1. Meninos de até 4 anos são os mais vulneráveis a intoxicações não intencionais no Rio

    Um estudo divulgado na última edição da revista Cadernos de Saúde Pública, que analisou informações sobre esses eventos registradas nos dois Centros de Controle de Intoxicações (CCIs) da cidade do Rio de Janeiro, mostra que meninos de até 4 anos de idade são a parte da população carioca mais vulnerável a intoxicações não intencionais, principal causa de atendimento de emergência pediátrica, sendo a via de exposição mais frequente a oral.

  2. Estudo destaca papel do Judiciário nos problemas gerados pelos planos de saúde

    Artigo assinado pelos pesquisadores Ligia Bahia e André Feijó Barroso, do Laboratório de Economia Política da Saúde da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e por Danielle Conte Alves, da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz, publicado no Cadernos de Saúde Pública, amplia a discussão sobre os problemas enfrentados pelos consumidores de planos de saúde e o papel do Judiciário a respeito da questão.

  3. Pesquisa revela situação real do atendimento as crianças menores de seis meses no Rio de Janeiro

    Passados quase dez anos, uma equipe de pesquisadores da ENSP volta a avaliar a qualidade da assistência prestada à criança nos primeiros seis meses de vida em unidades básicas do Sistema Único de Saúde (SUS), do município do Rio de Janeiro. O projeto, que conta com financiamento da Faperj (APQ1) e do Papes IV da Fiocruz, foi desenvolvido sob coordenação de Maria do Carmo Leal, Silvana Granado e Sônia Bittencourt, pesquisadoras do Departamento de Epidemiologia e Métodos Quantitativos em Saúde (ENSP/Fiocruz). Durante sete meses, 1.082 mães foram entrevistadas para uma avaliação sobre a estrutura dos serviços oferecidos quanto ao processo de atenção à saúde.

  4. Metodologia avalia problemas ambientais e seus impactos na saúde

    Integrar informação de qualidade e base científica que identifique e avalie problemas ambientais que impactam adversamente à saúde de comunidades/populações são os objetivos do projeto GEO Saúde. A metodologia é crucial para subsidiar os tomadores de decisão, orientando-os na formulação e implementação de ações capazes de prevenir, minimizar ou controlar tais problemas. O projeto, aplicado como um estudo piloto na Cidade de São Paulo, é apoiado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), sob a coordenação técnica da ENSP/Fiocruz.

  5. Oficina de artigos para pesquisadores: fórum para compartilhar experiências

    Em uma iniciativa inédita da Vice-direção de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico, apoiada pela Direção da Escola, os pesquisadores da ENSP participarão da I Oficina de Elaboração de Artigos Científicos, que acontecerá entre 1 e 5 de dezembro, em local a ser definido. Segundo a vice-diretora de Pesquisa, Margareth Portela, a idéia é promover condições favoráveis para que os pesquisadores finalizem seus artigos em desenvolvimento, contemplando um trabalho intensivo sobre textos e momentos de trocas com pares da própria Escola e externos com forte experiência editorial.

  6. CNPq começa o Censo da Pesquisa 2008

    O presidente do CNPq, Marco Antonio Zago, lançou o Censo da Pesquisa 2008. O censo apresenta o cenário atualizado da ciência brasileira a partir de informações dos grupos de pesquisa, sua distribuição geográfica, as linhas de pesquisa, bem como a produção científica, tecnológica e artística dos pesquisadores e estudantes.

  7. Promoção da saúde pode melhorar qualidade de vida dos idosos

    Condições de saúde e a incapacidade funcional dos idosos no Brasil em 2003 foi o tema da tese de doutorado em Saúde Pública, defendida na ENSP, no dia 25 de setembro, por Luciana Correia Alves. Orientada pelo pesquisador Iúri da Costa Leite, do Departamento de Epidemiologia e Métodos Quantitativos em Saúde (Demqs/ENSP) e por Carla Jorge Machado, da Universidade Federal de Minas Gerais, a pesquisa analisou, entre outros pontos, a influência dos fatores demográficos, socioeconômicos e de condições de saúde na incapacidade funcional dos idosos no Brasil. Confira a apresentação da defesa na Biblioteca Multimídia.

  8. Quedas interferem negativamente no processo de envelhecimento

    O efeito e as conseqüências das quedas na qualidade de vida dos idosos foram temas de um estudo realizado pelo Centro Latino-Americano de Estudos de Violência e Saúde Jorge Careli (Claves/ENSP/Fiocruz) em uma comunidade de baixa renda da cidade do Rio de Janeiro. A análise mostrou que há influência das quedas na qualidade de vida dos idosos estudados, e dentre as conseqüências mais citadas estão fraturas (24,3%), medo de cair (88,5%), abandono de atividades (26,9%), modificação de hábitos (23,1%) e imobilização (19%). Nesta quarta-feira (1/10), o Brasil comemora, pela primeira vez, o Dia Internacional da Pessoa Idosa com o Dia Nacional do Idoso, que, até 2006, era festejado em 27 de setembro.

  9. Projeto Mafalda: resultados mostram falhas no tratamento de malária no país

    Depois de dois anos de muito trabalho, a equipe coordenada pela pesquisadora da ENSP, Claudia Garcia Serpa Osorio de Castro, do Núcleo de Assistência Farmacêutica, encerra o projeto Mafalda com grandes motivos para comemorar. Os resultados preliminares do estudo serão apresentados na XI Reunião de Pesquisa em Malária, que ocorrerá em Manaus, de 25 a 29 de outubro deste ano, mas alguns números já comprovam o sucesso da iniciativa.