1. Saúde Ambiental: ENSP e instituto cubano assinam plano de trabalho

    A Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca e o Instituto Nacional de Higiene, Epidemiologia e Microbiologia de Cuba (Inhem) assinaram um plano de trabalho em Saúde Ambiental para o biênio 2017/2018. O acordo foi firmado em novembro de 2016 na ENSP, com a presença do vice-diretor do Inhem, Adolfo Perez. Além desse plano de trabalho, foi discutida a participação de profissionais cubanos no III Colóquio Brasil-Cuba de Formação em Saúde Pública e, ainda, a realização de um seminário satélite que vai ao encontro do tema saúde ambiental. 

  2. Saúde Ambiental: ENSP e instituto cubano assinam plano de trabalho

    A Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca e o Instituto Nacional de Higiene, Epidemiologia e Microbiologia de Cuba (Inhem) assinaram um plano de trabalho em Saúde Ambiental para o biênio 2017/2018. O acordo foi firmado em novembro de 2016 na ENSP, com a presença do vice-diretor do Inhem, Adolfo Perez. Além desse plano de trabalho, foi discutida a participação de profissionais cubanos no III Colóquio Brasil-Cuba de Formação em Saúde Pública e, ainda, a realização de um seminário satélite que vai ao encontro do tema saúde ambiental. 

  3. Pesquisador da ENSP ministra palestra no Chile sobre saúde ambiental

    Nesta segunda-feira (9/1), às 13h (horário de Brasília), o pesquisador do Centro de Estudo em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana e assessor de Cooperação Internacional da ENSP, Frederico Peres, ministrará a conferência Os desafios da saúde ambiental e o papel das Escolas de Saúde Pública na América Latina. O evento será durante a XVIII Escuela Internacional de Verano da Universidade de Chile, e a palestra, transmitida ao vivo pelo facebook da Rede de Escolas de Saúde Pública, ficará disponível on-line. Assista! Acompanhe!

  4. ENSP e Escola de Saúde Pública francesa fortalecem acordo de cooperação

    A ENSP recebeu a visita de uma delegação francesa do Laboratório de Estudo e Pesquisa em Meio Ambiente e Saúde (Leres) da Escola de Altos Estudos em Saúde Pública - Ecole des Hautes Etudes en Santé Publique (EHESP/Sorbonne Paris Cité). Além da Assessoria de Cooperação Internacional, os franceses se reuniram com pesquisadores do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana, do Departamento de Administração e Planejamento em Saúde, do Departamento de Endemias Samuel Pessoa e, ainda, do Departamento de Saneamento e Saúde Ambiental a fim de elaborar um plano de trabalho e atividades prioritárias para o biênio 2016-2017. Essa atividade é um desdobramento da missão realizada pela ENSP na França em março do último ano. 

  5. ENSP e Escola de Saúde Pública francesa fortalecem acordo de cooperação

    A ENSP recebeu a visita de uma delegação francesa do Laboratório de Estudo e Pesquisa em Meio Ambiente e Saúde (Leres) da Escola de Altos Estudos em Saúde Pública - Ecole des Hautes Etudes en Santé Publique (EHESP/Sorbonne Paris Cité). Além da Assessoria de Cooperação Internacional, os franceses se reuniram com pesquisadores do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana, do Departamento de Administração e Planejamento em Saúde, do Departamento de Endemias Samuel Pessoa e, ainda, do Departamento de Saneamento e Saúde Ambiental a fim de elaborar um plano de trabalho e atividades prioritárias para o biênio 2016-2017. Essa atividade é um desdobramento da missão realizada pela ENSP na França em março do último ano. 

  6. ENSP relembra legado de Pierre Bourdieu em evento internacional

    A Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) realizará, entre os dias 5 e 9 de dezembro, o Colóquio Bourdieu, uma oportunidade para celebrar e debater a obra de Pierre Bourdieu, um dos mais importantes e influentes cientistas sociais da segunda metade do século XX, que deixou vasta obra sobre educação, cultura, literatura, arte, mídia, linguagem e política, buscando aliar inovação teórica com a prática rigorosa da pesquisa empírica. O evento é uma parceria da ENSP com o Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, o Colégio Brasileiro de Altos Estudos da Universidade Federal do Rio de Janeiro , o Consulado Geral da França no Rio de Janeiro e o Institut Français, com apoio do Canal Curta. As atividades do Colóquio Bourdieu ocorrerão ao longo da semana em diferentes locais: no Espaço Cultural da França - A Maison (antiga Maison de France - 5 e 6 de dezembro), no CBAE/UFRJ (7 de dezembro) e na Escola Nacional de Saúde Pública (8 e 9 de dezembro).

