1. Brasil e Cuba apresentam desafios à formação em saúde pública

    I Colóquio Brasil Cuba de formação em Saúde Pública reuniu diversos pesquisadores, de ambos os países, para apresentar suas potencialidades no que se refere à formação em saúde, às ambições e aos principais desafios para alcançar uma saúde pública equitativa e universal. O diretor da ENSP, Hermano Castro, criticou a formação brasileira de médicos, que, segundo ele, ainda é muito voltada para o mercado. "É preciso aprender com a formação de Cuba, que traz a solidariedade entre os povos e a humanidade que tanto almejamos entre os nossos profissionais”, admitiu. Confira as apresentações, em vídeo, da solenidade de abertura e as mesas que discutiram os temas Os desafios à formação em saúde pública e A formação de profissionais e outros trabalhadores da saúde para ações de vigilância ambiental, epidemiológica e nutricional em Cuba.

  2. Opas/OMS redesigna NAF como centro colaborador na área de Políticas Farmacêuticas

    A Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (Opas/OMS) redesignou o Departamento de Política de Medicamentos e Assistência Farmacêutica (NAF), da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz), como Centro Colaborador na área de Políticas Farmacêuticas. O quinto recredenciamento consecutivo atesta o elevado padrão de qualidade do trabalho realizado pelo NAF/ENSP/Fiocruz nos processos de formulação, implementação e avaliação de políticas farmacêuticas no Brasil e nos países da América Latina, Caribe e África. A designação é válida pelo período de quatro anos.

  3. Especialização em Segurança do Paciente já formou cerca de mil alunos

    Com a proposta de disseminar a cultura da segurança do paciente nos serviços de saúde e, assim, diminuir a frequência e a magnitude dos incidentes relacionados ao cuidado em saúde, a ENSP, em parceria com Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova de Lisboa (ENSP/UNL), acaba de formar cerca de mil alunos no curso internacional de especialização em Qualidade em Saúde e Segurança do Paciente. A formação, oferecida concomitantemente no Brasil e em Portugal, desenvolveu-se na modalidade a distância. Seus resultados foram apresentados recentemente ao Comitê de Implantação do Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP), do qual pesquisadores da ENSP são integrantes. O coordenador do curso no Brasil e pesquisador da Escola, Walter Mendes, apontou como excelentes os resultados do curso. "Estamos buscando financiamento para uma segunda edição do curso. Para tanto, propostas de mudanças e melhorias para a formação já estão em andamento", disse.

  4. Brasil Cuba: formação em saúde pública no contexto da saúde global encerrará colóquio

    O último dia de atividades do I Colóquio Brasil Cuba de formação em Saúde Pública debaterá a formação em saúde pública no contexto da saúde global, nesta quinta-feira (10/12), a partir das 10h. O encerramento do evento contará ainda com a roda de conversa Programa de estágio internacional e o fortalecimento de processos formativos em saúde pública. O colóquio internacional tem o objetivo fortalecer as capacidades formativas regionais em saúde pública dos dois países em questão e discutir a formação na área a partir de experiências das principais escolas do Brasil e de Cuba, contribuindo, assim, para a criação de espaços colaborativos entre alunos, profissionais de saúde e professores. O Colóquio pode ser acompanhado em tempo real.

  5. Colóquio debate formação em Saúde Pública cubana e experiência do Mais Médicos na quarta (9/12)

    O I Colóquio Brasil Cuba de formação em Saúde Pública debaterá, em seu segundo dia de atividades (9/12), a formação em Saúde Pública em Cuba, além dos desafios enfrentamentos pelo Programa Mais Médicos na questão da educação profissional. O evento internacional tem como objetivo fortalecer as capacidades formativas regionais em saúde pública dos dois países em questão e discutir a formação na área a partir de experiências das principais escolas do Brasil e de Cuba, contribuindo assim para a criação de espaços colaborativos entre alunos, profissionais de saúde e professores. O Colóquio pode ser acompanhado em tempo real, através da transmissão simultânea, por todos os interessados. 

