1. Pesquisadora da ENSP assume a presidência do Cebes para o biênio 2018 - 2019

    Aclamada como nova presidente do Centro Brasileiro de Estudos da Saúde (Cebes) em seu quinto e último simpósio nacional, realizado no fim de novembro, Lúcia Souto e a nova diretoria da entidade foram oficialmente empossados na manhã de 31 de janeiro. A atividade aconteceu no Centro de Estudos Estratégicos da Fundação Oswaldo Cruz (CEE-Fiocruz) e foi celebrada juntamente com uma reunião entre lideranças do movimento sanitário e médico do Rio de Janeiro com parlamentares ligados à Frente Brasil Popular. Coube a Cornelis van Stralen, professor da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais (FAFICH/UFMG) e presidente da entidade, abrir a sessão e passar o bastão a Lúcia para liderar a entidade no biênio 2018-2019. Numa fala contundente, ele desejou ucesso à nova presidente; reafirmou sua participação no corpo da nova diretoria e reforçou a necessidade de o Cebes reforçar seu caráter político-organizativo e a tradição de dialogar sobre saúde com a população.

  2. Conselho Consultivo ENSP se reúne pela primeira vez nesta quinta-feira (30/11)

    A Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, da Fundação Oswaldo Cruz, anunciou, no âmbito das comemorações do aniversário de 63 anos, a instituição do seu Conselho Consultivo - um espaço de interlocução de ensino com a sociedade brasileira e previsto em Regimento Interno. Constituído de dirigentes da área de Saúde das três esferas de governo e representantes dos campos da ciência, tecnologia e gestão e presidido pelo diretor da Escola, Hermano Castro, o Conselho da ENSP se reunirá pela primeira vez no dia 30/11/17, às 9 horas, na sala do CD.

  3. Conselho Consultivo ENSP se reúne pela primeira vez nesta quinta-feira (30/11)

    A Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, da Fundação Oswaldo Cruz, anunciou, no âmbito das comemorações do aniversário de 63 anos, a instituição do seu Conselho Consultivo - um espaço de interlocução de ensino com a sociedade brasileira e previsto em Regimento Interno. Constituído de dirigentes da área de Saúde das três esferas de governo e representantes dos campos da ciência, tecnologia e gestão e presidido pelo diretor da Escola, Hermano Castro, o Conselho da ENSP se reunirá pela primeira vez no dia 30/11/17, às 9 horas, na sala do CD.

  4. Conselho Consultivo ENSP se reúne pela primeira vez nesta quinta-feira (30/11)

    A Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, da Fundação Oswaldo Cruz, anunciou, no âmbito das comemorações do aniversário de 63 anos, a instituição do seu Conselho Consultivo - um espaço de interlocução de ensino com a sociedade brasileira e previsto em Regimento Interno. Constituído de dirigentes da área de Saúde das três esferas de governo e representantes dos campos da ciência, tecnologia e gestão e presidido pelo diretor da Escola, Hermano Castro, o Conselho da ENSP se reunirá pela primeira vez no dia 30/11/17, às 9 horas, na sala do CD.

  5. Chefe de Laboratório do Cesteh/ENSP participa de programa do Canal Saúde

    A Vigilância Popular em Saúde foi o tema do programa 'Sala de Convidados' do Canal Saúde, exibido no dia 26 de novembro. O protagonismo da população na vigilância em saúde foi preconizado há mais de 30 anos pela Reforma Sanitária. Uma forma de garantir o direito à saúde e a qualidade de vida, através da mobilização e da participação da sociedade. Para a discussão estiveram presentes o chefe do Laboratório de Toxicologia do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP), Leandro Carvalho; o pesquisador/professor da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Alexandre Pessoa; o membro do Coletivo de Vigilância Popular em Saúde Martha Trindade/ RJ, Flávio Rocha; e a educadora Popular e Pesquisadora Social do Instituto Instituto Políticas Alternativas para o Cone Sul (PACS), Marina Praça. Assita o programa na íntegra. 

  6. Encerramento do 7º Simbravisa tem aprovação de moção, premiação de fotos e celebração dos 15 anos do GT

    Uma sala cheia na cerimônia de encerramento não é para qualquer evento. É uma demonstração da afinação do público com a proposta e com os debates apresentados ao longo de cinco dias.Em um salão Ondina quase completamente ocupado foi finalizada a sétima edição do Simpósio Brasileiro de Vigilância Sanitária – 7º Simbravisa – na tarde de 30 de novembro, em Salvador. A cerimônia foi aberta pela presidente do simpósio, Gisélia Santana Souza, que convocou para a mesa Daniella Guimarães, coordenadora da comissão cultural; Ana Cristina Souto, coordenadora da comissão científica; Ita de Cácia Aguiar Cunha, Superintendente de Vigilância e Proteção da Saúde da SESAB e integrante da comissão local; Carlos Silva, secretário executivo da Abrasco e Luiz Quitério e Edna Coven, representantes do GT Visa Abrasco.

  7. Manifesto do 7º Simbravisa sobre relatório da Anvisa reforça riscos à saúde e impactos do uso de agrotóxicos

    No dia 25 de novembro, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou através de seu site o relatório PARA 2013-2015. Trata-se do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos que avalia os níveis de resíduos de agrotóxicos nos alimentos de origem vegetal. A forma como o relatório foi publicado e a incorporação de nova metodologia pegou de surpresa muitos pesquisadores, trabalhadores que atuam no Sistema Único de Saúde e sociedade civil, justamente dias antes do início do 7º Simpósio Brasileiro de Vigilância Sanitária (Simbravisa). Como atividade pré-simpósio, em 26 de novembro estiveram reunidos integrantes dos Grupos Temáticos Saúde e Ambiente, Saúde do Trabalhador e Vigilância Sanitária da Abrasco, além do Grupo de Trabalho sobre Agrotóxicos da Fiocruz, de Vigilâncias Sanitárias de alguns estados do país e da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida. A pauta desse encontro, que era bem mais ampla que o PARA, foi tomada pela análise da divulgação do Relatório PARA 2013-2015 e este manifesto técnico-político é resultado deste encontro.

  8. Fórum de Pós-graduação divulga Carta de Brasília

    O Fórum de Coordenadores de Pós-graduação em Saúde Coletiva da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) se reuniu, nos dias 8 e 9 de novembro, na Fiocruz Brasília, para discutir quais as prioridades na avaliação de programas em Saúde Coletiva. Críticas e sugestões de mudança ao atual sistema de avaliação praticado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), foi um ponto de debate importante durante o encontro, faltando dois meses para o final do quadriênio desta avaliação. O Fórum renovou parte da coordenação, elegendo Mônica Angelim Gomes de Lima, do Programa de Pós-graduação em Saúde Ambiente e trabalho da Faculdade de Medicina da Bahia (UFBA), como nova integrante da coordenação do Fórum, juntamente com Silvana Granado, da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/Fiocruz) e Adauto Emmerich, da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Diante do contexto nacional de ameaça aos direitos constitucionais, à seguridade social, à educação e ao Sistema Único de Saúde (SUS), O Fórum de posicionou publicamente através da Carta de Brasília, documento que reafirma o compromisso histórico da Saúde Coletiva com a construção de uma sociedade solidária, justa e democrática.