS vai até o dia 4 de dezembro.

  5. 15ª CNS tem desafio de melhorar SUS em meio à crise

    Buscar alternativas visando assegurar os princípios constitucionais do SUS - integralidade, universalidade e acessibilidade - deve ser o foco principal dos debates durante a 15ª Conferência Nacional de Saúde, que acontece de 1º a 4 de dezembro, em Brasília. Gestores, dirigentes, profissionais de saúde e a sociedade em geral participarão do evento e vão defender o fortalecimento do SUS como política essencial para a superação da crise econômica e social, que afeta sobremaneira o setor saúde, e como elemento essencial para a retomada do desenvolvimento do país.

  6. Envio de propostas para o documento da Fiocruz sobre comunicação e informação para a 15ª CNS encerra nesta sexta

    O Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Icict/Fiocruz) divulga a primeira versão do documento "Direito à comunicação e informação para consolidar a democracia e o direito à saúde", com o objetivo de reunir contribuições para a 15ª Conferência Nacional de Saúde. Até o dia 13 de novembro, profissionais de comunicação e informação, acadêmicos, instituições do campo da saúde e movimentos sociais, entre outros interessados, podem ler o documento e acrescentar propostas suplementares.
     

  7. Propostas sobre comunicação e informação para a 15ª CNS podem ser enviadas até 13/11

    O Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz (Icict/Fiocruz) divulga a primeira versão do documento Direito à comunicação e informação para consolidar a democracia e o direito à saúde, com o objetivo de reunir contribuições para a 15ª Conferência Nacional de Saúde. Até o dia 13/11, profissionais de comunicação e informação, acadêmicos, instituições do campo da saúde e movimentos sociais, entre outros interessados, podem ler o documento e acrescentar propostas suplementares.

  8. Ministério da Saúde participa de debates sobre o SUS no Rio de Janeiro

    O Sistema Único de Saúde (SUS) estará no centro dos debates a partir desta quinta-feira, 1º, durante a 7ª Conferência Estadual de Saúde do Rio de Janeiro, que reunirá 1,5 mil pessoas até domingo, 4, no Maracanãzinho. O evento integra a agenda de discussões da 15ª Conferência Nacional de Saúde (15ª CNS). Durante a etapa municipal, foram realizadas em todo o estado 89 conferências, que resultaram em mais de 2,5 mil propostas que serão discutidas no evento estadual.

  9. Confira o Documento Orientador de apoio aos debates da 15ª CNS

    O documento orientador pretende auxiliar a reflexão e o debate dos temas da 15ª Conferência Nacional de Saúde, com a possibilidade de que novos documentos sejam apensados a este. Nele estão consolidadas as produções e posicionamentos do Conselho Nacional de Saúde acerca dos Eixos Temáticos da 15ª CNS e de temas prioritários que fazem parte da conjuntura da saúde no Brasil, fundamentados na Resolução nº 500/2015.