1. Saúde Ambiental: ENSP e instituto cubano assinam plano de trabalho

    A Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca e o Instituto Nacional de Higiene, Epidemiologia e Microbiologia de Cuba (Inhem) assinaram um plano de trabalho em Saúde Ambiental para o biênio 2017/2018. O acordo foi firmado em novembro de 2016 na ENSP, com a presença do vice-diretor do Inhem, Adolfo Perez. Além desse plano de trabalho, foi discutida a participação de profissionais cubanos no III Colóquio Brasil-Cuba de Formação em Saúde Pública e, ainda, a realização de um seminário satélite que vai ao encontro do tema saúde ambiental. 

  2. Saúde Ambiental: ENSP e instituto cubano assinam plano de trabalho

    A Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca e o Instituto Nacional de Higiene, Epidemiologia e Microbiologia de Cuba (Inhem) assinaram um plano de trabalho em Saúde Ambiental para o biênio 2017/2018. O acordo foi firmado em novembro de 2016 na ENSP, com a presença do vice-diretor do Inhem, Adolfo Perez. Além desse plano de trabalho, foi discutida a participação de profissionais cubanos no III Colóquio Brasil-Cuba de Formação em Saúde Pública e, ainda, a realização de um seminário satélite que vai ao encontro do tema saúde ambiental. 

  3. O que você faz para obter informação sobre saúde?

    Foi com esse questionamento que o pesquisador da ENSP e coordenador do Laboratório Internet, Saúde e Sociedade (Laiss), André Pereira, iniciou a apresentação do Selo Sergio Arouca de Qualidade da Informação em Saúde na Internet, conferido ao blog Tuberculose: Circulando a Informação, vinculado ao Programa Nacional de Controle da Tuberculose (PNCT), do Ministério da Saúde. Em todas as vertentes, a resposta obtida foi a mesma, seja nas pesquisas realizadas, conversas informais e até mesmo da plateia presente ao encontro: utilizar um buscador de informações na internet. Segundo ele, isso confere ao usuário da rede grande empoderamento. No entanto, a enorme quantidade de informações também pode representar um risco. Afinal, como saber qual é confiável? Durante o evento, também foi lançado o livro Qualidade da Informação em Sites de Tuberculose: Análise da Segunda Experiência Inovadora, uma iniciativa do Laiss/CSEGSF/ENSP, disponível para download. Assista, na íntegra, as apresentações desse encontro no canal da ENSP, no youtube. 

  4. Regionalização e conformação de Redes pautaram seminário na ENSP

    Ao final de 2016, o Departamento de Administração e Planejamento em Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública (Daps/ENSP) organizou o seminário Desafios da Regionalização e Conformação de Redes de Atenção em Contexto de Desigualdades Territoriais. A atividade reuniu pesquisadores da ENSP e outras instituições de ensino e pesquisa que debateram, entre outros assuntos, desigualdade e fragmentação de políticas e sistemas de saúde, desigualdade e diversidade territorial, desafios de governança regional no SUS, além de desafios da integração na atenção básica. O primeiro dia do evento, 12 de dezembro, contou com a participação de Asa Cristina Laurell, umas das pesquisadoras mais representativas da corrente da medicina social latino-americana, que apresentou uma reflexão sobre as redes de atenção nos sistemas de saúde latino-americanos. 

  5. Seminário abordou os desafios da integração de políticas, serviços e práticas

    Ao dar continuidade ao Seminário Desafios da regionalização e conformação de redes de atenção em contexto de crise e de desigualdades territoriais, o segundo dia de debates aprofundou discussões acerca das políticas públicas voltadas ao Sistema Único de Saúde (SUS), assim como tratou dos desafios da integração regional de políticas, serviços e práticas. Um dos palestrantes do evento, o presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), Gastão Wagner, expôs uma série de dificuldades do SUS e comentou que, em uma proposta de superação, todas essas questões devem ser enfrentadas. O encontro contou, ainda, com a apresentação de mais cinco pesquisadores. Todas as palestras estão disponíveis, na íntegra, no canal da ENSP, no youtube. Assista. 

