1. Lixo: uma análise de percepções e práticas sociais

    Quais são as percepções da sociedade em relação ao lixo? Foi na busca de responder essa e outras questões relacionadas aos resíduos sólidos que a bióloga Caroline Porto de Oliveira defendeu a dissertação Lixo: problemas, caminhos possíveis e práticas diárias na percepção do cidadão no programa de Saúde Pública da ENSP. O trabalho concluiu que o lixo, na quantidade produzida e da forma como é tratado atualmente, é considerado fonte de grande impacto ambiental, como contaminação atmosférica, do solo e dos corpos hídricos, aumento na probabilidade de enchentes e impacto na fauna através da sua ingestão. Ao abordar a composição, o plástico foi considerado o componente mais prejudicial, seguido pelo vidro, metais e papéis.

  2. Pesquisa analisa efeitos do chumbo no corpo humano

    Ciente da ausência de pesquisas ligadas à concentração de chumbo em policiais militares no Brasil, Marcio Luís Soares Bezerra apresentou, em sua dissertação de mestrado em Saúde Pública na ENSP, os possíveis riscos que o metal oferece a esse grupo de profissionais. O trabalho, que tem como tema A exposição ao chumbo de militares alvejados por arma de fogo e foi orientado pela pesquisadora Maria de Fátima Ramos Moreira e pelo professor Eduardo Borba Neves, mostra a correlação entre a localização dos projéteis nos corpos dos policiais e os níveis de vascularização das regiões atingidas, cujos efeitos no organismo podem causar também aumentos significativos nos sintomas neurológicos dos expostos.

  3. Tese analisa estratégia de intervenção nutricional no país

    Os materiais informativos produzidos pela Política Nacional de Alimentação e Nutrição (Pnan/MS) estão atingindo seus objetivos de estimular escolhas alimentares mais saudáveis? Em sua construção, estes estão reproduzindo práticas educativas tradicionais e normativas, em que o saber do especialista ainda se sobrepõe ao da população? Segundo a nutricionista Karla Meneses Rodrigues, que acaba de defender sua tese de doutorado em Saúde Pública na ENSP, os materiais por si só não mudam comportamentos alimentares, porém funcionam como importantes ferramentas para a melhoria das condições de alimentação e nutrição junto a grupos populacionais específicos quando associados a outras estratégias de intervenção nutricional.