1. Ceensp debaterá questões éticas e jurídicas de pessoas com deficiência

    A cidadania atinge todos os segmentos da população? Apesar de sabermos que ela deveria estar presente em todos os âmbitos da sociedade, na maioria das vezes, não é o que acontece. Quais são os desafios éticos e jurídicos das pessoas com deficiência? Essas serão questões centrais abordadas no próximo Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconsellos da ENSP (Ceensp), marcado para o dia 24 de agosto, no salão internacional da Escola, às 14h. Para o pesquisador da ENSP e coordenador geral do Programa de Pós-Graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva (PPGBIOS), Sergio Rego, que também é moderador desse encontro, a oportunidade de debater a questão não poderia ser melhor, pois coincide com a realização dos Jogos Paralímpicos Rio 2016, quando, de forma especial, os holofotes se voltam para essa população tão invisibilizada. O encontro marcará, também, o início das atividades letivas do segundo semestre do PPGBIOS. O Ceensp é um evento aberto a todos os interessados.

  2. Ceensp debaterá questões éticas e jurídicas de pessoas com deficiência

    A cidadania atinge todos os segmentos da população? Apesar de sabermos que ela deveria estar presente em todos os âmbitos da sociedade, na maioria das vezes, não é o que acontece. Quais são os desafios éticos e jurídicos das pessoas com deficiência? Essas serão questões centrais abordadas no próximo Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconsellos da ENSP (Ceensp), marcado para o dia 24 de agosto, no salão internacional da Escola, às 14h. Para o pesquisador da ENSP e coordenador geral do Programa de Pós-Graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva (PPGBIOS), Sergio Rego, que também é moderador desse encontro, a oportunidade de debater a questão não poderia ser melhor, pois coincide com a realização dos Jogos Paralímpicos Rio 2016, quando, de forma especial, os holofotes se voltam para essa população tão invisibilizada. O encontro marcará, também, o início das atividades letivas do segundo semestre do PPGBIOS. O Ceensp é um evento aberto a todos os interessados.

  3. Centro de Estudos da ENSP debate a fosfoetanolamina sintética

    A questão já está, há meses, em discussão. No entanto, até agora, não existe uma posição sobre liberar ou não a produção e comercialização da fosfoetanolamina. Agências, instituições e pesquisadores divergem sobre a Lei N. 13.269, de 13 de abril de 2016, que autoriza o uso da substância sintética por pacientes diagnosticados com neoplasia maligna. A fim de dar continuidade ao debate e trazer novas questões à discussão, o próximo Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos da ENSP terá o seguinte tema Fosfoetanolamina sintética, a pílula do câncer: ciência, política, regulação e ética. Para tanto, receberá como palestrantes o pesquisador da ENSP, Francisco Paumgartten, o médico e vereador do município do Rio de Janeiro, Paulo Pinheiro, e a professora adjunta do Instituto de Saúde Coletiva da UFRJ, Miriam Ventura. O encontro acontecerá no salão internacional da ENSP no dia 10/8, às 14h.

  4. Centro de Estudos da ENSP debate a fosfoetanolamina sintética

    A questão já está, há meses, em discussão. No entanto, até agora, não existe uma posição sobre liberar ou não a produção e comercialização da fosfoetanolamina. Agências, instituições e pesquisadores divergem sobre a Lei N. 13.269, de 13 de abril de 2016, que autoriza o uso da substância sintética por pacientes diagnosticados com neoplasia maligna. A fim de dar continuidade ao debate e trazer novas questões à discussão, o próximo Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos da ENSP terá o seguinte tema Fosfoetanolamina sintética, a pílula do câncer: ciência, política, regulação e ética. Para tanto, receberá como palestrantes o pesquisador da ENSP, Francisco Paumgartten, o médico e vereador do município do Rio de Janeiro, Paulo Pinheiro, e a professora adjunta do Instituto de Saúde Coletiva da UFRJ, Miriam Ventura. O encontro acontecerá no salão internacional da ENSP no dia 10/8, às 14h.

  5. Serviço de urgência pré-hospitalar requer investimentos na atenção primária e atenção hospitalar

    A ausência de leitos hospitalares e médicos compromete o funcionamento da rede de urgências do país. A conclusão da pesquisadora Gisele O'Dywer, revelada durante o Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos da ENSP, no dia 13/7, baseia-se nos resultados da pesquisa que analisou o processo de implantação da atenção pré-hospitalar móvel e fixa (Samu e UPA) no Brasil, financiada com recursos do edital Inova ENSP. De acordo com o estudo, o Samu está presente em todos os estados do país, com cobertura de 75,9% da população (2016), enquanto as UPAs totalizam 446 unidades, com maior concentração na Região Sudeste. "O Samu foi considerado imprescindível para a conformação da rede de urgência e diminuição da morbimortalidade. A UPA, por sua vez, trouxe um diferencial expressivo em relação aos tradicionais prontos-socorros. Pode-se afirmar ter sido a primeira vez que um componente do SUS foi proposto com tanta exigência nos critérios estruturais, mas é preciso dialogar com outros componentes da rede de urgência", concluiu.

