1. Especialistas debatem relação entre saúde e desenvolvimento territorial

    O Seminário Internacional Determinantes Sociais da Saúde Intersetorialidade e Equidade Social na América Latina reuniu pesquisadores, professores e representantes da sociedade civil para uma discussão sobre Estado, sociedade e saúde no desenvolvimento territorial. A mesa, moderada pela coordenadora de mestrados profissionais da Capes, Eduarda Cesse, contou também com a participação do diretor da ENSP, Hermano Castro, do pesquisador da Fiocruz Bahia Maurício Barreto, do professor da Universidade de Contestado Valdir Dallabrida, das pesquisadoras do Ifakara Health Institute, da Tanzânia, Eveline Geubbel e Masuma Mandami, e do representante do Observatório de Territórios Saudáveis e Sustentáveis da Bocaina, Wagner do Nascimento. O encontro debateu questões como a omissão dos determinantes sociais da saúde nas políticas de saúde, o conceito de território, as invasões e danos no contexto territorial, além de apresentar experiências exitosas no âmbito da saúde internacional.

  2. Experiências territorializadas: mesa debateu modelos do Brasil e da América Latina

    Produção social da saúde e da vida: experiências territorializadas foi um dos temas propostos para o Seminário Internacional Determinantes Sociais da Saúde, Intersetorialidade e Equidade Social na América Latina, realizado de 16 a 18 de novembro, pelo Centro de Estudos, Políticas e Informações sobre Determinantes Sociais da Saúde (Cepi-DSS/ENSP), em parceria com Organização Pan-Americana da Saúde (Opas/OMS) e o Centro de Relacionais Internacionais da Fiocruz (Cris). Na perspectiva do tema, os palestrantes apresentaram experiências do Brasil, Chile e Colômbia. A mesa foi composta por Ricardo Henriques, superintendente executivo do Instituto Unibanco e ex-secretário executivo do Ministério da Ação Social, Jaime Neira, da Universidade de la Frontera no Chile, e Mario Hernandez, da Universidade Nacional da Colômbia. A atividade foi moderada por Marco Akerman, que coordena o Centro de Estudo, Pesquisa e Documentação em Cidades Saudáveis (Cepedoc/USP).

  3. Educação superior e saúde mental da população indígena em debate na ENSP

    Na quarta-feira (25/11), mais dois temas que permeiam as discussões sobre Direitos Humanos e Povos Indígenas nortearão as mesas do IX Seminário Internacional de Direito e Saúde e XIII Seminário Nacional Direito e Saúde, promovido pelo Departamento de Direitos Humanos, Saúde e Diversidade Cultural (Dihs/ENSP). A educação superior indígena e as peculiaridades que envolvem o modelo de formação e capacitação profissional estarão em debate na primeira atividade, marcada para às 9 horas, no auditório térreo da ENSP. Na última mesa do evento, às 14 horas, a saúde mental dessa população será abordada por especialistas e psicólogos de diferentes etnias. Confira a programação abaixo.

  4. “Somos feitos de histórias, assim como somos feitos de células”, defende Mia Couto

    Diante de um público formado basicamente por pesquisadores e cientistas, o escritor moçambicano Mia Couto mostrou bom humor ao saudar o público presente à palestra de abertura do Seminário Internacional Determinantes Sociais da Saúde, Intersetorialidade e Equidade Social na América Latina. "Confesso estar completamente aterrorizado de vocês convidarem um poeta para fazer essa conferência. Foi ótimo eu ser apresentado como escritor, mas também como biólogo. Digo isso, pois também sou uma pessoa séria, não apenas escritor". Embalado pelos risos de uma plateia encantada, o autor expôs que seu intuito ali era mostrar a existência de mundos diversos que pensam a saúde e a doença e a vida e a morte de uma maneira absolutamente plural.

  5. Direitos Humanos e Povos Indígenas: seminário começa na terça-feira (24/11)

    Seguem abertas as inscrições para o IX Seminário Internacional de Direito e Saúde e XIII Seminário Nacional Direito e Saúde, que acontecerá nos dias 24 e 25 de novembro, na ENSP/Fiocruz. Promovido pelo Departamento de Direitos Humanos, Saúde e Diversidade Cultural (Dihs/ENSP), o seminário traz o tema Direitos Humanos e Povos Indígenas para destacar a necessidade de melhores condições de saúde, educação e saneamento e também protestar contra as mortes decorrentes das lutas pela posse da terra e a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 215. "Nosso evento trará para a academia indígenas que estão falando sobre a situação das suas terras, da saúde e da educação não só para os movimentos sociais, mas também para as instituições de saúde, ensino e pesquisa. Vivemos um momento importante de luta contra a PEC 215, e a posse da terra está totalmente imbricada às questões de saúde e bem estar dos povos indígenas", afirmou a pesquisadora Regina Erthal, uma das coordenadoras do evento. Faça já sua inscrição.

