1. Tese analisa impacto da regionalização na assistência

    Avaliar o impacto do modelo regionalizado no acesso à atenção hospitalar na Região Norte do Estado do Rio de Janeiro entre os anos de 2002 a 2007 foi o principal objetivo da tese de doutorado em Saúde Pública apresentada pela aluna Jaira Calil de Siqueira na ENSP. O estudo Regionalização da assistência à saúde no Norte Fluminense: uma avaliação da assistência hospitalar foi a base para o trabalho ganhador do 1° lugar do prêmio Ministro Gama Filho 2011 do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE RJ). Sob orientação da pesquisadora Silvia Porto (Daps/ENSP), a pesquisa pretendeu acompanhar os avanços na assistência da população da Região Norte Fluminense. Os resultados confirmaram que o modelo regionalizado não trouxe avanços sobre o acesso dos usuários ao sistema de saúde local.

  2. Assistência oncológica infantil é diferenciada no Brasil

    Crianças brasileiras com câncer têm a mesma oportunidade de tratamento em todas as regiões do país? Foi com base nesse questionamento que a médica Marilia Fornaciari Grabois defendeu a primeira tese do Programa de Epidemiologia em Saúde Pública da ENSP, intitulada O acesso à assistência oncológica infantil no Brasil. O trabalho foi apresentado um ano antes do prazo final e concluiu que as crianças que habitam nas regiões Norte e Nordeste têm dificuldades no acesso a serviços de assistência médica. Elas estão em desvantagem se comparadas às que moram nas regiões mais ricas do país, Sul e Sudeste, uma vez que estas, sim, possuem maior distribuição e concentração das redes de atendimento, reforçando a hipótese da iniquidade de acesso geográfico.