1. ONGs pedem maior atenção e prioridade no enfrentamento da Tuberculose e do HIV/Aids

    No dia 13 de maio, representantes do movimento de luta contra a tuberculose e aids se reuniram com o Secretário Estadual de Saúde Felipe Peixoto, para discutirem a situação epidemiológica desses dois agravos, as dificuldades de acesso ao diagnóstico e tratamento e a situação crítica do Hospital Santa Maria, referência para internação de casos graves de tuberculose. A reunião com Felipe Peixoto, articulada pelo Fórum ONGs TB RJ; Grupo Pela Vidda/Niterói e o Observatório Tuberculose Brasil (OTB/ENSP/Fiocruz), teve como objetivo de garantir o apoio do secretário no enfrentamento da tuberculose e da aids no estado. O encontro também reforçou a pactuação feita entre o governo estadual, os governos municipais, conselhos de saúde e a sociedade civil, que assumiram o compromisso da execução do Plano Estratégico de Tuberculose e Aids do estado, cujas diretrizes foram aprovadas na CIB - Comissão Intergestores Bipartite de maio de 2013.

  2. Brasil defende agenda global contra obesidade infantil

    O governo brasileiro está preocupado com a obesidade infantil. O assunto foi um dos temas abordados pelo ministro da Saúde, Arthur Chioro, durante seu discurso na 68ª Assembleia Mundial da Saúde, em Genebra, que acontece nesta semana em Genebra (Suíça). O ministro defendeu mais esforços no enfrentamento da obesidade infantil e propôs à Organização Mundial da Saúde (OMS), responsável pelo encontro, que a discussão seja tema da próxima assembleia. Para o ministro, o desafio é que países em desenvolvimento não migrem da desnutrição para o excesso de peso, como aconteceu em muitos países, como o Brasil. 

  3. RJ busca consultor para avaliação de custo-efetividade da Atenção Básica

    A Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão do Rio de Janeiro, por meio do Programa de Fortalecimento da Gestão do Setor Público e do Desenvolvimento Territorial (Progestão), convida interessados a concorrerem a vaga de consultor individual para a elaboração do Plano de Trabalho e Desenho Metodológico para o Estudo de Avaliação de Custo-Efetividade da Atenção Básica no Estado do Rio de Janeiro. O prazo para envio de currículo é o dia 2 de junho de 2015. 

  4. Do leito à rede, a loucura quer transformar as cidades

    Luiz Pinto estava nervoso. Mais do que o de costume. Teve horas de não deixar ninguém falar. Lais conduzia a mesa; as apresentações dos coletivos artísticos foram listadas, assim como as falas dos movimentos. Pinto virou e falou: "Mas vocês vão achar isso de ato? Se for para ter ato, tem de ter objetivo". Foi a senha para João Moraes se levantar e ler suas memórias e ideias em prosa poética. A sacolinha para arrecadar fundos do material das oficinas corria pelas mãos e o pequeno Raul, de quatro anos, brincava com seus bonecos. Todos falavam ao mesmo e se entendiam. A saúde e a liberdade irmanavam as vozes daquelas mulheres e homens - estudantes de saúde coletiva; profissionais dos serviços; usuários; artistas; familiares. Foi na quarta-feira (13/5), como poderia ter sido ano passado, mas não ocorreria se fosse há mais de trinta anos, quando a tônica dos serviços de saúde mental era o confinamento. A cada encontro, a luta do movimento antimanicomial se reafirma e tem no 18 de maio o seu grito de alegria, de sonho, de loucura, de guerra. "O mais importante nesses 30 anos de movimento é a mudança de mentalidade em relação à loucura, a ideia da loucura como periculosidade, como irresponsabilidade, como incapacidade. Nada disso está plenamente superado, mas já não é como era nos anos anteriores. Fomos mostrando que as pessoas com algum tipo de transtorno mental são sujeitos; sujeitos com desejos, direitos, que tem projetos e aspirações na vida, e que podem cumprir e viver esses projetos", rememora Paulo Amarante, pesquisador da ENSP/Fiocruz e um dos pioneiros da Reforma Psiquiátrica no Brasil.

  5. Encontro debaterá regulação do capital nos serviços de saúde brasileiros

    A Associação Brasileira de Economia da Saúde vai realizar, no dia 1º de junho, o Seminário de Economia da Saúde: Regulação do capital nos serviços de saúde no Brasil. O evento, que tem o apoio do Instituto de Medicina Social (IMS/Uerj), tem como objetivo debater as políticas públicas voltadas ao setor privado na saúde no Brasil, no contexto das implicações para o SUS. A pesquisadora da ENSP Maria Angélica Borges participará do Painel 2: Regulação dos serviços de saúde e dinâmica do capital nacional e estrangeiro. O evento é gratuito, as vagas são limitadas e devem ser feitas por e-mail.

