1. ENSP tem 19 projetos aprovados pelo CNPq, Faperj e Papes

    Ao longo do ano de 2014, a Escola Nacional de Saúde Pública teve 19 projetos contemplados em editais do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj) e do Programa de Apoio à Pesquisa Estratégica em Saúde (Papes VII - Fiocruz 2014). Os trabalhos aprovados envolvem estudos com a saúde do trabalhador, violência na infância e adolescência, violência homofóbica, tuberculose, melhoria do cuidado em maternidades, saúde nos eventos de massa, o estudo Elsa, dentre outros. "A aprovação desses projetos demonstra um reconhecimento da comunidade acadêmica, além de expressar a qualidade dos projetos da Escola, que passam por uma criteriosa avaliação para serem contemplados nesses editais públicos. Todo mérito deve ser dividido com a Vice-Direção de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico (VDPDT), que tem estimulado esse processo na Escola", disse o diretor da ENSP, Hermano Castro.

  2. Pesquisa e inovações tecnológicas como prioridades de Estado

    Estimular o acesso à tecnologia, à pesquisa e à inovação passa agora a integrar a lista de competências constitucionais comuns da União, dos estados e dos municípios. O Plenário do Senado aprovou, em primeiro e segundo turno por unanimidade, nesta quarta-feira (17), Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 12/2014, que altera vários dispositivos constitucionais para assegurar que a pesquisa e inovação tecnológicas sejam assunto prioritário de Estado.

  3. Artigo que avalia Ambiente Virtual de Aprendizagem recebe prêmio internacional

    Com uma estratégia inovadora, o artigo Assessment of the use of online communities to integrate educational processes development teams: an experience in popular health education in Brazil foi premiado na Conferência Internacional e-Learning 2014, em Lisboa, Portugal. Escrito pelos pesquisadores da ENSP Elomar Barilli, Stenio de Freitas Barreto, Carla Moura e Marco Antonio Menezes, ele trata do levantamento e análise quanti-qualitativa do uso de Ambientes Virtuais no Programa de Qualificação em Educação Popular em Saúde - uma iniciativa da Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa do Ministério da Saúde (Sgep/MS), em parceria com a ENSP e a Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz).

  4. Idosos são mais insatisfeitos com o corpo

    "Os homens idosos apresentaram elevada insatisfação com a sua imagem corporal (IC) por excesso de peso, apesar de mais baixa que a apresentada pelas mulheres idosas, e prevalência mais alta de insatisfação com a IC por baixo peso foi observada entre os idosos quando comparados às idosas". Essa é uma das conclusões a que chegou a aluna de mestrado em Epidemiologia em Saúde Pública da ENSP, Liliane da Silva Albuquerque, em sua pesquisa realizada com a população de base do Estudo ELSA-Brasil, que avaliou 15.105 funcionários públicos de seis instituições, distribuídas pelas regiões Sul, Sudeste e Nordeste do Brasil. O objetivo do trabalho foi analisar a associação entre a insatisfação com a IC e variáveis sociodemográficas, hábitos e comportamentos relacionados à saúde, segundo estratificação por sexo e por idade (adultos entre 35 e 59 anos e idosos entre 60 e 75 anos de idade). A orientação ficou a cargo da pesquisadora Maria de Jesus Mendes da Fonseca.

  5. Movimentos sociais e avaliação do PAC Favelas pautam debates na segunda (15/12)

    Na segunda-feira, 15 de dezembro, a Escola Nacional de Saúde Pública promoverá duas atividades abertas ao público. Para encerrar o ano letivo do curso de Especialização em Saúde Pública (o mais antigo da ENSP - há 58 anos na grade curricular), o Deputado Federal Chico Alencar (PSOL-RJ) ministrará a palestra Movimentos Sociais e Saúde no Rio de Janeiro, às 9 horas, na sala 111 da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio. Na segunda atividade do dia, o  Laboratório Territorial de Manguinhos (LTM) irá compartilhar os resultados da pesquisa sobre o PAC favelas, por meio do seminário de pesquisa Territórios em Movimento: Avaliação participativa do PAC Favelas – RJ na perspectiva da promoção da sáude e da justiça. O evento também acontece na Escola Politécnica, a partir das 13h30, no auditório Joaquim Cardoso de Melo.

