1. Grupo de Direitos Humanos em Saúde debate formação intersindical

    O Grupo Direitos Humanos e Saúde Helena Besserman da Escola Nacional de Saúde Pública (Dihs/ENSP) promoverá, no dia 31 de outubro, o Seminário de Formação Intersindical em Saúde, Trabalho e Direito - Seminário de Diplomação. A atividade debaterá o movimento de luta dos trabalhadores pela saúde. Marcado para às 9 horas, o evento é aberto ao público, não necessita de inscrição prévia e acontecerá no prédio da Expansão da Fiocruz. 

  2. 'Parto normal é a preferência de 85% das mulheres no mundo'

    "A cesarianas acarretam alto custo para os sistemas de saúde no mundo, e somente 15% das mulheres preferem esse tipo de parto". A constatação é do médico obstetra José Belizán, que participou da mesa Cesariana e intervenções obstétricas sobre a mulher e os recém-nascidos, realizada no último dia da Ecos da 9th International Research Conference - Normal é natural: da pesquisa à ação, dia 16 de outubro. "Podemos dizer claramente que as mulheres em todo o mundo preferem o parto vaginal. E preferem por quê? Principalmente por causa da rápida recuperação. A mulher é um membro muito importante para toda família e ter uma reabilitação imediata no pós-parto faz diferença", explicou o palestrante.

  3. Mesa destaca os múltiplos significados do parto em seminário no Rio

    "O uso da tecnologia não-invasiva no parto passa muito mais pelo não invadir, pelo respeitar a vontade da mulher". A fala da enfermeira obstetra Vânia Collaço, do grupo Hanami, traduziu as discussões da mesa Tecnologias não-invasivas de cuidado na assistências ao parto, realizada na Conferência Internacional Ecos da 9th International Research Conference - Normal é natural: da pesquisa à ação. A atividade contou também com a participação do professor da Faculdade de Enfermagem da Uerj Octávio Muniz, que destacou os múltiplos significados do parto.

  4. 'Investimento na atenção ao parto fortalece sistemas de saúde'

    Durante a mesa que discutiu a Assistência ao parto no mundo, realizada durante a Ecos da 9th International Research Conference - Normal é natural: da pesquisa à ação, a presidente do Royal College of Midwives, no Reino Unido, Lesley Page, destacou que o parto e o nascimento são um dos poucos momentos capazes de despertar sentimentos ímpares a todos os povos. Para ela, investir na saúde materna e do bebê traz uma vantagem enorme para os governos e a ciência. "Precisamos de estratégias e investimentos porque, além de salvar a vida de mulheres e crianças, essa ação fortalece sistemas de saúde e melhora a economia dos países".

  5. ENSP promove seminário sobre saúde mental materna. Participe!

    Um tema pouco abordado pela saúde coletiva brasileira, a saúde mental materna será o foco do seminário promovido pela ENSP no dia 17 de outubro. O encontro, marcado para 9 horas, no auditório do INCQS/Fiocruz, reunirá pesquisadores da Escola, da Uerj e da City University, de Londres. As inscrições estão abertas e devem ser feitas por e-mail.

  6. Presença de enfermeiras estimula boas práticas na assistência ao parto

    "Em maternidades onde os partos são assistidos por enfermeiros ou obstetrizes, a taxa de cesariana é 78% menor quando comparada aos hospitais onde não há presença deste profissional no momento do parto". Estes dados, que foram apresentados pela pesquisadora da ENSP Silvana Granado na Conferência Internacional Ecos da 9th International Research Conference - Normal é natural: da pesquisa à ação, pertencem à pesquisa da Fiocruz Nascer no Brasil: Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento. O estudo aponta ainda que, apesar de a Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhecer que os enfermeiros obstétricos e obstetrizes desempenham mais adequadamente e com menor custo a assistência aos partos normais, apenas 16% deles são assistidos por esses profissionais, sendo em sua maioria realizados pelo SUS.

  7. ‘Formação obstétrica no Brasil deve atender à saúde da mulher’

    O primeiro dia (14/10) de debates da Conferência Internacional Ecos da 9th International Research Conference - Normal é natural: da pesquisa à ação debateu a formação obstétrica no Brasil, em mesa que contou com a participação do obstetra do Instituto Fernandes Figueira da Fiocruz Marcos Bastos Dias. O palestrante, que falou a respeito da sua própria formação, explicou a forma como a tecnologia passou a dominar os procedimentos médicos. "Fui formado num paradigma em que a instituição era poderosa. A ciência e tecnologia eram nossos deuses e ditavam comportamento. Foi preciso reinventar a minha formação. Caso contrário, estaria ancorado. Hoje sabemos que há necessidade de um olhar integral sobre a saúde da mulher".

  8. Saúde para quem precisa: Cesteh discute trabalho policial

    Se você assistiu ao filme Tropa de Elite, faça um exercício de memória: cite, de cabeça, três ou quatro características do personagem principal da trama, o Capitão Nascimento. Muito provavelmente, você lembrou do policial durão, incorruptível, violento, dado a tiradas sarcásticas. Frágil, debilitado, confuso não parecem combinar com o personagem que veio a se tornar um dos mais populares do cinema nacional. Mas se voltarmos a lembrar com atenção da trama, todas essas características estão lá: o Nascimento que grita com a mulher ao chegar em casa, sente dificuldade para expressar suas angústias diante do psiquiatra e quer sair do front. Se nem o cinema foi capaz de sensibilizar o senso comum com relação ao homem de carne e osso que vive sobre a farda, o que dizer da vida real? Heróis para alguns e vilão para outros é a dimensão humana do policial que acaba negligenciada, para o mal dele e da sociedade a quem se destinam seus serviços. Explorando as condições de trabalho destes profissionais, a pesquisadora do Claves/ENSP Patrícia Constantino fez palestra, em 14/10, em curso oferecido pelo Cesteh/ENSP.

  9. Brasil rediscute modelo de atenção ao parto

    Durante a abertura da Conferência Internacional Ecos da 9th International Research Conference - Normal é natural: da pesquisa à ação, na terça-feira (14/10), no Rio de Janeiro, a coordenadora da área técnica de Saúde da Mulher do Ministério da Saúde, Esther Vilela, anunciou que a ANS tomará medidas para incentivar a redução de cesarianas para pacientes com planos de saúde. O comunicado, que foi aplaudido de pé por médicos, pesquisadores, gestores, enfermeiros, parteiras, alunos e conferencistas presentes no evento, tem o intuito de diminuir o que o ministério classificou como 'epidemia' de cesáreas no país, conforme indicou a pesquisa da Fiocruz Nascer no Brasil, em maio deste ano. "O que temos que fazer é muito simples: basta olharmos para as evidências científicas, para as pesquisas. Elas nos mostram que quanto maior for a interferência no parto, mais ele será prejudicado", alertou a britânica Lesley Page, presidente do Royal College of Midwives, no Reino Unido.

  10. Encontro discute ciência a serviço do poder e da exclusão dos corpos

    O pesquisador da ENSP Paulo Amarante vai abrir o III Seminário de Ciências Humanas e Sociais no Campo de Saúde: O Corpo Humano nos Ideais Higienista, Eugenista e Alienista. O evento será realizado no dia 11 de novembro, na Unesp de Rio Claro. A proposta do encontro é discutir o papel que a ciência exerce quando, servindo ao poder, contribui para homogeneizar os corpos e mentes criando uma sociedade excludente e intolerante.