Fiocruz analisa condições de trabalho dos profissionais de saúde na linha de frente da Covid-19

Publicada em
 
 
 

Pesquisa abarcará cerca de 1 milhão de profissionais de saúde que atuam no combate à pandemia
 
A Fiocruz quer entender como a dinâmica de trabalho afeta a vida, o corpo e a saúde física e emocional dos profissionais de saúde que atuam diretamente na assistência e no combate à Covid-19. Para isso, lançou a pesquisa nacional “Condições de Trabalho dos Profissionais de Saúde no Contexto da Covid-19 no Brasil”, cujo objetivo é analisar e compreender a realidade de vida e trabalho dos profissionais da equipe de saúde que atuam na linha de frente da pandemia. De acordo com o Boletim Epidemiológico Especial nº 24 do Ministério da Saúde, até o dia 25 de julho, foram registrados 216.367 casos de Covid-19 em profissionais de saúde de todo o país, com 189 óbitos. O link da pesquisa está disponível no site da Fiocruz.
 
O estudo liderado pela Fundação Oswaldo Cruz permiritá conhecer a realidade das condições de trabalho dos profissionais na linha de frente da Covid-19. O objetivo é compreender o ambiente de trabalho, a jornada, o vínculo institucional, a vida do profissional na pré-pandemia e as consequências do atual processo de trabalho, envolvendo aspectos físicos, emocionais e psiquícos desse contingente de trabalhadores. A pesquisa tem apoio do Conselho Federal de Enfermagem, do Conselho Federal de Medicina, do Conass, Conasems e diversas instituições e entidades nacionais,
 
“Mesmo diante de um cenário de pandemia, observamos denúncias e relatos de profissionais que estão em situação de precarização do vínculo de trabalho, salários atrasados, insegurança e sobrecarga de trabalho que geram stress, adoecimento e desgastes físicos e psíquicos. Conhecer a realidade desse profissional contribuirá para o direcionamento de ações, estratégias e políticas públicas que promovam a melhoria das condições de trabalho das categorias atuantes no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. A participação dos profissionais é muito importante para delinearmos o cenário atual”, afirma a pesquisadora da Fiocruz Maria Helena Machado, coordenadora do estudo.
 
As categorias profissionais com maiores registros  dentre os casos confirmados de Síndrome Gripal por Covid-19 foram técnicos e auxiliares de enfermagem (74.323), seguidos dos enfermeiros (31.710), médicos (23.659), agentes comunitários de saúde (10.380) e recepcionistas de unidades de saúde (9.385). Quanto aos óbitos, a distribuição foi da seguinte forma: técnicos e auxiliares de enfermagem (71), médicos (41) e enfermeiros (20). 
 
O questionário deve ser respondido on-line e leva de 10 a 15 minutos para ser totalmente preenchido. A identidade do participante será preservada.
 
Contexto da Pesquisa
 
O Brasil conta hoje com um robusto sistema de saúde. O SUS, com mais de 200 mil estabelecimentos de saúde (ambulatorial ou hospitalar), possui cerca de 430 mil leitos e emprega diretamente mais de 3 milhões e 500 mil profissionais da saúde, sendo 2 milhões de médicos e profissionais que compõem a equipe de enfermagem. Na linha de frente do combate à Covid-19, o universo da pesquisa abarca mais de 1 milhão de profissionais entre médicos (intensivista, infectologista, pneumologista, radiologista, clínico, cirurgião geral, anestesista, patologista, generalistas), a equipe de enfermagem (enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem), fisioterapeutas, farmacêuticos, nutricionistas, psicólogos, odontólogos, técnicos de saúde, agentes de saúde, auxiliares de saúde e pessoal de apoio, que estão no atendimento da atenção primária em saúde e na rede hospitalar de referência em Covid-19 em todo o país.
 
Na Fiocruz, a pesquisa é conduzida pela Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Ensp) e pelo Centro de Estudos Estratégicos (CEE), com parceria do Instituto Aggeu Magalhães (IAM) e do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict). 

 
Além das entidades profissionais - Conselho Federal de Enfermagem e Conselho Federal de Medicina -, outras instituições também são coparticipantes do estudo: Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro (SinMed-RJ); Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Federal do Pará (ICS/UFPA); Núcleo de Educação em Saúde Coletiva da Universidade Federal de Minas Gerais (Nescon/UFMG); Universidade Federal do Amazonas (Ufam); Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais (Feluma); Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA/CE); Sociedade Brasileira para a Qualidade do Cuidado e Segurança do Paciente (Sobrasp). Conta ainda com o apoio do Conass, Conasems, Associação Brasileira de Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva (Assobrafir), Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 9ª Região (Crefito-9), Associação Brasileira de Medicina de Urgência (Abramurgem), Sindicato dos Médicos de Minas Gerais (Sinmed-MG), Academia de Ciências Farmacêuticas do Brasil/Academia Nacional de Farmácia (ACFB/ANF), Internacional de Serviços Públicos (ISP-Brasil), Rede Brasileira de Pesquisas em Tuberculose (Rede-TB), Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes). 
 
A pesquisa Condições de Trabalho dos Profissionais de Saúde no Contexto da Covid-19 no Brasil tem financiamento do Edital Inova Covid-19, promovido pelas Vice-Presidências de Produção e Inovação em Saúde (VPPIS), Pesquisa e Coleções Biológicas (VPPCB) e Gestão e Desenvolvimento Institucional (VPGDI) da Fundação Oswaldo Cruz. O objetivo é apoiar propostas de geração do conhecimento nas áreas definidas pela Fiocruz como prioritárias para a pandemia da Covid-19, visando acúmulo de conhecimento necessários ao entendimento da doença em seus diversos aspectos.
 
Link da pesquisa: www.bit.ly/PesquisaFiocruz

 

Nenhum comentário para "Fiocruz analisa condições de trabalho dos profissionais de saúde na linha de frente da Covid-19"

Ninguém ainda comentou esta matéria. Seja o primeiro!

comente esta matéria

Utilize o formulário abaixo para se logar.