1. Vidas e mortes marcadas pela violência pautam edição da Ciência & Saúde Coletiva

    Organizados por Ednilsa Ramos de Souza (Claves/ENSP), Adalgisa Peixoto Ribeiro (Claves/ENSP), Deborah Carvalho Malta e Marta Maria Alves da Silva, os 30 artigos e uma resenha da edição 22.9 da Revista Ciência & Saúde Coletiva aprofundam o conhecimento do leitor sobre o impacto da violência na vida e na morte da população brasileira e em alguns países da América Latina. No Brasil, a violência continua sendo a terceira causa de morte da população, abaixo apenas dos óbitos por doenças cardiovasculares e câncer. Ela é responsável, além das dramáticas perdas e lesões humanas, pelo impacto na expectativa de vida dos homens aqui e em vários países da região. 

  2. Debate sobre Questionários de Saúde e Trabalho está disponível no Canal da ENSP no Youtube

    O Mestrado Profissional em Vigilância em Saúde do Trabalhador, do Centro de Estudos em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP) realizou o Debate sobre questionários de saúde e trabalho com enfoque na atividade e em aspectos psicossociais. A atividade contou com a participação de Tania Maria de Araujo, professora da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs); Lúcia Rotenberg, pesquisadora do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz); e das pesquisadoras da ENSP/Fiocruz, Jussara Cruz de Brito e Luciana Gomes. A atividade foi realizada no dia 22 de agosto, no auditório térreo da ENSP. Confira, no Canal da ENSP no Youtube, as apresentações. 
     

  3. Enceramento Epi2017: solidariedade e trabalho coletivo como linha de base

    Produzir uma epidemiologia com rigor metodológico e com qualidade na intervenção social, promovendo conhecimento que embase políticas transformadoras para a sociedade brasileira, sem perder, por isso, a dimensão solidária, humilde e da confiança da comunidade científica do campo e da Saúde Coletiva. Essas ideias atravessaram a cerimônia de encerramento do X Congresso Brasileiro de Epidemiologia, realizada na noite de 11 de outubro, na Plenária Antonieta de Barros, no CentroSul, Florianópolis. A mesa de encerramento foi composta por Antonio Boing, presidente do Congresso; Maria Amélia Veras, coordenadora da Comissão de Epidemiologia da Abrasco, e Leonor Pacheco, da direção da Abrasco, representando o presidente Gastão Wagner. A condução do cerimonial ficou por cargo de Thiago Barreto, secretário-executivo interino da Associação.

  4. Futuros do Brasil: o envelhecimento como processo que envolve todas as etapas da vida

    As tendências do perfil de envelhecimento no Brasil, no contexto de 2017, marcado por perda de direitos e de bem estar social, com ameaças ao Sistema Único de Saúde, estarão em debate no seminário Envelhecimento saudável sem estado de bem estar e sem SUS?, da série Futuros do Brasil. Parceria do Centro de Estudos Estratégicos da Fiocruz (CEE-Fiocruz), com Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz), o evento será realizado em 17/10/2017, às 9h30, no Salão de Leitura da Biblioteca de Manguinhos, com transmissão via internet, pelo blog do CEE-Fiocruz e pela página do Centro no Facebook.

  5. Controle do tabaco é tema de mesa-redonda no X Congresso Brasileiro de Epidemiologia

    "O Brasil estabeleceu uma política fantástica no embargo a aditivos de tabaco. Agora é inovar para diminuir a prevalência". A fala do pesquisador estadunidense Jeffrey Drope abriu a mesa-redonda Controle do tabaco: novos desafios para o século 21, presente na programação do X Congresso Brasileiro de Epidemiologia, promovido pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco). A discussão seguiu por três temáticas: política econômica e o controle do tabaco no mundo e no Brasil; cigarros eletrônicos e novos dispositivos: uma ameaça ou uma oportunidade para o controle do tabagismo?; e propaganda indireta de tabaco e imagens em programas de TV aberta, visando o controle do tabaco no contexto mundial e brasileiro como problema de Saúde Pública. A mediadora do debate foi Ana Luiza de Lima Curi Hallal, professora do Departamento de Saúde Pública da UFSC (SPB/UFSC).
     

  6. Epidemiologia precisa ser capaz de antecipar problemas e orientar decisões dos governos, afirma Opas/OMS na abertura do Epi2017

    A análise epidemiológica precisa ser capaz de antecipar problemas, orientar a tomada de decisões pelos gestores públicos e oferecer alternativas e soluções. A afirmação foi feita na noite de domingo, 8 de outubro, pelo representante da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (Opas/OMS) no Brasil, Joaquín Molina, durante a abertura do X Congresso Brasileiro de Epidemiologia, organizado pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e a Universidade Federal de Santa Catarina. O evento reúne pesquisadores, docentes, alunos e profissionais de saúde, tanto brasileiros quanto de outras partes do mundo, para facilitar o intercâmbio de experiências. "É preciso integrar os determinantes sociais da saúde nas nossas análises. Defender e incorporar o enfoque de gênero no nosso dia a dia. E intensificar ainda mais a luta contra a desigualdade e as inequidades em saúde e bem estar, que tanto lastima a todos nós", disse Molina. 

