1. Automedicação: nova lei pode conter?

    Nesta terça-feira, a agência de notícias BR Press ouviu uma série de especialistas envolvidos com a regulamentação da propaganda de medicamentos, em virtude da entrada em vigor da Resolução 96/08 da Anvisa. Segundo a matéria, é unânime entre todos os ouvidos que a medida não é o melhor caminho para combater a automedicação no Brasil. Entre os entrevistados para a matéria está o pesquisador da ENSP Álvaro Nascimento, do Departamento de Ciências Sociais.

  2. Vacina sem efeito por descuido

    A pesquisa sobre cobertura vacinal no Rio de Janeiro, que está a cargo da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) foi notícia na edição do dia 10 de junho do jornal O Dia. A matéria mostra que pais de 37% das crianças do Rio não prestam atenção a prazos e doses de imunizantes ao levar filhos a postos.

  3. Alimento vivo é destaque no JB

    Adeptos do alimento vivo - frutas, legumes, hortaliças e sementes germinadas -, vão ganhando espaço na sociedade em busca de uma alimentação mais saudável. Explicando melhor esse conceito e na importância de se cultivar alimentos frescos e sem conservantes foi o objetivo da matéria publicada pelo Jornal do Brasil no final do mês de maio. Entre os entrevistados está a coordenadora do projeto Terrapia, Maria Luiza Branco, que escreveu ainda um artigo para o jornal.

  4. Distrito Federal é líder em cesarianas

    Matéria publicada no dia 7/06, pelo Jornal de Brasília, revela que o Brasil é o campeão mundial em partos cirúrgicos e que o Distrito Federal está entre os líderes do ranking nacional, nos quais 38% dos partos em hospitais públicos e 90% nas instituições particulares são cesarianas. Um estudo conduzido pela ENSP/Fiocruz revelou que embora 70% das gestantes não tenham manifestado preferência pela cesariana no início da gravidez, 90% delas tiveram esse tipo de parto.

  5. Pesquisa sobre vacinação é destaque na imprensa

    No Dia Mundial da Imunização (9/06), pesquisa coordenada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo revela que, no Rio de Janeiro, apenas 75% das crianças de até 2 anos estão com a carteira em dia, contra uma média nacional de 81%. No Rio, a pesquisa foi conduzida pela ENSP/Fiocruz e foi destaque, nesta terça-feira (9/06), no Jornal do Brasil.

  6. Câncer de colo de útero: mais óbitos no Rio

    A dissertação de mestrado Mortalidade por câncer de colo de útero no Município do Rio de Janeiro, 1999 a 2006, apresentada por Karina Cardoso Meira no curso de Saúde Pública da ENSP, mostrou que o município do Rio de Janeiro apresentou alta taxa de mortalidade por câncer de colo uterino, com 50 casos para cada 100 mil mulheres. O resultado foi destaque na edição de segunda-feira (25/05) do jornal O Dia.