1. ENSP auxiliará El Salvador no desenvolvimento da Escola de Governo em Saúde

    Com o objetivo de apoiar o desenvolvimento institucional da Escola de Governo em Saúde do Instituto Nacional de Saúde de El Salvador, a ENSP recebeu a visita, neste mês de maio, de uma delegação do referido instituto. Trata-se de uma atividade de cooperação internacional com a instituição, cuja missão é tornar-se referência em pesquisa e desenvolvimento de recursos humanos em saúde para El Salvador. O vice-diretor da Escola de Governo em Saúde da ENSP, Frederico Peres, ressaltou a honra da Escola em participar dessa parceria, não apenas por já existir a tradicional colaboração com o país, mas, segundo ele, especialmente porque esse acordo segue a linha do programa de ação da Escola de Governo em Saúde, que visa fundamentar e fortalecer as capacidades formativas em saúde pública de toda a região latino-americana, para apoiar e consolidar os programas, serviços e sistemas de saúde.

  2. ENSP se solidariza com população equatoriana afetada por terremotos

    Nas últimas semanas, o Equador vem sofrendo com tremores de terra que atingem níveis cada vez mais altos na escala Richter. O último deles, em 16 de abril, atingiu 7,8 de magnitude, totalizando mais de 600 mortes. O cenário do país é desolador, com prédios históricos em ruínas e uma população abalada e com medo do que ainda está por vir. Nesse contexto, a Universidade Andina Simon Bolívar, está organizando diversas ações, de curto e longo prazo, para apoiar as pessoas afetadas pelos terremotos no Equador. O reitor da Universidade Andina, Jaime Breilh, em parceria com a Associação Latino-Americana de Medicina Social (Alames), convida todos a participar da campanha ‘Andina Solidaria’. Para o diretor da ENSP, Hermano Castro, secretário executivo Rede de Escolas de Saúde Pública da América do Sul (Resp), a ajuda internacional nesse momento é fundamental. 

  3. Fiocruz recebe eventos internacionais sobre ética e história da saúde global

    A Casa de Oswaldo Cruz (COC) e o Centro de Relações Internacionais da Fiocruz (Cris) promovem nos dias 5 e 6 de maio dois seminários internacionais sobre bioética e hanseníase. Os eventos integram as séries WHO Global Health Ethics e WHO Global Health Histories, organizadas pelo Centre for Global Health Histories, da Unividade de York e pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Entre os palestrantes está o pesquisador da ENSP e coordenador geral do Porgrama de Pós-Graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva (PPGBIOS), que falará no âmbito do Who Global Health Ethics Seminar 4: Bioethics. As palestras serão transmitidos ao vivo pela internet.

  4. Convenção Quadro para o Controle do Tabaco: um avanço na luta contra esse mal

    Ao dar continuidade às discussões do lançamento do Observatório sobre as Estratégias da Indústria do Tabaco e Workshop sobre o artigo 5.3 da Convenção Quadro para o Controle do Tabaco da Organização Mundial da Saúde (CQCT/OMS), Vera Luiza da Costa e Silva apresentou os avanços da CQCT e a interferência da indústria do tabaco no mundo. Segundo ela, desde 2005, quando países do mundo inteiro assinaram o primeiro tratado de saúde pública global, a Convenção Quadro para o Controle do Tabaco, ascendendo o reconhecimento universal sobre os danos que o tabaco estava causando, o que gerou, portanto, o comprometimento de se mudar os termos da batalha. A compreensão global dos danos causados pelo tabaco é resumida no artigo3 da CQCT, cujo objetivo final é reduzir, de maneira contínua e substancial, a prevalência do consumo e a exposição à fumaça do tabaco.

  5. Integração dos Observatórios no mundo e diretrizes para conter a indústria do tabaco

    O segundo dia do workshop sobre o artigo 5.3 da Convenção Quadro para o Controle do Tabaco abordou a integração dos Observatórios no mundo e as diretrizes para conter a indústria do tabaco, além de apresentar um painel com experiências no enfrentamento com a indústria do tabaco. A chefe do Secretariado da CQCT, Vera da Luiza da Costa e Silva, reforçou que os Observatórios dos países que compõem o Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) representam um elemento crítico do próximo estágio da batalha contra a indústria do tabaco. “O Observatório do Cetab irá iluminar nossas futuras estratégias e tornará a vida da indústria do tabaco mais difícil, que é o nosso objetivo central”, afirmou Vera.

