1. 'Vigilância Epidemiológica Hospitalar' é tema de pesquisa da ENSP

    A vigilância em saúde tem papel fundamental na identificação, resposta e controle às doenças e agravos em saúde, bem como monitoramento dos perfis de morbi-mortalidade. Em particular, a Vigilância Epidemiológica Hospitalar (VEH) foi instituída pelo Ministério da Saúde, em agosto de 2010, como forma de melhorar a vigilância em saúde, a partir da visão hospitalar, com aplicação de incentivos financeiros para implantação e manutenção dessa ação estratégica. A pesquisa da aluna de Mestrado Profissional em Saúde Pública da ENSP, Maria Beatriz Ruy, orientada pela pesquisadora Maria Angélica Borges dos Santos, foi ao encontro desse tema e teve como objetivo avaliar a rede de núcleos de VEH, segundo modelos de vigilância e financiamento no Brasil entre 2008-2016. Os resultados do estudo apontam aumento do número de núcleos de VEH no período de 2014 a 2016, momento de mudança do modelo de vigilância, de sentinela para base populacional. "Isso aconteceu, provavelmente, em virtude de mais flexibilidade dos gestores locais em indicar os hospitais mais convenientes ou com maior necessidade de monitoramento", disse a aluna.

  2. 'Vigilância Epidemiológica Hospitalar' é tema de pesquisa da ENSP

    A vigilância em saúde tem papel fundamental na identificação, resposta e controle às doenças e agravos em saúde, bem como monitoramento dos perfis de morbi-mortalidade. Em particular, a Vigilância Epidemiológica Hospitalar (VEH) foi instituída pelo Ministério da Saúde, em agosto de 2010, como forma de melhorar a vigilância em saúde, a partir da visão hospitalar, com aplicação de incentivos financeiros para implantação e manutenção dessa ação estratégica. A pesquisa da aluna de Mestrado Profissional em Saúde Pública da ENSP, Maria Beatriz Ruy, orientada pela pesquisadora Maria Angélica Borges dos Santos, foi ao encontro desse tema e teve como objetivo avaliar a rede de núcleos de VEH, segundo modelos de vigilância e financiamento no Brasil entre 2008-2016. Os resultados do estudo apontam aumento do número de núcleos de VEH no período de 2014 a 2016, momento de mudança do modelo de vigilância, de sentinela para base populacional. "Isso aconteceu, provavelmente, em virtude de mais flexibilidade dos gestores locais em indicar os hospitais mais convenientes ou com maior necessidade de monitoramento", disse a aluna.

  3. Pesquisa da ENSP aborda o uso da força policial sob a ótica da violência e saúde

    Qual o limite para o uso da força policial militar? A pergunta intitula a dissertação da aluna de mestrado em Saúde Pública, Marcelle Braga Barbosa, psicóloga da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, sob orientação da pesquisadora Fátima Regina Cecchetto. "Minha prática se sustenta no 'entre' o 'dentro' e o 'fora'. Estou dentro do Quadro de Oficiais Policiais Militares, com minhas insígnias e patentes. E fora de seu círculo, com meu sigilo profissional e minha escuta livre de ordenamentos disciplinares e hierarquizações. E foi desse lugar de 'entre' que pude colher a fala de um paciente que deu título ao trabalho de pesquisa", disse Marcelle. Ela relata que esse paciente metaforizou a linha que demarca a legalidade de suas ações como uma "corda bamba" pela qual caminha no seu dia a dia profissional. "As noções de força e violência policial também comportariam uma tensão, uma vez que se encontram na fronteira entre o legal e o ilegal, entre a coercitividade e a proteção de direitos?", indaga.

  4. Pesquisa da ENSP aborda o uso da força policial sob a ótica da violência e saúde

    Qual o limite para o uso da força policial militar? A pergunta intitula a dissertação da aluna de mestrado em Saúde Pública, Marcelle Braga Barbosa, psicóloga da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, sob orientação da pesquisadora Fátima Regina Cecchetto. "Minha prática se sustenta no 'entre' o 'dentro' e o 'fora'. Estou dentro do Quadro de Oficiais Policiais Militares, com minhas insígnias e patentes. E fora de seu círculo, com meu sigilo profissional e minha escuta livre de ordenamentos disciplinares e hierarquizações. E foi desse lugar de 'entre' que pude colher a fala de um paciente que deu título ao trabalho de pesquisa", disse Marcelle. Ela relata que esse paciente metaforizou a linha que demarca a legalidade de suas ações como uma "corda bamba" pela qual caminha no seu dia a dia profissional. "As noções de força e violência policial também comportariam uma tensão, uma vez que se encontram na fronteira entre o legal e o ilegal, entre a coercitividade e a proteção de direitos?", indaga.

  5. Pesquisa analisa evolução nutricional de lactentes nascidos prematuros

    No dia 4 de julho, apresentação de dissertação de mestrado em Saúde Pública e Meio Ambiente Evolução nutricional de lactentes nascidos prematuros, acompanhados durante o primeiro ano de vida, no ambulatório de seguimento de um hospital de referência do Rio de Janeiro, por Daiana Belen Lopez, a partir das 9 horas, na sala 41 do prédio do Cesteh/ENSP. 

  6. Estudo da ENSP detecta leishmaniose em animais de moradores do Campus Fiocruz da Mata Atlântica

    Avaliar, por meio de diferentes métodos laboratoriais, a soroprevalência da leishmaniose, toxoplasmose e leptospirose nos cães, gatos e aves de produção pertencentes aos moradores do Campus Fiocruz da Mata Atlântica (CFMA) e arredores, em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, foi o objetivo da dissertação do aluno de mestrado em Saúde Pública da ENSP Renato Orsini Ornellas, sob orientação do pesquisador Fabiano Borges Figueiredo. A região estudada representa, atualmente, uma das principais frentes de crescimento urbano no município do Rio de Janeiro, situando-se numa fronteira entre o ecossistema natural e o antrópico (modificado pelo ser humano), sendo composto de seis comunidades que somam 220 unidades habitacionais e 821 moradores. Nesse contexto, conforme relata Ornellas, a presença de animais de companhia (cães e gatos) e de criação (equinos, bovinos, suínos, aves) soltos no interior do CFMA proporciona um cenário de intensa interação entre humanos, seus animais e a fauna silvestre, compondo um ambiente favorável à transmissão de patógenos causadores de zoonoses. Os resultados apresentados nesse estudo, realizado  no período entre 2012 e 2014, demonstram a soroprevalência de Leishmania sp.Toxoplasma gondii e Leptospira spp. em cães, gatos, galinhas e patos residentes em ambiente antropizados da Mata Atlântica, no município do Rio de Janeiro. “É possível, ainda, correlacionar essa soroprevalência entre essas espécies de animais domésticos e o ambiente de moradia”, analisa.