1. Abrascão 2018: quando a tradição será defendida, aperfeiçoada e desenvolvida

    Defender as conquistas da Saúde Coletiva é uma das ideias centrais do próximo Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva da Abrasco, popularmente conhecido como Abrascão. “Sabemos de nossa tradição ruim do clientelismo, do patrimonialismo, da concentração de renda, da violência, do machismo, do racismo. Mas temos nossa tradição na Constituição de 1988, temos a conquista do Sistema Único de Saúde - apesar de todos os problemas -, temos uma tradição a ser defendida, aperfeiçoada e desenvolvida: essa é a história do próximo Congresso da Abrasco”, disse Gastão Wagner de Sousa Campos no lançamento do Abrascão, que acontecerá no campus da Fiocruz, no Rio de Janeiro, em julho do ano que vem. Na manhã do dia 20 de junho, num auditório cheio da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz), o presidente da Abrasco pediu mais ativismo e militância de todos aqueles que estarão envolvidos na construção do 12º Abrascão. “Precisaremos de mais tolerância nesse congresso; vamos caminhar mais, teremos menos conforto. Porém, vamos cuidar melhor da qualidade de nossas apresentações, do nosso espaço democrático. Queremos construir um congresso que facilite a participação dos estudantes de graduação e estamos avaliando a possibilidade do valor de inscrição, para esse grupo, ser realmente bastante simbólico” adiantou Gastão.

  2. Documento denuncia violações de direitos humanos no caso TKCSA

    Desde que se anunciou a instalação da ThyssenKrupp Companhia Siderúrgica do Atlântico (TKCSA) no Rio de Janeiro, moradores de Santa Cruz, bairro da zona oeste do município, sofrem com as consequências de uma atividade altamente poluidora numa região onde vivem mais de 367.928 pessoas, segundo o Censo de 2010. No marco dos sete anos de funcionamento da siderúrgica, inaugurada em 18 de junho de 2010, o Instituto Pacs e a Justiça Global lançaram o relatório Violações de Direitos Humanos na Siderurgia: o caso TKCSA. O evento acontece na segunda-feira (26/6), às 9h, na sede da OAB-RJ. A publicação traz um apanhado inédito do cenário do conflito socioambiental em Santa Cruz, detalhando aspectos do impacto nocivo da empresa sobre o sistema de licenciamento ambiental no Estado do Rio de Janeiro, a pesca artesanal, saúde de moradores e moradoras e ações de intimidação dos grupos que denunciam as violações de direitos humanos sofridas.

  3. Pesquisadores da ENSP participam de sessão na Câmara Municipal para discutir saneamento e saúde

    A pesquisadora Simone Cynamon Cohen, do Departamento de Saneamento e Saúde Ambiental (DSSA/ENSP), e o coordenador adjunto do Núcleo de Biossegurança (NuBio/ENSP), José Ardions, participaram - a convite da Câmara Municipal do Rio de Janeiro - de uma atividade sobre a "Questão sanitária na cidade do Rio de Janeiro". No encontro, considerado o "primeiro passo" em busca da criação de uma legislação na área para o município, os representantes da Fiocruz apresentaram as diversas contribuições que a instituição pode oferecer nos campos do ensino e formação, vigilância sanitária, biossegurança, saneamento e saúde ambiental.
     

  4. Programa de Saúde Pública e Meio Ambiente da ENSP se pronuncia sobre saída dos EUA do Acordo do Clima

    Poucos dias antes da data estabelecida pela Assembleia Geral das Nações Unidas como o Dia Mundial do Meio Ambiente - lembrado em 5 de junho -, o presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, anunciou a saída do país do Acordo do Clima. A notícia caiu como uma bomba em todo o mundo, visto que o acordo tem o propósito de controlar e gerir melhor os efeitos globais, regionais e locais da mudança do clima. Celebrado em Paris em dezembro de 2015, o acordo representa um grande avanço global, pois, praticamente, todos os países do mundo assumiram o compromisso de reduzir emissões de gases contribuintes para o efeito estufa (GEE), com o objetivo de manter o aquecimento global médio abaixo de 2 ºC neste século. O Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública e Meio Ambiente da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz), na pessoa da professora Martha Barata, elaborou uma carta na qual reflete sobre o impacto do anúncio realizado pelo presidente da Nação que muito contribui para a mudança do clima. Confira, a seguir, a carta da professora Martha Barata, pesquisadora do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), que trabalha com o tema desde 1994.

  5. Fiocruz sediará 12º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva

    Em defesa da democracia e do SUS, o presidente da Abrasco, Gastão Wagner de Souza Campos e a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima estarão juntos no dia 20 de junho para o lançamento do próximo Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, o 12º Abrascão, a ser realizado no Campus da Fiocruz do Rio de Janeiro. Na ocasião também será instalada a Comissão Organizadora Local do Congresso que contará com a participação de Antonio José Leal Costa, diretor do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ; de Aluísio Gomes da Silva Júnior, diretor do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal Fluminense e de Gulnar Azevedo e Silva, diretora do Instituto de Medicina Social da UERJ.

  6. ENSP recebe Sonia Fleury para debater sobre conjuntura nacional e saúde

    A cerimônia de recondução ao cargo de diretor da ENSP de Hermano Castro, em 6/6, trouxe à Escola, para a conferência O Desafio da Conjuntura e a Saúde no Brasil, a professora e pesquisadora da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getúlio Vargas e cientista política Sonia Fleury. O evento foi coordenado pelo pesquisador da Escola, Paulo Amarante. Os descrentes da política brasileira receberam uma injeção de ânimo por meio das palavras de Fleury. Ela disse não ter bola de cristal para adivinhar o futuro da conjuntura brasileira, mas atentou para algumas questões atuais. Para Fleury, o que separa a direita da esquerda é a Campanha "Nenhum direito a menos", porque as "Diretas Já" e o "Fora Temer" são defendidos pelos dois lados. 

