1. Nossa luta é contra o tempo hegemônico, afirma pesquisadora da ENSP

    A pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública(ENSP) Mercês Navarro assina carta em que aponta o tempo hegemônico como um dos maiores desafios para se produzir saúde. Segundo ela, no contexto desse cenário, é preciso comemorar e fortalecer as iniciativas comunitárias que ocorrem em Manguinhos. Uma delas acontecerá neste sábado, 24 de junho, no Colégio Estadual Compositor Luiz Carlos da Vila, onde será realizado um mutirão para pequenos consertos, lavagem da quadra e pintura da escola. Durante a mobilização, haverá, ainda, a divulgação da Gincana Solidária da Comissão dos Agentes Comunitários de Saúde do território de Manguinhos-RJ (Comacs). A atividade será aberta a todos os interessados. Confira a carta na íntegra. 

     

  2. Rodas de conversa falam sobre ações que beneficiam o meio ambiente

    "Pense globalmente, aja localmente." A conhecida frase é uma boa síntese do que se ouviu durante as duas rodas de conversa realizadas na Semana do Meio Ambiente da ENSP. A primeira delas falou sobre rotulagem de alimentos. Contando com a participação de nutricionistas do projeto Circuito Saudável, da Fiocruz, a proposta da roda foi mostrar como, em uma simples compra no mercado, podemos tomar decisões que beneficiem ou não o meio ambiente e nossa saúde. A segunda roda apresentou projetos que, mesmo sem contar com grandes verbas ou visibilidade, vêm recuperando áreas degradas e melhorando as condições de saúde de populações tradicionais.  

  3. Pierre Bourdieu e a produção social da cultura, do conhecimento e da informação

    Encontra-se disponível em acesso livre o e-book Pierre Bourdieu e a produção social da cultura, do conhecimento e da informação, com apoio da FAPERJ e edição da Editora Garamond. Organizado pelos pesquisadores Regina Marteleto e Ricardo Pimenta, do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação do IBICT-UFRJ, o livro-coletânea conta com a contribuição de autores das áreas de Ciência da Informação, Comunicação, Saúde, Arquitetura e Urbanismo, Museologia, Ciências Sociais, que analisam diferentes formas de aplicação dos conceitos e métodos produzidos por Pierre Bourdieu, em seus respectivos campos de inserção científica.  A obra pretende ainda fornecer um guia de leitura da obra do sociólogo para a reflexão crítica das formas sociais de produção do conhecimento, obra inovadora proposta pela Ciência da Informação, como tributo às contribuições das ideias de Pierre Bourdieu nesse campo de estudos.

  4. Aprovado documento orientador da 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde

    A 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde (1ª CNVS) já tem seu texto de orientação.  O evento, que acontecerá entre 21 e 24 de novembro, em Brasília, teve seu documento guia aprovado na última reunião do pleno do Conselho Nacional de Saúde, realizada nos dias 8 e 9 de junho. O texto foi elaborado pela Comissão de Formulação e Relatoria da 1ª CNVS, composta, entre outros conselheiros titulares nacionais, por Guilherme Franco Netto, pesquisador da Fiocruz e dirigente da Abrasco. “É importante a comunidade abrasquiana, por meio de suas comissões e GTs, se mobilizar para enriquecer o debate em torno da 1ª CNVS”, ressalta ele.

  5. Ciência & Saúde Coletiva abre chamada temática para promoção da saúde e direito à cidade

    Embora o maior objetivo da Promoção da Saúde seja a equidade e melhoria das condições de vida, há de se considerar que as formas de expressão da sociedade que ocorrem nos diferentes territórios e cidades são distintas e únicas. O princípio da equidade tem relação direta aos conceitos de igualdade e justiça e passam pela redução no impacto dos determinantes sociais de saúde no âmbito das políticas públicas e dos grupos vulneráveis. Faltam pesquisas que estudem experiências bem-sucedidas de Promoção da Saúde e equidade voltadas ao direito à cidade. A presente proposta de número temático de Ciência & Saúde Coletiva busca preencher esta lacuna na literatura científica. A pergunta que orientará a edição é: "Como produzir saúde no âmbito das cidades em conjunto com diversos setores da sociedade, visando enfrentar e diminuir situações de exclusão e iniquidades, garantindo de forma justa o direito à cidade a todos os seus moradores?". A chamada pública está aberta até 30 de agosto de 2017.

  6. A construção da sociedade do trabalho no Brasil: Ceensp debateu clássico comteporâneo das ciências sociais

    A crise econômica, política e social por que passa o país e os temas que estão em disputa, como a reforma trabalhista e a previdência social, não deixam dúvida: o Brasil vive, hoje, uma encruzilhada histórica. Nada mais adequado, portanto, do que a busca por reflexões aprofundadas, de longo fôlego, que nos tragam instrumentos para superar adversidades e propor novos horizontes. Uma dessas raras oportunidades foi oferecida durante o Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos da ENSP (Ceensp), que, no dia 31 de maio, teve por tema "A construção da sociedade do trabalho no Brasil - revisitando um clássico contemporâneo das ciências sociais no Brasil". O título faz referência ao livro do sociólogo Adalberto Moreira Cardoso, publicado em 2010. Para debater as ideias expostas no livro, além do autor, que é professor do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Uerj, esteve presente José Sergio Leite Lopes, professor do Museu Nacional da UFRJ e diretor do Colégio Brasileiro de Altos Estudos, também da UFRJ. A coordenação do debate foi feita por Tatiana Wargas, à época, vice-diretora de Ensino da ENSP. 

