1. ENSP debaterá, em 24/11, os critérios de avaliação da Capes

    O que temos a dizer sobre os critérios de avaliação da pós-graduação stricto sensu adotados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes)? Quais contribuições a Escola pode apresentar para este debate? Estimulada pela pertinência dessa questão e com o objetivo de aprofundar a discussão acerca do tema e buscar o diálogo com as instituições parceiras, a comunidade ENSP se reunirá no dia 24 de novembro, às 13h30, no salão internacional da Escola. A atividade é o segundo encontro promovido pela Vice-Direção de Pós-Graduação da ENSP com o objetivo de debater os critérios de avaliação da Capes. O primeiro deles aconteceu no dia 7 de novembro. Os encontros são abertos aos interessados, em especial aos docentes, pesquisadores e estudantes da ENSP.

  2. Desafios da Epidemiologia é tema da nova edição do 'Cadernos de Saúde Pública'

    Está disponível a edição de outubro de 2014 da revista Cadernos de Saúde Pública (vol.30 n°10), que aborda a recente realização do IX Congresso Brasileiro de Epidemiologia em Vitória, Espírito Santo (EpiVix 2014), evento que refletiu sobre o desenvolvimento da epidemiologia brasileira e seus desafios. "O EpiVix se destacou na tarefa de valorizar a história dos congressos de epidemiologia, prestando as devidas honras aos que se dedicaram a organizar os congressos anteriores dos quais este é legítimo subsidiário. Foi um marco para a epidemiologia brasileira", relata o editor associado, Guilherme Werneck, no editorial da revista. 

  3. ENSP e Johns Hopkins estabelecem parceira para intercâmbio docente e discente

    Considerada a melhor Escola de Saúde Pública do mundo, a Bloomberg School of Public Health da Johns Hopkins University, em Baltimore - EUA, recebeu em visita oficial o vice-diretor de Escola de Governo da ENSP, Frederico Peres. À convite da Universidade Americana, Frederico Peres se reuniu com chefes de diversos departamentos da Bloomberg School of Public Health, e também com o vice-diretor da Escola, Stephen J. Gange. Na ocasião foram discutidas áreas de interesse comum de cooperação entre as Escolas, em especial a colaboração em pesquisas, o intercâmbio docente e discente, a oferta conjunta de cursos de curta duração, além da realização de seminários.

  4. Publicação aborda intersetorialidade e promoção da saúde

    edição de novembro de 2014 (vol.19 n.11) da revista Ciência e Saúde Coletiva está disponível on-line. Com o tema Intersetorialidade e a Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS), esse número contém os resultados da mais importante pesquisa avaliativa até hoje realizada sobre a PNPS e sua articulação com outras políticas de saúde como a Estratégia Saúde da Família e com programas sociais. É feito um balanço da execução da PNPS no período de 2006, quando foi aprovada essa Política, até o momento presente (2014) nas cinco regiões do país. Desse estudo participaram todos os atores responsáveis pela sua implementação: governo, trabalhadores dos serviços de saúde, conselheiros de saúde, representantes dos movimentos sociais, pesquisadores e usuários. Os resultados foram sistematizados com auxílio de uma matriz de análise organizada em torno de objetivos, princípios, diretrizes, temas e ações. A seguir, estão os artigos desenvolvidos com a colaboração de pesquisadores da ENSP.

  5. Pesquisa analisa Unidades de Pronto Atendimento no Rio de Janeiro

    O estudo sobre as Unidades de Pronto Atendimento (UPA) no estado do Rio de Janeiro (RJ) pautou a última sessão científica do Departamento de Administração e Planejamento em Saúde (Daps/Ensp), realizada no dia 5 de novembro. O trabalho, coordenado por Luciana Dias de Lima e conduzido por pesquisadores e alunos do grupo Estado, Proteção Social e Políticas de Saúde da ENSP, teve como objetivo analisar a formulação e implementação da política relacionada às UPA, no período de 2007 a 2013, além de avaliar a organização e funcionamento das unidades, levando em consideração sua relação com outros serviços da rede de atenção às urgências no estado. De acordo com o estudo, a inexistência de vagas em hospitais foi considerada, para 95% dos entrevistados, como o motivo principal para a permanência dos pacientes por mais de 24 horas nas Unidades.

