1. Ambiente social determina hábito de fumar na adolescência

    Durante anos, pesquisadores da Universidade Federal de Pelotas conduziram um estudo cujo objetivo era identificar fatores de risco que, presentes no início da vida, podem determinar se a criança se tornará um adolescente fumante. Os pesquisadores investigaram milhares de indivíduos, de ambos os sexos, desde o nascimento até os 18 anos. Nesta idade, 15% dos jovens, tanto rapazes como moças, fumavam diariamente. O tabagismo na adolescência se mostrou fortemente relacionado ao ambiente social no qual os indivíduos cresceram questão que deve ser levada em conta para aumentar a eficiência das campanhas contra o cigarro. Os resultados do estudo estão na edição de fevereiro da revista Cadernos de Saúde Pública.

  2. Agência Nacional de Saúde promove mostra Saúde e cultura

    A Agência Nacional de Saúde (ANS) promove nesta quarta-feira (31/01), das 14h às 20h, no Museu da República, no Rio de Janeiro, a mostra Saúde e cultura. A mostra inclui debates sobre o papel da ANS e apresentações de trabalhos nos diversos segmentos de expressão artística: artes visuais, artes cênicas, áudiovisual e música. Desse modo, será possível vislumbrar as relações entre as áreas da saúde e da cultura e sua expansão para a sociedade. O objetivo é estabelecer um canal entre a Agência e os futuros profissionais de saúde, para que estes conheçam a entidade, sua missão, objetivos e procedimentos e, também, promover diálogo e interação entre estudantes e profissionais da área de saúde.

  3. Apesar de ter cura, hanseníase ainda ocorre em formas graves

    A hanseníase tem cura rápida, simples e barata. O tratamento gratuito, administrado por via oral, é disponível em unidades de saúde de todo o país e apresenta resultado desde a primeira a dose. Apesar disso, a doença ainda atinge mais de 200 mil pessoas em todo o mundo a cada ano, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). No Dia Mundial de Combate à Hanseníase, comemorado no último domingo de janeiro e que marca também a luta pelo fim do estigma envolvendo os portadores da doença, o Instituto Oswaldo Cruz (IOC) da Fiocruz que iniciou em 1927 os estudos sobre a doença ressalta a importância do diagnóstico precoce e alerta a população para que esteja atenta aos sintomas da hanseníase.

  4. Produção científica de 2006 das unidades regionais da Fiocruz apresenta grande crescimento

    O ano que passou foi dos mais produtivos para as unidades regionais da Fundação. Dos quatro centros de pesquisa regionais da Fiocruz, apenas um, sediado no Amazonas, ainda não contabilizou os números relativos à produção científica de 2006. Mas os centros de Pesquisa Aggeu Magalhães (CPqAM), de Pernambuco, Gonçalo Moniz (CPqGM), da Bahia, e René Rachou (CPqRR), de Minas Gerais, já fecharam seus balanços anuais, com crescimentos significativos no que diz respeito a publicações indexadas, edição de livros, defesas de teses e dissertações, organização de cursos, seminários, simpósios e eventos variados, desenvolvimento de projetos e solicitação de patentes. Abaixo, um resumo da produção das unidades regionais ao longo de 2006. Os textos são de Paula Lourenço (CPqAM), Antonio Brotas (CPqGM) e Aílson Santos (CPqRR).

  5. Assinado acordo para produção da vacina contra meningite AC

    Na semana em que começou o 2º Fórum Social Mundial de Saúde, que tem como tema África, o espelho do mundo, dois países em desenvolvimento uniram forças para atender a uma questão emergencial no continente mais pobre do planeta. A Organização Mundial de Saúde (OMS), o Instituto Finlay, de Cuba, e o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Biomanguinhos) da Fiocruz acabam de assinar um contrato de desenvolvimento conjunto e transferência de informações técnicas para a produção da vacina meningocócica AC. A cooperação visa à produção emergencial da vacina para os países do chamado Cinturão da Meningite, na região do sub-Saara africano, devido ao cancelamento da produção do imunizante pelos laboratórios multinacionais. Com o objetivo de não descontinuar o fornecimento, a OMS solicitou a colaboração de Biomanguinhos e do Instituto Finlay. É um acordo que visa um bem maior, que está sob a égide da solidariedade internacional, disse o presidente interino da Fiocruz Paulo Gadelha. O Fórum Social Mundial de Saúde é um evento paralelo ao Fórum Social Mundial, que teve início neste sábado (20/01), em Nairóbi, no Quênia.

  6. Fiocruz aprova projetos para a segunda fase da vacina terapêutica contra a Aids

    O Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães (CPqAM), unidade técnico-científica da Fiocruz em Pernambuco, conseguiu aprovar, junto ao Ministério da Saúde (MS), recursos para iniciar a segunda fase da vacina terapêutica contra a Aids. A primeira etapa reduziu em até 80% a presença do HIV em brasileiros infectados pelo vírus, em 2004. A nova fase, coordenada pelos pesquisadores responsável pelo início dos estudos e da Fiocruz, terá cerca de R$ 2 milhões para as atividades.

  7. Unidade da Fiocruz na Bahia seleciona bolsista de pós-doutorado

    O Laboratório de Patologia e Biointervenção do Centro de Pesquisas Gonçalo Moniz - CPqGM está selecionando um bolsista de pós-doutorado. A vaga é destinada a candidatos que tenham título de doutor e graduação na área biomédica. O bolsista fará parte do projeto de pesquisa "Desenvolvimento de vacina/método imunoterápico contra leishmaniose visceral canina, usando-se antígenos recombinantes".

  8. Teste diagnóstico rápido para detecção de rotavírus recebe prêmio do SUS

    O desenvolvimento de um teste diagnóstico rápido para detecção de rotavírus conferiu ao pesquisador Waldemir de Castro Silveira o Prêmio de Incentivo em Ciência e Tecnologia para o Sistema Único de Saúde (SUS). A premiação é concedida anualmente pelo Ministério da Saúde com apoio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Waldemir desenvolveu o trabalho durante o Mestrado Profissional em Tecnologia de Imunobiológicos de Biomanguinhos, realizado em convênio com o Mestrado em Biologia Celular e Molecular do Instituto Oswaldo Cruz (IOC). O estudo premiado foi conduzido sob orientação dos pesquisadores José Paulo Gagliardi Leite, chefe do Laboratório de Virologia Comparada do IOC, e Jussara Pereira do Nascimento, de Biomanguinhos, unidade da Fiocruz responsável pelo desenvolvimento e pela produção de vacinas e reagentes para diagnóstico.

  9. Bolsa de especialista visitante do CNPq no Laboratório de Imunoparasitologia do IOC

    O Laboratório de Imunoparasitologia do Instituto Oswaldo Cruz oferece bolsa de especialista visitante do CNPq vinculada ao projeto Desenvolvimento de vacinas candidatas contra leishmaniose a partir de genes de Leishmania amazonensis, coordenado pelo pesquisador Sergio Mendonça, do Laboratório de Imunoparasitologia do Instituto. O valor da bolsa é proporcional ao tempo de titulação e o período previsto é de 12 meses. Para se candidatar é preciso ser biólogo molecular com experiência em clonagem molecular, expressão gênica, construção de bibliotecas de cDNA e genômicas, PCR, PCR em tempo real, purificação de proteínas e DNA e ter título de doutor há no mínimo dois anos.