  6. Fiocruz lança plataforma digital para analisar as estratégias da indústria do tabaco

    Pesquisadores do Centro de Estudos sobre Tabaco e Saúde (Cetab/ENSP) e de outras instituições e profissionais da área estiveram reunidos, por dois dias, para o lançamento do Observatório sobre as Estratégias da Indústria do Tabaco e Workshop sobre o artigo 5.3 da Convenção Quadro para o Controle do Tabaco da Organização Mundial da Saúde (CQCT/OMS). Na ocasião, foi lançada a primeira plataforma digital, criada por uma instituição pública da área de saúde que objetiva demonstrar a interferência da indústria do fumo nas políticas públicas de controle do tabaco. A ferramenta, que permitirá colaborações externas, armazenará documentos que demonstram a influência da indústria nos processos políticos e legislativos, promovendo parcerias com lobistas para obter decisões que contemplem seus interesses. Segundo a pesquisadora Silvana Turci, do Cetab/ENSP, o observatório é mais um instrumento para confirmar a atuação da indústria do tabaco na tentativa de comprometer as ações que resultem em políticas efetivas de controle.

  7. Workshop aprofunda medidas do artigo 5.3 da Convenção para Controle do Tabaco

    Como parte do evento de lançamento do Observatório sobre as Estratégias da Indústria do Tabaco foi realizado também um workshop sobre o artigo 5.3 da Convenção Quadro para o Controle do Tabaco (CQTC/OMS). Desenvolvido pela União Internacional contra a Tuberculose e Doenças Respiratórias (The Union), em parceria com o Centro de Estudos sobre Tabaco e Saúde (Cetab/ENSP), a atividade teve como um de seus objetivos apresentar as formas de interferência da indústria do tabaco e como se contrapor a elas. Voltado para os profissionais que atuam na área, o workshop pretendeu também familiarizar os profissionais com o Manual de Ferramentas do Artigo 5.3 da The Union, além de compartilhar experiências e identificar oportunidades e desafios. A The Union, parceira do Cetab em diversas ações, é uma Organização Não Governamental Científica e Internacional que produz conhecimento, compartilha experiências e atua em mais de 60 países.

  8. Observatório analisará estratégias da indústria do tabaco no Brasil

    A Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) lança, nesta quinta-feira (31/3), o Observatório das Estratégias da Indústria do Tabaco. Trata-se da primeira plataforma digital, criada por uma instituição pública da área de saúde, que objetiva demonstrar a interferência da indústria do fumo nas políticas públicas de controle do tabaco. Desenvolvida pelo Centro de Estudos sobre o Tabaco e Saúde da ENSP (Cetab/ENSP/Fiocruz), em parceria com a Comissão Nacional para a Implementação da Convenção Quadro para o Controle do Tabaco no Brasil (Conicq/Inca), a União Internacional contra a Tuberculose e Doenças Respiratórias (The Union) e a Aliança para o Controle do Tabaco (ACT), a inciativa disponibilizará informações para que profissionais de saúde e outros agentes promotores de saúde conheçam as táticas usadas pela indústria do tabaco. O observatório será acessível ao público.

  9. Fiocruz lança observatório para analisar estratégias da indústria do tabaco no Brasil

    "Proteger as gerações presentes e futuras das devastadoras consequências sanitárias, sociais, ambientais e econômicas geradas pelo consumo e exposição à fumaça do tabaco" é a premissa da Convenção Quadro para o Controle do Tabaco. É fato, porém, que a implementação dessa inciativa sofre com as diferentes estratégias utilizadas pela indústria do fumo. Com o propósito de denunciar esses mecanismos, por meio de informações técnicas e documentos, o Centro de Estudos sobre Tabaco e Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Cetab/ENSP/Fiocruz), a Comissão Nacional para a Implementação da Convenção Quadro para o Controle do Tabaco no Brasil (Conicq/Inca), a União Internacional contra a Tuberculose e Doenças Respiratórias (The Union) e a Aliança para o Controle do Tabaco (ACT) lançarão o Observatório das Estratégias da Indústria do Tabaco. A apresentação da ferramenta está marcada para o dia 31 de março, às 9 horas, na ENSP.

  10. Formação profissional em saúde é uma das estratégias para diminuir eventos adversos

    Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), evento adverso é a redução, a um mínimo aceitável, do risco de dano desnecessário associado ao cuidado de saúde. Com aumento vertiginoso, o Brasil está cada vez mais preocupado em discutir estratégias para o enfrentamento dessa questão, com ênfase na atuação interdisciplinar e sistêmica para sua prevenção. Uma estratégia é a formação na área e a implementação de núcleos de segurança do paciente nos hospitais - o que é norma do Ministério da Saúde. O estudo, desenvolvido pelo pesquisador da ENSP Walter Mendes, cujo resultado apontou que cerca de 67% dos eventos adversos cometidos no país poderiam ser evitados, ganhou novamente visibilidade na grande mídia. Com isso, o assunto, que ainda é tabu entre muitos profissionais, mais uma vez, veio à tona.