1. Pesquisa analisa regulação em derivados do tabaco

    A OMS considera o tabagismo uma doença pediátrica pois 90% dos fumantes começam a fumar antes dos 19 anos e quanto mais cedo iniciam o uso do tabaco, mais rápido se tornam dependentes. Uma das estratégias praticadas pela indústria para atrair os jovens é a utilização de aditivos que conferem aroma e sabor aos produtos derivados do tabaco, com o intuito de torná-los mais atraentes e palatáveis. Neste contexto, a Anvisa proibiu o uso desses aditivos, com o objetivo de reduzir a experimentação e iniciação por crianças e jovens. Para compreender e relatar o processo de proibição dos aditivos nos produtos derivados do tabaco no Brasil, as pesquisadoras do Centro de Estudos sobre Tabaco e Saúde (Cetab/ENSP), Vera da Costa e Silva, Silvana Rubano Turci e Valeska Carvalho Figueiredo, desenvolveram um artigo que aponta que indústria do tabaco tem procurado ao máximo adiar a entrada em vigor da Resolução da Anvisa que proíbe os aditivos no país.

  2. Livro auxilia políticas sobre infância e juventude

    Para subsidiar o planejamento de ações do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), o Centro Latino Americano de Estudos de Violência e Saúde Jorge Careli (Claves/ENSP) lançou o livro Levantamento nacional de crianças e adolescentes em serviços de acolhimento. A publicação é resultado de uma pesquisa que atende aos compromissos assumidos pelo MDS no âmbito do Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária, o qual determina um conjunto de ações voltadas para o reordenamento da rede de abrigos e a reinserção familiar das crianças e adolescentes acolhidas nesses serviços. 

  3. Pesquisa avalia alimentação de adolescentes

    Avaliar a validade dos indicadores de práticas alimentares do questionário utilizado na Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) entre adolescentes da cidade do Rio de Janeiro foi o foco do artigo assinado, em parceria com outros autores, pela pesquisadora do Departamento de Epidemiologia da ENSP Letícia de Oliveira Cardoso. Foram estudados 174 alunos, dos quais 54% eram do sexo feminino, e 67,2% estudavam em escola pública. A faixa etária do grupo pesquisado variou de 13 a 17 anos. Os indicadores avaliados pelo estudo são a ingestão regular dos alimentos marcadores de alimentação saudável, marcadores de alimentação não saudável e as rotinas alimentares - refeição com responsável, desjejum e comer enquanto estuda ou assiste à TV. Entre os meninos, estão os maiores índices de acurácia em 12 dos 18 indicadores estudados.

  4. Artigo associa mortes súbitas ao uso do sildenafil

    "Será que estamos assistindo a um surto silencioso de morte súbita de homens associada ao uso de sildenafil, medicamento usado para disfunção erétil?" O questionamento foi tema de um artigo, intitulado Risco de alta potência, publicado na edição desta segunda-feira (30/6), do jornal O Globo. Assinado pelos pesquisadores da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/Fiocruz), Suely Rosenfeld e Álvaro Nascimento, o texto alerta para os relatos de morte súbita em motéis, cujas vítimas possuíam, entre seus pertences, medicamentos com a substância sildenafil. "A aparente ocorrência de aumento de casos de morte súbita de homens em uso do sildenafil - paralelo ao extraordinário crescimento das vendas no país, de dois milhões de unidades/ano para 30 milhões, com o fim da vigência de sua patente - merece investigação de caráter público", advertem os pesquisadores.

  5. Estudo atenta para obesidade de indígenas Xavante

    A obesidade é um problema de saúde entre adultos indígenas Xavante do Mato Grosso, sendo associada a fatores socioeconômicos e padrões de subsistência e consumo alimentar. A informação vem da pesquisa do aluno do doutorado em Epidemiologia em Saúde Pública, Felipe Guimarães Tavares. Dela, participaram 479 indígenas (homens e mulheres), sendo que mais da metade da população apresentava excesso de peso (sobrepeso: 43,0%; obesidade 20,9%), correspondendo a 92,4% da população alvo. "Entre os povos indígenas no Brasil, a emergência de obesidade tem sido associada a mudanças nos padrões de alimentação, de atividade física e de exposição a determinantes sociais da saúde, em geral relacionados à história de contato com sociedades não indígenas", observa Tavares.

  6. Livro apresenta experiências da atenção básica no país

    A experiência brasileira com o modelo de atenção voltado à Estratégia Saúde da Família tem proporcionado avanços importantes na ampliação do acesso aos serviços de saúde. Com a proposta de explorar conteúdos que podem funcionar como cenários descortinados por quem esteve in loco observando a realidade, tornando-se úteis para a melhor compreensão dos contornos dos resultados da avaliação da atenção básica, foi lançado o livro Rotas da Atenção Básica no Brasil: Experiências do Trabalho de Campo Pmaq AB. A obra, publicada em versão eletrônica, está disponível para download na Biblioteca Multimídia da ENSP. 

  7. Livro sobre segurança alimentar e nutricional disponível para download

    O livro Segurança Alimentar e Nutricional na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa: Desafios e Perspectivas, lançado nesta segunda-feira, 9/6, na Fiocruz, está disponível na versão digital. A publicação é fruto de parceria entre o Centro de Relações Internacionais em Saúde (Cris/Fiocruz) e o Instituto de Higiene e Medicina Tropical (IHMT) da Universidade Nova de Lisboa. A pesquisadora do Departamento de Ciências Sociais da ENSP, Rosana Magalhães é uma das autoras do livro e participou também da sua organização.

  8. Pesquisa aborda o cuidado em situações-limite

    O trabalho humanitário da organização não governamental Médicos Sem Fronteiras e a emergência de um hospital público no município do Rio de Janeiro foram os campos de pesquisa da aluna do doutorado em Saúde Pública da ENSP Luciana Bicalho Cavanellas. Para ela, os desafios impostos por contextos críticos e complexos, onde limites e riscos são permanentemente confrontados, tornam o trabalho mais exigente, expondo a vulnerabilidade dos pacientes, dos trabalhadores e das organizações, mas também sua capacidade de superação, enfrentamento e criação. A tese foi orientada pela pesquisadora da Escola Jussara Cruz de Brito.

  9. Estudo defende Bioética de proteção do paciente idoso

    "Os procedimentos em relação aos pacientes idosos no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) tendem a ser executados, sem discussão, com os enfermos e com os responsáveis, os quais têm estado alheios à maioria das decisões e acolhem aquelas tomadas pelos médicos de forma autoritária." A observação é da aluna do doutorado em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva, Edna Estelita Costa Freitas. De acordo com ela, vem aumentando rapidamente o número de pacientes idosos com demência - inclusive em grau avançado - necessitando, com isso, de cuidados no Centro de Tratamento Intensivo. A partir disso, seu estudo buscou desenvolver a Bioética de Proteção (BP) como modelo de tomada de decisão moral na medicina clínica em relação ao paciente idoso vulnerado.