  6. Jorge Bermudez é nomeado para painel da ONU que busca ampliar saúde aos mais pobres

    O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, anunciou o estabelecimento de um painel de alto nível sobre tecnologia de inovação e acesso à saúde. O objetivo é encontrar novas estratégias que ofereçam qualidade de tratamento a custos acessíveis para todos, conforme estabelecido no terceiro Objetivo de Desenvolvimento Sustentável. O vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fiocruz e ex-diretor da ENSP/Fiocruz, Jorge Bermudez, fará parte do painel. O grupo buscará novas formas de tratamento que beneficiem, principalmente, as populações mais vulneráveis através do desenvolvimento de vacinas, remédios, diagnósticos e outras inovações que atendam as necessidades específicas deste público.

  7. Seminário reforça movimento universal pela equidade em saúde

    O Centro de Estudos, Políticas e Informação sobre os Determinantes Sociais da Saúde (Cepi-DSS/ENSP), visando aprofundar o debate sobre os DSS, reuniu pesquisadores, professores e alunos da Fiocruz e de instituições nacionais e internacionais para o Seminário Internacional Determinantes Sociais da Saúde, Intersetorialidade e Equidade Social na América Latina. O evento, realizado entre os dias 16 e18 de novembro, foi pensado como uma forma de responder às perguntas: por que e para que se estudam determinantes sociais da saúde hoje? Segundo a Coordenadora do Cepi-DDS, Patrícia Tavares, o Brasil é um cenário privilegiado para esse debate, principalmente em razão de sua longa tradição de compromisso com a equidade em saúde, afirmada na Constituição de 1988, que definiu os princípios e diretrizes para a organização do Sistema Único de Saúde.

  8. Colóquio Brasil-Cuba debaterá formação em saúde

    Para fortalecer as capacidades formativas regionais em saúde pública do Brasil e de Cuba e discutir a formação na área a partir de experiências das principais escolas dos dois países, contribuindo assim para a criação de espaços colaborativos entre alunos, profissionais de saúde e professores, a ENSP vai realizar o I Colóquio Brasil-Cuba de Formação em Saúde Pública. O encontro está marcado para acontecer nos dias 8, 9 e 10 de dezembro, no auditório térreo da Escola. O programa do colóquio inclui conferências, mesas redondas, debates, rodas de conversa e atividades culturais. 

  9. Direitos Humanos e Povos Indígenas: seminário começa na terça-feira (24/11)

    Seguem abertas as inscrições para o IX Seminário Internacional de Direito e Saúde e XIII Seminário Nacional Direito e Saúde, que acontecerá nos dias 24 e 25 de novembro, na ENSP/Fiocruz. Promovido pelo Departamento de Direitos Humanos, Saúde e Diversidade Cultural (Dihs/ENSP), o seminário traz o tema Direitos Humanos e Povos Indígenas para destacar a necessidade de melhores condições de saúde, educação e saneamento e também protestar contra as mortes decorrentes das lutas pela posse da terra e a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 215. "Nosso evento trará para a academia indígenas que estão falando sobre a situação das suas terras, da saúde e da educação não só para os movimentos sociais, mas também para as instituições de saúde, ensino e pesquisa. Vivemos um momento importante de luta contra a PEC 215, e a posse da terra está totalmente imbricada às questões de saúde e bem estar dos povos indígenas", afirmou a pesquisadora Regina Erthal, uma das coordenadoras do evento. Faça já sua inscrição.

  10. ENSP auxilia estruturação de rede de formação em saúde pública na Colômbia

    A Colômbia, país vizinho ao Brasil e que possui a segunda maior população da América do Sul, é responsável pela mais nova grande parceira da ENSP para a formação em saúde pública nas Américas. Juntamente com o Ministério da Saúde e Proteção Social colombiano e o Instituto Nacional de Saúde da Colômbia (INS), a Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca discutiu estratégias para a consolidação de uma rede de escolas de saúde para o país. Durante o encontro, o vice-diretor de Escola de Governo da ENSP (VDEG), Frederico Peres, apresentou o papel das redes estruturantes e destacou que a Colômbia é um dos países sul-americanos com maior capacidade formativa na área de saúde pública.