1. ENSP e Johns Hopkins estabelecem parceira para intercâmbio docente e discente

    Considerada a melhor Escola de Saúde Pública do mundo, a Bloomberg School of Public Health da Johns Hopkins University, em Baltimore - EUA, recebeu em visita oficial o vice-diretor de Escola de Governo da ENSP, Frederico Peres. À convite da Universidade Americana, Frederico Peres se reuniu com chefes de diversos departamentos da Bloomberg School of Public Health, e também com o vice-diretor da Escola, Stephen J. Gange. Na ocasião foram discutidas áreas de interesse comum de cooperação entre as Escolas, em especial a colaboração em pesquisas, o intercâmbio docente e discente, a oferta conjunta de cursos de curta duração, além da realização de seminários.

  2. Cesteh deverá manter o certificado internacional de acreditação

    Entre os dias 10 e 11 de novembro, o Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP) recebeu a visita de representantes da Joint Commission International (JCI), organização de acreditação com maior experiência no mundo em avaliação de serviços, para pleitear a manutenção do certificado de qualidade internacional de serviços laboratoriais e ambulatoriais. Para o chefe do Centro, Antonio Sergio Fonseca, o sucesso do processo, independente do resultado final, se deve inteiramente aos cerca de 100 trabalhadores que se mobilizaram incansavelmente desde a primeira avaliação, em 2011, para que todos os padrões exigidos pelas instituições avaliadoras fossem alcançados. "A acreditação é um processo que requer muita dedicação, atenção e intensão, e, por isso, poderemos conseguir novamente a certificação, pois durante todo tempo estivemos juntos em prol do nosso objetivo", destacou.

  3. 'Parto normal é a preferência de 85% das mulheres no mundo'

    "A cesarianas acarretam alto custo para os sistemas de saúde no mundo, e somente 15% das mulheres preferem esse tipo de parto". A constatação é do médico obstetra José Belizán, que participou da mesa Cesariana e intervenções obstétricas sobre a mulher e os recém-nascidos, realizada no último dia da Ecos da 9th International Research Conference - Normal é natural: da pesquisa à ação, dia 16 de outubro. "Podemos dizer claramente que as mulheres em todo o mundo preferem o parto vaginal. E preferem por quê? Principalmente por causa da rápida recuperação. A mulher é um membro muito importante para toda família e ter uma reabilitação imediata no pós-parto faz diferença", explicou o palestrante.

  4. Mesa destaca os múltiplos significados do parto em seminário no Rio

    "O uso da tecnologia não-invasiva no parto passa muito mais pelo não invadir, pelo respeitar a vontade da mulher". A fala da enfermeira obstetra Vânia Collaço, do grupo Hanami, traduziu as discussões da mesa Tecnologias não-invasivas de cuidado na assistências ao parto, realizada na Conferência Internacional Ecos da 9th International Research Conference - Normal é natural: da pesquisa à ação. A atividade contou também com a participação do professor da Faculdade de Enfermagem da Uerj Octávio Muniz, que destacou os múltiplos significados do parto.

  5. 'Investimento na atenção ao parto fortalece sistemas de saúde'

    Durante a mesa que discutiu a Assistência ao parto no mundo, realizada durante a Ecos da 9th International Research Conference - Normal é natural: da pesquisa à ação, a presidente do Royal College of Midwives, no Reino Unido, Lesley Page, destacou que o parto e o nascimento são um dos poucos momentos capazes de despertar sentimentos ímpares a todos os povos. Para ela, investir na saúde materna e do bebê traz uma vantagem enorme para os governos e a ciência. "Precisamos de estratégias e investimentos porque, além de salvar a vida de mulheres e crianças, essa ação fortalece sistemas de saúde e melhora a economia dos países".