  7. 'Cadernos de Saúde Pública' questiona a lista de medicamentos do SUS

    A revista Cadernos de Saúde Pública (volume 33 número 9), disponível on-line, destaca os medicamentos essenciais no Sistema Único de Saúde, cujo editorial assinado pela pesquisadora da ENSP, Claudia Garcia Serpa Osorio-de-Castro, questiona que fármacos de fato são incluídos na lista estratégica para o SUS. "Aqueles que atendem a prioridades sanitárias? Ou que deveriam ser incorporados e listados em futuras Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAMEs)? Os que estão no horizonte tecnológico? Aqueles que são comprados pelo SUS, mas não incorporados? Os mais caros ou mais judicializados? Aqueles sem consenso quanto à relevância no atendimento a prioridades sanitárias, ou quanto a evidências de efetividade e de custo-efetividade na perspectiva do SUS, mas que despertam o interesse do setor produtivo? Que fatores movem incorporação, inclusão na RENAME e inclusão em lista estratégica para o SUS?" Para a pesquisadora, essas perguntas expõem evidentes e repetidas incoerências, que vão ao encontro do proposto na Política Nacional de Medicamentos do Brasil (PNM). Segundo ela, há características que ajudam a "política", agregado formal de intenções por parte do governo/Estado, a ultrapassar o mero “casuísmo” e se conformar em Política "com P maiúsculo": a continuidade e a coerência interna dos diversos planos/programas/ações, ao longo do tempo. "Temos nos perguntado a todo momento, diante da crise que se estabeleceu no país, para onde vai o SUS? O futuro pode nos reservar outras surpresas, mas é possível já vislumbrar, em ações e em políticas setoriais, como é o caso da PNM, um rumo nebuloso para os medicamentos essenciais", conclui o editorial.

  8. Benzeno: evento na ENSP marca Dia Nacional de Luta contra exposição à substância

    5 de outubro é marcado como o Dia Nacional de Luta contra a Exposição ao Benzeno, substância cancerígena existente nos combustíveis. O benzeno está presente em diversos ambientes e processos de trabalho, e desde os anos 2000 vem ganhando força a discussão sobre a exposição ao benzeno dos trabalhadores de postos de combustíveis, decorrente da presença dessa substância na gasolina. O Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP/Fiocruz) há algumas décadas, vem implementando esforços com várias instâncias de governo no sentido de aprimorar as ações na luta contra o benzeno. Em alusão ao Dia Nacional de Luta, o Cesteh/ENSP promoverá mais uma atividade da série Encontros do Cesteh, que debaterá a pesquisa Avaliação ambiental e indicadores de genotoxicidade em trabalhadores expostos a benzeno em postos de combustíveis. O encontro é aberto a todos os interessados e está marcado para o dia 8 de novembro, na sala 32 do Cesteh, a partir das 12 horas.

  9. Encontros dos ex-coordenadores encerra comemorações pelos 20 anos do Cep/ENSP

    O Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Nacional de Saúde Pública (Cep/ENSP) comemora 20 anos de atuação em 2017. Desde o início do ano o Cep/ENSP vem promovendo um ciclo de encontros comemorativos que discutiram assuntos como os direitos dos participantes de pesquisa no Brasil; os Biobancos na Fiocruz; a vulnerabilidade e sua interface nas pesquisas com seres humanos; além de uma sessão do Cinebioética, na qual foi exibida o filme ‘A vida imortal de Henrietta Lacks’. A última atividade comemorativa foi o encontro dos ex-coordenadores do Comitê, que estiveram reunidos para falar sobre as perspectivas para o futuro diante do atual contexto dos Comitês de Ética. O evento foi realizado no dia 11 de setembro, no salão internacional da ENSP.

  10. Epidemiologia no mundo, nas sala de aula e nas publicações científicas vão compor o Epi2017

    O Congresso Brasileiro de Epidemiologia, que começa neste sábado, 7 de outubro, e segue até o dia 11 de outubro, traz em sua décima edição as sessões especiais: atividades curtas, com a duração de uma hora que colocarão foco em temas fundamentais para a área. Serão mais espaços para troca e aprendizagem, confirmando a vocação do evento em ser um dos mais ricos laboratórios de ideias em saúde regularmente organizados no país. O congresso contará com a participação de diversos pesquisadores do Departamento de Epidemiologia e Métodos Quantitativos em Saúde, além de outros departamentos da Escola.