  7. Programa de Saúde Pública e Meio Ambiente da ENSP se pronuncia sobre saída dos EUA do Acordo do Clima

    Poucos dias antes da data estabelecida pela Assembleia Geral das Nações Unidas como o Dia Mundial do Meio Ambiente - lembrado em 5 de junho -, o presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, anunciou a saída do país do Acordo do Clima. A notícia caiu como uma bomba em todo o mundo, visto que o acordo tem o propósito de controlar e gerir melhor os efeitos globais, regionais e locais da mudança do clima. Celebrado em Paris em dezembro de 2015, o acordo representa um grande avanço global, pois, praticamente, todos os países do mundo assumiram o compromisso de reduzir emissões de gases contribuintes para o efeito estufa (GEE), com o objetivo de manter o aquecimento global médio abaixo de 2 ºC neste século. O Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública e Meio Ambiente da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz), na pessoa da professora Martha Barata, elaborou uma carta na qual reflete sobre o impacto do anúncio realizado pelo presidente da Nação que muito contribui para a mudança do clima. Confira, a seguir, a carta da professora Martha Barata, pesquisadora do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), que trabalha com o tema desde 1994.

  8. Hermano Castro é reconduzido ao cargo de diretor da ENSP e apresenta equipe

    Foi reconduzido ao cargo de diretor da ENSP para o quadriênio 2017-2021, nessa terça-feira (6/6), o médico pneumologista e coordenador por quatro mandatos do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh), Hermano Castro. Diante do auditório lotado que saudou o diretor, a presença que mais o emocionou foi a de sua mãe Erani, e a ela ele se dirigiu, olhos nos olhos, para agradecer à guerreira que foi, educando com o marido, quatro filhos militantes. "Ao me reeeleger, a ENSP faz uma aposta num determinado modelo de gestão, mas a conjuntura atual é diferente de quaro anos atrás. A Fiocruz precisa estar unida para enfrentar o que está lá fora. O futuro é duvidoso. A cada dia sofremos mais agressão aos direitos trabalhistas." Ele ressaltou que o novo mandato vai ser marcado por três princípios: defesa do SUS, transparência pública e defesa da democracia participativa. Na posse, estavam presentes a presidente da Asfoc-SN, Justa Helena Franco; a coordenadora da Associação de Pós-Graduandos da Fiocruz/RJ, Luciene Aguiar; e a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade. Em sua fala, Nisia afirmou sua crença na política a partir do pensamento crítico e da mobilização social para promover inclusão social e parabenizou o diretor e sua equipe. "As palavras nos impulsionam, mas também as ações integrativas com as instituições científicas e os movimentos sociais", afirmou Nísia.

  9. Relatório sobre conflitos no campo será lançado na ENSP nesta quinta-feira (8/6)

    Em alusão ao Dia Mundial do Meio Ambiente - celebrado em 5 de junho -  a Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca dá prosseguimento as atividades da Semana do Meio Ambiente com o lançamento do relatório Conflitos no Campo Brasil 2016, na quinta-feira, 8 de junho. A 32ª edição do relatório reúne dados sobre os conflitos e violências sofridas pelos trabalhadores e trabalhadoras do campo brasileiro, incluindo indígenas, quilombolas e demais povos tradicionais. O lançamento do relatório, elaborado pela Pastoral da Terra, terá a coordenação do pesquisador da ENSP e coordenador do Mestrado Profissional em Trabalho, Saúde, Ambiente e Movimentos Sociais, Ary Miranda. A atividade está marcada para às 12h30, na Tenda ENSP. Além do lançamento do relatório haverá também mais um edição da tradicional Feira Agroecológica Josué de Castro, das 9 às 14 horas, com a comercialização de alimentos orgânicos, ou seja, produzidos sem o uso de agrotóxicos, adubos químicos ou mudanças genéticas, para evitar danos à saúde de quem os consome e à natureza. Participe!

  10. Hermano Castro é reconduzido ao cargo de diretor da ENSP e apresenta equipe

    Foi reconduzido ao cargo de diretor da ENSP para o quadriênio 2017-2021, nessa terça-feira (6/6), o médico pneumologista e coordenador por quatro mandatos do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh), Hermano Castro. Diante do auditório lotado que saudou o diretor, a presença que mais o emocionou foi a de sua mãe Erani, e a ela ele se dirigiu, olhos nos olhos, para agradecer à guerreira que foi, educando com o marido, quatro filhos militantes. "Ao me reeeleger, a ENSP faz uma aposta num determinado modelo de gestão, mas a conjuntura atual é diferente de quaro anos atrás. A Fiocruz precisa estar unida para enfrentar o que está lá fora. O futuro é duvidoso. A cada dia sofremos mais agressão aos direitos trabalhistas." Ele ressaltou que o novo mandato vai ser marcado por três princípios: defesa do SUS, transparência pública e defesa da democracia participativa. Na posse, estavam presentes a presidente da Asfoc-SN, Justa Helena Franco; a coordenadora da Associação de Pós-Graduandos da Fiocruz/RJ, Luciene Aguiar; e a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade. Em sua fala, Nisia afirmou sua crença na política a partir do pensamento crítico e da mobilização social para promover inclusão social e parabenizou o diretor e sua equipe. "As palavras nos impulsionam, mas também as ações integrativas com as instituições científicas e os movimentos sociais", afirmou Nísia.