  6. Presença de enfermeiras estimula boas práticas na assistência ao parto

    "Em maternidades onde os partos são assistidos por enfermeiros ou obstetrizes, a taxa de cesariana é 78% menor quando comparada aos hospitais onde não há presença deste profissional no momento do parto". Estes dados, que foram apresentados pela pesquisadora da ENSP Silvana Granado na Conferência Internacional Ecos da 9th International Research Conference - Normal é natural: da pesquisa à ação, pertencem à pesquisa da Fiocruz Nascer no Brasil: Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento. O estudo aponta ainda que, apesar de a Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhecer que os enfermeiros obstétricos e obstetrizes desempenham mais adequadamente e com menor custo a assistência aos partos normais, apenas 16% deles são assistidos por esses profissionais, sendo em sua maioria realizados pelo SUS.

  7. ‘Formação obstétrica no Brasil deve atender à saúde da mulher’

    O primeiro dia (14/10) de debates da Conferência Internacional Ecos da 9th International Research Conference - Normal é natural: da pesquisa à ação debateu a formação obstétrica no Brasil, em mesa que contou com a participação do obstetra do Instituto Fernandes Figueira da Fiocruz Marcos Bastos Dias. O palestrante, que falou a respeito da sua própria formação, explicou a forma como a tecnologia passou a dominar os procedimentos médicos. "Fui formado num paradigma em que a instituição era poderosa. A ciência e tecnologia eram nossos deuses e ditavam comportamento. Foi preciso reinventar a minha formação. Caso contrário, estaria ancorado. Hoje sabemos que há necessidade de um olhar integral sobre a saúde da mulher".

  8. Brasil rediscute modelo de atenção ao parto

    Durante a abertura da Conferência Internacional Ecos da 9th International Research Conference - Normal é natural: da pesquisa à ação, na terça-feira (14/10), no Rio de Janeiro, a coordenadora da área técnica de Saúde da Mulher do Ministério da Saúde, Esther Vilela, anunciou que a ANS tomará medidas para incentivar a redução de cesarianas para pacientes com planos de saúde. O comunicado, que foi aplaudido de pé por médicos, pesquisadores, gestores, enfermeiros, parteiras, alunos e conferencistas presentes no evento, tem o intuito de diminuir o que o ministério classificou como 'epidemia' de cesáreas no país, conforme indicou a pesquisa da Fiocruz Nascer no Brasil, em maio deste ano. "O que temos que fazer é muito simples: basta olharmos para as evidências científicas, para as pesquisas. Elas nos mostram que quanto maior for a interferência no parto, mais ele será prejudicado", alertou a britânica Lesley Page, presidente do Royal College of Midwives, no Reino Unido.

  9. Conferência apresenta experiências internacionais sobre parto e nascimento

    Começa no dia 14 de outubro (terça-feira), a "Ecos da 9º Conferência - Normal é Natural: da pesquisa à ação", que reunirá os principais obstetras e ginecologistas, pediatras, obstetrizes e enfermeiros obstétricos do Brasil e do exterior, no Rio de Janeiro. Em sua nona edição, a Normal Labour and Birth, que começou na Grã Bretanha, abordará aspectos do cuidado com a gestante, o parto e o nascimento, bem como a necessidade da capacitação de profissionais de saúde para atuar diante dos  processos de vulnerabilidade da gestante, além das dimensões éticas do cuidado com o nascimento. O evento é presidido no Brasil pela pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública, Maria do Carmo Leal.

  10. Brasil sedia conferência internacional sobre parto natural

    Entre os dias 14 e 16 de outubro, a cidade do Rio de Janeiro sediará o congresso internacional Ecos da 9th International Research Conference - Normal é Natural: da pesquisa à ação, no Centro de Convenções SulAmérica. O objetivo do evento é debater as estratégias reconhecidas em diversos países para ampliação do trabalho de parto, do parto e nascimento normais, bem como a garantia do protagonismo da mulher na perspectiva de seus direitos sexuais e reprodutivos. A conferência é uma oportunidade de rediscutir o modelo de atenção ao parto no Brasil, em que 52% dos nascimentos ocorrem por cesariana, segundo dados da pesquisa Nascer no Brasil, apresentada pela Fiocruz em maio de 2014. E essa proporção vem aumentando dois por cento ao ano, em média. As inscrições para a Conferência podem ser realizadas até o dia 3 de outubro na página do Congresso. Após essa data, os interessados devem se inscrever no local.