1. Educação permanente em saúde é tema de mestrado na ENSP

    No dia 16 de julho, apresentação da dissertação de mestrado profissional em Saúde Pública A Educação Permanente em Saúde como espaço de produção de saberes na Estratégia de Saúde da Família, por Josinei Feijó da Silva, na sala 1 do 4º andar da ENSP, a partir das 13h30.

  2. Atendimento domiciliar é prejudicado em área de risco do RJ

    De que forma os serviços de saúde hospitalar se organizam para garantir a assistência domiciliar em saúde de quem reside em área de violência urbana? Esta foi a questão que norteou o estudo da aluna de mestrado profissional em Saúde Pública da ENSP Cláudia Mendes de Araújo, orientada pela pesquisadora Cláudia Mara de Melo Tavares. A estratégia mais utilizada pelos serviços de atenção domiciliar da rede federal do município do Rio de Janeiro, de acordo com a pesquisa, é mudar o paciente de endereço para garantir a assistência, ou seja, para que a assistência seja realizada o paciente precisa ter outro endereço em local seguro, seja a casa de um amigo ou familiar para que a equipe possa atendê-lo. "Isto nem sempre é possível e o paciente, em sua maioria, permanece internado ou sem o atendimento domiciliar", diz a aluna. 

  3. Estudo analisa mortalidade por câncer de útero no Piauí

    No dia 3 de julho, apresentação da dissertação de mestrado profissional em Epidemiologia em Saúde Pública Mortalidade por câncer de útero e rastreamento das alterações cervicais no Piauí, por Andressa Moura Damacena, no Auditório de Pós-Graduação de Enfermagem (UFPI), a partir das 8 horas.

  4. ‘Dor crônica é um importante problema de saúde pública’

    "A dor crônica é muito mais que um fenômeno biológico, contém aspectos psicológicos e sociais associados de forma intrínseca". Esse modelo biopsicossocial de entendimento sobre a questão foi utilizado pelo aluno de Doutorado em Epidemiologia em Saúde Pública, Israel Souza, ao desenvolver sua tese Resiliência e dor crônica: construção de um perfil de resiliência sob orientação da pesquisadora Ana Glória Godoi Vasconcelos. A dor crônica possui uma alta prevalência e consiste num importante problema de saúde pública, explica ele, trazendo impactos não apenas para o indivíduo acometido, mas também às famílias, ao sistema de saúde e para a economia, em especial devido ao absentismo, aposentadoria precoce e perda de emprego. O público pesquisado consistiu em 414 pacientes atendidos na Clínica de Dor e Cuidados Paliativos no Hospital de Clinicas de Porto Alegre (RS), todos com dor crônica musculoesquelética, com dados oriundos de pesquisa anterior.