1. Edição de fevereiro da Radis está no ar

    Com o título 10° Abrascão - Desenvolvimento e equidade caminham juntos, já está disponível a versão on-line da revistaRadis, edição n° 125, de fevereiro de 2013. A reportagem de capa, intitulada "Não há riqueza sem saúde", discute as seguintes questões: qual desenvolvimento para qual saúde? De onde e de quem partem as demandas em saúde, ciência e tecnologia? Como sair da servidão ao mercado e trazer o foco da agenda para as demandas da sociedade? Como atender a essas demandas sem recursos suficientes? Essas questões movimentaram os debates do congresso realizado em Porto Alegre, de 14 a 18 de novembro de 2012.

  2. Encerramento do Abrascão 2012 apresenta nova gestão

    Esta edição do Informe ENSP encerra a cobertura jornalística da participação da Escola no 10º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, realizado de 14 a 18 de novembro, em Porto Alegre. Na cerimônia de encerramento do Congresso, o médico Luis Eugênio Portela foi empossado como novo presidente da associação para os próximos três anos, em substituição ao pesquisador Luiz Augusto Facchini. Em seus quatro dias de atividades, o Abrascão 2012 contou com participação de cerca de 8 mil pessoas e a apresentação de mais de 700 trabalhos. Além disso, a 10ª edição do congresso trouxe novidades na modalidade de apresentação dos trabalhos e ainda estiveram presentes jovens profissionais de saúde com o grupo Abrasco Jovem.

  3. Mulheres idosas são as principais vítimas de violência

    "A violência intrafamiliar acontece em todas as classes sociais, e não são apenas os mais pobres que enfrentam o problema. As famílias que possuem vínculos afetivos mais fracos são as que possuem os maiores índices de violência", destacou a pesquisadora do Claves/ENSP/Fiocruz Edinilsa Ramos durante o painel Enfrentamento da Violência Intrafamiliar, realizado no Abrascão 2012. A mesa contou também com a participação da professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Stela Meneguel e da representante da Área Técnica de Saúde da Criança e do Adolescente do Ministério da Saúde, Gilvani Pereira Granjeiro. A atividade debateu a violência contra mulheres, idosos e as ações do Ministério para combater essas práticas.

  4. Nova política de enfrentamento ao crack será pautada pela atenção básica

    No painel Modelos assistenciais em atenção básica: buscando atender às particularidades da vulnerabilidade social, realizado no 10º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, a pesquisadora da iniciativa Território-Escola Manguinhos (Teias/ENSP/Fiocruz) Mirna Teixeira apresentou a experiência da implantação da equipe de Consultório na Rua desenvolvida no âmbito do território de Manguinhos. O painel teve coordenação do professor convidado da Residência Multiprofissional em Saúde da Família da ENSP Carlos Eduardo Aguilera Campos. Em sua apresentação, a pesquisadora destacou que a nova política de enfrentamento ao crack, que será lançada ainda este ano, terá como princípio básico a experiência do projeto Consultório na Rua, com a garantia de que o vínculo com pessoas vivendo em situação de rua seja prioritariamente pela atenção básica (AB).

  5. Encontro inédito debate a formação em saúde pública

    Pela primeira vez desde sua primeira edição, o Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva conta com a participação de uma comissão representada por estudantes de pós-graduação e graduação. Com a proposta do Abrasco Jovem, criou-se um espaço de integração científica entre a graduação e a pós-graduação, que tem os estudantes como os primeiros autores dos trabalhos publicados. Representando o Abrasco Jovem, o doutorando do Programa de Epidemiologia em Saúde Pública da ENSP, membro do Fórum de Pós-Graduandos da Escola e, atualmente, membro da Associação de Pós-Graduandos da Fiocruz (APG), David Soeiro, esteve presente nas discussões propostas pelo espaço e destacou que a principal ideia é a construção coletiva de um novo formato que valorize a produção científica na pós-graduação e na graduação.

  6. Desenvolvimento sustentável e saúde: qual é a relação?

    O 10º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva debateu um dos temas mais relevantes para a sociedade atual, tanto no contexto brasileiro como no mundial: os indicadores de desenvolvimento sustentável e saúde. O pesquisador da ENSP Edmundo Gallo participou da atividade, na qual ressaltou a importância de um novo modelo de crescimento capaz de promover o desenvolvimento social, com a minimização dos riscos para o meio ambiente. “As iniquidades ainda são gigantescas no Brasil, embora tenhamos atingido boa parte das metas do milênio. Entretanto, essas metas são muito diferentes entre as regiões e as populações”, afirmou Edmundo.

  7. Comercialização de órgãos: Você é a favor ou contra?

    Imagine que um familiar precise muito transplantar um rim para sobreviver. Porém, não é possível captar o órgão pelo sistema de saúde. Se ele lhe fosse oferecido a preço acessível, você, apesar de saber que o doador é uma pessoa viva, compraria? E se tal 'comercialização' fosse regulamenta pelo governo? Esses e outros dilemas foram expostos no painel Comercialização de órgãos pelos pesquisadores Fermin Roland Schramm (ENSP) e Volnei Garrafa (UNB) durante o 10º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva da Abrasco. Cada um dos pesquisadores trouxe pontos antagônicos sobre esse debate ético e moral.

  8. Amianto: um problema de saúde pública que ainda assola o Brasil

    O banimento do amianto no Brasil foi tema de uma das mesas do 10° Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva. O pesquisador da ENSP Hermano de Castro participou da atividade como palestrante. Segundo ele, mais do que um problema de saúde ocupacional, o amianto é um grande problema de saúde pública. “Lutamos contra um forte setor econômico que defende o uso controlado do produto e afirma que os poucos casos notificados de mesotelioma são decorrentes do processo de trabalho. Na verdade, há uma subnotificação da doença no Brasil”, afirmou o pesquisador.

  9. Brasil não alcançará ODM na redução da morte materna

    A conclusão apresentada pelas expositoras Lenice da Costa Reis (ENSP) e Elizabeth Meloni Vieira (USP) no painel Qualidade e segurança da atenção ao parto: desafios para a 5ª Meta do Milênio, realizado no 10º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, é a de que o Brasil, apesar de todos os esforços no campo da saúde materna, não chegará aos índices estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) quanto à mortalidade materna. "Atualmente, o Brasil sofre 68 óbitos de mulheres em cada 100 mil nascidos vivos, e esse número deveria ser reduzido, até 2015, para 35/100 mil, segundo os Objetivos do Desenvolvimento do Milênio (ODM)", explicou Lenice.

  10. Pesquisadores da ENSP homenageados no Abrascão 2012

    Uma das tradições dos congressos realizados pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) é homenagear expoentes da área. Na décima edição do Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, não foi diferente. O atual presidente da instituição, Luiz Augusto Facchini, entregou diplomas pelos serviços prestados em nome da Abrasco e pela luta em defesa de uma saúde coletiva forte para profissionais da área, além de todos os ex-presidentes e ex-secretários executivos da associação. Entre eles, nomes da ENSP foram homenageados.