1. Ceensp discutirá expansão da febre amarela no país

    Para discutir os desafios e perspectivas da expansão da febre amarela silvestre no país, a Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/Fiocruz) receberá, no âmbito do Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos, quatro especialistas para debater os aspectos de controle, vigilância e imunização da doença. A atividade, a ser realizada nesta quarta-feira (19/4), das 9h às 16 horas, terá dois momentos de discussão, com presença do coordenador de Controle de Doenças da Secretaria de Estado de São Paulo, Marcos Boulos, e da pesquisadora da ENSP Andréa Sobral, na parte da manhã. Na mesa que terá início às 13 horas, estarão presentes o consultor científico de Bio-Manguinhos Reinaldo de Menezes Martins e a coordenadora do Programa Nacional de Imunização (PNI/SVS/MS), Carla Domingues. "Os palestrantes abordarão aspectos da transmissão da FAS, da vacina e das estratégias de vacinação em distintos cenários. Apesar de aparente diminuição de casos, na ultima semana, é importante  debater as ações de saúde pública no controle da doença", afirmou o coordenador do Ceensp e pesquisador da ENSP, Fernando Verani. O Ceensp é aberto ao público e não há necessidade de inscrição prévia. O encontro será gravado e, posteriormente, disponibilizado no canal da ENSP no youtube.

  2. Primeiro Ceensp de 2017 debate financiamento e descentralização do SUS

    O Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos da ENSP começará o ano de 2017 debatendo Financiamento e a descentralização do SUS: potenciais impactos das mudanças nos mecanismos de transferência federal. O encontro, marcado para o dia 12 de abril, debaterá o conjunto de mudanças relativas aos mecanismos de transferência de recursos pelo Ministério da Saúde aos entes subnacionais, incidindo em alterações relativas ao financiamento no Sistema Único de Saúde (SUS). Segundo pesquisador do Departamento de Política de Medicamentos e Assistência Farmacêutica (NAF) da ENSP Rondineli Mendes, que está na coordenação do Centro de Estudos, a atividade abordará diversos pontos, entre eles, a crítica ao modelo engessado pelos entes federativos subnacionais e o papel do Ministério da Saúde como regulador, formulador e indutor de políticas públicas - considerando sua relevância como importante financiador. O Ceensp é aberto a todos interessados e acontecerá no salão internacional da ENSP, a partir das 14 horas. Não é necessária inscrição prévia.

  3. Primeiro Ceensp de 2017 debate financiamento e descentralização do SUS

    O Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos da ENSP começará o ano de 2017 debatendo Financiamento e a descentralização do SUS: potenciais impactos das mudanças nos mecanismos de transferência federal. O encontro, marcado para o dia 12 de abril, debaterá o conjunto de mudanças relativas aos mecanismos de transferência de recursos pelo Ministério da Saúde aos entes subnacionais, incidindo em alterações relativas ao financiamento no Sistema Único de Saúde (SUS). Segundo pesquisador do Departamento de Política de Medicamentos e Assistência Farmacêutica (NAF) da ENSP Rondineli Mendes, que está na coordenação do Centro de Estudos, a atividade abordará diversos pontos, entre eles, a crítica ao modelo engessado pelos entes federativos subnacionais e o papel do Ministério da Saúde como regulador, formulador e indutor de políticas públicas - considerando sua relevância como importante financiador. O Ceensp é aberto a todos interessados e acontecerá no salão internacional da ENSP, a partir das 14 horas. Não é necessária inscrição prévia.

  4. ENSP debate Complexo Industrial da Saúde e seus desafios

    O Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos da ENSP, em sua penúltima edição de 2016, debateu os desafios do Complexo Industrial da Saúde (CIS). Com a participação do vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fiocruz, Jorge Bermudez, do vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Química Fina, Biotecnologia e suas Especialidades (Abifina), Reinaldo Guimarães, do presidente do Instituto Pereira Passos, Mauro Osorio, e da representante do grupo de pesquisa Saúde, Estado e Sociedade do Instituto de Medicina Social da Uerj, Catalina Kiss, durante o Ceensp, foi lançada a publicação Desafios de operação e desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde, organizada pelo Departamento de Políticas de Medicamentos e Assistência Farmacêutica (NAF/ENSP), em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro.

  5. Exibição de documentário, ação do LM e lançamento do Selo Sergio Arouca quarta-feira (14/12) na ENSP

    Na quarta-feira, 14 de dezembro, dando continuidade às atividades de encerramento do ano letivo da Escola Nacional de Saúde Pública, a partir das 8 horas, começa a ação de Natal do Projeto Livro em Movimento. Às 11 horas, haverá a exibição do documentário Catastroika, seguida da sessão especial do Centro de Estudos da ENSP com o lançamento do Selo Sergio Arouca de Qualidade da Informação em Saúde na Internet, no blog Tuberculose: circulando a informação, a partir das 14 horas. Participe!

