1. Nanotecnologia: medicamentos precisam de regulação

    No Brasil, o desenvolvimento de medicamentos nanotecnológicos eficazes, seguros e com alta relação custo/benefício é estratégico para a saúde coletiva. No entanto, a falta de informações requer uma regulação sanitária voltada à proteção da saúde e do ambiente. Para discutir este tema, as pesquisadoras da ENSP Vera Pepe e Ariane de Jesus Batista publicaram o artigo Os desafios da nanotecnologia para a vigilância sanitária de medicamentos. No texto, elas apontam que a grande questão da regulação consiste na conscientização de todos os atores envolvidos - pesquisadores, trabalhadores, reguladores, produtores e consumidores. O objetivo da pesquisa foi identificar o estágio de desenvolvimento e o marco regulatório dos medicamentos nanotecnológicos e seus desafios no Brasil, enfatizando a segurança sanitária.

  2. Novo boletim do Cecovisa já está disponível on-line

    A nova edição do boletim do Centro Colaborador em Vigilância Sanitária da ENSP já está disponível on-line. A publicação informa que o Senado volta a discutir a liberação de inibidores de apetite, além de citar que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou o projeto de decreto legislativo que suspende resolução da Anvisa e, assim, autoriza o uso de certos inibidores de apetite no país. O boletim do Cecovisa traz ainda a atualização do regulamento sanitário para serviços relacionados ao ciclo produtivo do sangue e aponta desafios da nanotecnologia para a vigilância sanitária de medicamentos. Confira a última edição do boletim. 

  3. Revista Visa em Debate recebe trabalhos científicos até 30/8

    A Anvisa apoia o lançamento da chamada pública para seleção de trabalhos científicos para serem publicados na edição Vigilância Sanitária e a Promoção da Alimentação Adequada e Saudável: Impasses, Desafios e Perspectivas, da revista Visa em Debate. O objetivo dessa edição é apresentar os trabalhos científicos que contribuam com a reflexão e o debate sobre a interface entre a temática alimentar e a vigilância sanitária, na perspectiva da Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional da promoção da saúde e das demais políticas públicas.

  4. Educação é estratégica para Reforma Psiquiátrica

    Pioneira na formação de quadros para a reforma psiquiátrica brasileira e na construção de conceitos e políticas para essa área, a ENSP é uma referência nacional quando se fala em Saúde Mental e Atenção Psicossocial no país. Tendo em uma de suas linhas de pesquisas esta temática, seja no stricto ou no lato sensu, a instituição sempre colaborou na produção de livros, revistas e artigos científicos. Este pioneirismo rendeu mais um fruto, a coletânea lançada pela Editora Fiocruz Políticas e Cuidado em Saúde Mental: contribuições para a prática profissional, organizada pelos pesquisadores Marco Aurélio Soares Jorge e Maria Cecilia de Araujo Carvalho, ambos da EPSJV/Fiocruz, e Paulo Roberto Fagundes da Silva, da ENSP/Fiocruz.

  5. Brasil é campeão da Copa do Mundo em redução de mortalidade infantil

    Um novo ranking incluindo os 32 países que disputaram a Copa do Mundo de 2014 mostra que todos apresentaram progresso significativo na redução da mortalidade infantil desde 1990, quando o Mundial foi sediado na Itália. Os avanços de cada país, entretanto, não foram iguais. Sede da Copa deste ano, o Brasil já é campeão da lista, com uma redução de 77% no número de mortes de crianças abaixo de cinco anos de idade desde 1990. 

  6. Pesquisador é eleito para Academia de Medicina do RJ

    A partir do dia 29 de julho, o pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) William Waissmann passará a ocupar a cadeira de número 15 como membro titular da Academia de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Acamerj). A solenidade de posse ocorrerá no teatro sede da Associação Fluminense de Medicina, em Niterói, às 20 horas. "Entrei para a cadeira defendendo minha tese 'Nanotecnologias, nanomateriais, e nanopartículas: impactos sobre a saúde humana', na qual descrevo não só a parte metabólica, mas também o aspecto regulatório deste tema", explicou Waismann.

  7. Parceria entre ONU e Brasil estimula inclusão social de comunidades quilombolas

    Um projeto para a regularização fundiária dos territórios quilombolas permitirá a essas comunidades ter acesso aos direitos de cidadania, beneficiando-se de políticas públicas e realizando projetos com o governo e a sociedade civil. A iniciativa é fruto de uma parceria entre o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), a Fundação Ford e a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), vinculada à Presidência da República, em apoio ao Programa Brasil Quilombola.

  8. Publicação debate saúde e doença na primeira infância

    Muitos são os temas relativos à primeira infância tratados no número temático de julho da revista Ciência & Saúde Coletiva, que está disponível on-line, como: leve aumento dos partos prematuros, abuso das cesarianas, ocorrência do nascimento de pré-termos tardios, questões relativas à mortalidade infantil, às desigualdades ao nascer, à qualidade do sistema de notificação dos nascidos vivos, à assistência pré-natal e ao parto segundo as orientações da OMS, à amamentação e à alimentação complementar e muitos outros, incluindo-se também texto relativo à saúde das crianças até cinco anos de idade. A publicação, que tem como uma das editoras-chefes a pesquisadora da ENSP Maria Cecília Minayo, conta com diversos artigos produzidos por profissionais da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. Confira.

  9. Novo boletim do Cecovisa já está disponível on-line

    A nova edição do boletim do Centro Colaborador em Vigilância Sanitária da Escola Nacional de Saúde Pública já está disponível on-line. A publicação convida para o Centro de Estudos da ENSP, que pretende debater a construção de uma carreira pública no Sistema Nacional de Vigilância Sanitária. O boletim traz também o artigo publicado em O Globo, pela professora Ligia Bahia, sobre os descompassos entre os tempos da política eleitoral e o da saúde, além de apontar algumas mudanças, por parte da Anvisa, na regra para nomes de medicamentos e trazer um entrrevista com o médico, mestre em Nefrologia e técnico da Vigilância Sanitária Estadual do Rio de Janeiro, Reinaldo Chain. sobre o papel da vigilância nos serviços de hemodiálise.