1. Caravana denunciará e apontará alternativas ao desenvolvimento predatório

    Meses após o maior crime ambiental da história do país, que lamentavelmente continua sem perspectiva de julgamento, a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), em parceria com a Articulação Nacional da Agroecologia (ANA), a Associação dos Geógrafos Brasileiros (AGB), além de outras 40 entidades e movimentos sociais, realiza a Caravana Territorial da Bacia do Rio Doce, de 11 a 16 de abril. Segundo o pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública e coordenador do Grupo Temático Saúde e Ambiente (GTSA/Abrasco), Marcelo Firpo, a ideia de Caravana reflete um caminho que vem sendo trilhado há algum tempo e que reúne diferentes organizações e movimentos sociais ligados por diversos aspectos aos campos da agroecologia e da agricultura familiar e camponesa. Além de Firpo, os pesquisadores Ary Miranda (ENSP/Fiocruz) e André Búrigo (EPSJV/Fiocruz) integram a Caravana.

  2. Grupo de Trabalho avalia propostas do 2º Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente (Sibsa)

    A conjuntura atual e as prospecções para 2015, o diálogo com os movimentos sociais, a crise nas cidades brasileiras e outros temas importantes estiveram na pauta apresentada pelo Grupo de Trabalho Saúde e Ambiente da Abrasco ao presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha. Após um dia de avaliação do 2º Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente (Sibsa), presidido pelo diretor da ENSP, Hermano Castro, o grupo resumiu as preocupações e reafirmou a convergência com a agenda política aprovada no último Congresso Interno da Fundação.

  3. Oficina debate propostas de formação em Trabalho, Saúde e Ambiente

    Com o objetivo de discutir e traçar estratégias de formação integrando as áreas de Trabalho, Saúde e Ambiente, ocorreu no dia 19 de outubro, em Belo Horizonte, a Oficina de Formação e Qualificação profissional no campo da Saúde, Trabalho e Ambiente, como parte do 2º Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente.  A coordenação da atividade esteve a cargo do vice-diretor da Escola de Governo em Saúde da ENSP, Frederico Peres; de Rita Mattos, pesquisadora do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP/Fiocruz); e da coordenadora da Secretaria Executiva da Rede de Escolas e Centros Formadores em Saúde Pública, Rosa Souza.

  4. Sibsa 2014: Carta de BH reforça interação entre a academia e o saber popular

    "Também sou uma daquelas que não sentou naquele banco, mas a vida ensinou a me portar como as outras pessoas". Com essas palavras simples, mas certeiras, a agricultora Lia, da Rede Ecologia de Rio da Prata, RJ, fechou a mesa de encerramento do 2° Sibsa, o Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente, realizado em Belo Horizonte (MG). A fala resume o tom de um evento que, ao longo de três dias, reuniu mais de 600 pessoas com a intenção de compartilhar suas experiências de luta, estudos científicos e, acima de tudo, a esperança de vencer uma ordem social que obstrui a expansão da vida em nosso planeta.

  5. Vídeos e reportagens destacam participação da ENSP no Sibsa 2014

    O 2º Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente, organizado pelo Grupo Temático de Saúde e Ambiente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), agitou a capital mineira. De 19 a 22 de outubro, pesquisadores, representantes dos movimentos sociais e da sociedade civil estiveram reunidos para discutir os mais diversos temas relacionados à saúde e ambiente. As discussões resultaram na carta de BH, cujo objetivo é fornecer subsídios para a construção de uma política que efetivamente contemple a interface entre saúde e ambiente e reforce a interação entre os saberes acadêmico e popular. A ENSP TV produziu reportagem que traz uma avaliação do evento, além de apresentar uma novidade do Sibsa: a relatoria gráfica, uma prática trazida pelos movimentos sociais para as discussões do simpósio.

  6. Painel debate aquecimento global e saúde durante o 2º Sibsa

    "Essa é a imagem do semiárido que a Articulação Semiárido Brasileiro (ASA) acredita e que a gente vê. Não é aquilo que a TV mostra". Enquanto Valquíria Alves Smith Lima pronunciava a frase, o telão do auditório Ágata, do Minas Centro, mostrava a foto de uma mulher jovem, sorrindo em meio a plantas dos mais diversos tons de verde. Sem dúvida, uma imagem bem distante daquelas que costumam figurar nas reportagens de televisão, no cinema ou mesmo descritas em clássicos da nossa literatura. Quando o assunto são as zonas do nordeste que sofrem com a falta d’água, automaticamente vem à mente a terra rachada, o gado magro, a miséria. A foto de um semiárido verdejante esteve na fala que abriu o painel Mudanças Climáticas, ecossistemas e saúde, no 2º Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente. A mesa contou ainda com a pesquisadora da ENSP, Sandra Hacon, Carlos Corvalán, da Opas e Alexandre Arcanjo Costa, da Universidade Estadual do Ceará.

  7. Saúde e ambiente: palestras destacam preocupação com o desenvolvimento do país

    Dilemas e desafios para a promoção, vigilância e cuidado em saúde e ambiente foi o tema de mais uma mesa que reuniu pesquisadores da ENSP durante o 2º Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente (Sibsa), realizado em Belo Horizonte, Minas Gerais. A atividade teve participação do pesquisador do Departamento de Endemias Samuel Pessoa (Densp) Paulo Sabroza, que falou sobre o monitoramento epidemiológico realizado pela Escola na área de influência do Comperj, e do pesquisador do Centro de Estudos em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh) Luiz Cláudio Meirelles, cuja palestra abordou a questão da regulação dos agrotóxicos no país, os marcos legais de controle e os principais dilemas que envolvem o tema no cenário atual brasileiro. 

  8. Confira aqui todas as matérias publicadas pela ENSP sobre o 2º Sibsa

    A equipe de jornalismo do Informe ENSP e da ENSP TV está cobrindo a segunda edição do Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente (Sibsa), que acontece em Belo Horizonte (MG) de 19 a 22 de outubro. O encontro, organizado pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), por intermédio do Grupo Temático de Saúde e Ambiente, tem como tema Desenvolvimento, Conflitos Territoriais e Saúde: Ciência e Movimentos Sociais para a Justiça Ambiental nas Políticas Públicas.

  9. Construção compartilhada de conhecimentos envolve academia e sociedade

    A academia vem se aproximando cada vez mais do conhecimento popular para enfrentar os reais desafios vividos pela nossa sociedade. Esse foi um dos aspectos abordados no segundo eixo de debates do 2º Congresso Brasileiro de Saúde e Ambiente, que abordou a construção do conhecimento compartilhado. Para buscar compreender melhor essa questão, a ENSP TV conversou com professores formados em universidade e na vida sobre como se constrói, verdadeiramente, este conhecimento comum a todos