1. Pesquisador da Suíça fala sobre Avaliação de Impacto à Saúde

    Na terça-feira, dia 14 de abril, o salão internacional da ENSP recebeu o professor Mirko Winkler, do Instituto de Medicina Tropical e Saúde Pública da Suíça, para a palestra Avaliação de Impacto à Saúde em grandes empreendimentos em países tropicais. Esse modelo de avaliação, conhecido pela sigla AIS, consite numa metodologia para calcular impactos, positivos e negativos, que empreendimentos e políticas de desenvolvimento, como hidrelétricas, projetos de agronegócio e mineração, entre outros, possam trazer para a saúde da população. Winkler, que está no Brasil por meio do programa Ciências Sem Fronteiras e colaborará com os programas de pós-graduação da ENSP nos próximos 24 meses, trouxe na bagagem uma larga experiência sobre o tema, adquirida em países da África, da Ásia e da América do Sul.

  2. Sessão científica debate panorama da saúde do trabalhador no Brasil

    Panorama atual da saúde do trabalhador no Brasil será o tema da próxima sessão científica do Centro de Estudos em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP), no dia 15 de abril. A atividade contará com a participação do professor especialista em medicina do trabalho René Mendes, é aberta a todos os interessados e não necessita de inscrição prévia. O encontro está marcado para as 9 horas, na sala 32 do prédio do Cesteh.

  3. Parceria estimula formação continuada de Agentes Comunitários de Saúde

    A última sessão científica promovida pelo Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria (CSEGSF/ENSP) apresentou o projeto Produção de recursos educacionais e a utilização das redes sociais para a formação continuada dos Agentes Comunitários de Saúde, desenvolvido pelos pesquisadores do Laboratório de Comunicação Celular do Instituto Oswaldo Cruz (IOC), Renato Matos Lopes, Antônio Augusto Fidalgo Neto e Luis Anastácio Alves. A iniciativa estimula a discussão de temas e assuntos relevantes voltados à prática dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS), com base em metodologias ativas de ensino que incluem a problematização e o uso da aprendizagem baseada em problemas. Unidade Básica de Saúde na Fiocruz, o Centro de Saúde Escola conta, entre seus profissionais, com o trabalho dos Agentes Comunitários que atuam principalmente na Estratégia de Saúde da Família (ESF). Assim, a parceira pretende contribuir para o aprimoramento da formação continuada desse agentes.

  4. Especialista fala sobre impacto na saúde em grandes empreendimentos

    A Avaliação de Impacto à Saúde (AIS) é uma metodologia que engloba a identificação, predição e avaliação das esperadas mudanças nos riscos na saúde (podendo ser tanto negativas como positivas, individual ou coletivas), causadas por uma política, um programa, um plano ou projetos de desenvolvimento em uma população definida. A AIS tem sido recomendada como uma ferramenta para estimar como as políticas, programas, projetos e demais empreendimentos possam ter impacto sobre a saúde pública e sobre as desigualdades na saúde. Através de uma parceria entre os programas de Pós-Graduação Stricto Sensu de Saúde Pública e Saúde Pública e Meio Ambiente, a Escola vai receber, na terça-feira, 14 de abril, o professor Mirko Winkler, do Instituto de Medicina Tropical e Saúde Pública da Suíça para a palestra Avaliação de Impacto à Saúde em grandes empreendimentos em países tropicais. A atividade, em português, está marcada para 14 horas, no salão internacional, e é aberta a todos os interessados.

  5. Sessão científica debate panorama da saúde do trabalhador no Brasil

    Panorama atual da saúde do trabalhador no Brasil será o tema da próxima sessão científica do Centro de Estudos em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP), no dia 15 de abril. A atividade contará com a participação do professor especialista em medicina do trabalho René Mendes, é aberta a todos os interessados e não necessita de inscrição prévia. O encontro está marcado para as 9 horas, na sala 32 do prédio do Cesteh.