  6. Número de ciclistas acidentados no trânsito ultrapassa 10% do total de atendidos em emergência no país

    O Brasil possui a sexta maior frota de bicicletas do mundo, sendo o veículo de transporte individual mais utilizado no país. São aproximadamente 48 milhões de bicicletas, ficando o Brasil atrás apenas de China, Índia, Estados Unidos da América, Japão e Alemanha. As bicicletas dividem com o modo pedestre a maioria dos deslocamentos normais de 90% do total de municípios brasileiros. Apesar dessa realidade, a infraestrutura necessária para o uso das bicicletas no país não está disponível em todos os locais. Poucos estudos, porém, abordam a temática envolvendo os acidentes com ciclistas, bem como os fatores que colaboram ou evitam essa ocorrência. Menos ainda se sabe sobre acidentes de trânsito envolvendo ciclistas, apesar de serem frequentes em vários países, causando mortes e incapacidades, principalmente em crianças e adultos jovens. Sobre o tema, os pesquisadores da ENSP Carlos Augusto Moreira de Sousa e Patrícia Constantino; e Camila Alves Bahia, da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, produziram o artigo Análise dos fatores associados aos acidentes de trânsito envolvendo ciclistas atendidos nas capitais brasileiras, em que apontam o fato de que, em 86 serviços de urgência e emergência do Brasil, foram contabilizados 55.950 atendimentos em 2014, e os acidentes configuram 15.499 deles, dos quais 1.652 referem-se aos ciclistas, representando 10,7% do total por tipo de transporte.

  7. Regionalização e conformação de Redes pautaram seminário na ENSP

    Ao final de 2016, o Departamento de Administração e Planejamento em Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública (Daps/ENSP) organizou o seminário Desafios da Regionalização e Conformação de Redes de Atenção em Contexto de Desigualdades Territoriais. A atividade reuniu pesquisadores da ENSP e outras instituições de ensino e pesquisa que debateram, entre outros assuntos, desigualdade e fragmentação de políticas e sistemas de saúde, desigualdade e diversidade territorial, desafios de governança regional no SUS, além de desafios da integração na atenção básica. O primeiro dia do evento, 12 de dezembro, contou com a participação de Asa Cristina Laurell, umas das pesquisadoras mais representativas da corrente da medicina social latino-americana, que apresentou uma reflexão sobre as redes de atenção nos sistemas de saúde latino-americanos. 

  8. Seminário abordou os desafios da integração de políticas, serviços e práticas

    Ao dar continuidade ao Seminário Desafios da regionalização e conformação de redes de atenção em contexto de crise e de desigualdades territoriais, o segundo dia de debates aprofundou discussões acerca das políticas públicas voltadas ao Sistema Único de Saúde (SUS), assim como tratou dos desafios da integração regional de políticas, serviços e práticas. Um dos palestrantes do evento, o presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), Gastão Wagner, expôs uma série de dificuldades do SUS e comentou que, em uma proposta de superação, todas essas questões devem ser enfrentadas. O encontro contou, ainda, com a apresentação de mais cinco pesquisadores. Todas as palestras estão disponíveis, na íntegra, no canal da ENSP, no youtube. Assista. 

  9. Número de ciclistas acidentados no trânsito ultrapassa 10% do total de atendidos em emergência no país

    O Brasil possui a sexta maior frota de bicicletas do mundo, sendo o veículo de transporte individual mais utilizado no país. São aproximadamente 48 milhões de bicicletas, ficando o Brasil atrás apenas de China, Índia, Estados Unidos da América, Japão e Alemanha. As bicicletas dividem com o modo pedestre a maioria dos deslocamentos normais de 90% do total de municípios brasileiros. Apesar dessa realidade, a infraestrutura necessária para o uso das bicicletas no país não está disponível em todos os locais. Poucos estudos, porém, abordam a temática envolvendo os acidentes com ciclistas, bem como os fatores que colaboram ou evitam essa ocorrência. Menos ainda se sabe sobre acidentes de trânsito envolvendo ciclistas, apesar de serem frequentes em vários países, causando mortes e incapacidades, principalmente em crianças e adultos jovens. Sobre o tema, os pesquisadores da ENSP Carlos Augusto Moreira de Sousa e Patrícia Constantino; e Camila Alves Bahia, da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, produziram o artigo Análise dos fatores associados aos acidentes de trânsito envolvendo ciclistas atendidos nas capitais brasileiras, em que apontam o fato de que, em 86 serviços de urgência e emergência do Brasil, foram contabilizados 55.950 atendimentos em 2014, e os acidentes configuram 15.499 deles, dos quais 1.652 referem-se aos ciclistas, representando 10,7% do total por tipo de transporte.

  10. Regionalização e conformação de Redes pautaram seminário na ENSP

    Ao final de 2016, o Departamento de Administração e Planejamento em Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública (Daps/ENSP) organizou o seminário Desafios da Regionalização e Conformação de Redes de Atenção em Contexto de Desigualdades Territoriais. A atividade reuniu pesquisadores da ENSP e outras instituições de ensino e pesquisa que debateram, entre outros assuntos, desigualdade e fragmentação de políticas e sistemas de saúde, desigualdade e diversidade territorial, desafios de governança regional no SUS, além de desafios da integração na atenção básica. O primeiro dia do evento, 12 de dezembro, contou com a participação de Asa Cristina Laurell, umas das pesquisadoras mais representativas da corrente da medicina social latino-americana, que apresentou uma reflexão sobre as redes de atenção nos sistemas de saúde latino-americanos.