  6. Políticas efetivas de controle do tabaco reduzem número de fumantes

    O Ministério da Saúde, a Fiocruz e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) lançaram, na quarta-feira (10/12), o primeiro volume da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS). A pesquisa apontou uma redução expressiva do número de fumantes. Ao comparar os dados da PNS, o Centro de Estudos sobre Tabaco e Saúde (Cetab/ENSP) observou que o percentual de fumantes adultos de 18 anos ou mais diminuiu. A Pesquisa Especial de Tabagismo (PETab), de 2008, indicava o percentual de 18,2% de fumantes adultos. Esse número caiu para 14,7% na análise da Pesquisa Nacional de Saúde. Para a coordenadora do Cetab, Valeska Figueiredo, a queda é resultado, principalmente, do avanço das políticas de controle do tabaco.

  7. LTM/ENSP compartilha resultados de pesquisa sobre PAC Favelas

    No dia 15 de dezembro, às 13h30, o Laboratório Territorial de Manguinhos (LTM) realizará o seminário de pesquisa Territórios em Movimento: Avaliação participativa do PAC Favelas – RJ na perspectiva da promoção da sáude e da justiça. O evento é organizado como atividade final de compartilhamento do conhecimento e informação e tem por objetivo sistematizar os resultados e elaborar um relatório final do projeto Políticas Públicas, Moradia, Saneamento e Mobilidade: uma análise participativa do PAC na perspectiva da promoção da saúde e da justiça ambiental, apoiado pelo edital CNPq/Ministério das Cidades de 2012. A atividade, marcada para o auditório da EPSJV/Fiocruz, é aberta aos interessados e não necessita de inscrição.

  8. Publicação enfoca próxima conferência de saúde do trabalhador

    A edição de dezembro de 2014 (vol.19 n.12) da Revista Ciência & Saúde Coletiva está disponível on-line, trazendo as questões a serem debatidas na 4ª Conferência Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora (4ª CNST) 2014, cujo lema é a implementação da Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora (PNST), e que ocorre de 15 a 18 de dezembro. De acordo com o editor convidado Carlos Minayo Gomez, essa Política responde à proposta que entidades representativas da sociedade civil e profissionais de saúde vinham almejando desde a I Conferência Nacional de Saúde do Trabalhador. No documento da PNST constam também os princípios, as diretrizes e as estratégias a serem observados pelas três esferas de gestão do SUS para o desenvolvimento da atenção integral à saúde do(a) trabalhador(a). O fascículo contempla a prioridade definida na PNST de fortalecer a VISAT e a sua integração com os demais componentes da Vigilância em Saúde, com vistas à promoção da saúde e de ambientes e processos de trabalho saudáveis.

  9. Unasul-Saúde propicia cooperação e integração regional

    A saúde integrada à União das Ações Sul-americanas (Unasul), conforme explicou o aluno do mestrado profissional em Saúde Pública da ENSP Wilson Neves, se apresenta como uma possibilidade de organização do bloco no sentido de melhorar o acesso da população aos serviços de saúde, à vigilância epidemiológica, à medicamentos e ao desenvolvimento de recursos humanos pautados pelos determinantes sociais. De acordo com ele, a institucionalidade elaborada pelos dirigentes da Unasul e da Unasul-Saúde contribuiu para que fossem criados meios, instâncias e equipes técnicas que proporcionassem um diálogo crescente, integrado e permanente, sendo possível, assim, difundir um sentimento de cooperação e de integração entre os Estados sul-americanos. 

  10. HIV/Aids: estratégias devem ser voltadas para redução das vulnerabilidades

    O dia 1º de dezembro marca a luta internacional contra a Aids. No Brasil, a doença atinge 734 mil pessoas, de acordo com o último Boletim Epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde. O país chega a 2014 com 29% a mais de pessoas em tratamento com antirretrovirais pelo SUS, na comparação com 2013. Isso representa cerca de 400 mil pessoas em terapia com estes medicamentos, somente este ano. Segundo a pesquisadora do Departamento de Ciências Sociais da ENSP Monica Malta a estratégia de tratamento como prevenção foi considerada pela Revista Science a descoberta do ano em 2011. No entanto, é uma estratégia controversa e que tem sido criticada por Organizações Não Governamentais, ativistas pelos direitos humanos e pesquisadores, por incluir pontos positivos e negativos.