  6. Pesquisador equatoriano aborda relação entre ciência e luta

    "Utopia e consciência, no campo e na cidade, a saúde se conquista com luta e liberdade". Foram com essas palavras que os alunos do mestrado profissional Trabalho, Saúde, Ambiente e Movimentos Sociais encerram a mística - uma pedagogia dos gestos com símbolos, por meio da expressão cultural, como parte da educação do campo -, que deu início a palestra do médico equatoriano, mestre em Medicina Social, Jaime Breilh, que esteve na ENSP em 26 de março. A relação entre ciência e luta foi um dos temas abordados por Breilh, que ressaltou a importância de uma ciência crítica para a construção de práticas emancipadoras. Segundo o epidemiologista, para tenhamos uma sociedade verdadeiramente saudável, é necessário uma profunda reforma no sistema de saúde, além de transformações na agricultura e no modelo de produção vigente.

  7. Após relembrar lutas, mulheres da ciência pedem reconhecimento

    Pioneirismo, coragem, vanguarda e humanidade. Essas são algumas das qualidades das mulheres que foram destacadas para receber o Prêmio Fiocruz – Mulheres de Ciência e Humanidades pela sua atuação científica em distintas áreas do conhecimento e seu papel na construção institucional. As homenageadas de 2015 foram a presidente da Comissão da Verdade da Reforma Sanitária (CVRS) Abrasco-Cebes, Anamaria Testa Tambellini e Sonia Gomes Andrade, do Centro de Pesquisas Gonçalo Moniz (CPqGM/Fiocruz Bahia). Este prêmio é concedido pelo Comitê Pró-Equidade de Gênero e Raça da Fundação e foi entregue durante o II Seminário Mulheres Fazendo Ciência, no dia 26 de março.

  8. Epidemiologia Crítica é tema de sessão científica na Escola em 26/3

    O médico equatoriano, PhD em Epidemiologia e mestre em Medicina Social Jaime Breilh é o convidado de uma sessão científica especial promovida pelo curso de mestrado profissional Trabalho, Saúde, Ambiente e Movimentos Sociais. O tema da palestra é Epidemiologia Crítica. O debate, aberto a todos os interessados, é uma importante oportunidade para quem quer conhecer melhor a linha da medicina social, vertente que busca superar os limites da medicina clínica que olha só para o indivíduo adoecido. O tema propõe ir às raízes dos problemas enfrentados pelos trabalhadores, entender a origem do processo de adoecimento, demonstrar sua determinação social e a necessidade da transformarmos as condições de produção da vida. A atividade está marcada para o dia 26 de março, às 15 horas, na sala 410 da Escola.

  9. Mostra de tuberculose reúne exposições e atividades de pesquisa no CRPHF

    O Centro de Referência Professor Hélio Fraga da ENSP (CRPHF) realiza, nesta quinta-feira (26/3), a quinta edição da Mostra ENSP de Mobilização na Luta Contra a Tuberculose. A iniciativa, que faz parte das ações desenvolvidas durante a Semana Nacional de Mobilização e Luta Contra a Tuberculose, concentra esforços na divulgação da doença, sua prevenção, diagnóstico e tratamento, além de mobilizar gestores e movimentos da sociedade civil, e reunirá exposições e palestras acerca da doença. A atividade é aberta ao público, com início previsto para as 9 horas. A coordenação é da pesquisadora do CRPHF Sandra Rangel.

  10. Histórias, crises e novas perspectivas: a gestão dos recursos hídricos no RJ

    Crise: 'conjuntura ou momento perigoso, difícil ou decisivo'. A definição dessa palavra, segundo especialistas, representa aquilo que vivemos hoje no país em relação ao abastecimento de água. Para o coordenador de Recursos Hídricos da Secretaria Municipal de Meio Ambiente do Rio de Janeiro, Alexandre De Bonis - convidado do DSSA Debate -, além de a cidade ter um problema histórico de abastecimento, sofre com o desperdício e apenas nos anos recentes seus gestores passaram a se preocupar com a administração desse bem. A prefeitura, por sua vez, afirma estar fazendo o dever de casa, com ações de proteção dos recursos e melhorias de suas estruturas. "Fora as perdas ocorridas na rede de abastecimento, o carioca, de uma maneira geral, tem a cultura do desperdício", criticou. O debate, promovido pelo Departamento de Saneamento e Saúde Ambiental da ENSP, não só suscitou a reflexão dos pesquisadores sobre propostas de enfrentamento da atual crise, como também deslocou-os da posição de críticos para a de debatedores.