  7. Lançamento do 12° Abrascão na ENSP, nesta terça (20/6)

    Nesta terça-feira (20/6), de 10 às 13 horas, será lançado o 12º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, no auditório térreo da ENSP. Tendo como tema A defesa da democracia e do SUS, o evento contará com a presença do presidente da Abrasco, Gastão Wagner de Souza Campos e da presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima. Na oportunidade também será instalada a Comissão Organizadora Local do Congresso que contará com a participação de Antonio José Leal Costa, diretor do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ; de Aluísio Gomes da Silva Júnior, diretor do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal Fluminense e de Gulnar Azevedo e Silva, diretora do Instituto de Medicina Social da UERJ.

  8. Comitê de Ética em Pesquisa da ENSP debate os biobancos na Fiocruz

    Comemorando seus 20 anos de atuação, o Comitê de Ética em Pesquisa da ENSP promoveu um debate em que se discutiu a questão das pesquisas envolvendo seres humanos que lidam diretamente com coleta e análise de materiais biológicos e promovem o armazenamento das amostras em bancos para análises posteriores. A discussão girou em torno dos biobancos e recebeu convidados desta fundação e de instituições externas. A atividade contou com a participação de Gustavo Stefanoff, do Instituto Nacional do Câncer e representante da Conep, Jennifer Braathen Salgueiro, coordenadora do Cep/ENSP, Maria Hermoso, da Vice-Presidência de Pesquisa e Coleções Biológicas da Fiocruz, Thereza Benévolo, do Departamento de Apoio Técnico e Tecnológico do IOC/Fiocruz, e Ricardo Brum, assessor clínico de Biomanguinhos/Fiocruz. A cerimônia de abertura do evento recebeu a presença do vice-presidente de Pesquisa e Coleções Biológicas da Fiocruz, Rodrigo Correia, do diretor da ENSP, Hermano Castro, da vice-diretora de Pesquisa da ENSP, Sheila Mendonça, e da vice-diretora de Laboratórios e Ambulatórios da Escola, Fátima Rocha. 

  9. Perdas de investimentos podem colocar a saúde brasileira de volta à posição de refém na área de inovação, dizem especialistas à Radis

    A reportagem da Radis de junho Ciência made in Brasil alerta para os cortes na área de ciência, tecnologia e inovações que colocam em xeque a autonomia do complexo industrial e produtivo do Sistema Único de Saúde (SUS). "As perdas de investimentos podem colocar a saúde brasileira de volta à posição de 'refém' na área de inovação e do complexo econômico e industrial, na contramão da busca pela autonomia científica", apontam os especialistas ouvidos pelo repórter Luiz Felipe Stevanim. No fim de março deste ano, o corte anunciado para o Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC) foi de R$ 2,2 bilhões, correspondente a 44% das verbas da área - com isso, o orçamento do setor será o mais baixo dos últimos 12 anos, segundo a revista britânica Nature, uma das mais importantes publicações da área científica no mundo. O ajuste se soma a outras medidas, como a PEC do Teto dos Gastos Públicos, aprovada no fim de 2016, que congelou por 20 anos os investimentos governamentais: segundo a nova regra, o governo poderá aplicar somente o valor gasto no ano anterior, corrigido pela inflação.

  10. Programa de Saúde Pública e Meio Ambiente da ENSP se pronuncia sobre saída dos EUA do Acordo do Clima

    Poucos dias antes da data estabelecida pela Assembleia Geral das Nações Unidas como o Dia Mundial do Meio Ambiente - lembrado em 5 de junho -, o presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, anunciou a saída do país do Acordo do Clima. A notícia caiu como uma bomba em todo o mundo, visto que o acordo tem o propósito de controlar e gerir melhor os efeitos globais, regionais e locais da mudança do clima. Celebrado em Paris em dezembro de 2015, o acordo representa um grande avanço global, pois, praticamente, todos os países do mundo assumiram o compromisso de reduzir emissões de gases contribuintes para o efeito estufa (GEE), com o objetivo de manter o aquecimento global médio abaixo de 2 ºC neste século. O Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública e Meio Ambiente da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz), na pessoa da professora Martha Barata, elaborou uma carta na qual reflete sobre o impacto do anúncio realizado pelo presidente da Nação que muito contribui para a mudança do clima. Confira, a seguir, a carta da professora Martha Barata, pesquisadora do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), que trabalha com o tema desde 1994.