1. Os desafios das mudanças climáticas

    A vulnerabilidade da saúde diante das mudanças climáticas deve implicar necessariamente em um reforço de investimentos em hospitais, no atendimento ambulatorial e, em especial, no combate ao mosquito Aedes aegypti, o transmissor da dengue. A afirmativa é do pesquisador do Programa de Mudanças Ambientais Globais e Saúde (PMAGS/ENSP/Fiocruz) Ulisses Confalonieri, em entrevista ao portal de notícias 24 Horas News, de Cuiabá, Mato Grosso. A reportagem destacou as alterações no clima e as adaptações que vão ter de ocorrer em diversas áreas em decorrência das mudanças climáticas.

  2. Alimento vivo é destaque do caderno Equilíbrio, da Folha de São Paulo

    Existem mais de 5 mil espécies de legumes, frutas e sementes, dizem os crudívoros, adeptos de uma dieta que leva apenas alimentos crus. Essa dieta naturalista foi destaque na edição de 7 de setembro, do caderno Equilíbrio, do jornal Folha de São Paulo. Entre os entrevistados está Maria Luiza Branco, coordenadora do Terrapia - projeto da ENSP/Fiocruz -, falando sobre a alimentação baseada em sementes germinadas.

  3. Projeto desenvolvido pela Escola combate racismo ambiental

    Reportagem no jornal Diário do Nordeste, no dia 7 de setembro, revela a luta de cidades do Ceará contra a falta de estudos de impacto socioambiental em comunidades que trabalham para reafirmar sua cultura e uma forma própria de desenvolvimento. O racismo ambiental, como é conhecido, recai sobre grupos étnicos vulnerabilizados e outras comunidades, discriminadas por sua origem ou cor. No caso cearense, nove municípios estão listados no projeto Mapa de Conflitos envolvendo injustiça ambiental e saúde no Brasil, desenvolvido a partir de uma parceria entre a ENSP/Fiocruz e a ONG Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional (Fase).

  4. Pesquisadora da ENSP fala de novo surto de micobactéria no Brasil

    Dois anos após provocar um surto de infecção hospitalar no país, a micobactéria de crescimento rápido já conta com 78 novos casos suspeitos de contaminação, concentrados em pacientes atendidos em dois hospitais particulares: um em Manaus e outro em Carazinho (RS). A chefe do Centro de Referência Professor Hélio Fraga (CRPHF/ENSP/Fiocruz), Margareth Dalcolmo, revelou que, nos casos recentes, a micobactéria apresenta uma resistência maior aos remédios usados para tratamento. A notícia foi destaque na edição de 26 de agosto do jornal Estado de São Paulo.

  5. Dermatose ocupacional: falta de informação agrava casos

    A chefe do Serviço de Dermatologia Ocupacional do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana da ENSP, Maria das Graças Mota Melo, concedeu entrevista à Agência Notisa, destacando os diversos casos de lesões de pele relacionadas ao trabalho. Graça observou a dificuldade de avaliar o número de trabalhadores afetados e a falta de serviços especializados em dermatoses profissionais; a falta de preparo dos profissionais da área de saúde para a suspeita do nexo entre a lesão cutânea e a atividade profissional; e a desinformação dos trabalhadores sobre os riscos decorrentes das atividades desenvolvidas.

  6. Atual política de saúde pode mudar situação do setor no Rio de Janeiro

    O diretor da ENSP, Antônio Ivo de Carvalho, em entrevista à ONG Rio Como Vamos, que todos os meses publica uma página temática no jornal O Globo , destacou que a atual política de saúde, baseada na ampliação da Estratégia de Saúde da Família (ESF) e na abertura de unidades intermediárias (as UPAs), está prestes a mudar a situação do setor no Rio. Ele acredita que, em breve, os resultados das mudanças na rede começarão a se refletir nos indicadores, inclusive na redução ainda maior do tempo de espera nos hospitais.

  7. Agente Comunitário: elo importante na Estratégia Saúde da Família

    O papel do Agente Comunitário de Saúde (ACS) no Programa Estratégia Saúde da Família foi tema de mais uma reportagem no site da Rede Brasil Atual. Nela, a pesquisadora do Departamento de Ciências Socias da ENSP (DCS) Maria Alice Pessanha fala sobre o ACS e sua função de identificar as necessidades do paciente, além do trabalho de encaminhamento para os especialistas. O texto revela que o elo entre médico, pacientes e profissionais é um dos destaques do programa.

  8. Tuberculose: novo método possibilita diagnóstico mais rápido

    O teste rápido para tuberculose foi destaque na editoria de Ciência do Jornal O Globo nessa quarta-feira, 25/8. Na matéria, a chefe do Centro de Referência Professor Hélio Fraga (CRPHF/ENSP), Margareth Dalcolmo, comentou que o GeneXpert, como também é chamado o teste rápido, é revolucionário porque dispensa certos materiais complexos, necessários ainda hoje.