1. 'Intervenção pra quem?' ENSP convida para debate nesta segunda-feira (26/3)

    A Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) convida para o debate Intervenção pra quem?, que acontecerá na segunda-feira, 26 de março, às 13h30, no auditório térreo da Escola. A atividade busca discutir a defesa dos direitos humanos em territórios vulneráveis na intervenção militar. O encontro contará com a participação de representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), da Cooperação Social da Fiocruz, do Conselho Gestor Intersetorial de Manguinhos (CGI), do Departamento de Estudos sobre Violência e Saúde Jorge Careli (Claves/ENSP), do Departamento de Direitos Humanos, Saúde e Diversidade Cultural (Dihs/ENSP), e do Sindicato dos Servidores de Ciência, Tecnologia, Produção e Inovação em Saúde Pública (Asfoc-SN). O debate é aberto a todos os interessados e não necessita de inscrição prévia. 
     

  2. ENSP/Fiocruz lamenta assassinato da vereadora Marielle Franco

    A Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) lamenta profundamente o assassinato da vereadora Marielle Franco, executada com o motorista Anderson Pedro Gomes, na noite de terça-feira, 14 de março de 2018. A Escola se solidariza com os familiares e amigos de Marielle, que deixa uma filha de 20 anos, e reforça que não se calará diante da arbitrariedade da execução da vereadora e cobrará do poder público a investigação do caso e punição dos assassinos. A ENSP não se abaterá. Seguirá firme na luta pelos direitos humanos, contra o genocídio de pobres e negros e contra o racismo. Marielle foi e continuará sendo um símbolo para a instituição. 

  3. ENSP/Fiocruz lamenta assassinato da vereadora Marielle Franco

    A Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) lamenta profundamente o assassinato da vereadora Marielle Franco, executada com o motorista Anderson Pedro Gomes, na noite de terça-feira, 14 de março de 2018. A Escola se solidariza com os familiares e amigos de Marielle, que deixa uma filha de 20 anos, e reforça que não se calará diante da arbitrariedade da execução da vereadora e cobrará do poder público a investigação do caso e punição dos assassinos. A ENSP não se abaterá. Seguirá firme na luta pelos direitos humanos, contra o genocídio de pobres e negros e contra o racismo. Marielle foi e continuará sendo um símbolo para a instituição. 

  4. ENSP/Fiocruz lamenta assassinato da vereadora Marielle Franco

    A Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) lamenta profundamente o assassinato da vereadora Marielle Franco, executada com o motorista Anderson Pedro Gomes, na noite de terça-feira, 14 de março de 2018. A Escola se solidariza com os familiares e amigos de Marielle, que deixa uma filha de 20 anos, e reforça que não se calará diante da arbitrariedade da execução da vereadora e cobrará do poder público a investigação do caso e punição dos assassinos. A ENSP não se abaterá. Seguirá firme na luta pelos direitos humanos, contra o genocídio de pobres e negros e contra o racismo. Marielle foi e continuará sendo um símbolo para a instituição. 

  5. Pesquisadores se reúnem para discutir resultados da pesquisa Divas

    O Icict recebeu nos dias 1 e 2 de março, a visita de representantes do Ministério da Saúde, Unesco e das coordenações locais da pesquisa Divas – DIversidade e VAlorização da Saúde (ou em seu nome oficial: Estudo de abrangência nacional de comportamentos, atitudes, práticas e prevalência de HIV, Sífilis e Hepatites B e C entre travestis e mulheres trans), coordenada por Francisco Inácio Bastos, do Laboratório de Informação e Saúde (LIS)/Icict, e por Monica Malta, da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), ambos da Fiocruz. A pesquisa, financiada pela Unesco e pelo Ministério da Saúde, ouviu cerca de 2.800 travestis e mulheres trans em doze capitais, entre 2016 e 2017, e teve como principal finalidade descrever o perfil sócio-demográfico e comportamental, os conhecimentos, atitudes e práticas relacionadas à infecção pelo HIV/Aids e demais IST (Infecções Sexualmente Transmissíveis), além de estimar as taxas de prevalência de HIV, sífilis e hepatite B e C para cada rede social acessada nestes municípios.