  6. Colóquio internacional Brasil-Cuba será transmitido on-line

    O I Colóquio Brasil-Cuba, que será realizado pela ENSP nos dias 8, 9 e 10 de dezembro, terá transmissão simultânea. O evento tem como objetivo fortalecer as capacidades formativas regionais em saúde pública dos dois países em questão e discutir a formação na área a partir de experiências das principais escolas do Brasil e de Cuba, contribuindo assim para a criação de espaços colaborativos entre alunos, profissionais de saúde e professores. A conferência de abertura, intitulada Desafios à Formação em Saúde Pública está marcada para às 10h e contará com as presenças do diretor da ENSP, Hermano Castro, da vice-diretora de Ensino da Escola, Tatiana Wargas, de Lázaro Diaz, da Escola de Saúde Pública de Cuba (Ensap) e de Adolfo Álvarez, do Instituto Nacional de Higiene, Epidemiologia e Microbiologia de Cuba (Inhem).

  7. Colóquio Brasil-Cuba debaterá formação em saúde

    Para fortalecer as capacidades formativas regionais em saúde pública do Brasil e de Cuba e discutir a formação na área a partir de experiências das principais escolas dos dois países, contribuindo assim para a criação de espaços colaborativos entre alunos, profissionais de saúde e professores, a ENSP vai realizar o I Colóquio Brasil-Cuba de Formação em Saúde Pública. O encontro está marcado para acontecer nos dias 8, 9 e 10 de dezembro, no auditório térreo da Escola. O programa do colóquio inclui conferências, mesas redondas, debates, rodas de conversa e atividades culturais. 

  8. Especialistas debatem relação entre saúde e desenvolvimento territorial

    O Seminário Internacional Determinantes Sociais da Saúde Intersetorialidade e Equidade Social na América Latina reuniu pesquisadores, professores e representantes da sociedade civil para uma discussão sobre Estado, sociedade e saúde no desenvolvimento territorial. A mesa, moderada pela coordenadora de mestrados profissionais da Capes, Eduarda Cesse, contou também com a participação do diretor da ENSP, Hermano Castro, do pesquisador da Fiocruz Bahia Maurício Barreto, do professor da Universidade de Contestado Valdir Dallabrida, das pesquisadoras do Ifakara Health Institute, da Tanzânia, Eveline Geubbel e Masuma Mandami, e do representante do Observatório de Territórios Saudáveis e Sustentáveis da Bocaina, Wagner do Nascimento. O encontro debateu questões como a omissão dos determinantes sociais da saúde nas políticas de saúde, o conceito de território, as invasões e danos no contexto territorial, além de apresentar experiências exitosas no âmbito da saúde internacional.

  9. Experiências territorializadas: mesa debateu modelos do Brasil e da América Latina

    Produção social da saúde e da vida: experiências territorializadas foi um dos temas propostos para o Seminário Internacional Determinantes Sociais da Saúde, Intersetorialidade e Equidade Social na América Latina, realizado de 16 a 18 de novembro, pelo Centro de Estudos, Políticas e Informações sobre Determinantes Sociais da Saúde (Cepi-DSS/ENSP), em parceria com Organização Pan-Americana da Saúde (Opas/OMS) e o Centro de Relacionais Internacionais da Fiocruz (Cris). Na perspectiva do tema, os palestrantes apresentaram experiências do Brasil, Chile e Colômbia. A mesa foi composta por Ricardo Henriques, superintendente executivo do Instituto Unibanco e ex-secretário executivo do Ministério da Ação Social, Jaime Neira, da Universidade de la Frontera no Chile, e Mario Hernandez, da Universidade Nacional da Colômbia. A atividade foi moderada por Marco Akerman, que coordena o Centro de Estudo, Pesquisa e Documentação em Cidades Saudáveis (Cepedoc/USP).

  10. Educação superior e saúde mental da população indígena em debate na ENSP

    Na quarta-feira (25/11), mais dois temas que permeiam as discussões sobre Direitos Humanos e Povos Indígenas nortearão as mesas do IX Seminário Internacional de Direito e Saúde e XIII Seminário Nacional Direito e Saúde, promovido pelo Departamento de Direitos Humanos, Saúde e Diversidade Cultural (Dihs/ENSP). A educação superior indígena e as peculiaridades que envolvem o modelo de formação e capacitação profissional estarão em debate na primeira atividade, marcada para às 9 horas, no auditório térreo da ENSP. Na última mesa do evento, às 14 horas, a saúde mental dessa população será abordada por especialistas e psicólogos de diferentes etnias. Confira a programação abaixo.