  6. ENSP debate critérios de avaliação da Capes nesta sexta-feira (7/11)

    O que temos a dizer sobre os critérios de avaliação da pós-graduação stricto sensu adotados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes)? Quais contribuições a Escola pode apresentar para este debate? Estimulada pela pertinência dessa questão e com o objetivo de aprofundar a discussão acerca do tema e buscar o diálogo com as instituições parceiras, a comunidade ENSP se reunirá no dia 7 de novembro, às 13h30, na sala 32 do Centro de Estudos em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP) e no dia 24 de novembro, também às 13h30, no salão internacional da Escola. Os encontros são abertos aos interessados, em especial aos docentes, pesquisadores e estudantes da ENSP.

  7. Rede Saúde Manguinhos promove oficinas de trabalho

    Nesta semana, o Projeto Rede Saúde Manguinhos - uma parceria do Programa de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica em Saúde Pública da Vice-Presidência de Pesquisa e Laboratórios de Referência (PDTSP/VPPLR) com a Vice-Direção de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da ENSP está realizando diversas atividades no âmbito do Ciclo de Oficinas de Trabalho de Rede Saúde Manguinhos.

  8. ENSP debate critérios de avaliação da Capes nesta sexta-feira (7/11)

    O que temos a dizer sobre os critérios de avaliação da pós-graduação stricto sensu adotados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes)? Quais contribuições a Escola pode apresentar para este debate? Estimulada pela pertinência dessa questão e com o objetivo de aprofundar a discussão acerca do tema e buscar o diálogo com as instituições parceiras, a comunidade ENSP se reunirá no dia 7 de novembro, às 13h30, na sala 32 do Centro de Estudos em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana (Cesteh/ENSP) e no dia 24 de novembro, também às 13h30, no salão internacional da Escola. Os encontros são abertos aos interessados, em especial aos docentes, pesquisadores e estudantes da ENSP.

  9. Exposição a agrotóxicos pode causar distúrbios reprodutivos

    Um estudo elaborado pelo aluno de doutorado em Saúde Pública e Meio Ambiente da ENSP Cleber Cremonese observou que grande parte dos agrotóxicos apresenta capacidade de desregulação do sistema endócrino humano, o que altera os níveis de hormônios sexuais e causa efeitos adversos, principalmente sobre o sistema reprodutor. Câncer de mama e ovário, desregulação de ciclo menstrual, câncer de testículo e próstata, infertilidade, declínio da qualidade seminal e malformação de órgãos reprodutivos são alguns dos exemplos dessas complicações. Segundo Cleber, com o aumento do consumo nacional de agrotóxicos, tanto no agronegócio como na agricultura familiar, crescem as evidências de que a utilização destas substâncias não está apenas relacionada especificamente à produção agrícola, mas se transforma em um problema de saúde pública.
     
     

  10. 'Parto normal é a preferência de 85% das mulheres no mundo'

    "A cesarianas acarretam alto custo para os sistemas de saúde no mundo, e somente 15% das mulheres preferem esse tipo de parto". A constatação é do médico obstetra José Belizán, que participou da mesa Cesariana e intervenções obstétricas sobre a mulher e os recém-nascidos, realizada no último dia da Ecos da 9th International Research Conference - Normal é natural: da pesquisa à ação, dia 16 de outubro. "Podemos dizer claramente que as mulheres em todo o mundo preferem o parto vaginal. E preferem por quê? Principalmente por causa da rápida recuperação. A mulher é um membro muito importante para toda família e ter uma reabilitação imediata no pós-parto faz diferença", explicou o palestrante.