1. Cesarianas ainda são primeira opção de obstetras no país

    De acordo com matéria publicada no jornal <i>O Globo</i>, as cesarianas ainda são realizadas em grande quantidade no SUS, apesar de o Ministério da Saúde preconizar o parto natural para gestações com baixo risco. A pesquisadora da ENSP Silvana Granado alerta, na matéria, que a cultura da cesárea está arraigada no país. Segundo ela, somando os partos das redes pública e privada, o percentual chega a 52%. Confira, na íntegra, a matéria publicada no dia 14/7. A reportagem Em excesso na rede privada, cesáreas crescem também no SUS também foi reproduzida na versão on-line do jornal e no <i>Extra On-line</i>. 

  2. Substâncias emitidas pelos crematórios podem trazer risco à saúde

    A edição de julho do jornal Primeira Pauta, de Joinville (Santa Catarina), apresenta, na reportagem de capa, uma matéria sobre os efeitos da construção de um crematório no bairro Aventureiro, que possui 35 mil habitantes. O texto destaca o trabalho desenvolvido pela pesquisadora da ENSP Ana Maria Cheble Bahia Braga, que analisou o potencial de contaminação das substâncias no meio ambiente. 

  3. Pesquisadora defende contato dos profissionais de saúde com o SUS

    O pacote de medidas, anunciado nesta segunda-feira (8/7) pela presidenta da República, Dilma Rousseff, no programa “Mais Médicos”, teve grande repercussão nos veículos de comunicação do país. Segundo o Ministério da Saúde, o plano visa ampliar a presença desses profissionais em regiões carentes como os municípios do interior e as periferias das grandes cidades. Outra iniciativa estabelece que os estudantes de medicina atuem por dois anos no Sistema Único de Saúde (SUS). A respeito desse tema, a pesquisadora da ENSP Maria Helena Machado concedeu entrevista ao jornal O Globo, na edição desta terça-feira (9/7). Ela considerou a atitude adequada. “É preciso ter contato com a realidade do SUS”, disse.

  4. Ações de sustentabilidade da ENSP ganham destaque em publicações

    Duas publicações diferentes (Jornal da Alerj e revista Flor da Idade) abordaram a importância da sustentabilidade, principalmente no campo das licitações públicas. A chefe do Serviço de Gestão de Compras, da Vice-Direção de Desenvolvimento Institucional e Gestão (VDDIG/ENSP), Rejane Tavares, que atua na Coordenação da Comissão de Gestão Sustentável da ENSP/Fiocruz, falou, em ambos os veículos de comunicação, das licitações sustentáveis realizadas pela Escola.

  5. Pesquisadora fala à imprensa sobre vinda de médicos estrangeiros

    A vinda de médicos estrangeiros para o Brasil continua repercutindo. Na edição de 4/7 do jornal impresso 'O Estado de São Paulo', a pesquisadora da ENSP Maria Helena Machado disse ser possível buscar alternativas como essa, desde que haja uma política pública com o propósito de resolver o problema de falta de profissionais de forma definitiva. "O Brasil ainda não esgotou as tentativas de suprir a carência de profissionais no interior", avaliou a pesquisadora na entrevista ao jornal.

  6. Especialista afirma que o cigarro no Brasil ainda é barato

    Em reportagem para o jornal O Globo, de 2 de julho, que aborda a relação do preço do cigarro com a redução de mortes, a pesquisadora da ENSP e coordenadora do Centro de Estudos sobre Tabaco e Saúde (Cetab/ENSP), Vera da Costa e Silva, destacou que estudos brasileiros mostram que o aumento de impostos sobre o cigarro é considerada uma medida eficaz para o combate ao fumo, além disso “o cigarro aqui ainda é muito barato porque a produção é local e de baixo custo”.

     

  7. Valorização da vida como forma de prevenção do suicídio

    A pesquisadora da ENSP e editora da revista Ciência & Saúde Coletiva, da Abrasco, Maria Cecília Minayo, participou do programa Sem Censura, da TV Brasil, no dia 27 de junho. Minayo apresentou a Pesquisa Nacional sobre Suicídio de Idosos e Proposta de Atuação do Setor de Saúde, estudo da qual é coordenadora.

  8. Incidência de câncer em jovens é tema de debate na tv

    No dia 11 de junho, o programa Sem Censura, da TV Brasil, debateu formas de prevenção do envelhecimento de pele e dos cuidados com a pele no inverno. Diversos especialistas estiveram presentes. Entre os participantes convidados estava o pesquisador da ENSP/Fiocruz Sergio Koifman, que apresentou um levantamento sobre a incidência e mortalidade entre os jovens por causa do câncer.

  9. Pesquisadora da ENSP fala sobre gastos com a saúde no país

    A pesquisadora da ENSP, Lígia Giovanella foi entrevistada pela Agência Brasil, em 29/6, sobre os gastos com a saúde. "Não alcançamos uma universalidade completa com o Sistema Único de Saúde [SUS]. A criação do SUS possibilitou a melhoria do acesso da população, mas essa melhoria do acesso ainda não é suficiente para cobrir as necessidades de saúde. Mais da metade dos gastos totais em saúde no país são gastos privados. Os gastos públicos não alcançam 50%. Nos países que têm realmente sistemas universais de saúde, os gastos públicos correspondem a 80%" disse Lígia à agência de notícias.

  10. Segurança do paciente influencia modelo de governança hospitalar

    O Programa Nacional de Segurança do Paciente (Proqualis), lançado pelo Ministério da Saúde e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária para reduzir a incidência de eventos adversos nos serviços de saúde no país, foi tema de reportagem na coluna Opinião Pública, do Jornal Diário da Manhã, de Goiás. O texto menciona o estudo desenvolvido pelo Centro Colaborador para a Qualidade do Cuidado e a Segurança do Paciente da Fiocruz (Proqualis), cujos resultados revelam que de cada dez pacientes atendidos em hospitais, um sofre evento adverso. A pesquisa ainda aponta que, no Brasil, a incidência de tais incidentes é de 7,6%, e 66% poderiam ser evitados por meio de medidas de segurança do paciente.