  6. Caminhada da Paz reúne centenas de pessoas em Manguinhos

    Centenas de pessoas participaram da Caminhada da Paz com Garantia de Direitos, no último domingo (20/8), na Rua Leopoldo Bulhões, em Manguinhos, no Rio de Janeiro. Conhecida como “Faixa de Gaza”, a região acumula registros de confronto entre polícia e traficantes, e margeia grande parte das 15 comunidades do Complexo de Manguinhos. O evento, que desde a primeira edição, em 2005, conta com apoio da Fiocruz, sofreu diversas modificações na programação, correndo o risco de cancelamento, em função das operações policiais que vinham ocorrendo na região. Parlamentares, imprensa nacional e internacional e coletivos de mídia independente acompanharam a manifestação.
     

  7. Seminário debate violência e saúde em periferias urbanas

    "Minha terra tem horrores que não encontro em outro lugar / A falta de segurança é tão grande que mal posso relaxar" - foram os versos de alunos de uma escola da rede pública da Penha que oficializaram a abertura do seminário Impacto da violência armada na saúde dos moradores de periferias urbanas, promovido pela Cooperação Social da Presidência da Fiocruz na terça-feira (27), no campus Manguinhos. O evento contou com apoio do Programa Institucional de Violência e Saúde, da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz), do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS/Fiocruz) e do Museu da Vida da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz). As pesquisadoras Adalgisa Peixoto e Fernanda Serpeloni, do Departamento de Estudos sobre Violência e Saúde Jorge Careli (Claves), da ENSP, participaram da primeira mesa do encontro.

  8. Produção científica crítica traz o debate da redução de danos em eventos, livros e artigos

    A megaoperação empreendida pela Prefeitura de São Paulo, em 21 de maio, na região central da capital paulistana, conhecida como Cracolândia, demonstrou o fortalecimento de práticas há muito condenadas por tratar o consumo de drogas como caso de polícia em vez de uma questão de saúde pública. A ação empreendida destruiu barracas montadas por usuários, usou balas de borracha e bombas de gás para dispersar a população de rua; invadiu e demoliu hotéis e estabelecimentos comerciais, inclusive ocupados por pessoas. Além do circo midiático, constituído por 38 pessoas detidas e de pequenas quantidades de drogas apreendidas, viu-se a disseminação dos usuários e de cenas de consumo para mais de 20 outros pontos do centro expandido, numa operação que não foi avisada a nenhum órgão de Direitos Humanos e foi omitida do Ministério Público e da Defensoria Pública. As ações empreendidas estiveram nos debates travados no Seminário Internacional: Cenários da Redução de Danos na América Latina, realizado na Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz) em 29 e 30 de maio no Rio de Janeiro. Após dois dias de intensos debates, foi aprovada a Carta de Manguinhos, que destaca que tais arbitrariedades como essas não são exclusivas do Brasil, e casos similares são encontrados em muitos lugares da América Latina. 

  9. Praça Pac Manguinhos: evento realiza mutirão no próximo sábado

    O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) realizou diferentes obras em Manguinhos, mas a atual situação política e econômica do Brasil e do Rio de Janeiro está comprometendo a manutenção e funcionamento de equipamentos como escolas, parques e bibliotecas. Com o objetivo de mobilizar autoridades, os moradores e trabalhadores do território, incluise da Fiocruz e dos bairros vizinhos, estarão reunidos em um mutirão para limpeza, pintura e pequenos consertos em Manguinhos, no sábado (25/3), às 8h30. 

  10. Praça Pac Manguinhos: evento realiza mutirão no próximo sábado

    O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) realizou diferentes obras em Manguinhos, mas a atual situação política e econômica do Brasil e do Rio de Janeiro está comprometendo a manutenção e funcionamento de equipamentos como escolas, parques e bibliotecas. Com o objetivo de mobilizar autoridades, os moradores e trabalhadores do território, incluise da Fiocruz e dos bairros vizinhos, estarão reunidos em um mutirão para limpeza, pintura e pequenos consertos em Manguinhos, no sábado (25/3), às 8h30.