  6. Ceensp abordará destinos do trabalho na contemporaneidade

    O impacto das novas relações de trabalho em saúde será o tema do próximo Centro de Estudo Miguel Murat de Vasconcellos (Ceensp), que acontecerá na quarta-feira, dia 27 de julho, às 14h, no salão internacional da ENSP. O encontro terá como palestrantes as pesquisadoras Ana Paula Pereira Marques, do Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais, da Universidade do Minho, e Marilene Castilho de Sá, do Departamento de Administração e Planejamento em Saúde da ENSP. As convidadas falarão sobre a abordagem sociológica do trabalho e a perspectiva da subjetividade pensando a gestão e os desafios da contemporaneidade, respectivamente. O Ceensp Destinos do trabalho na contemporaneidade: implicações para o trabalho em saúde será coordenado pela pesquisadora do Departamento de Ciências Sociais, Maria Inês Carsalade Martins e é aberto a todos os interessados. 

  7. Ceensp abordará destinos do trabalho na contemporaneidade

    O impacto das novas relações de trabalho em saúde será o tema do próximo Centro de Estudo Miguel Murat de Vasconcellos (Ceensp), que acontecerá na quarta-feira, dia 27 de julho, às 14h, no salão internacional da ENSP. O encontro terá como palestrantes as pesquisadoras Ana Paula Pereira Marques, do Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais, da Universidade do Minho, e Marilene Castilho de Sá, do Departamento de Administração e Planejamento em Saúde da ENSP. As convidadas falarão sobre a abordagem sociológica do trabalho e a perspectiva da subjetividade pensando a gestão e os desafios da contemporaneidade, respectivamente. O Ceensp Destinos do trabalho na contemporaneidade: implicações para o trabalho em saúde será coordenado pela pesquisadora do Departamento de Ciências Sociais, Maria Inês Carsalade Martins e é aberto a todos os interessados. 

  8. Ceensp discutirá participação popular na vigilância em saúde

    O protagonismo da população brasileira nos processos de vigilância em saúde foi preconizado pela Reforma Sanitária, que, durante a redemocratização dos anos 1980, criou o Sistema Único de Saúde. Na prática, porém, com alguma exceção, o que se observa, nos últimos trinta anos, é a prevalência da vigilância feita nos moldes tradicionais, ou seja, focada na identificação e controle de doenças e numa visão exclusivamente biomédica dos modelos de saúde. Ao discutir esse tema, na próxima quarta-feira, 20/7, o Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos da ENSP (Ceensp) pretende apresentar propostas alternativas a esse modelo tradicional, que vêm sendo construídas por pesquisadores no sentido de acolher a participação popular de maneira mais efetiva na vigilância em saúde. Participam do debate os pesquisadores Marcelo Firpo e Paulo Sabrosa, da ENSP. A coordenação é do professor Gil Sevalho, também da Escola. 
     

  9. Ceensp discutirá participação popular na vigilância em saúde

    O protagonismo da população brasileira nos processos de vigilância em saúde foi preconizado pela Reforma Sanitária, que, durante a redemocratização dos anos 1980, criou o Sistema Único de Saúde. Na prática, porém, com alguma exceção, o que se observa, nos últimos trinta anos, é a prevalência da vigilância feita nos moldes tradicionais, ou seja, focada na identificação e controle de doenças e numa visão exclusivamente biomédica dos modelos de saúde. Ao discutir esse tema, na próxima quarta-feira, 20/7, o Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos da ENSP (Ceensp) pretende apresentar propostas alternativas a esse modelo tradicional, que vêm sendo construídas por pesquisadores no sentido de acolher a participação popular de maneira mais efetiva na vigilância em saúde. Participam do debate os pesquisadores Marcelo Firpo e Paulo Sabrosa, da ENSP. A coordenação é do professor Gil Sevalho, também da Escola. 
     

  10. Ceensp explora fragilidades e potências das redes de urgência no país

    O processo de implantação da atenção pré-hospitalar no Brasil será o tema do Centro de Estudos Miguel Murat de Vasconcellos desta quarta-feira (13/7), atividade que terá participação das pesquisadoras da ENSP Gisele O' Dwyer, coordenadora do Projeto Teias - Escola Manguinhos, e Luciana Dias Lima, do Departamento de Administração e Planejamento em Saúde. Marcado para as 14 horas no salão internacional, o Ceensp apresentará os resultados da pesquisa O processo de implantação da urgência pré-hospitalar no Brasil, desenvolvida no âmbito do edital Inova ENSP, que analisou as fragilidades e potências das redes de urgência nos estados brasileiros. O Ceensp é aberto ao público, não necessita de inscrição prévia e será gravado pelo Núcleo Audiovisual da ENSP.