1. Pesquisa sobre saúde bucal adolescente é destaque na imprensa

    O dentista Humberto Luís Candêo Fontanini, mestre pela ENSP em 2011, conclui uma pesquisa que mostra a relação de determinantes sociais com o surgimento de cáries em adolescentes. O estudo foi feito na cidade de Dourados, no Mato Grosso do Sul e foi destaque na imprensa local. Falta de informação e de estrutura familiar estão entre os motivos que levam 55,2 % de um grupo de 542 estudantes de escolas públicas da cidade a terem pelo menos um dente atacado por cárie. Veja mais detalhes na reportagem que foi publicada no jornal Dourados Agora.

  2. Pesquisadora da ENSP fala sobre riscos da falta d'água

    O jornal Valor Econômico publicou, no último dia 18, uma reportagem sobre os riscos que a falta d'água pode trazer à saúde fazendo ressurgirem doenças consideradas erradicadas nas grandes cidades. Uma das entrevistadas pelo jornal carioca foi  Bianca Dieile, pesquisadora do Departamento de Saneamento e Saúde Ambiental da ENSP. Bianca lembrou que, no caso de São Paulo, as autoridades demoraram para dar informações sobre a escassez. Assim, não foi possível fazer um bom planejamento afim de evitar o armazenamento inadequado da água. A pesquisadora falou ainda sobre a situação das populações de baixa renda, que já convivem há tempo com a falta d'água e suas consequências para a saúde. Veja a íntegra da reportagem.

  3. Reportagem alerta para cuidados com a saúde durante o carnaval

    O médico Antônio Sergio Fonseca, chefe do Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana da ENSP, concedeu entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, no domingo (1/2), a respeito dos cuidados com a saúde necessários para brincar o carnaval. Segundo a reportagem, os foliões devem tomar cuidado com a hidratação, a exposição ao sol e a sensação de abafamento. No final de janeiro, o Ministério da Saúde lançou a campanha de prevenção às DST e aids para carnaval. Confira.

  4. Gravidez indesejada: falta de acesso e informação elevam casos

    Segundo reportagem veiculada no site do jornal O Globo, baseada no estudo publicado na revista especializada ‘Human Reproduction’, 15 milhões entre 16,7 milhões de gravidezes indesejadas acontecem todos os anos em 35 países de baixa renda porque as mulheres não fazem uso de métodos contraceptivos considerados modernos, como a pílula e a camisinha. Apesar de o Brasil não ter sido incluído na pesquisa, dados do estudo Nascer no Brasil, realizado pela ENSP, revelam que 55% das grávidas de 9 meses não tinham planejado ter filhos naquele momento. “Isso mostra que o planejamento reprodutivo no Brasil também está comprometido”, disse Maria do Carmo Leal, coordenadora da pesquisa.

  5. Em defesa do Mais Médicos: 48 países integrados no programa

    Em artigo publicado no Valor Econômico, pesquisadores da Fiocruz Nisia Trindade Lima, Francisco Eduardo de Campos e Maria Helena Machado, esta última coordenadora geral da Pesquisa Avaliativa do Programa Mais Médicos, esclarecem algumas lendas criadas sobre o programa e justificam a sua formulação, baseada na realidade da atenção à saúde no Brasil. A avaliação do programa coordenada pela Fiocruz pretende analisar o impacto da chegada dos profissionais de saúde aos lugares de difícil acesso, apontar os principais desafios, além de monitorar as ações implementadas. Leia o Artigo.

  6. Jornal destaca ações de combate à hanseníase na Fiocruz

    Nesta quarta-feira (28/1), o jornal Meia-Hora publicou reportagem na qual alerta para a campanha de combate à hanseníase, cujo tema em 2015 é Hanseníase: quanto antes você descobrir, mais cedo vâai se curar. A matéria alerta para os perigos da doença, as formas de tratamento e informa sobre as atividades de conscientização que serão realizadas no Centro de Saúde Escola da ENSP e na Clínica da Família Victor Valla da ENSP, na quinta-feira (29/1). O jornal também consultou o pesquisador do laboratório de Hanseníase da Fiocruz, José Augusto da Costa Nery, sobre os principais sintomas da doença. 

  7. Reportagem aponta desafios para incentivo ao parto normal

    A reportagem de capa da Revista Cidade Nova destaca a trajetória de mulheres que deram à luz naturalmente e os desafios que o país precisa superar para incentivar e humanizar os partos normais. O texto se baseou na pesquisa Nascer no Brasil, desenvolvida na Escola Nacional de Saúde Pública, para informar que 70% das mulheres brasileiras iniciam a gestação com o desejo de ter parto normal, mas que 52% optam pela cesariana no momento do nascimento. A pesquisadora Silvana Granado, citada na reportagem, afirmou que a cesárea não substitui de forma igual o parto normal.

  8. Atividade de empresas mineradoras e petroleiras preocupam indígenas no Amazonas

    Indígenas que habitam a região do Vale do Javari, Oeste do Amazonas, temem que as atividades de empresas mineradoras e petroleiras desenvolvidas próximas ao rio Javari, no lado peruano, causem danos ambientais no lado brasileiro nos próximos dois anos. A reportagem publicada no jornal A Crítica teve participação da pesquisadora da ENSP Bianca Dieile, que falou sobre os possíveis impactos: “Esse tipo de exploração pode causar impactos nas comunidades que vivem próximas às zonas de exploração, como contaminação da água, peixes, entre outros”. Leia a matéria completa.

  9. Mapa da injustiça ambiental aponta comunidades quilombolas reconhecidas pelo Incra

    Em reportagem sobre o reconhecimento de comunidades quilombolas em dois estados brasileiros, a Agência Brasil utilizou informações do Mapa de Conflitos Envolvendo Injustiça Ambiental e Saúde no Brasil, coordenado pelo pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública Marcelo Firpo. Elaborado pela ENSP/Fiocruz em parceria com a Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional (Fase), o mapa indicou que 36 famílias descendentes de Dezidério Felipe de Oliveira, que viveu na região antes da abolição da escravatura e mudou-se para o distrito de Picadinha em 1905, reivindicavam 3.738 hectares. Além da Comunidade Quilombola Dezidério Felipe de Oliveira, o Incra também reconheceu e declarou como terras da Comunidade Remanescente do Quilombo de Cambará uma área de 570 hectares no município de Cachoeira do Sul (RS), no Vale do Jacuí.

  10. Greve alerta para a importância do agente comunitário de saúde

    A greve dos agentes comunitários de saúde e de endemias na cidade de Belo Horizonte, iniciada na segunda-feira (5/1), já preocupa as autoridades de saúde da capital mineira. De acordo com a reportagem do Jornal Hoje em Dia, veiculada nesta terça-feira, os agentes têm um papel fundamental na prevenção e na promoção da saúde, principalmente no período de maior proliferação do aedes aegypti. Para a pesquisadora da ENSP e coordenadora nacional do Programa de Qualificação em Educação Popular em Saúde, Carla Moura Lima, ouvida na reportagem, os agentes são a porta de entrada do sistema público de saúde e seu trabalho deve ser valorizado.