  7. Comitiva francesa debate projetos de cooperação na ENSP

    A ENSP recebe, nesta semana, a pesquisadora da Escola de Altos Estudos em Saúde Pública da França - Ecole des Hautes Etudes en Santé Publique (EHESP/Sorbonne Paris Cité), Paula Cristofalo, que irá discutir uma proposta de cooperação para o desenvolvimento de projeto de pesquisa voltado ao tema da gestão e saúde no trabalho dos profissionais de saúde. Paula integra a delegação francesa que está na Escola a fim de implementar o plano de ação e atividades prioritárias para o biênio 2016-2017, estabelecido em março deste ano com a Assessoria de Cooperação Internacional da ENSP. No âmbito desse encontro, Paula Cristofalo apresentará a proposta de construção do projeto de pesquisa Management et santé au travail des professionnelles de la santé - Construction d'un projet de rechercheA atividade, coordenada pelas pesquisadoras da ENSP Marilene Castilho Sá, Simone Oliveira e Maria Helena Machado, está marcada para o dia 24/11, será aberta ao público e acontecerá na sala 718, às 9h30. 

  8. Emergência sanitária: evento internacional discute a síndrome da zika

    Desde que o aumento de casos de microcefalia foi declarado pelo Ministério da Saúde como emergência nacional de saúde pública no Brasil, em 11/11/2015, o avanço do conhecimento científico permitiu confirmar que o vírus zika está associado não apenas a esse quadro, mas a diversas malformações que, atualmente, caracterizam a síndrome da zika congênita. Também se tornou clara a associação do patógeno com manifestações neurológicas em adultos, como a síndrome de Guillain Barré, e os mecanismos por meio dos quais a doença danifica os neurônios são cada vez mais compreendidos. Para responder essas e outras questões e reafirmar seu compromisso com o avanço das pesquisas em prol da saúde pública, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) promoveu, de 7 a 10 de novembro, em parceria com a Academia Nacional de Medicina (ANM) e Academia Brasileira de Ciências (ABC), o evento internacional Zika. O pesquisador da ENSP, Gustavo Matta, foi um dos palestrantes e apresentou uma rede de pesquisa na área. 

  9. Assessora do Ministério da Saúde de Cuba conhece a ENSP e linhas de pesquisas de interesse mútuo

    A ENSP recebeu a assessora jurídica do Ministério da Saúde de Cuba, Maria Mercedes Acosta, para apresentar as iniciativas da Escola nas áreas de direitos humanos e dos processos de judicialização da saúde no que refere ao acesso a medicamentos. A visita, que teve a duração de quatro dias, aconteceu no fim do mês de outubro e envolveu conversas com diversos pesquisadores, de diferentes departamentos da ENSP. Na ocasião, Maria Mercedes também foi convidada pelo diretor da ENSP, Hermano Castro, a participar da terceira edição do Colóquio Brasil Cuba e a formação em saúde pública, a ser realizado na Escola, no ano de 2017.

  10. Avaliação de Impacto à Saúde: metodologia emplaca no país e agrega diferentes áreas de atuação

    A Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca promoveu a terceira edição do Curso Internacional sobre Avaliação de Impacto à Saúde (AIS) em Grandes Empreendimentos, ministrado por Mirko Winkler, professor do Swiss Tropical and Public Health Institute (TPH). A AIS consiste numa metodologia para calcular impactos positivos e negativos de grandes projetos de agronegócio, hidrelétrica, mineração, entre outros, na saúde da população. A turma de 2016 superou todas as expectativas dos coordenadores do curso, os pesquisadores Sandra Hacon e Andre Périssé, e reuniu alunos das áreas de saúde, ambiental e jurídica, das mais diversas regiões do país. "É excepcional estar aqui. Estive na ENSP/Fiocruz em abril de 2015 e não tinha ideia do interesse que a temática despertaria. Impressiona-me como as pessoas aderiram à metodologia e o alcance do curso, que, hoje, tem a presença de alunos de diversas regiões do Brasil. O país precisa da AIS", defendeu Winkler.