1. Levantamento do Claves aponta morte em 83% das pessoas internadas após terem sido atingidas por armas de fogo

    Na edição de sábado (29/10) do jornal O Globo, o colunista Ancelmo Gois divulgou  o levantamento feito pela pesquisadora Cecília Minayo, com base nos dados do Ministério da Saúde e da Rede Sarah, sobre as vítimas de armas de fogo no país. Segundo a pesquisa, 83% das pessoas que são internadas após terem sido atingidas morrem. Minayo ainda revelou que, dos que sobrevivem, 80% acabam paraplégicos. Os dados foram divulgados na ocasião do manifesto contra revogação do Estatuto do Desarmamento, assinado pela Fiocruz.

  2. Pesquisa sobre crack e exclusão social é destaque na imprensa

    Os resultados da pesquisa Crack e Exclusão Social foram apresentados na sexta-feira, 21 de outubro, durante seminário na Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/Fiocruz). A pesquisa se debruçou na exclusão social para entender o consumo de crack no país. Encomendada pela Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad) e coordenada pelo sociólogo Jessé de Souza, a pesquisa é resultado de mais de 200 entrevistas em profundidade com usuários de crack e agentes institucionais de regiões metropolitanas do Sul, Sudeste e Nordeste, analisadas por uma equipe de 17 pesquisadores, em sua maioria das Ciências Sociais. O estudo, que aprofunda qualitativamente os dados revelados, em 2013, na Pesquisa Nacional sobre Crack e, conforme indica o título, tem a exclusão social como ponto chave para entender e lidar com a dependência da droga, foi destaque no jornal O Globo e também na edição on-line do jornal Extra.

  3. Pesquisa alerta sobre impacto das queimadas na saúde

    O Jornal do Meio, do Piauí, publicou reportagem na qual aponta que as queimadas aumentam em 89% as internações. O Piauí registrou até o início de outubro 4.602 queimadas, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Asma, bronquite, enfisema, pneumonia, arritmia, hipertensão e até infarto, são algumas doenças que podem se desenvolver em pessoas que se expõem constantemente à fumaça das queimadas. A matéria destaca o estudo coordenado pela pesquisadora da ENSP, Sandra Hacon, que têm investigado em várias partes do país a influência dos incêndios na saúde das pessoas, em especial de crianças e idosos, que são os mais afetados. A pesquisa busca avaliar o impacto das queimadas na saúde. 

  4. Programa destaca o mês da conscientização da Doença de Alzheimer

    Jane Blanco, ex-aluna de doutorado da ENSP, participou do programa Tema Livre de terça-feira (20), que debateu a cura da Doença de Alzheimer. No mês de setembro, entidades médicas e de apoio realizam atividades e ações para marcar o Dia Mundial da Conscientização sobre a Doença de Alzheimer, estabelecido neste 21 de setembro. O programa recebeu o geriatra Luiz Leopoldo Queiroz, o médico do Instituto de Neurologia Deolindo Couto, Victor Calil, e a médica, epidemiologista e doutora em epidemiologia pela Fiocruz, Jane Teixeira. 

  5. Reportagem destaca alerta da ONU para elevados preços de medicamentos

    A edição desta quinta-feira (15/9) do jornal O Globo publicou reportagem sobre a recomendação da ONU para que os governos e a indústria farmacêutica trabalhem juntos para reduzir o preço de medicamentos essenciais. Para o vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da Fiocruz e membro do Painel de Alto Nível sobre o Acesso a Medicamentos da ONU, Jorge Bermudez, os direitos humanos devem se sobrepor aos direitos individuais e econômicos. "Não é possível para nenhum sistema de saúde absorver preços orbitantes de novas tecnologias", afirmou o ex-diretor da Escola Nacional de Saúde Pública, por meio do relatório.

  6. Estudo americano aponta mais risco de depressão pós-parto nas mães de bebês prematuros

    Correio Braziliense citou o estudo coordenado pela pesquisadora Mariza Theme, da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz), que aponta depressão pós-parto em mais de 25% das mães no Brasil. A reportagem fala sobre uma pesquisa americana que mostra que a incidência da doença é quase o dobro nas mães de bebês que demandam muito cuidado médico após o parto. Entre os fatores desencadeantes, está a diminuição da percepção de bem-estar e de conforto com o filho. Leia abaixo.

  7. Pesquisador da ENSP comenta caso de médico que expôs paciente em rede social

    O caso do médico de Serra Negra (SP) que postou uma foto em uma rede social debochando da maneira de falar de um paciente é apenas um exemplo de como o surgimento de novas formas de interação social vai exigir atualizações cada vez mais constantes no Código de Ética Médica. Em entrevista ao Portal Medscape - site de compartilhamento de informações voltado para profissionais de saúde -, o pesquisador da ENSP e coordenador-geral do Programa de Pós-Graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva (PPGBIOS), Sergio Rego, defendeu que o Código de Ética Médica deve abranger também essa nova questão. Segundo ele, o respeito ao paciente é fundamental, seja no atendimento, seja nos passatempos virtuais. “A liberdade de expressão é fundamental, mas o respeito ao outro também", ressaltou.

  8. Mais planos de saúde pra quê? Pesquisadora da ENSP comenta proposta de planos acessíveis de saúde

    O programa Sala de Convidados, do Canal Saúde, recebeu, mais uma vez, a pesquisadora da ENSP Isabela Santos para falar sobre os planos de saúde acessíveis. Ela debateu a questão correlacionando a proposta ao projeto do governo de subfinanciamento e fragmentação do Sistema Único de Saúde (SUS) e fortalecimento do setor privado. Além de Isabela, foram convidados do programa o vice-presidente do Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro, Nelson Nahon, e o professor e pesquisador da Escola Politécnica em Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz), Felipe Machado. Na opinião de Isabela, a proposta dos novos planos de saúde a baixo custo causará maior iniquidade no sistema. “O SUS ficará com as filas mais longas, a busca será pelos procedimentos mais caros e complexos. Com isso, haverá grande desigualdade das pessoas que acessam o sistema. Quase 90% da população, que são os pobres, usarão o que é pior do SUS, e os mais ricos usarão seus planos de saúde e o SUS para o que lhes interessar”, considerou ela. 

  9. Rádio noticia audiência pública em defesa das famílias desabrigadas pelo PAC

    Rádio Bandnews divulgou a realização da audiência pública PAC Manguinhos, Alemão e Jacarezinho: questões habitacionais não resolvidas... Qual a solução?. Convocada pelo Núcleo de Terras e Habitação da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro (Nuth) e articulada pelos movimentos sociais das favelas de Manguinhos, Alemão e Jacarezinho, com parceria da Ficoruz, a audiência buscou discutir a situação de mais de quatro mil famílias que ainda vivem em aluguel social por terem suas casas removidas em razão de obras do plano de Aceleração do Crescimento.

  10. Lei que permite pulverização de pesticidas é antidemocrática, afirma pesquisador

    A Lei 13.301/2016, sancionada pelo presidente interino, Michel Temer, que autoriza o uso de aviões para a pulverização de substâncias químicas a fim de combater o mosquito Aedes Aegypti, é antidemocrática, diz Wanderlei Pignati, doutor em Saúde Pública pela ENSP. Segundo ele, ela é antidemocrática porque é contrária às indicações feitas pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS), Fiocruz, Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) e Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). De acordo com Pignati, essas entidades, juntamente com a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), questionam a eficácia da metodologia de pulverização, já que essa prática tem causado uma série de problemas ambientais e à saúde, quando aplicada na agricultura.