1. Mapa de mudanças climáticas repercute na imprensa

    Na edição do dia 8/8 do jornal Correio Braziliense, o 'Mapa de vulnerabilidade da população dos municípios do Estado do Rio de Janeiro frente às mudanças climáticas', divulgado pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC) e a ENSP, ganhou destaque. O estudo, feito pela primeira vez, em 2011, em parceria com a Fiocruz Minas, revelou que a capital fluminense é a cidade mais vulnerável aos impactos das mudanças do clima previstas para os próximos 30 anos no estado. Outros veículos de comunicação também divulgaram a pesquisa.

  2. Pesquisa sobre eventos adversos segue em destaque na mídia

    O estudo desenvolvido pelo pesquisador da ENSP Walter Mendes, que encontrou a incidência de 8,4% eventos adversos nos Hospitais do Rio de Janeiro, sendo 66,7% destes evitáveis, continua com grande repercussão na imprensa. Dessa vez, a pesquisa teve destaque no Portal G1 de notícias, no Portal Cuiabá Mais e na Rádio Guaíba. Segundo os resultados, as infecções representam 24,62% dos casos. Leia as reportagens abaixo.

  3. Artigo publicado aborda política pública de saúde no Brasil

    O pesquisador Nilson do Rosário, do Departamento de Ciências Sociais, assinou o artigo intitulado "O mal-estar com a política pública de saúde no Brasil"publicado na edição de quarta-feira (7/8) do jornal Valor Econômico. No texto, Nilson afirma que o resultado da fragmentação de interesses no sistema de saúde não é favorável para a perspectiva de justiça distributiva no país. Segundo ele, o país necessita urgentemente de uma concertação política com foco no papel do governo federal e na redefinição da relação público e privado no setor.

  4. Pesquisadora explica riscos na inalação de gás lacrimogêneo

    Em entrevista aos programas Fantástico (4/8) e Bom dia Brasil (5/8), da Rede Globo, a pesquisadora do Centro de Referência Professor Hélio Fraga (CRPHS/ENSP) Margareth Dalcolmo, explicou que, em pessoas saudáveis, a inalação do gás lacrimogêneo pode provocar tosse e irritação nos olhos. Porém, se a pessoa for portadora de uma doença, dependendo do tempo de exposição àquela substância inalada e das suas condições prévias, ou seja, se é asmática, pessoa portadora de doença neurológica, de doença dita obstrutiva crônica, ou portadora de graves alergias, ela pode desenvolver um quadro de doença respiratória exigindo internação hospitalar.

     

  5. Eventos adversos: 73% dos casos poderiam ser evitados no país

    Nesta segunda-feira (29/7), diversos veículos de comunicação divulgaram o estudo desenvolvido pelo pesquisador da ENSP Walter Mendes. A pesquisa encontrou a incidência de 8,4% eventos adversos nos hospitais do Rio de Janeiro, sendo 66,7% destes evitáveis. Walter, que também representa a Fiocruz no comitê de implementação do Programa Nacional de Segurança do Paciente, concedeu entrevista à Folha de S.Paulo, Rádio Bandeirantes, Band News e rádio Jovem Pan.

  6. Apenas um quarto dos bebês no Reino Unido nasce por cesárea

    O parto normal da duquesa de Cambridge, Kate Middleton, na segunda-feira (22/7), motivou uma série de reportagens sobre o tema na imprensa nacional. Nesta quarta-feira (24/7), a Folha de S.Paulo publicou reportagem na qual revela que, no Reino Unido, apenas um quarto dos nascimentos ocorre por via cirúrgica. Ao comparar esse número com o caso brasileiro, apresentou dados do Estudo Nascer no Brasil, coordenado pela ENSP. Segundo a pesquisa, a cesárea responde por 52% dos partos na rede pública. Na rede privada, há cerca de dez anos, a fatia dos partos cirúrgicos fica em torno de 80%.

  7. Desastres naturais: curso capacita agentes locais no RJ

    O curso de capacitação Agentes Locais em Desastres Naturais: Defesa Civil e Saúde na Redução de Riscos, resultado do trabalho do Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde (Cepedes/Fiocruz), coordenado pelo pesquisador da ENSP Carlos Machado de Freitas, foi tema de reportagem no Portal G1, nesta segunda-feira (22/7). Destinado a 60 alunos, o curso é uma parceria entre a Fiocruz (ENSP, EPSJV e IOC), UFF, UFRJ e Defesa Civil do Rio de Janeiro, com o objetivo de fomentar, articular, mobilizar práticas educativas e executar ações de prevenção e primeiras respostas a desastres naturais.

  8. Estudo traça perfil do usuário de crack no Rio e Salvador

    “Setenta e oito por cento dos usuários de crack desejam mudar de vida, recebendo tratamento para abandonar o vício.” A afirmação é um dos resultados da pesquisa, desenvolvida pela Fiocruz e o Instituto de Psiquiatria da UFRJ, que traça o perfil dos usuários de crack no Rio de Janeiro e Salvador. Coautora do estudo, a pesquisadora Neilane Bertoni, do Instituto de Informação Científica e Tecnológica da Fiocruz e doutoranda da ENSP, concedeu entrevista ao jornal Extra, dia 16/7. De acordo com ela, apesar da vontade de procurar o tratamento, os usuários não põem esse desejo em prática.

  9. Doença transmitida por gatos cresce na Baixada Fluminense

    O número de casos de esporotricose, doença transmitida por gatos, vem crescendo constantemente na região da Baixada Fluminense (RJ). A declaração é da médica Mônica Bastos de Lima Barros, do Centro de Saúde Germano Sinval Faria da ENSP, em entrevista ao jornal Meia Hora, na segunda-feira (15/7). De acordo com levantamento feito pela pesquisadora, que também faz parte do Comitê de Ética da ENSP, o município de Duque de Caxias é o que mais sofre com a doença. A esporotricose é uma micose causada pelo fungo Sporothrix schenckii por meio de arranhadura de gato. Leia a reportagem 

  10. Cesarianas ainda são primeira opção de obstetras no país

    De acordo com matéria publicada no jornal <i>O Globo</i>, as cesarianas ainda são realizadas em grande quantidade no SUS, apesar de o Ministério da Saúde preconizar o parto natural para gestações com baixo risco. A pesquisadora da ENSP Silvana Granado alerta, na matéria, que a cultura da cesárea está arraigada no país. Segundo ela, somando os partos das redes pública e privada, o percentual chega a 52%. Confira, na íntegra, a matéria publicada no dia 14/7. A reportagem Em excesso na rede privada, cesáreas crescem também no SUS também foi reproduzida na versão on-line do jornal e no <i>Extra On-line</i>.