  6. Prematuridade provocada por intervenção médica chega a 40% no Brasil

    O excesso de intervenções obstétricas e o baixo uso de boas práticas na atenção ao parto permanecem no Brasil. Os novos dados da pesquisa Nascer no Brasil: inquérito nacional sobre parto e nascimento foram divulgados na quinta-feira (1/12), na Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz), e revelam que a taxa de prematuridade brasileira (11,5%) é quase duas vezes superior à observada nos países europeus, sendo 74% desses prematuros tardios (34 a 36 semanas gestacionais). Muitos casos podem decorrer de uma prematuridade iatrogênica, ou seja, retirados sem indicação, em mulheres com cesarianas agendadas ou avaliação incorreta da idade gestacional. O Nascer no Brasil é um inquérito nacional de base hospitalar, realizado em 191 municípios, com 23.894 mulheres entrevistadas.

  7. ENSP apresenta novos dados da pesquisa Nascer no Brasil

    Nesta quinta-feira (1/12), às 9 horas, durante o Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos, a Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca lançará os novos resultados da pesquisa Nascer no Brasil: inquérito nacional sobre parto e nascimento. O novos dados estão publicados na revista Reproductive Health (suplemento (3) 2016;13), por meio de artigos que descrevem as práticas de atenção ao parto, suas consequências e ideias potenciais para intervenções que possam ajudar a mudar esse cenário. O editor científico da revista, José Belizan, e a pesquisadora Catherine Deneux-Tharaux, do Institut National de la Santé et de la Recherche Médicale (Inserm), Paris, estarão presentes no encontro coordenado pela pesquisadora Maria do Carmo Leal.

  8. Bezenismo: centro de estudos debateu exposição nos postos de combustível

    Silêncioso, invisível e letal. Os riscos à saúde causados pelo benzeno, substância cancerígena presente nos combustívels, há muito são conhecidos pela comunidade científica. Na década de 1990, quando foi instituida a Comissão Nacional do Benzeno, normas regulatórias foram impostas às indústrias químicas e siderúgicas, mas os postos de combustível ficaram de fora. Agora, um anexo foi incluído à legislação para dar conta também da exposição nos postos. Ainda que alvo de críticas pelas concessões que foram feitas nas discussões tripartites entre governo, trabalhadores e donos de postos, é a primeira vez que esse serviço é regulado no que diz respeito ao benzeno. No último dia 23 de novembro, o Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos da ENSP debateu os aspectos legais, técnicos e científicos do tema. Na ocasião, foram apresentados dados de um extenso dossiê elaborado a partir de estudos feitos em oito estados brasileiros. Pesquisadores, representantes dos trabalhadores e ténicos que trabalham com Saúde do Trabalhador estiveram presentes na discussão. Veja nos três vídeos abaixo a íntegra das mesas e palestras. 

  9. 'Violência no namoro deve entrar na pauta da saúde pública'

    Apesar de passar despercebida entre jovens brasileiros, a violência no namoro pode ter papel importante na prevenção das violências de gênero e doméstica nas relações adultas. O tema, debatido no Centro de Estudos da ENSP (21/11), uniu pesquisadores brasileiros e mexicanos para expressar a universalidade do assunto e as diferentes formas pelas quais as violências física e emocional se manifestam entre jovens dos dois países. No México, com base numa amostra de 742 estudantes (56% de mulheres; 44% de homens), com idade predominante entre 15 e 18 anos, de Guadalajara, 32,5% confessaram ter participado de uma relação violenta. As mulheres foram maioria, 34,9%, contra 29,4% de homens. A violência intrafamiliar foi determinante para a ocorrência desses casos. "O caminho para uma relação violenta é curto. Você não percebe que tem namorado(a) violento(a) e vai naturalizando. Sob outra perspectiva, também é muito difícil os homens assumirem que são maltratados, sobretudo quando se trata da violência sexual. Essas posições contribuem para a invisibilidade desse fenômeno", reconhece a pesquisadora mexicana Maria Guadalupe Vegas Lopez.

  10. Exposição ocupacional ao benzeno e Complexo Industrial da Saúde em debate no Ceensp

    Nesta quarta-feira, 23 de novembro, serão realizadas duas sessões do Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos da ENSP. Pela manhã, a partir das 9 horas, o debate gira em torno do benzenismo, doença ocupacional que acomete trabalhadores dos postos de gasolina devido à exposição ao benzeno, substância presente nos combustíveis e considerada cancerígena. Na parte da tarde, o Complexo Industrial da Saúde  (CIS) será o tema do debate, marcado para as 14 horas. O debate abordará as diversas perspectivas do CIS. Ambas atividades acontecerão no salão internacional da ENSP, abertas aos interessados, e marcadas com o lançamento de publicações. Na parte da manhã, será lançado um dossiê, elaborado pela Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, sobre exposição ao benzeno em postos do Rio Grande do Sul, Bahia, Espírito Santos, Minas, Santa Catarina e São Paulo. À tarde, será a vez do livro Desafios de operação e desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde, importante insumo para estudo e contribuição para o debate complexo para o campo da saúde coletiva.