  6. Interculturalidade em saúde é tema de seminário virtual da Rets

    A Rede Internacional de Educação de Técnicos em Saúde (Rets) promoverá, no dia 20 de maio, a partir das 9h30, o 1º Seminário Virtual: Perspectiva intercultural na formação de Técnicos em Saúde. O evento será apresentado pela professora e pesquisadora da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio da Fiocruz (EPSJV/Fiocruz) Ana Lúcia Pontes e acontecerá no Auditório Joaquim Alberto Cardoso de Melo, da EPSJV). O encontro contará com transmissão on-line e o público-alvo são pesquisadores, estudantes e profissionais do campo das ciências da saúde.

  7. Oficina aborda estrutura de governança do curso de Auditorias e Ouvidorias do SUS

    A Rede de Escolas e Centros Formadores em Saúde Pública/Coletiva realizou uma oficina de trabalho nos dias 28 e 29 de abril que reuniu coordenadoras estaduais e secretárias executivas do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo. Esses Estados desenvolverão, nos meses de junho e agosto, a segunda oferta do Curso Nacional de Qualificação de Auditorias e Ouvidorias do SUS. A atividade ocorreu na Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) e teve como objetivo apresentar a estrutura de governança do Curso e esclarecer dúvidas acerca do seu funcionamento, bem como as rotinas administrativas e de gerenciamento das atividades que se desenvolverão de forma descentralizada.

  8. Importação de Canabidiol fica mais ágil para pacientes

    A importação de produtos à base de canabidiol (CBD) ganhou um norma específica e que simplifica a vida dos pacientes que precisam do produto. A Diretoria Colegiada da Anvisa aprovou, no final do mês de abril,  uma resolução específica sobre o tema e que complementa as ações já tomadas pela Agência para que os pacientes tenham acesso ao produto à base de canabidiol. Cada paciente deverá ser cadastrado junto à Anvisa, por meio da apresentação de documentos semelhantes aos exigidos atualmente. O cadastro deverá ser renovado anualmente, apenas com a apresentação de uma nova prescrição e laudo médico indicando a evolução do paciente, caso não haja alteração dos dados informados anteriormente.

  9. Fiocruz apoia carta da Conep contra PL que coloca em risco sistema de ética em pesquisas

    Os Comitês de Ética em Pesquisa (CEPs) com seres humanos da Fiocruz - através de seu Fórum de CEPs - manifestam total repúdio ao projeto de lei n. 200/2015 em tramitação no Senado Federal. Sob o pretexto de 'agilizar' as pesquisas com seres humanos no Brasil, os autores acabam com o atual sistema de revisão ética da pesquisa clínica (o Sistema CEP/Conep), decretam o fim da independência dos CEPs e estimulam a criação de CEPs subordinados a empresas. Retrocede na utilização de placebo em ensaios clínicos e no acesso a medicamentos pós-estudo, tentando impor através de lei as malfadadas mudanças que macularam a Resolução de Helsinque na Coréia do Sul, em 2008. Trata-se de uma investida clara das indústrias farmacêuticas multinacionais e afins para violar a Resolução CNS 466/2012 e impor seus objetivos. Tal investida cheira a retaliação, tendo em vista a fragorosa derrota que sofreram aqui no Brasil. Em nosso país, as 'inovações' da Resolução de Helsinque não têm respaldo ético ou legal. A pesquisadora da ENSP/Fiocruz Angela Esher explica que o PL 200/2015, ao propor novas regras para a apreciação e aprovação das pesquisas clínicas no Brasil, retira os direitos dos participantes de pesquisa conquistados nos últimos 20 anos.

  10. Campanha alerta para um dos principais problemas ambientais do século XXI: o ruído

    "Ruído de trânsito, um vilão em que ninguém presta atenção". Este é o tema da campanha de 2015 do Dia Internacional de Conscientização sobre o Ruído (International Noise Awareness Day - INAD), celebrado em 29 de abril. A iniciativa visa informar a população brasileira acerca do ruído e seus efeitos na saúde, na qualidade de vida e no meio ambiente. A edição de 2015 promoveu 60 segundos de silêncio, entre 14h25 e 14h26, para destacar o impacto do ruído excessivo em nossas vidas. O Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana da ENSP/Fiocruz, por intermédio do Serviço de Audiologia, e a Coordenação de Saúde do Trabalhador da Direh/Fiocruz, por meio da equipe do Projeto Ruído, fizeram parte do movimento. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a poluição sonora é a terceira principal fonte de poluição do planeta.